Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Audiência discutiu sobre o futuro da cultura em SC
Divulgação
Bia Mattar (de braço erguido) representou a cultura local

Quarta, 17/4/2019 15:55.

A superintendente interina da Fundação Cultural de Balneário Camboriú, Bia Mattar marcou presença na audiência pública para discussão de recursos do governo do Estado para a área de cultura, que lotou o plenarinho da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (16).

Entre os principais assuntos, foram debatidas duas linhas de financiamento a serem discutidas na Câmara dos Deputados, Lei do Fundo de Cultura e Lei do Mecenato.

Também foi anunciado o lançamento dos prêmios Elisabete Anderle e Cinemateca. O anúncio foi feito pela presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Ana Lúcia Coutinho.

“Nós estamos na expectativa que as políticas de descentralização dos recursos destinados por meio dos editais, sejam metas a serem cumpridas pela gestão estadual de cultura, que vem de um histórico de mais de 70% de projetos aprovados na capital. Enquanto o resto do Estado disputa parcos recursos que sobram”, posicionou-se Bia Mattar.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Audiência discutiu sobre o futuro da cultura em SC

Divulgação
Bia Mattar (de braço erguido) representou a cultura local
Bia Mattar (de braço erguido) representou a cultura local

Publicidade

Quarta, 17/4/2019 15:55.

A superintendente interina da Fundação Cultural de Balneário Camboriú, Bia Mattar marcou presença na audiência pública para discussão de recursos do governo do Estado para a área de cultura, que lotou o plenarinho da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (16).

Entre os principais assuntos, foram debatidas duas linhas de financiamento a serem discutidas na Câmara dos Deputados, Lei do Fundo de Cultura e Lei do Mecenato.

Também foi anunciado o lançamento dos prêmios Elisabete Anderle e Cinemateca. O anúncio foi feito pela presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Ana Lúcia Coutinho.

“Nós estamos na expectativa que as políticas de descentralização dos recursos destinados por meio dos editais, sejam metas a serem cumpridas pela gestão estadual de cultura, que vem de um histórico de mais de 70% de projetos aprovados na capital. Enquanto o resto do Estado disputa parcos recursos que sobram”, posicionou-se Bia Mattar.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade