Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

'Não podemos ter essa guinada tão violenta à ignorância', diz Jô Soares
Globo.

Quarta, 20/3/2019 8:00.

(FOLHAPRESS) - Numa cerimônia pulverizada, o Prêmio Shell de Teatro de São Paulo realizou a entrega da 31ª edição do troféu na noite desta terça (19).

Zé Henrique de Paula venceu na categoria melhor edição por "Um Panorama Visto da Ponte", e Marcos Damaceno o de melhor dramaturgia por "Homem ao Vento". Já os prêmios de melhor atuação ficaram para Gilberto Gawronski ("A Ira de Narciso") e Cris Couto ("A Milionária").

Os discursos foram pautados pelos recentes ataques às artes e os cortes na cultura. Homenageado da noite, Jô Soares lembrou uma fala de Millôr Fernandes: "Um país só progride com cultura e tecnologia de ponta. Atualmente a única cultura que nós temos é a cultura de vírus. O governo tem que cuidar do país e, para investir no país, tem que investir em cultura e tecnologia de ponta", disse.

"Não estou aqui para defender nenhum político brasileiro, mas para defender o Brasil. Não podemos ter essa guinada tão violenta à ignorância."

Jorge Farjalla, que venceu na categoria figurinha por "Senhora dos Afogados", disse que "estamos vivendo um momento tão prolixo na cultura, temos que resistir".

"Talvez a gente tenha que deixar claro que a gente movimenta a economia, a gente faz", afirmou Domingos Quintilhiano ao levar o troféu de melhor iluminação por "Casa de Bonecas - Parte 2".

VEJA OS PREMIADOS:

DRAMATURGIA
Marcos Damaceno por "Homem ao Vento"

DIREÇÃO
Zé Henrique de Paula por "Um Panorama Visto da Ponte"

ATOR
Gilberto Gawronsky por "A Ira de Narciso"

ATRIZ
Chris Couto por "A Milionária"

CENÁRIO
Marisa Bentivegna, Estúdio BijaRi e Guazzelli por "Os 3 Mundos"

FIGURINO
Jorge Farjalla e Ana Castilho por "Senhora dos Afogados"

ILUMINAÇÃO
Domingos Quintiliano por "Casa de Bonecas - Parte 2"

MÚSICA
Babaya Morais e Marco França por "Estado de Sítio"

INOVAÇÃO
Cia Paideia de teatro pela relevância de seu trabalho na formação de plateia com intercâmbios nacionais e internacionais  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

'Não podemos ter essa guinada tão violenta à ignorância', diz Jô Soares

Globo.

Publicidade

Quarta, 20/3/2019 8:00.

(FOLHAPRESS) - Numa cerimônia pulverizada, o Prêmio Shell de Teatro de São Paulo realizou a entrega da 31ª edição do troféu na noite desta terça (19).

Zé Henrique de Paula venceu na categoria melhor edição por "Um Panorama Visto da Ponte", e Marcos Damaceno o de melhor dramaturgia por "Homem ao Vento". Já os prêmios de melhor atuação ficaram para Gilberto Gawronski ("A Ira de Narciso") e Cris Couto ("A Milionária").

Os discursos foram pautados pelos recentes ataques às artes e os cortes na cultura. Homenageado da noite, Jô Soares lembrou uma fala de Millôr Fernandes: "Um país só progride com cultura e tecnologia de ponta. Atualmente a única cultura que nós temos é a cultura de vírus. O governo tem que cuidar do país e, para investir no país, tem que investir em cultura e tecnologia de ponta", disse.

"Não estou aqui para defender nenhum político brasileiro, mas para defender o Brasil. Não podemos ter essa guinada tão violenta à ignorância."

Jorge Farjalla, que venceu na categoria figurinha por "Senhora dos Afogados", disse que "estamos vivendo um momento tão prolixo na cultura, temos que resistir".

"Talvez a gente tenha que deixar claro que a gente movimenta a economia, a gente faz", afirmou Domingos Quintilhiano ao levar o troféu de melhor iluminação por "Casa de Bonecas - Parte 2".

VEJA OS PREMIADOS:

DRAMATURGIA
Marcos Damaceno por "Homem ao Vento"

DIREÇÃO
Zé Henrique de Paula por "Um Panorama Visto da Ponte"

ATOR
Gilberto Gawronsky por "A Ira de Narciso"

ATRIZ
Chris Couto por "A Milionária"

CENÁRIO
Marisa Bentivegna, Estúdio BijaRi e Guazzelli por "Os 3 Mundos"

FIGURINO
Jorge Farjalla e Ana Castilho por "Senhora dos Afogados"

ILUMINAÇÃO
Domingos Quintiliano por "Casa de Bonecas - Parte 2"

MÚSICA
Babaya Morais e Marco França por "Estado de Sítio"

INOVAÇÃO
Cia Paideia de teatro pela relevância de seu trabalho na formação de plateia com intercâmbios nacionais e internacionais  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade