Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Bolsa brasileira segue mau humor no exterior e cai 1,5%; dólar sobe a R$ 3,12

Terça, 7/2/2017 7:43.

(FOLHAPRESS) - A Bolsa brasileira refletiu o aumento da aversão a risco no exterior e recuou nesta segunda-feira (6), enquanto o dólar registrou leve alta e encerrou o dia cotado a R$ 3,12. O dia foi marcado pelo aumento da preocupação dos investidores com eleições na Europa e com o protecionismo nos Estados Unidos.

O Ibovespa teve queda de 1,48%, para 63.992 pontos. O volume financeiro negociado no pregão foi de R$ 6,35 bilhões, levemente abaixo da média diária no ano, que é de R$ 6,99 bilhões.

A desvalorização da Bolsa brasileira acompanhou a queda dos mercados na Europa e nos Estados Unidos, causada pela preocupação dos investidores com as eleições na Europa -em especial na França, onde a líder da extrema-direita no país, Marine Le Pen, apareceu na primeira colocação em pesquisas de intenção de voto

Le Pen, que se lançou candidata neste domingo (5), possui um discurso nacionalista e anti-imigração semelhante ao do recém-empossado presidente americano, Donald Trump. Ela já afirmou que pretende realizar um referendo para definir se a França continua ou não na União Europeia, a exemplo do que o Reino Unido fez no ano passado e que determinou a saída do país do bloco europeu.

Os investidores também monitoram as políticas de Trump, após a Justiça americana impor nova derrota ao presidente americano ao manter liminar que derruba o decreto do republicano que veta a entrada de cidadãos de sete países de maioria islâmica, anunciado em 27 de janeiro.

"Há uma dúvida sobre quais políticas serão adotadas pelo novo governo dos Estados Unidos e qual o impacto na economia como um todo. Está se falando muita coisa, mas nada foi colocado em prática", afirma Marcio Cardoso, sócio-diretor da corretora Easynvest.

Aqui, as ações de Petrobras, Vale e bancos pesaram sobre o índice. Os papéis preferenciais da Petrobras caíram 2,48%, para R$ 14,96. As ações ordinárias tiveram queda de 2,26%, para R$ 15,97. As ações da estatal acompanharam a desvalorização dos preços do petróleo no exterior.

O barril do Brent, de Londres, recuou 1,78%, para US$ 55,80. O barril do WTI, de Nova York, teve queda de 1,39%, para US$ 53,08.

Os papéis preferenciais da Vale recuaram 1,41%, para R$ 28,60, e as ações ordinárias caíram 2,25%, para R$ 29,92. A mineradora informou que vai lançar papéis no exterior e usar o dinheiro para pagar títulos já emitidos e que vencem em março de 2018.

A empresa também prevê uma baixa contábil de US$ 1,2 bilhão com a venda de ativos de fertilizantes realizada no fim do ano, o que pode deixar em segundo plano o impacto positivo de preços mais altos do minério de ferro nos resultados líquidos da companhia.

As ações do setor financeiro fecharam o dia com desvalorização. Os papéis do Itaú recuaram 0,73%. As ações preferenciais do Bradesco perderam 2,07% e as ordinárias fecharam com queda de 2,03%. Os papéis do Banco do Brasil tiveram baixa de 2,49% e as units -conjunto de ações&#- do Santander Brasil caíram 1,21%.

DÓLAR

O dólar fechou em alta em relação ao real. O dólar à vista subiu 0,31%, para R$ 3,122. O dólar comercial teve alta de 0,06%, para R$ 3,126. Das 31 principais divisas internacionais, 19 perderam força em relação ao dólar nesta sessão.

Para Mauricio Nakahodo, economista do Mitsubishi UFJ Financial Group -holding do Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil-, a tendência do real ainda é de se valorizar em relação ao dólar, principalmente pela perspectiva de entrada de recursos no país devido à captação de empresas brasileiras no exterior. Além da Vale, recentemente Embraer, Petrobras e JBS anunciaram emissões lá fora.

No cenário político, as notícias também ajudam na valorização do real. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, sinalizou que vai trabalhar para aprovar a reforma de Previdência na Casa até junho. 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,1173 / R$ 3,1179 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,124 / R$ 3,126 *
Turismo - R$ 3,020 / R$ 3,220

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: 0,06%

OURO BM&F
R$ 123,200

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: -1,48%
Pontos: 63.992
Volume financeiro: R$ 6,35 bilhões
Maiores altas: Multiplan ON N2 (1,97%), Rumo LOG ON NM (1,94%), Braskem PNA N1 (1,49%)
Maiores baixas: Cemig PN N1, Localiza ON NM (-3,95%), Sid Nacional ON (-3,89%)

Dow Jones (Nova York): -0,09%
Nasdaq (Nova York): -0,06%
CAC 40 (Paris): -0,98%
Dax 30 (Frankfurt): -1,22%
Financial 100 (Londres): -0,22%
Nikkei 225 (Tóquio): 0,31%
Hang Seng (Hong Kong): 0,95%
Shanghai Composite (Xangai): 0,54%
Merval (Buenos Aires): 0,25%
IPC (México): Não houve pregão

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Dezembro 2015: 0,96%
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%

INPC/IBGE
Dezembro 2015: 0,90%
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%

IPC/Fipe
Dezembro 2015: 0,82%
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%

IGP-M/FGV
Janeiro 2016: 1,14%
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%

IGP-DI/FGV
Dezembro 2015: 0,44%
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2016
Até R$ 806,80: R$ 41,37
de R$ 806,81 até R$ 1.212,64: R$ 29,16

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Bolsa brasileira segue mau humor no exterior e cai 1,5%; dólar sobe a R$ 3,12

Terça, 7/2/2017 7:43.

(FOLHAPRESS) - A Bolsa brasileira refletiu o aumento da aversão a risco no exterior e recuou nesta segunda-feira (6), enquanto o dólar registrou leve alta e encerrou o dia cotado a R$ 3,12. O dia foi marcado pelo aumento da preocupação dos investidores com eleições na Europa e com o protecionismo nos Estados Unidos.

O Ibovespa teve queda de 1,48%, para 63.992 pontos. O volume financeiro negociado no pregão foi de R$ 6,35 bilhões, levemente abaixo da média diária no ano, que é de R$ 6,99 bilhões.

A desvalorização da Bolsa brasileira acompanhou a queda dos mercados na Europa e nos Estados Unidos, causada pela preocupação dos investidores com as eleições na Europa -em especial na França, onde a líder da extrema-direita no país, Marine Le Pen, apareceu na primeira colocação em pesquisas de intenção de voto

Le Pen, que se lançou candidata neste domingo (5), possui um discurso nacionalista e anti-imigração semelhante ao do recém-empossado presidente americano, Donald Trump. Ela já afirmou que pretende realizar um referendo para definir se a França continua ou não na União Europeia, a exemplo do que o Reino Unido fez no ano passado e que determinou a saída do país do bloco europeu.

Os investidores também monitoram as políticas de Trump, após a Justiça americana impor nova derrota ao presidente americano ao manter liminar que derruba o decreto do republicano que veta a entrada de cidadãos de sete países de maioria islâmica, anunciado em 27 de janeiro.

"Há uma dúvida sobre quais políticas serão adotadas pelo novo governo dos Estados Unidos e qual o impacto na economia como um todo. Está se falando muita coisa, mas nada foi colocado em prática", afirma Marcio Cardoso, sócio-diretor da corretora Easynvest.

Aqui, as ações de Petrobras, Vale e bancos pesaram sobre o índice. Os papéis preferenciais da Petrobras caíram 2,48%, para R$ 14,96. As ações ordinárias tiveram queda de 2,26%, para R$ 15,97. As ações da estatal acompanharam a desvalorização dos preços do petróleo no exterior.

O barril do Brent, de Londres, recuou 1,78%, para US$ 55,80. O barril do WTI, de Nova York, teve queda de 1,39%, para US$ 53,08.

Os papéis preferenciais da Vale recuaram 1,41%, para R$ 28,60, e as ações ordinárias caíram 2,25%, para R$ 29,92. A mineradora informou que vai lançar papéis no exterior e usar o dinheiro para pagar títulos já emitidos e que vencem em março de 2018.

A empresa também prevê uma baixa contábil de US$ 1,2 bilhão com a venda de ativos de fertilizantes realizada no fim do ano, o que pode deixar em segundo plano o impacto positivo de preços mais altos do minério de ferro nos resultados líquidos da companhia.

As ações do setor financeiro fecharam o dia com desvalorização. Os papéis do Itaú recuaram 0,73%. As ações preferenciais do Bradesco perderam 2,07% e as ordinárias fecharam com queda de 2,03%. Os papéis do Banco do Brasil tiveram baixa de 2,49% e as units -conjunto de ações&#- do Santander Brasil caíram 1,21%.

DÓLAR

O dólar fechou em alta em relação ao real. O dólar à vista subiu 0,31%, para R$ 3,122. O dólar comercial teve alta de 0,06%, para R$ 3,126. Das 31 principais divisas internacionais, 19 perderam força em relação ao dólar nesta sessão.

Para Mauricio Nakahodo, economista do Mitsubishi UFJ Financial Group -holding do Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil-, a tendência do real ainda é de se valorizar em relação ao dólar, principalmente pela perspectiva de entrada de recursos no país devido à captação de empresas brasileiras no exterior. Além da Vale, recentemente Embraer, Petrobras e JBS anunciaram emissões lá fora.

No cenário político, as notícias também ajudam na valorização do real. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, sinalizou que vai trabalhar para aprovar a reforma de Previdência na Casa até junho. 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,1173 / R$ 3,1179 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,124 / R$ 3,126 *
Turismo - R$ 3,020 / R$ 3,220

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: 0,06%

OURO BM&F
R$ 123,200

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: -1,48%
Pontos: 63.992
Volume financeiro: R$ 6,35 bilhões
Maiores altas: Multiplan ON N2 (1,97%), Rumo LOG ON NM (1,94%), Braskem PNA N1 (1,49%)
Maiores baixas: Cemig PN N1, Localiza ON NM (-3,95%), Sid Nacional ON (-3,89%)

Dow Jones (Nova York): -0,09%
Nasdaq (Nova York): -0,06%
CAC 40 (Paris): -0,98%
Dax 30 (Frankfurt): -1,22%
Financial 100 (Londres): -0,22%
Nikkei 225 (Tóquio): 0,31%
Hang Seng (Hong Kong): 0,95%
Shanghai Composite (Xangai): 0,54%
Merval (Buenos Aires): 0,25%
IPC (México): Não houve pregão

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

ÍNDICES DE INFLAÇÃO
IPCA/IBGE
Dezembro 2015: 0,96%
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%

INPC/IBGE
Dezembro 2015: 0,90%
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%

IPC/Fipe
Dezembro 2015: 0,82%
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%

IGP-M/FGV
Janeiro 2016: 1,14%
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%

IGP-DI/FGV
Dezembro 2015: 0,44%
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2016
Até R$ 806,80: R$ 41,37
de R$ 806,81 até R$ 1.212,64: R$ 29,16

Publicidade

Publicidade