Jornal Página 3
Cultura
João José Leal foi eleito para Academia Catarinense de Letras
Terça, 26/6/2018 14:51.

Arquivo Pessoal

Publicidade

O promotor de justiça e professor universitário aposentado João José Leal, 76, foi eleito para ocupar a Cadeira 31 da Academia Catarinense de Letras (ACL), no último dia 22, em assembleia geral para escolha de três novos acadêmicos. A referida cadeira tem como patrono o escritor Manoel José França e o fundador Henrique Boiteux. O último ocupante foi o professor, historiador e escritor Walter Piazza.

“Eu estava em Balneário Camboriú, quando recebi um telefonema do presidente da ACL, Salomão Ribas Júnior, com a grata a notícia de que meu nome havia sido escolhido para ocupar a Cadeira 31. Fico feliz e sinto-me realizado por esta honrosa distinção. Neste momento de minha vida, já afastado do Ministério Público e do ensino jurídico, considero um grande honra ter sido eleito para integrar a ACL, que reúne as figuras mais representativas das letras e da cultura catarinenses”, disse o novo acadêmico, que é colunista do jornal Página3.

Leal tem várias obras publicadas no campo das ciências criminais e da literatura. Semanalmente publica crônicas em jornais de Santa Catarina, entre eles, o Página 3. Seu último livro ‘Crônicas Tijucanas’ recebeu o Prêmio Catarinense de Literatura, concedido pela Fundação Catarinense de Cultura.

“Minhas atividades no Ministério Público de Santa Catarina, onde cheguei a ocupar o cargo máximo de Procurador Geral, com certeza, foram considerados. Afinal, o Promotor de Justiça trabalha escrevendo, redigindo peças forenses e eu sempre primei por uma linguagem objetiva, correta, sempre respeitando as regras básicas da ortografia, da pontuação, da sintaxe da Língua vernacular. Minhas atividades na academia universitária, onde exerci a docência superior por 30 anos, também deve ter sido considerado pelos acadêmicos”, avaliou o novo acadêmico.

O candidato eleito pode escolher a data da sua posse, que deverá marcar de comum acordo com a presidência da entidade. Ele acredita que poderá acontecer em agosto.

O acadêmico

Catarinense de Tijucas, João José Leal reside em Brusque. Graduado pela Faculdade de Direito da UFSC em 1966, é Mestre em Ciências Criminológicas pela Universidade de Bruxelas (1973/1974). É especialista em Direito pela Universidade de Nice (1968/1969); Livre-Docente-Doutor pela Universidade Gama Filho (Rio, 1995). É Promotor de Justiça aposentado; Ex-Procurador Geral de Justiça de Santa Catarina; Ex-Professor de Direito Penal, de Criminologia; Ex- Professor de Política Criminal e Controle Social do Programa de Mestrado em Ciência Jurídica da Univali; Ex- Diretor do Centro de Ciências Jurídicas da FURB/Blumenau (1990-1998); Fundador e Coordenador do Curso de Direito da Unifebe; Membro da Associação Internacional de Direito Penal (AIDP) e do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim).

Na área literária publicou ‘Páginas de uma Cidade. Crônicas. Florianópolis’: Ícone Design, 2012, 148 p. e ‘Estórias de uma Cidade. Crônicas Tijucanas’. Blumenau: Nova Letra, 2015, 224 p. e 962 crônicas em jornais catarinenses.

Na área jurídica publicou ‘Curso de Direito Penal’, Sérgio Fabris Editor, Porto Alegre, 1991, 576 pp.; ‘Crimes Hediondos, aspectos político-jurídicos da Lei n. 8072/90’, São Paulo: Atlas, 1996, 152 p.; ‘Direito Penal Geral’. São Paulo: Atlas, 1998, 480 p.; ‘Crimes Hediondos. A Lei 8.072/90 como Expressão do Direito Penal da Severidade’. Curitiba: Juruá, 2003, 320 p. e ‘Direito Penal Geral’. Florianópolis: OAB/SC Editora, 2004, 620 p., mais 83 artigos jurídicos publicados em revistas e periódicos de todo o país.

A Academia

A Academia Catarinense de Letras foi criada em outubro de 1920, com a denominação de Sociedade Catarinense de Letras e com a finalidade de promover a cultura literária, a Língua portuguesa e congregar os homens de letras de Santa Catarina.

José Boiteux, jurista e escritor, natural de Tijucas, é considerado seu fundador, por ter tomado a iniciativa de convidar seus primeiros integrantes para a assembleia de fundação.

Em 1924, com o objetivo de se adaptar ao modelo da Academia Brasileira de Letras (ABL), a entidade passou a se chamar Academia Catarinense de Letras (ACL) composta por 40 escritores catarinenses. As cadeiras são vitalícias e somente são declaradas vagas com a morte do seu ocupante. Nesse caso, é publicado edital para que os escritores interessados apresentem suas candidaturas.

A eleição se realiza em Assembleia Geral e a escolha do novo acadêmico leva em conta o seu currículo, suas atividades na área cultural, especialmente, a sua produção bibliográfica. Desde sua origem, a ACL admitiu mulheres em seus quadros, fato inovador no contexto de uma época e de uma sociedade que discriminava a mulher, que não trabalhava fora de casa, que não podia votar e que dependia da vontade do marido para exercer boa parte dos atos da vida civil. As professoras e escritoras Delminda Silveira e Maura de Senna Pereira foram as primeiras acadêmicas da entidade literária.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques


Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município



 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito


Geral


Economia

Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


Variedades

 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Variedades


Policia

 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


Política

 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

João José Leal foi eleito para Academia Catarinense de Letras

Arquivo Pessoal

Publicidade

Terça, 26/6/2018 14:51.

O promotor de justiça e professor universitário aposentado João José Leal, 76, foi eleito para ocupar a Cadeira 31 da Academia Catarinense de Letras (ACL), no último dia 22, em assembleia geral para escolha de três novos acadêmicos. A referida cadeira tem como patrono o escritor Manoel José França e o fundador Henrique Boiteux. O último ocupante foi o professor, historiador e escritor Walter Piazza.

“Eu estava em Balneário Camboriú, quando recebi um telefonema do presidente da ACL, Salomão Ribas Júnior, com a grata a notícia de que meu nome havia sido escolhido para ocupar a Cadeira 31. Fico feliz e sinto-me realizado por esta honrosa distinção. Neste momento de minha vida, já afastado do Ministério Público e do ensino jurídico, considero um grande honra ter sido eleito para integrar a ACL, que reúne as figuras mais representativas das letras e da cultura catarinenses”, disse o novo acadêmico, que é colunista do jornal Página3.

Leal tem várias obras publicadas no campo das ciências criminais e da literatura. Semanalmente publica crônicas em jornais de Santa Catarina, entre eles, o Página 3. Seu último livro ‘Crônicas Tijucanas’ recebeu o Prêmio Catarinense de Literatura, concedido pela Fundação Catarinense de Cultura.

“Minhas atividades no Ministério Público de Santa Catarina, onde cheguei a ocupar o cargo máximo de Procurador Geral, com certeza, foram considerados. Afinal, o Promotor de Justiça trabalha escrevendo, redigindo peças forenses e eu sempre primei por uma linguagem objetiva, correta, sempre respeitando as regras básicas da ortografia, da pontuação, da sintaxe da Língua vernacular. Minhas atividades na academia universitária, onde exerci a docência superior por 30 anos, também deve ter sido considerado pelos acadêmicos”, avaliou o novo acadêmico.

O candidato eleito pode escolher a data da sua posse, que deverá marcar de comum acordo com a presidência da entidade. Ele acredita que poderá acontecer em agosto.

O acadêmico

Catarinense de Tijucas, João José Leal reside em Brusque. Graduado pela Faculdade de Direito da UFSC em 1966, é Mestre em Ciências Criminológicas pela Universidade de Bruxelas (1973/1974). É especialista em Direito pela Universidade de Nice (1968/1969); Livre-Docente-Doutor pela Universidade Gama Filho (Rio, 1995). É Promotor de Justiça aposentado; Ex-Procurador Geral de Justiça de Santa Catarina; Ex-Professor de Direito Penal, de Criminologia; Ex- Professor de Política Criminal e Controle Social do Programa de Mestrado em Ciência Jurídica da Univali; Ex- Diretor do Centro de Ciências Jurídicas da FURB/Blumenau (1990-1998); Fundador e Coordenador do Curso de Direito da Unifebe; Membro da Associação Internacional de Direito Penal (AIDP) e do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim).

Na área literária publicou ‘Páginas de uma Cidade. Crônicas. Florianópolis’: Ícone Design, 2012, 148 p. e ‘Estórias de uma Cidade. Crônicas Tijucanas’. Blumenau: Nova Letra, 2015, 224 p. e 962 crônicas em jornais catarinenses.

Na área jurídica publicou ‘Curso de Direito Penal’, Sérgio Fabris Editor, Porto Alegre, 1991, 576 pp.; ‘Crimes Hediondos, aspectos político-jurídicos da Lei n. 8072/90’, São Paulo: Atlas, 1996, 152 p.; ‘Direito Penal Geral’. São Paulo: Atlas, 1998, 480 p.; ‘Crimes Hediondos. A Lei 8.072/90 como Expressão do Direito Penal da Severidade’. Curitiba: Juruá, 2003, 320 p. e ‘Direito Penal Geral’. Florianópolis: OAB/SC Editora, 2004, 620 p., mais 83 artigos jurídicos publicados em revistas e periódicos de todo o país.

A Academia

A Academia Catarinense de Letras foi criada em outubro de 1920, com a denominação de Sociedade Catarinense de Letras e com a finalidade de promover a cultura literária, a Língua portuguesa e congregar os homens de letras de Santa Catarina.

José Boiteux, jurista e escritor, natural de Tijucas, é considerado seu fundador, por ter tomado a iniciativa de convidar seus primeiros integrantes para a assembleia de fundação.

Em 1924, com o objetivo de se adaptar ao modelo da Academia Brasileira de Letras (ABL), a entidade passou a se chamar Academia Catarinense de Letras (ACL) composta por 40 escritores catarinenses. As cadeiras são vitalícias e somente são declaradas vagas com a morte do seu ocupante. Nesse caso, é publicado edital para que os escritores interessados apresentem suas candidaturas.

A eleição se realiza em Assembleia Geral e a escolha do novo acadêmico leva em conta o seu currículo, suas atividades na área cultural, especialmente, a sua produção bibliográfica. Desde sua origem, a ACL admitiu mulheres em seus quadros, fato inovador no contexto de uma época e de uma sociedade que discriminava a mulher, que não trabalhava fora de casa, que não podia votar e que dependia da vontade do marido para exercer boa parte dos atos da vida civil. As professoras e escritoras Delminda Silveira e Maura de Senna Pereira foram as primeiras acadêmicas da entidade literária.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques


Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município



 Em 12 meses foram registradas 2,4 infrações desse tipo por hora


 “Afastar a corrupção é o dever de todos”, disse o prefeito