Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Após críticas, Petrobras anuncia maior corte de preço em 3 meses

Sexta, 9/2/2018 8:15.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (8) corte de 3% no preço da gasolina, o maior desde o dia 17 de novembro. O preço do diesel também será reduzido, em 2,6%, a maior queda desde o dia 2 de dezembro.

Os cortes foram anunciados um dia após o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Moreira Franco, acusar supostos cartéis de segurar os repasses das quedas de preços ao consumidor final.

O ministro disse à Reuters que encaminhou nesta quinta solicitação ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para investigar o tema. A Petrobras é responsável por cerca de 30% do preço final -o restante são impostos e margens de postos e distribuidoras.

"Não podemos assistir de mãos atadas à atuação cartelizada das corporações do setor em prejuízo da população", disse Moreira Franco na quarta, no Twitter.

Também na quarta, a Petrobras anunciou uma mudança na política de divulgação dos preços, que prevê a publicação diária do valor de venda nas refinarias em reais por litro, e não do percentual de reajuste.

Desde o início de julho, quando a estatal iniciou nova política de preços com reajustes diários, a gasolina subiu 20% nas bombas. Já o diesel teve alta de 14,8%, de acordo com dados da ANP.

Os reajustes são definidos de acordo com a variação das cotações internacionais dos combustíveis e do câmbio.

A estatal passou a mexer nos preços diariamente para tentar enfrentar a competição com importações de empresas privadas.

Nesta quinta, o preço do petróleo Brent, negociado em Londres, atingiu o menor valor desde o fim de dezembro, fechando a US$ 64,81 por barril, diante de expectativas sobre aumento da produção nos Estados Unidos. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Toda a comunidade pode participar neste domingo


Cultura

A entrada é gratuita, com contribuição de um quilo de alimento não perecível


Cidade

Centro de Eventos de Balneário Camboriú será o maior do Sul do país  


Cidade

Obra é cara e mal explicada 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Após críticas, Petrobras anuncia maior corte de preço em 3 meses

Sexta, 9/2/2018 8:15.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (8) corte de 3% no preço da gasolina, o maior desde o dia 17 de novembro. O preço do diesel também será reduzido, em 2,6%, a maior queda desde o dia 2 de dezembro.

Os cortes foram anunciados um dia após o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Moreira Franco, acusar supostos cartéis de segurar os repasses das quedas de preços ao consumidor final.

O ministro disse à Reuters que encaminhou nesta quinta solicitação ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para investigar o tema. A Petrobras é responsável por cerca de 30% do preço final -o restante são impostos e margens de postos e distribuidoras.

"Não podemos assistir de mãos atadas à atuação cartelizada das corporações do setor em prejuízo da população", disse Moreira Franco na quarta, no Twitter.

Também na quarta, a Petrobras anunciou uma mudança na política de divulgação dos preços, que prevê a publicação diária do valor de venda nas refinarias em reais por litro, e não do percentual de reajuste.

Desde o início de julho, quando a estatal iniciou nova política de preços com reajustes diários, a gasolina subiu 20% nas bombas. Já o diesel teve alta de 14,8%, de acordo com dados da ANP.

Os reajustes são definidos de acordo com a variação das cotações internacionais dos combustíveis e do câmbio.

A estatal passou a mexer nos preços diariamente para tentar enfrentar a competição com importações de empresas privadas.

Nesta quinta, o preço do petróleo Brent, negociado em Londres, atingiu o menor valor desde o fim de dezembro, fechando a US$ 64,81 por barril, diante de expectativas sobre aumento da produção nos Estados Unidos. 

Publicidade

Publicidade