Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Conselho da Cultura vai reunir-se para discutir a proposta da fusão com turismo e esporte
Márcio Gonçalves
A superintendente Bia Mattar

Sexta, 23/8/2019 15:35.

O Conselho Municipal da Cultura vai reunir-se na próxima segunda-feira (26), em reunião extraordinária, para estudar e avaliar a Reforma Administrativa, anunciada pelo prefeito, que extingue a Fundação Cultural e a Fundação Municipal de Esportes e propõe uma fusão das duas pastas com a secretaria de Turismo.

A presidente do Conselho, Dagma Castro (foto acima) disse que tomou conhecimento da matéria na sexta-feira (16) e adiantou que a princípio é contra essa fusão.

“Não nos enxergamos completamente nesta fusão, entendemos que todas as nossas conquistas estão sob o arranjo e o guarda chuva da Fundação Cultural, mas vamos estudar e formular uma proposta para levar ao prefeito. Temos uma agenda com ele dia 29, será importante esse encontro. Também temos agenda com alguns vereadores”, disse Dagma.

Ela adiantou que os conselheiros construirão uma proposta que esteja de acordo com a luta que os atores culturais vem travando ao longo desses anos e as conquistas consolidadas.

“Mas volto a dizer, não nos enxergamos nessa fusão, somos contra a fusão da Fundação Cultural com o Turismo”.destacou.


CNPJ fica

“Não é o ideal, mas podemos sobreviver. Só não admito extinguir o CNPJ”, disse a superintendente da Fundação Cultural, Bia Mattar sobre a proposta da fusão.

Bia esteve reunida na prefeitura para discutir a reforma e saiu de lá convencida de que a fusão das pastas pode ajudar na economia.

“Pessoalmente e como gestora não me oponho, porque isso já aconteceu em todos os municípios da Amfri, em Florianópolis também. Sabemos que não é o ideal, mas acredito que poderemos sobreviver, mas temos que manter o CNPJ para garantir a autonomia de aplicar nos projetos. Desta forma a Fundação não perderia sua institucionalidade como pessoa jurídica. Extinguir o CNPJ seria um retrocesso para cultura”, opinou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Conselho da Cultura vai reunir-se para discutir a proposta da fusão com turismo e esporte

Márcio Gonçalves
A superintendente Bia Mattar
A superintendente Bia Mattar

Publicidade

Sexta, 23/8/2019 15:35.

O Conselho Municipal da Cultura vai reunir-se na próxima segunda-feira (26), em reunião extraordinária, para estudar e avaliar a Reforma Administrativa, anunciada pelo prefeito, que extingue a Fundação Cultural e a Fundação Municipal de Esportes e propõe uma fusão das duas pastas com a secretaria de Turismo.

A presidente do Conselho, Dagma Castro (foto acima) disse que tomou conhecimento da matéria na sexta-feira (16) e adiantou que a princípio é contra essa fusão.

“Não nos enxergamos completamente nesta fusão, entendemos que todas as nossas conquistas estão sob o arranjo e o guarda chuva da Fundação Cultural, mas vamos estudar e formular uma proposta para levar ao prefeito. Temos uma agenda com ele dia 29, será importante esse encontro. Também temos agenda com alguns vereadores”, disse Dagma.

Ela adiantou que os conselheiros construirão uma proposta que esteja de acordo com a luta que os atores culturais vem travando ao longo desses anos e as conquistas consolidadas.

“Mas volto a dizer, não nos enxergamos nessa fusão, somos contra a fusão da Fundação Cultural com o Turismo”.destacou.


CNPJ fica

“Não é o ideal, mas podemos sobreviver. Só não admito extinguir o CNPJ”, disse a superintendente da Fundação Cultural, Bia Mattar sobre a proposta da fusão.

Bia esteve reunida na prefeitura para discutir a reforma e saiu de lá convencida de que a fusão das pastas pode ajudar na economia.

“Pessoalmente e como gestora não me oponho, porque isso já aconteceu em todos os municípios da Amfri, em Florianópolis também. Sabemos que não é o ideal, mas acredito que poderemos sobreviver, mas temos que manter o CNPJ para garantir a autonomia de aplicar nos projetos. Desta forma a Fundação não perderia sua institucionalidade como pessoa jurídica. Extinguir o CNPJ seria um retrocesso para cultura”, opinou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade