Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Ações da Petrobras pesam, mas Bolsa brasileira fecha em alta de 0,3%

Quinta, 2/2/2017 9:53.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações da Petrobras limitaram a alta da Bolsa brasileira nesta quarta-feira (1º), em dia de agenda cheia no cenário político do país, com o fim do recesso do Judiciário e do Congresso. No exterior, as atenções ficaram voltadas para a decisão do banco central americano de manter a taxa de juros nos Estados Unidos na faixa entre 0,5% e 0,75% ao ano.

O Ibovespa fechou com alta de 0,26%, para 64.836 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 7,9 bilhões, acima do volume diário negociado na Bolsa no ano, que é de R$ 6,87 bilhões.

Os papéis da Petrobras pressionaram em baixa o índice, após a estatal continuar impedida pelo TCU (Tribunal de Contas da União) de vender seus ativos.

As ações preferenciais da estatal fecharam estáveis em R$ 15,02, e os papéis ordinários recuaram 0,43%, para R$ 16,12.

O ministro Bruno Dantas pediu vista do processo, que agora só volta ao plenário para uma decisão quando ele recolocá-lo em votação. Não há prazo específico.

A Petrobras tinha a meta de vender US$ 15,1 bilhões em ativos até o ano passado -foram US$ 13,6 bilhões- e mais US$ 19,5 bilhões até 2018, com o intuito de reduzir sua dívida. Além do TCU, há também decisões da Justiça que impedem a venda.

A alta das ações da Vale e de bancos, porém, ajudou a manter o índice brasileiro em terreno positivo. No caso da mineradora, os papéis foram impulsionados por dados positivos de produção industrial na China, que cresceu pelo sexto mês seguido em janeiro.

"Os dados vão ter impacto no preço das commodities, embora o mercado esteja fechado pelo Ano Novo Lunar chinês. Quando o mercado reabrir, a estimativa é que preços subam, porque os últimos indicadores chineses vieram acima do esperado", afirma Sandra Peres, analista-chefe da Coinvalores.

As ações preferenciais da mineradora subiram 2,75%, para R$ 31,39. Os papéis ordinários avançaram 2,21%, para R$ 32,89. No ano, as ações acumulam alta de 34,5% e 28,1%, respectivamente.

Os papéis da maioria dos bancos também subiram no pregão. As ações do Itaú Unibanco tiveram alta de 1,02%. Os papéis do Banco do Brasil avançaram 0,48% e as units -conjunto de ações- do Santander se valorizaram 1,95%. As ações do Bradesco destoaram do restante do setor financeiro e caíram: os papéis ordinários perderam 0,34% e os preferenciais, 0,83%.

Os investidores mantiveram no radar notícias envolvendo o cenário político doméstico, como o sorteio que vai definir o relator da Operação Lava Jato e a eleição da Presidência da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

FED MANTÉM JUROS

Mas a notícia mais aguardada nesta quarta-feira era a definição da política monetária americana, na primeira reunião do Fed (Federal Reserve, banco central americano) após a posse de Donald Trump.

O Fed, como esperado, manteve a taxa de juros na faixa entre 0,5% e 0,75% ao ano. No comentário após a decisão, o banco central americano destacou a solidez do mercado de trabalho americano e o aumento da confiança dos consumidores e empresas. No entanto, não fez qualquer menção a Trump.

"O próprio Trump ainda não colocou em andamento qualquer projeto que represente um ataque fiscal ou eleve a inflação. Mas o Fed indicou que vai aguardar anúncios mais concretos para se pronunciar", afirma Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

A leitura é semelhante à de Paulo Gomes, economista da Azimut Wealth Management. "A Yellen vai depender de futuras medidas do Trump. Ele só está há 22 dias no poder, é cedo ainda. Mas o Fed destacou que os índices de confiança dos consumidores e empresas melhoraram recentemente, o que pode ser derivado da eleição do Trump, que melhorou o ambiente no mercado acionário", avalia.

A decisão do Fed foi anunciada após o fechamento do mercado cambial no Brasil e, por isso, não teve impacto na moeda americana aqui. O dólar à vista fechou estável em R$ 3,151. O dólar comercial recuou 0,06%, para R$ 3,150.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados fecharam em baixa. O contrato com vencimento em abril deste ano recuou de 12,433% para 12,431%. O contrato com vencimento em julho de 2017 caiu de 11,790% para 11,780%. Já o vencimento para janeiro de 2021 passou de 10,680% para 10,670%.

 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,1473 / R$ 3,1479 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,1485 / R$ 3,1500 *
Turismo - R$ 2,9700 / R$ 3,2900

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,06%

OURO BM&F
R$ 120,411

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,26%
Pontos: 64.836
Volume financeiro: R$ 7,903 bilhões
Maiores altas: Bradespar PN (4,47%), JBS ON (3,61%), Localiza ON (2,77%)
Maiores baixas: Klabin ON (-4,19%), Qualicorp ON (-3,59%), Raia Drogasil ON (-3,44%)

Dow Jones (Nova York): 0,14%
Nasdaq (Nova York): 0,50%
CAC 40 (Paris): 0,96%
Dax 30 (Frankfurt): 1,08%
Financial 100 (Londres): 0,12%
Nikkei 225 (Tóquio): 0,56%
Hang Seng (Hong Kong): -0,18%
Shanghai Composite (Xangai): 0,31%
Merval (Buenos Aires): 0,72%
IPC (México): 0,02%

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

ÍNDICES DE INFLAÇÃO

IPCA/IBGE
Dezembro 2015: 0,96%
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%

INPC/IBGE
Dezembro 2015: 0,90%
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%

IPC/Fipe
Dezembro 2015: 0,82%
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%

IGP-M/FGV
Janeiro 2016: 1,14%
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%

IGP-DI/FGV
Dezembro 2015: 0,44%
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2016
Até R$ 806,80: R$ 41,37
de R$ 806,81 até R$ 1.212,64: R$ 29,16 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Ações da Petrobras pesam, mas Bolsa brasileira fecha em alta de 0,3%

Quinta, 2/2/2017 9:53.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações da Petrobras limitaram a alta da Bolsa brasileira nesta quarta-feira (1º), em dia de agenda cheia no cenário político do país, com o fim do recesso do Judiciário e do Congresso. No exterior, as atenções ficaram voltadas para a decisão do banco central americano de manter a taxa de juros nos Estados Unidos na faixa entre 0,5% e 0,75% ao ano.

O Ibovespa fechou com alta de 0,26%, para 64.836 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 7,9 bilhões, acima do volume diário negociado na Bolsa no ano, que é de R$ 6,87 bilhões.

Os papéis da Petrobras pressionaram em baixa o índice, após a estatal continuar impedida pelo TCU (Tribunal de Contas da União) de vender seus ativos.

As ações preferenciais da estatal fecharam estáveis em R$ 15,02, e os papéis ordinários recuaram 0,43%, para R$ 16,12.

O ministro Bruno Dantas pediu vista do processo, que agora só volta ao plenário para uma decisão quando ele recolocá-lo em votação. Não há prazo específico.

A Petrobras tinha a meta de vender US$ 15,1 bilhões em ativos até o ano passado -foram US$ 13,6 bilhões- e mais US$ 19,5 bilhões até 2018, com o intuito de reduzir sua dívida. Além do TCU, há também decisões da Justiça que impedem a venda.

A alta das ações da Vale e de bancos, porém, ajudou a manter o índice brasileiro em terreno positivo. No caso da mineradora, os papéis foram impulsionados por dados positivos de produção industrial na China, que cresceu pelo sexto mês seguido em janeiro.

"Os dados vão ter impacto no preço das commodities, embora o mercado esteja fechado pelo Ano Novo Lunar chinês. Quando o mercado reabrir, a estimativa é que preços subam, porque os últimos indicadores chineses vieram acima do esperado", afirma Sandra Peres, analista-chefe da Coinvalores.

As ações preferenciais da mineradora subiram 2,75%, para R$ 31,39. Os papéis ordinários avançaram 2,21%, para R$ 32,89. No ano, as ações acumulam alta de 34,5% e 28,1%, respectivamente.

Os papéis da maioria dos bancos também subiram no pregão. As ações do Itaú Unibanco tiveram alta de 1,02%. Os papéis do Banco do Brasil avançaram 0,48% e as units -conjunto de ações- do Santander se valorizaram 1,95%. As ações do Bradesco destoaram do restante do setor financeiro e caíram: os papéis ordinários perderam 0,34% e os preferenciais, 0,83%.

Os investidores mantiveram no radar notícias envolvendo o cenário político doméstico, como o sorteio que vai definir o relator da Operação Lava Jato e a eleição da Presidência da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

FED MANTÉM JUROS

Mas a notícia mais aguardada nesta quarta-feira era a definição da política monetária americana, na primeira reunião do Fed (Federal Reserve, banco central americano) após a posse de Donald Trump.

O Fed, como esperado, manteve a taxa de juros na faixa entre 0,5% e 0,75% ao ano. No comentário após a decisão, o banco central americano destacou a solidez do mercado de trabalho americano e o aumento da confiança dos consumidores e empresas. No entanto, não fez qualquer menção a Trump.

"O próprio Trump ainda não colocou em andamento qualquer projeto que represente um ataque fiscal ou eleve a inflação. Mas o Fed indicou que vai aguardar anúncios mais concretos para se pronunciar", afirma Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

A leitura é semelhante à de Paulo Gomes, economista da Azimut Wealth Management. "A Yellen vai depender de futuras medidas do Trump. Ele só está há 22 dias no poder, é cedo ainda. Mas o Fed destacou que os índices de confiança dos consumidores e empresas melhoraram recentemente, o que pode ser derivado da eleição do Trump, que melhorou o ambiente no mercado acionário", avalia.

A decisão do Fed foi anunciada após o fechamento do mercado cambial no Brasil e, por isso, não teve impacto na moeda americana aqui. O dólar à vista fechou estável em R$ 3,151. O dólar comercial recuou 0,06%, para R$ 3,150.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados fecharam em baixa. O contrato com vencimento em abril deste ano recuou de 12,433% para 12,431%. O contrato com vencimento em julho de 2017 caiu de 11,790% para 11,780%. Já o vencimento para janeiro de 2021 passou de 10,680% para 10,670%.

 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,1473 / R$ 3,1479 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,1485 / R$ 3,1500 *
Turismo - R$ 2,9700 / R$ 3,2900

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -0,06%

OURO BM&F
R$ 120,411

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 0,26%
Pontos: 64.836
Volume financeiro: R$ 7,903 bilhões
Maiores altas: Bradespar PN (4,47%), JBS ON (3,61%), Localiza ON (2,77%)
Maiores baixas: Klabin ON (-4,19%), Qualicorp ON (-3,59%), Raia Drogasil ON (-3,44%)

Dow Jones (Nova York): 0,14%
Nasdaq (Nova York): 0,50%
CAC 40 (Paris): 0,96%
Dax 30 (Frankfurt): 1,08%
Financial 100 (Londres): 0,12%
Nikkei 225 (Tóquio): 0,56%
Hang Seng (Hong Kong): -0,18%
Shanghai Composite (Xangai): 0,31%
Merval (Buenos Aires): 0,72%
IPC (México): 0,02%

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

ÍNDICES DE INFLAÇÃO

IPCA/IBGE
Dezembro 2015: 0,96%
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%

INPC/IBGE
Dezembro 2015: 0,90%
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%

IPC/Fipe
Dezembro 2015: 0,82%
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%

IGP-M/FGV
Janeiro 2016: 1,14%
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%

IGP-DI/FGV
Dezembro 2015: 0,44%
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2016
Até R$ 806,80: R$ 41,37
de R$ 806,81 até R$ 1.212,64: R$ 29,16 

Publicidade

Publicidade