Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cultura
Jacob do Bandolim, livro nos 50 anos de morte

Terça, 13/8/2019 7:44.
memorial.org.br

Publicidade

Amilton Pinheiro, especial para a AE
Quem escuta os versos da música Naquela Mesa, que o jornalista, compositor e cantor Sérgio Bittencourt fez em homenagem ao pai, Jacob do Bandolim (1918-1969), não imagina que a relação entre eles foi bastante tumultuada. As divergências eram tantas que eles nem sequer se sentavam juntos à mesa de refeições e passavam meses sem se cumprimentar. Só fizeram as pazes no primeiro enfarte de Jacob, em março de 1967.

Nos 50 anos da morte de Jacob do Bandolim, que se completam nesta terça, 13 de agosto, a biografia escrita pelo jornalista Gonçalo Júnior, Um Coração Que Chora - A Vida Genial e Alucinante de Jacob do Bandolim, faz outras revelações sobre o músico que modernizou o choro na música brasileira. Com cerca de 700 páginas, e ainda sem editora, o livro consumiu mais de cinco anos de pesquisa do autor, que teve acesso aos arquivos sobre o músico, que estão no IMS, MIS e Instituto Jacob do Bandolim, no Rio, além de livros, toda a discografia de Jacob, com 12 discos de estúdio, fora as coletâneas, e o diário escrito pelo músico entre 1934 a 1941.

O autor pesquisou 400 horas de gravações, 7 mil documentos, e fez por volta de 20 entrevistas sobre o músico que também foi tema de outra biografia, Jacob do Bandolim, de Ermelinda A. Paz, de 1997.

"Jacob é o personagem mais engraçado, fascinante, explosivo, que já biografei, e que deixou discos geniais como Vibrações, que para mim é o maior da música popular brasileira", conta Gonçalo Júnior em entrevista ao Estado. E não é pouco essa afirmação do autor, que escreveu biografias de personagens como Vadico, Assis Valente, Evaldo Braga, Rubem Alves, Alceu Penna, além do livro sobre o Bandido da Luz Vermelha, que será lançado no segundo semestre, pela editora Noir.

Jacob do Bandolim foi um dos grandes músicos do choro, apesar de ter feito composições de outros gêneros, como samba e o frevo. Ao longo da carreira, iniciada nos anos 1930 - apesar de só ter lançado o primeiro disco somente em 1947, pela Continental -, ele modernizou o choro com a introdução de outros instrumentos não usuais no gênero, como acordeom, flauta e vibrafone. "Jacob era fervoroso defensor da tradição do choro, mas isso não o impediu de experimentar e inovar o gênero."

Nada mal para um autodidata que ganhou o primeiro instrumento da mãe judia, Sarah Raquel Pick, ainda criança, e se converteu ao gênero assim que escutou um choro de autoria de clarinetista e compositor Luiz Americano.

Grande gênio da música brasileira, Jacob colecionava desafetos e implicava com a bossa nova. Hipocondríaco ao extremo, Jacob decidiu, aos 25 anos, extrair todos os dentes, porque lhe disseram, lá pela década de 1940, que a maior parte das doenças vinha da boca


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
memorial.org.br

Jacob do Bandolim, livro nos 50 anos de morte

Publicidade

Terça, 13/8/2019 7:44.

Amilton Pinheiro, especial para a AE
Quem escuta os versos da música Naquela Mesa, que o jornalista, compositor e cantor Sérgio Bittencourt fez em homenagem ao pai, Jacob do Bandolim (1918-1969), não imagina que a relação entre eles foi bastante tumultuada. As divergências eram tantas que eles nem sequer se sentavam juntos à mesa de refeições e passavam meses sem se cumprimentar. Só fizeram as pazes no primeiro enfarte de Jacob, em março de 1967.

Nos 50 anos da morte de Jacob do Bandolim, que se completam nesta terça, 13 de agosto, a biografia escrita pelo jornalista Gonçalo Júnior, Um Coração Que Chora - A Vida Genial e Alucinante de Jacob do Bandolim, faz outras revelações sobre o músico que modernizou o choro na música brasileira. Com cerca de 700 páginas, e ainda sem editora, o livro consumiu mais de cinco anos de pesquisa do autor, que teve acesso aos arquivos sobre o músico, que estão no IMS, MIS e Instituto Jacob do Bandolim, no Rio, além de livros, toda a discografia de Jacob, com 12 discos de estúdio, fora as coletâneas, e o diário escrito pelo músico entre 1934 a 1941.

O autor pesquisou 400 horas de gravações, 7 mil documentos, e fez por volta de 20 entrevistas sobre o músico que também foi tema de outra biografia, Jacob do Bandolim, de Ermelinda A. Paz, de 1997.

"Jacob é o personagem mais engraçado, fascinante, explosivo, que já biografei, e que deixou discos geniais como Vibrações, que para mim é o maior da música popular brasileira", conta Gonçalo Júnior em entrevista ao Estado. E não é pouco essa afirmação do autor, que escreveu biografias de personagens como Vadico, Assis Valente, Evaldo Braga, Rubem Alves, Alceu Penna, além do livro sobre o Bandido da Luz Vermelha, que será lançado no segundo semestre, pela editora Noir.

Jacob do Bandolim foi um dos grandes músicos do choro, apesar de ter feito composições de outros gêneros, como samba e o frevo. Ao longo da carreira, iniciada nos anos 1930 - apesar de só ter lançado o primeiro disco somente em 1947, pela Continental -, ele modernizou o choro com a introdução de outros instrumentos não usuais no gênero, como acordeom, flauta e vibrafone. "Jacob era fervoroso defensor da tradição do choro, mas isso não o impediu de experimentar e inovar o gênero."

Nada mal para um autodidata que ganhou o primeiro instrumento da mãe judia, Sarah Raquel Pick, ainda criança, e se converteu ao gênero assim que escutou um choro de autoria de clarinetista e compositor Luiz Americano.

Grande gênio da música brasileira, Jacob colecionava desafetos e implicava com a bossa nova. Hipocondríaco ao extremo, Jacob decidiu, aos 25 anos, extrair todos os dentes, porque lhe disseram, lá pela década de 1940, que a maior parte das doenças vinha da boca


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade