Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Seu Dinheiro
Greve faz acabar a gasolina em Balneário Camboriú

Previsão é que postos não serão abastecidos hoje

Quinta, 24/5/2018 7:31.
Rafael Weiss.
Fila em posto de Balneário Camboriú trancou o trânsito.

Publicidade

A corrida por combustíveis que iniciou na tarde de ontem em Balneário Camboriú tumultuou o trânsito no começo da noite nos acessos aos postos e gerou falta de gasolina e álcool. Hoje pela manhã vários postos tinham apenas álcool e diesel para fornecer e a informação é que continuariam sem receber os produtos hoje.

A greve dos caminhoneiros bloqueou as bases de distribuição em Itajaí –que recebem os derivados de petróleo por duto desde a refinaria no Paraná- e impede a chegada dos combustíveis aos pontos de venda.

A greve parece ter apoio da população, mas na medida que gera desabastecimento esse apoio pode desaparecer.

Pelas redes sociais está sendo convocada uma mega manifestação para hoje, às 15h, com todos os motoristas parando seus veículos onde estiverem para protestar contra o governo federal. Se isso ocorrer será o maior movimento de protesto visto no Brasil até hoje.

A gasolina brasileira é muito mais cara do que em outros países devido à carga tributária. E não é só o governo federal que assalta o bolso do consumidor, cerca de 1/4 do preço da gasolina é imposto estadual.

Líder grevista diz que não adianta abaixar e depois aumentar

(GUSTAVO URIBE -BRASÍLIA, DF - FOLHAPRESS) - No acostamento da Rodovia João Ribeiro de Barros, entre as cidades de Jaú e Bauru, no interior de Sâo Paulo, o motorista Ariovaldo Almeida Junior conta que a manifestação dos caminhoneiros, que começou a ser planejada na semana retrasada, não tem data para acabar.

Na noite desta quarta-feira, o presidente da Petrobras anunciou a redução de 10% do diesel por 15 dias. A decisão, segundo Barros, não é suficiente para interromper a paralisação.

"Não adianta baixar agora e aumentar de novo mais para frente. Eles criaram um caos desnecessário no país", disse.

Para o caminhoneiro de 26 anos, além de diminuir o valor sem prazo de validade, é necessário criar um parâmetro de preços que evite um "aumento desenfreado" do óleo diesel.

"Só com esse anúncio, a paralisação continuará em tempo indeterminado", afirma.

DECISÃO DE PARAR

Há dois dias sem dormir, o jovem relata que a ideia de fazer uma paralisação para pressionar pela redução do preço dos combustíveis começou a ser discutida em Ourinhos (SP), onde é diretor do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos.

"Eu procurei outras entidades sindicais autônomas do interior paulista, como de Bauru, Piracicaba e Jaú. Nós elegemos uma liderança para o movimento em cada local", disse à reportagem.

Para ganhar adesão fora de São Paulo, ele conta que dirigiu cerca de 680 km, no dia 14 de maio, até Volta Redonda, no Rio de Janeiro. A adesão ao movimento surpreendeu.

"A expectativa inicial era uma paralisação apenas em São Paulo e Volta Redonda, mas recebemos ligações de outras entidades de caminhoneiros", afirmou.

Segundo ele, o movimento não tem vinculação política e não é contra a gestão atual. "Não temos nada contra ou a favor o governo federal", disse.

Fila hoje de manhã em posto próximo à UFSC, na Capital. A crise é generalizada.(Fab Diniz),


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Rafael Weiss.
Fila em posto de Balneário Camboriú trancou o trânsito.
Fila em posto de Balneário Camboriú trancou o trânsito.

Greve faz acabar a gasolina em Balneário Camboriú

Previsão é que postos não serão abastecidos hoje

Publicidade

Quinta, 24/5/2018 7:31.

A corrida por combustíveis que iniciou na tarde de ontem em Balneário Camboriú tumultuou o trânsito no começo da noite nos acessos aos postos e gerou falta de gasolina e álcool. Hoje pela manhã vários postos tinham apenas álcool e diesel para fornecer e a informação é que continuariam sem receber os produtos hoje.

A greve dos caminhoneiros bloqueou as bases de distribuição em Itajaí –que recebem os derivados de petróleo por duto desde a refinaria no Paraná- e impede a chegada dos combustíveis aos pontos de venda.

A greve parece ter apoio da população, mas na medida que gera desabastecimento esse apoio pode desaparecer.

Pelas redes sociais está sendo convocada uma mega manifestação para hoje, às 15h, com todos os motoristas parando seus veículos onde estiverem para protestar contra o governo federal. Se isso ocorrer será o maior movimento de protesto visto no Brasil até hoje.

A gasolina brasileira é muito mais cara do que em outros países devido à carga tributária. E não é só o governo federal que assalta o bolso do consumidor, cerca de 1/4 do preço da gasolina é imposto estadual.

Líder grevista diz que não adianta abaixar e depois aumentar

(GUSTAVO URIBE -BRASÍLIA, DF - FOLHAPRESS) - No acostamento da Rodovia João Ribeiro de Barros, entre as cidades de Jaú e Bauru, no interior de Sâo Paulo, o motorista Ariovaldo Almeida Junior conta que a manifestação dos caminhoneiros, que começou a ser planejada na semana retrasada, não tem data para acabar.

Na noite desta quarta-feira, o presidente da Petrobras anunciou a redução de 10% do diesel por 15 dias. A decisão, segundo Barros, não é suficiente para interromper a paralisação.

"Não adianta baixar agora e aumentar de novo mais para frente. Eles criaram um caos desnecessário no país", disse.

Para o caminhoneiro de 26 anos, além de diminuir o valor sem prazo de validade, é necessário criar um parâmetro de preços que evite um "aumento desenfreado" do óleo diesel.

"Só com esse anúncio, a paralisação continuará em tempo indeterminado", afirma.

DECISÃO DE PARAR

Há dois dias sem dormir, o jovem relata que a ideia de fazer uma paralisação para pressionar pela redução do preço dos combustíveis começou a ser discutida em Ourinhos (SP), onde é diretor do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos.

"Eu procurei outras entidades sindicais autônomas do interior paulista, como de Bauru, Piracicaba e Jaú. Nós elegemos uma liderança para o movimento em cada local", disse à reportagem.

Para ganhar adesão fora de São Paulo, ele conta que dirigiu cerca de 680 km, no dia 14 de maio, até Volta Redonda, no Rio de Janeiro. A adesão ao movimento surpreendeu.

"A expectativa inicial era uma paralisação apenas em São Paulo e Volta Redonda, mas recebemos ligações de outras entidades de caminhoneiros", afirmou.

Segundo ele, o movimento não tem vinculação política e não é contra a gestão atual. "Não temos nada contra ou a favor o governo federal", disse.

Fila hoje de manhã em posto próximo à UFSC, na Capital. A crise é generalizada.(Fab Diniz),


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade