Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Dólar fecha cotado a R$ 3,06, e Bolsa atinge o maior nível em quase 5 anos

Quinta, 16/2/2017 10:15.

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar fechou cotado a R$ 3,06 nesta quarta-feira (15), e a Bolsa brasileira terminou o dia no maior patamar desde março de 2012 com a ajuda de notícias no cenário político e em linha com a diminuição da aversão a risco no exterior.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, recuou 1,17%, para R$ 3,061. O dólar comercial caiu 1%, para R$ 3,066. Ambos atingiram o menor patamar desde 18 de junho de 2015.

A queda do dólar nesta quarta-feira (15) teve componentes domésticos e externos. Do lado brasileiro, a confirmação de que Moreira Franco seria mantido no cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República foi encarada como demonstração de força do governo.

A expectativa é que isso se reflita na aprovação das reformas da Previdência e trabalhista. "A decisão mostra que o governo está avançando, apesar de eventuais protestos e crises políticas. Dá mais uma demonstração de força e de que tem o apoio do STF e do Congresso, o que pode ajudar a passar as mudanças", afirma Paulo Gomes, economista da gestora Azimut Wealth Management.

Ainda no cenário doméstico, outro fator que contribuiu para a queda da moeda americana foi a notícia envolvendo o novo programa de repatriação do governo, que pode trazer um novo fluxo de recursos para o país, o que pressionaria em baixa a moeda americana.

No exterior, o dólar também recuou em relação às principais divisas mundiais, acompanhando a diminuição da aversão a risco. De uma cesta de 31 moedas mais importantes, o dólar teve queda ante 22.

O Banco Central deu sequência a suas intervenções no mercado cambial e vendeu 6.000 contratos de swaps cambiais -equivalentes à venda de dólares no mercado futuro-, totalizando US$ 300 milhões. Isso indica que a autoridade monetária deve rolar apenas parcialmente os contratos que vencem em março.

No mercado de juros futuros, a maioria dos contratos fechou em baixa nesta quarta. O contrato com vencimento em abril de 2017 recuou de 12,270% para 12,245%. O DI com vencimento em janeiro de 2018 caiu de 10,650% para 10,625%. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 encerrou estável em 10,250%.

O CDS (credit default swap) de cinco anos brasileiro, espécie de seguro contra calote e termômetro de risco, voltou a subir e encerrou com alta de 1,85%, para 221,729 pontos.

BOLSA

Em dia de vencimento de opções sobre índice, o que eleva o volume financeiro do pregão, o Ibovespa subiu 1,89%, para 67.975 pontos, no maior nível desde 14 de março de 2012.

O volume financeiro negociado foi de R$ 22,87 bilhões, contra média diária de R$ 7,1 bilhões no ano.

A alta da Bolsa foi impulsionada pelos papéis da Petrobras e de bancos, que fecharam no azul.

Os papéis da Petrobras subiram apesar da queda do petróleo no exterior. As ações preferenciais da estatal avançaram 0,13%, para R$ 15,84, e as ordinárias tiveram alta de 0,30%, para R$ 16,86. Foi o quarto dia seguido de alta das ações da petrolífera.

As ações da Vale caíram pelo segundo dia. Os papéis preferenciais da mineradora tiveram baixa de 0,99%, para R$ 31,91. As ações ordinárias registraram baixa de 1,69%, para R$ 33,82.

No setor financeiro, as ações do Itaú Unibanco subiram 4,2%, enquanto Banco do Brasil emendou a quarta alta seguida e avançou 1,21%. O banco público divulga seu balanço nesta quinta-feira.

As ações preferenciais do Bradesco tiveram alta de 2,16%, e as ordinárias subiram 1,92%. As units -conjunto de ações- do Santander Brasil subiram 4,23%.

"Há uma melhora da economia e expectativa de retomada. O segundo ponto é a queda de juros. Essa alta toda é em cima de expectativas. Quando os dados se concretizarem, a Bolsa pode inclusive cair e devolver parte dos ganhos", diz Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora. 

 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,0773 / R$ 3,0779 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,065 / R$ 3,066 *
Turismo - R$ 2,9000 / R$ 3,2100

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -1%

OURO BM&F
R$ 120,6

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 1,89%
Pontos: 67.975
Volume financeiro: R$ 22,867 bilhões
Maiores altas: Cemig PN (6,93%), Santander UNT (4,23%), Itaú Unibanco PN (4,20%)
Maiores baixas: Lojas Americanas PN (-3,57%), Braskem PNA (-3,16%), Vale ON (-1,69%)

Dow Jones (Nova York): 0,52%
Nasdaq (Nova York): 0,64%
CAC 40 (Paris): 0,59%
Dax 30 (Frankfurt): 0,19%
Financial 100 (Londres): 0,47%
Nikkei 225 (Tóquio): 1,03%
Hang Seng (Hong Kong): 1,23%
Shanghai Composite (Xangai): -0,15%
Merval (Buenos Aires): 0,26%
IPC (México): -0,51%

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

ÍNDICES DE INFLAÇÃO

IPCA/IBGE
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%
Janeiro 2017: 0,38%

INPC/IBGE
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%
Janeiro 2017: 0,42%

IPC/Fipe
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%
Janeiro 2017: 0,32%

IGP-M/FGV
Janeiro 2016: 1,14%
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%

IGP-DI/FGV
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%
Janeiro 2017: 0,43%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2017
Até R$ 859,88: R$ 44,09
de R$ 859,89 a R$ 1.292,43: R$ 31,07

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Dólar fecha cotado a R$ 3,06, e Bolsa atinge o maior nível em quase 5 anos

Quinta, 16/2/2017 10:15.

DANIELLE BRANT
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar fechou cotado a R$ 3,06 nesta quarta-feira (15), e a Bolsa brasileira terminou o dia no maior patamar desde março de 2012 com a ajuda de notícias no cenário político e em linha com a diminuição da aversão a risco no exterior.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, recuou 1,17%, para R$ 3,061. O dólar comercial caiu 1%, para R$ 3,066. Ambos atingiram o menor patamar desde 18 de junho de 2015.

A queda do dólar nesta quarta-feira (15) teve componentes domésticos e externos. Do lado brasileiro, a confirmação de que Moreira Franco seria mantido no cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República foi encarada como demonstração de força do governo.

A expectativa é que isso se reflita na aprovação das reformas da Previdência e trabalhista. "A decisão mostra que o governo está avançando, apesar de eventuais protestos e crises políticas. Dá mais uma demonstração de força e de que tem o apoio do STF e do Congresso, o que pode ajudar a passar as mudanças", afirma Paulo Gomes, economista da gestora Azimut Wealth Management.

Ainda no cenário doméstico, outro fator que contribuiu para a queda da moeda americana foi a notícia envolvendo o novo programa de repatriação do governo, que pode trazer um novo fluxo de recursos para o país, o que pressionaria em baixa a moeda americana.

No exterior, o dólar também recuou em relação às principais divisas mundiais, acompanhando a diminuição da aversão a risco. De uma cesta de 31 moedas mais importantes, o dólar teve queda ante 22.

O Banco Central deu sequência a suas intervenções no mercado cambial e vendeu 6.000 contratos de swaps cambiais -equivalentes à venda de dólares no mercado futuro-, totalizando US$ 300 milhões. Isso indica que a autoridade monetária deve rolar apenas parcialmente os contratos que vencem em março.

No mercado de juros futuros, a maioria dos contratos fechou em baixa nesta quarta. O contrato com vencimento em abril de 2017 recuou de 12,270% para 12,245%. O DI com vencimento em janeiro de 2018 caiu de 10,650% para 10,625%. O contrato com vencimento em janeiro de 2021 encerrou estável em 10,250%.

O CDS (credit default swap) de cinco anos brasileiro, espécie de seguro contra calote e termômetro de risco, voltou a subir e encerrou com alta de 1,85%, para 221,729 pontos.

BOLSA

Em dia de vencimento de opções sobre índice, o que eleva o volume financeiro do pregão, o Ibovespa subiu 1,89%, para 67.975 pontos, no maior nível desde 14 de março de 2012.

O volume financeiro negociado foi de R$ 22,87 bilhões, contra média diária de R$ 7,1 bilhões no ano.

A alta da Bolsa foi impulsionada pelos papéis da Petrobras e de bancos, que fecharam no azul.

Os papéis da Petrobras subiram apesar da queda do petróleo no exterior. As ações preferenciais da estatal avançaram 0,13%, para R$ 15,84, e as ordinárias tiveram alta de 0,30%, para R$ 16,86. Foi o quarto dia seguido de alta das ações da petrolífera.

As ações da Vale caíram pelo segundo dia. Os papéis preferenciais da mineradora tiveram baixa de 0,99%, para R$ 31,91. As ações ordinárias registraram baixa de 1,69%, para R$ 33,82.

No setor financeiro, as ações do Itaú Unibanco subiram 4,2%, enquanto Banco do Brasil emendou a quarta alta seguida e avançou 1,21%. O banco público divulga seu balanço nesta quinta-feira.

As ações preferenciais do Bradesco tiveram alta de 2,16%, e as ordinárias subiram 1,92%. As units -conjunto de ações- do Santander Brasil subiram 4,23%.

"Há uma melhora da economia e expectativa de retomada. O segundo ponto é a queda de juros. Essa alta toda é em cima de expectativas. Quando os dados se concretizarem, a Bolsa pode inclusive cair e devolver parte dos ganhos", diz Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora. 

 

Números do mercado financeiro

DÓLAR
compra/venda
Câmbio livre BC - R$ 3,0773 / R$ 3,0779 **
Câmbio livre mercado - R$ 3,065 / R$ 3,066 *
Turismo - R$ 2,9000 / R$ 3,2100

(*) cotação média do mercado
(**) cotação do Banco Central

Variação do câmbio livre mercado
no dia: -1%

OURO BM&F
R$ 120,6

BOLSAS
Bovespa (Ibovespa)
Variação: 1,89%
Pontos: 67.975
Volume financeiro: R$ 22,867 bilhões
Maiores altas: Cemig PN (6,93%), Santander UNT (4,23%), Itaú Unibanco PN (4,20%)
Maiores baixas: Lojas Americanas PN (-3,57%), Braskem PNA (-3,16%), Vale ON (-1,69%)

Dow Jones (Nova York): 0,52%
Nasdaq (Nova York): 0,64%
CAC 40 (Paris): 0,59%
Dax 30 (Frankfurt): 0,19%
Financial 100 (Londres): 0,47%
Nikkei 225 (Tóquio): 1,03%
Hang Seng (Hong Kong): 1,23%
Shanghai Composite (Xangai): -0,15%
Merval (Buenos Aires): 0,26%
IPC (México): -0,51%

POUPANÇA
Depósitos feitos até 3 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

NOVA POUPANÇA
Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 (Lei 12.703/2012)
Aniversário - Rendimento (%)
20/1 = 0,7117
21/1 = 0,7109
22/1 = 0,6665
23/1 = 0,6509
24/1 = 0,6553
25/1 = 0,6914
26/1 = 0,7223
27/1 = 0,7197
28/1 = 0,7030
29/1 = 0,6709
30/1 = 0,6709
31/1 = 0,6709
1º/2 = 0,6709
2/2 = 0,7006
3/2 = 0,7131
4/2 = 0,7460
5/2 = 0,6833
6/2 = 0,6655
7/2 = 0,6458
8/2 = 0,6814
9/2 = 0,6956
10/2 = 0,6825
11/2 = 0,7274
12/2 = 0,6703
13/2 = 0,6428
14/2 = 0,6392
15/2 = 0,6640
16/2 = 0,6939
17/2 = 0,6825
18/2 = 0,6899
19/2 = 0,6525
20/2 = 0,6296

ÍNDICES DE INFLAÇÃO

IPCA/IBGE
Janeiro 2016: 1,27%
Fevereiro 2016: 0,90%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,61%
Maio 2016: 0,78%
Junho 2016: 0,35%
Julho 2016: 0,52%
Agosto 2016: 0,44%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,26%
Novembro 2016: 0,18%
Dezembro 2016: 0,30%
Janeiro 2017: 0,38%

INPC/IBGE
Janeiro 2016: 1,51%
Fevereiro 2016: 0,95%
Março 2016: 0,44%
Abril 2016: 0,64%
Maio 2016: 0,98%
Junho 2016: 0,47%
Julho 2016: 0,64%
Agosto 2016: 0,31%
Setembro 2016: 0,08%
Outubro 2016: 0,17%
Novembro 2016: 0,07%
Dezembro 2016: 0,14%
Janeiro 2017: 0,42%

IPC/Fipe
Janeiro 2016: 1,37%
Fevereiro 2016: 0,89%
Março 2016: 0,97%
Abril 2016: 0,46%
Maio 2016: 0,57%
Junho 2016: 0,65%
Julho 2016: 0,35%
Agosto 2016: 0,11%
Setembro 2016: -0,14
Outubro 2016: 0,27%
Novembro 2016: 0,15%
Dezembro 2016: 0,72%
Janeiro 2017: 0,32%

IGP-M/FGV
Janeiro 2016: 1,14%
Fevereiro 2016: 1,29%
Março 2016: 0,51%
Abril 2016: 0,33%
Maio 2016: 0,82%
Junho 2016: 1,69%
Julho 2016: 0,18%
Agosto 2016: 0,15%
Setembro 2016: 0,20%
Outubro 2016: 0,16%
Novembro 2016: -0,03%
Dezembro 2016: 0,54%
Janeiro 2017: 0,64%

IGP-DI/FGV
Janeiro 2016: 1,53%
Fevereiro 2016: 0,79%
Março 2016: 0,43%
Abril 2016: 0,36%
Maio 2016: 1,13%
Junho 2016: 1,63%
Julho 2016: -0,39%
Agosto 2016: 0,43%
Setembro 2016: 0,03%
Outubro 2016: 0,13%
Novembro 2016: 0,05%
Dezembro 2016: 0,83%
Janeiro 2017: 0,43%

SALÁRIO MÍNIMO
Janeiro 2017: R$ 937,00

SALÁRIO FAMÍLIA
Janeiro 2017
Até R$ 859,88: R$ 44,09
de R$ 859,89 a R$ 1.292,43: R$ 31,07

Publicidade

Publicidade