Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Exposição de Mauro Caelum aberta à visitação, na Galeria

Quinta, 6/10/2016 9:44.

A exposição “Meus traços são veias que bombeiam um coração reciclado”, do artista Mauro Sérgio Santos, o Mauro Caelum, que faleceu na última terça-feira (27), abriu nesta quinta-feira (6), na Galeria Municipal de Arte de Balneário Camboriú.

No texto enviado por Mauro para acompanhar a exposição, ele diz que em outubro de 2012 esteve em coma (após uma grave parada cardíaca) e que nesse tempo “voou por terras distantes” e que agora seu coração reciclado “sangra imagens materializadas em forma de arte morta-viva”.

Normalmente, quando uma exposição inaugura na Galeria, há a cerimônia de abertura, mas por conta do falecimento do artista, a família dele apenas decidiu manter a mostra já agendada, mas preferiram não fazer o evento de abertura.

A exposição conta com 32 peças criadas, basicamente, com papelão sobre madeira, papel machê e muita tinta vermelha. As peças surgiram em novas formas e traços durante a recuperação do artista, e Mauro atribuiu essa inspiração à “viagem” do coma vivenciada pelo que chamou de “alucinações”, provocadas pelos medicamentos que recebeu no período.

A mostra poderá ser visitada até 3 de novembro sempre de segunda a sexta-feira, das 13h às 19h.

Mauro Caelum

Mauro Sérgio Santos nasceu em Tijucas em 1958 e mudou-se para Itajaí ainda na infância. A arte sempre esteve presente em sua trajetória – sempre levava consigo “restos de materiais” que embalavam seu imaginário em obras futuras. Começou a produzir peças com materiais reutilizáveis e recicláveis em sua casa em 1992 e, alguns anos depois, a arte tomou sua vida e passou a se dedicar exclusivamente a ela.

Trabalhou em projetos com a Fundação do Meio Ambiente de Itajaí (FAMAI) e Arte nos Bairros, também em Itajaí, lecionado sobre o seu processo de criação e estimulando novos artistas. Desenvolveu seu trabalho abordando a temática socioambiental aplicada às artes plásticas. Através do papel machê, madeira e plástico, principais materiais usados, desenvolveu um trabalho na comunidade itajaiense e levou o imaginário de suas obras ao conhecimento de diversas pessoas na cidade e região.

Nos últimos anos, participou de diversas exposições coletivas e individuais.

Veja os destaques:

2013 – “Pretexto: Arte na Cidade”, com realização do SESC.
2013 – Lança o livro “Caelum: Filosofia, Arte e Meio Ambiente” sobre seu processo de trabalho
2014 – “Caelum”, na Casa da Cultura Dide Brandão, Câmara de Vereadores de Itajaí, Mercado Público Municipal de Itajaí.
2014 – Assina o cenário e objetos cênicos dos espetáculos teatrais “As Maricota” e “Tomara que não chova! Ou a incrível história do homem que se transformou em cachorro” da Téspis Cia. de Teatro.
2015 – Assina o cenário do DVD do grupo musical Tarrafa Elétrica e estampa suas obras na capa do CD do cantor Itajaiense Chico Preto.
2015 – Participa do projeto Intervenções Urbanas da Eranos Círculo de Arte com a intervenção artística “Figuras da Alma”.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Temporada de cruzeiros para nós começará no dia 28 de novembro


Cidade

Medida que “engessa” o governo é cautelar até apresentação de explicações


Educação

Intenção é expandir o sistema no futuro


Policia

Ele disse que foi humilhado e teve os direitos cerceados


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Exposição de Mauro Caelum aberta à visitação, na Galeria

Quinta, 6/10/2016 9:44.

A exposição “Meus traços são veias que bombeiam um coração reciclado”, do artista Mauro Sérgio Santos, o Mauro Caelum, que faleceu na última terça-feira (27), abriu nesta quinta-feira (6), na Galeria Municipal de Arte de Balneário Camboriú.

No texto enviado por Mauro para acompanhar a exposição, ele diz que em outubro de 2012 esteve em coma (após uma grave parada cardíaca) e que nesse tempo “voou por terras distantes” e que agora seu coração reciclado “sangra imagens materializadas em forma de arte morta-viva”.

Normalmente, quando uma exposição inaugura na Galeria, há a cerimônia de abertura, mas por conta do falecimento do artista, a família dele apenas decidiu manter a mostra já agendada, mas preferiram não fazer o evento de abertura.

A exposição conta com 32 peças criadas, basicamente, com papelão sobre madeira, papel machê e muita tinta vermelha. As peças surgiram em novas formas e traços durante a recuperação do artista, e Mauro atribuiu essa inspiração à “viagem” do coma vivenciada pelo que chamou de “alucinações”, provocadas pelos medicamentos que recebeu no período.

A mostra poderá ser visitada até 3 de novembro sempre de segunda a sexta-feira, das 13h às 19h.

Mauro Caelum

Mauro Sérgio Santos nasceu em Tijucas em 1958 e mudou-se para Itajaí ainda na infância. A arte sempre esteve presente em sua trajetória – sempre levava consigo “restos de materiais” que embalavam seu imaginário em obras futuras. Começou a produzir peças com materiais reutilizáveis e recicláveis em sua casa em 1992 e, alguns anos depois, a arte tomou sua vida e passou a se dedicar exclusivamente a ela.

Trabalhou em projetos com a Fundação do Meio Ambiente de Itajaí (FAMAI) e Arte nos Bairros, também em Itajaí, lecionado sobre o seu processo de criação e estimulando novos artistas. Desenvolveu seu trabalho abordando a temática socioambiental aplicada às artes plásticas. Através do papel machê, madeira e plástico, principais materiais usados, desenvolveu um trabalho na comunidade itajaiense e levou o imaginário de suas obras ao conhecimento de diversas pessoas na cidade e região.

Nos últimos anos, participou de diversas exposições coletivas e individuais.

Veja os destaques:

2013 – “Pretexto: Arte na Cidade”, com realização do SESC.
2013 – Lança o livro “Caelum: Filosofia, Arte e Meio Ambiente” sobre seu processo de trabalho
2014 – “Caelum”, na Casa da Cultura Dide Brandão, Câmara de Vereadores de Itajaí, Mercado Público Municipal de Itajaí.
2014 – Assina o cenário e objetos cênicos dos espetáculos teatrais “As Maricota” e “Tomara que não chova! Ou a incrível história do homem que se transformou em cachorro” da Téspis Cia. de Teatro.
2015 – Assina o cenário do DVD do grupo musical Tarrafa Elétrica e estampa suas obras na capa do CD do cantor Itajaiense Chico Preto.
2015 – Participa do projeto Intervenções Urbanas da Eranos Círculo de Arte com a intervenção artística “Figuras da Alma”.

Publicidade

Publicidade