Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Hoje: feirantes vão disciplinar uso da Praça da Cultura
Divulgação

Segunda, 17/10/2016 8:17.

A Praça da Cultura completou um ano e meio com feiras aos sábados. Nesta segunda-feira (17), às 14h, no Teatro Bruno Nitz, a Fundação Cultural realiza uma assembleia para discutir e aprovar o regulamento interno do comércio que ocorre no local.

O presidente da Fundação, Anderson Beluzzo explica que os trabalhos começaram há cerca de seis meses, com uma comissão instituída entre representantes dos quatro segmentos que atuam no local: Vila do Artesanato, feira do colono, feirinha livre e grupo de cultura alimentar.
Ele defende que o processo foi democrático, pois foi desenvolvido diretamente pelos segmentos. A reunião de terça servirá para homologar o trabalho realizado.

Foi necessário disciplinar o uso da feira porque a atuação ali foi ganhando corpo - hoje já são cerca de 40 empreendedores atuando naquela região - fora que há certa rotatividade, já que muitos se capitalizam e acabam deixando a feira para atuar no comércio, etc.

Beluzzo destaca que o regulamento vai dar autonomia para que os feirantes tenham um plano de mídia, definam as coisas de forma coletiva e possam trocar ideias sobre o planejamento das ações.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Hoje: feirantes vão disciplinar uso da Praça da Cultura

Divulgação
Segunda, 17/10/2016 8:17.

A Praça da Cultura completou um ano e meio com feiras aos sábados. Nesta segunda-feira (17), às 14h, no Teatro Bruno Nitz, a Fundação Cultural realiza uma assembleia para discutir e aprovar o regulamento interno do comércio que ocorre no local.

O presidente da Fundação, Anderson Beluzzo explica que os trabalhos começaram há cerca de seis meses, com uma comissão instituída entre representantes dos quatro segmentos que atuam no local: Vila do Artesanato, feira do colono, feirinha livre e grupo de cultura alimentar.
Ele defende que o processo foi democrático, pois foi desenvolvido diretamente pelos segmentos. A reunião de terça servirá para homologar o trabalho realizado.

Foi necessário disciplinar o uso da feira porque a atuação ali foi ganhando corpo - hoje já são cerca de 40 empreendedores atuando naquela região - fora que há certa rotatividade, já que muitos se capitalizam e acabam deixando a feira para atuar no comércio, etc.

Beluzzo destaca que o regulamento vai dar autonomia para que os feirantes tenham um plano de mídia, definam as coisas de forma coletiva e possam trocar ideias sobre o planejamento das ações.

Publicidade

Publicidade