Jornal Página 3
Coluna
Economia & Negócios
Por Augusto Cesar Diegoli

Economia na Semana

Geração de empregos
Santa Catarina continua sendo destaque nacional na geração de empregos. Em janeiro, o Estado gerou um saldo de 17.348 novas vagas de trabalho com carteira assinada, segundo o Caged. O número de janeiro também registrou o melhor resultado para o mês desde 2014, quando foi registrado saldo de 18.317 vagas. São Paulo foi o Estado que registrou maior número de novos empregos com 20.278 vagas, seguido do Rio Grande do Sul com 17.769. Em todo o país, o saldo em janeiro foi de 77.822 novas vagas. Os destaques em SC no mês ficaram com: Fraiburgo (+1.492), Joinville (+1.320), Blumenau (+910) e Florianópolis (+818).

Mensagem falsa do PIS
Os trabalhadores devem ficar atentos e não clicar no link de uma mensagem com informação falsa que circula no WhatsApp dizendo que o dinheiro do abono do PIS deve ser sacado até 12 de março. Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a mudança no abono salarial proposta na reforma da Previdência só produzirá efeitos a partir de 2020, se aprovada pelo Congresso Nacional. O órgão orienta os segurados a não fornecerem seus dados pessoais a terceiros.

Têxtil Renauxview
Estão sendo convocados os senhores acionistas da Têxtil Renauxview, de Brusque, a reunirem-se em Assembleia Geral Extraordinária a realizar-se na sede social, às 11,00 horas do dia 18 de março deste ano, a fim de deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: Ratificar a decisão tomada pelo Conselho de Administração da empresa, autorizando o protocolo de Pedido de Recuperação Extrajudicial, nos termos e condições constantes do próprio plano, em regime de urgência. Os mandatos de representação para a assembleia e comprovantes de titularidade de ações emitidas pela instituição financeira depositária deverão ser depositados na sede social da Companhia até as 10,00 horas do dia 14 de março de 2019. Assina o Edital o presidente do Conselho de Administração, Armando César Hess de Souza.

Alvará da Havan
O prefeito de São Francisco do Sul entregou o alvará de construção da nova loja da rede de departamentos Havan, que será instalada na entrada da cidade, junto à BR-280, nas imediações do trevo dos balneários. O investimento é de R$ 25 milhões. O comércio será inaugurado em julho, terá 7 mil m2 e vai criar 150 empregos. Com 120 lojas espalhadas pelo país, a empresa tem previsão de acabar o ano com 145 unidades.

Dinheiro extra
Como efeito dos resultados, o grupo Lunelli distribuiu R$ 9,2 milhões aos seus 4,2 mil funcionários das 16 unidades que tem no Estado. O faturamento cresceu 10% no ano passado, em comparação com 2017.

Evolução das aplicações financeiras
O mês de fevereiro registrou as seguintes evoluções: Selic +0,49% (acumulado/ano +1,04%), CDB + 0,53% (acumulado +1,06%), Poupança +0,37% (acumulado +0,74%), Bolsa de Valores -1,86% (acumulado +8,76%), Dólar +2,86% (acumulado -3,12%), Euro +2,04% (acumulado -3,62%), Ouro +1,94% (acumulado -0,13%), IGP-M +0,88% (acumulado 0,01%).

IGP-M
Com o resultado do IGP-M de fevereiro (+0,88%), os aluguéis anuais com reajuste para março deste ano, terão um aumento de 7,60%.

Precatórios
Os segurados que derrotaram o INSS na Justiça e têm direito de receber atrasados acima de R$ 56.220 terão a grana depositada em abril, segundo o Conselho da Justiça Federal (CJF). Serão pagos R$ 6,4 bilhões em precatórios para quem teve o atrasado liberado pelo juiz entre os dias 2 de julho de 2017 e 1º de julho de 2018. Essa grana é paga apenas uma vez por ano. Por lei, o governo tem até dezembro para liberar os valores, mas, pelo segundo ano seguido depois da crise, o dinheiro sairá em abril. Os precatórios são os atrasados acima de 60 salários mínimos. Para quem teve a ação totalmente encerrada em 2017, o valor do precatório é maior que R$ 56.220. No caso dos processos finalizados em 2018, o valor deve ser acima de R$ 57.240.

Reajuste de aposentados
O reajuste das aposentadorias do INSS para recompor o poder de compra dos aposentados é garantido pela Constituição Federal. A PEC (proposta de emenda à Constituição) da reforma da Previdência quer acabar com essa garantia e instituir o modelo de reajuste por lei complementar. Para mudar qualquer item da Constituição, a tramitação no Congresso é mais complexa e demorada. Para ser aprovada, uma PEC exige voto favorável de três quintos dos deputados e senadores, em duas sessões. Ao todo, são necessários 308 deputados a favor e 49 senadores.

Subsídios
Em 2017, o BMW Group vendeu cerca de 2,4 milhões de automóveis e 164 mil motocicletas em todo o mundo. O lucro antes de impostos, em 2016 foi de aproximadamente 9,67 bilhões de euros, em receitas. Isso não impediu o BRDE bater bumbo e assinar contrato de financiamento com a BMW no valor de R$ 240 milhões para instalação da unidade de Araquari, sem contar outros benefícios e ou isenções de órgãos públicos. Mesmo com faturamento global na casa dos bilhões de euros, a gigante montadora mundial não abre mão de benesses regionais onde se instala.

Custos & Custos
O presidente da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) está diante de um desafio de grandes proporções: atender o que enseja estudo do Tribunal de Contas do Estado para quem, conforme estudo recente, as despesas públicas poderiam ser substancialmente reduzidas se 105 municípios de SC com menos de 5 mil habitantes, voltassem a ser distritos, ou deixar tudo como está. Sabe-se quem está pagando a conta: é aquele otário de sempre.

Aposentados
Os trabalhadores aposentados pelo INSS recebem hoje, em média, R$ 1.240. Os servidores de Poder Executivo recebem R$ 7.583, na média. Os militares têm proventos de R$ 9.597. Já os funcionários aposentados pelo Judiciário têm direito, na média, a R$ 26.302. E os servidores do Legislativo, os mais privilegiados, estão na faixa de R$ 28.547. Como explicar que os sindicatos de trabalhadores sejam contrários à reforma da Previdência?

Dinheiro falso
Santa Catarina foi o sexto Estado brasileiro com a maior quantidade de cédulas falsas recolhidas em 2018. No total, 32.386 notas ilegais acabaram retiradas de circulação, segundo dados do Departamento do Meio Circulante do Banco Central. Em valores, isso representa R$ 2,62 milhões de dinheiro falsificado. A cédula mais visada por golpistas, sem surpresas, é a de R$ 100. Foram 22.436 notas falsas deste valor apreendidas no Estado em 2018, totalizando R$ 2,24 milhões. Na sequência aparecem as de R$ 50, com 6.560 unidades que totalizaram R$ 328 mil. O Estado com o maior volume de notas falsas tiradas de circulação no ano passado foi São Paulo, com 167.181. Depois vem Minas Gerais (56.593), Rio de Janeiro (42.803). Em todo o Brasil, 529.206 cédulas adulteradas foram retiradas em 2018.

Shopping na Brava
A Praia Brava, em Itajaí, está ganhando seu primeiro shopping. Projetado pela construtora Procave, o Brava Mail tem área construída de 33 mil m2, divididos em três pisos. São 80 operações, incluindo supermercado, cinema, praça de alimentação com 11 lojas e 280 vagas de estacionamento. O empreendimento recebeu investimentos de R$ 60 milhões.

Inchaço
O presidente da Fiesc retornou de Brasília desiludido com o que ocorre no Congresso Nacional. São 35 partidos políticos que perdem horas e horas para discutir a aprovação de um simples requerimento. Os gabinetes dos deputados vivem entupidos de prefeitos e vereadores. Esta centralização de Brasília é um grande equívoco, que merece urgente revisão, afirmou, É realmente grave: no Congresso Nacional trabalham hoje 60 mil funcionários. E o povo pagando!

Portaria da OAB de Brusque
Através da Portaria 014/2019, de 23 de fevereiro, o presidente da OAB/SC, sub-secção de Brusque, nomeou o advogado Gustavo Aranha Gomes, presidente da Comissão de Mediação e Arbitragem local. Junto com a presidência da Comissão, foram nomeados mais cinco advogados.

A importância dos aeroportos
O aeroporto de Navegantes para fazer jus ao padrão “internacional”, tem uma recepção muito acanhada. É inadiável que se faça a ampliação e a reforma do terminal de passageiros. Precisa, também, completar a desapropriação e fazer a segunda pista dentro dos rigores exigidos pela Anac. Com toda a crise no Brasil, Navegantes teve recorde de passageiros no mês de janeiro. Já são mais de 200 mil pessoas, o maior índice da história. Hoje, Santa Catarina pode se orgulhar de ter 12% do PIB lastreado no turismo.

Menor taxa de desemprego
Santa Catarina encerrou 2018 mantendo o posto de Estado brasileiro com o menor número de desempregados proporcionalmente à sua população. Dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios divulgados pelo IBGE, mostram que a taxa de desocupação no território catarinense ficou em 6,4% no trimestre outubro e dezembro. É quase a metade da média verificada no país: 11,6%. Os números do IBGE também apontam pequeno recuo no índice catarinense no ano. Entre os meses de janeiro, fevereiro e março do ano passado, a taxa ficou em 6,5%. Na prática, o indicador ficou estável ao longo de 2018. O rendimento médio das pessoas ocupadas somou R$ 2.462. Santa Catarina também fechou 2018 com a menor taxa de subutilização da força de trabalho, que agrega os desocupados, os subocupados por insuficiência de horas e a força de trabalho potencial. O índice estadual ficou em 11,2%, enquanto o nacional foi de 23,9%.

Recuperação Judicial
O deputado federal Darci de Matos protocolou projeto na Câmara dos Deputados para permitir que empresas em processo de recuperação judicial também possam participar de licitações. O parlamentar defende a criação de mecanismos para que as empresas brasileiras atualmente nesta situação possam se recuperar, ficar adimplentes e gerar mais empregos. Segundo reportagem na última semana, por exemplo, mostrou que 33 empresas fizeram requerimento de recuperação judicial somente em Joinville, maior cidade do Estado. Destas, 28 tiveram o pedido deferido pela Justiça.

SCGás vai ampliar
A rede de distribuição de gás natural no Vale será aumentada. Dois novos trechos serão construídos a partir deste ano: de Rio do Sul a Trombudo Central e de Trombudo Central a Pouso Redondo. A empresa vai investir R$ 50 milhões em 2019, o triplo do ano passado, e quer ligar 2,2 mil novos clientes à rede.

Gás
As tarifas do gás natural distribuído em Santa Catarina pela SC-Gás deverá sofrer reajuste pesado. É que em março de 2020 termina contrato de suprimento de gás pela Petrobrás, via Gasbol. A SC-Gás receberá até 29 de março propostas para contratação de novos supridores de gás. Uma das opções seria o Terminal do Gás Nacional Liquefeito no porto de São Francisco do Sul. O problema é que o IMA engavetou a licença ambiental.

Galpões logísticos
O estoque de galpões logísticos em Santa Catarina está praticamente com 100% de ocupação. A taxa de vacância no Estado é de apenas 6%. Os dados são de levantamento da empresa americana de pesquisas e consultoria imobiliária Siila – Sistema de Informação Imobiliária Latino-Americana e apontam para um aquecimento desse mercado. O complexo Mega Itajaí já opera com 100% de ocupação e está ampliando instalações. A Capital Realty iniciou a ampliação no ano passado, adicionando mais de 30 mil m2, num investimento de aproximadamente R$ 60 milhões.

Confecção
O grupo Pasquini, empresa paulista do ramo de confecções, expande atividades para Santa Catarina. Com mais de 2 mil pontos de vendas pelo país, se instala em Itajaí. A empresa estima criar 400 empregos.

Incentivos fiscais
O prefeito de Itajaí reuniu mais de 50 empresários de todo o Estado para tratar sobre o que a revogação dos incentivos fiscais pode representar para a economia de Santa Catarina. A medida pode ter duplo impacto para Itajaí: a eventual saída de empresas que usam os portos para importar e exportar e a possibilidade de corte dos benefícios fiscais que tornam atrativo o setor portuário catarinense. Em ambas, o cenário é de prejuízo. Por sua vez, a Secretaria de Estado da Fazenda informou que os incentivos para o setor de importação e exportação estão mantidos. Mas o entendimento no setor é de que a revisão ainda pode vir a atingi-los, diante do atual cenário.

Movimentação
O Complexo Portuário do Itajaí-Açu, que inclui os portos de Itajaí e Navegantes, movimenta 67% das importações em SC. Os números mostram que, somente nesse setor, os incentivos fiscais fizeram a arrecadação de ICMS saltar de R$ 6,6 milhões em 2006, para R$ 51,6 milhões em 2017. Um crescimento de R$ 45 milhões em 10 anos. O governo está ciente do impacto que o corte dos incentivos fiscais pode trazer ao Estado. Há um esforço para agilizar a elaboração de uma lei na Assembleia, que permita estender os benefícios. Há uma preocupação com a insegurança jurídica que a perda dos incentivos fiscais pode representar daqui para frente. Se o assunto não for bem trabalhado, SC corre o risco de perder empresas mesmo em setores em que os benefícios forem mantidos, por receio de uma eventual mudança de entendimento no governo.

Mudanças
O governo deverá mudar não apenas o nome do programa Mais Médicos, mas seu foco. O objetivo é deixá-lo mais enxuto, voltado apenas às regiões de difícil acesso do país. Mas, centros urbanos que contam com profissionais não devem ter prejuízos, segundo o Ministério da Saúde. O novo modelo será apresentado neste mês de março.

CPFS
Foi publicada no Diário Oficial da União a instrução normativa que trata dos detalhes sobre declaração de imposto de renda da pessoa física neste ano. O prazo de entrega inicia no dia 7 de março e vai até 30 de abril. Em Santa Catarina são esperadas 1 milhão e 300 mil declarações. A novidade é a obrigatoriedade de informar o CPF de todos os dependentes e alimentando residentes no país.

Fim da multa do FGTS
Há espaço para se questionar na Justiça a proposta da reforma da Previdência de tirar dos aposentados que trabalham o depósito e a multa indenizatória do FGTS. Para a consultoria de Orçamento da Câmara, é questionável incluir no texto um tema que já foi discutido no STF e que resultou em uma alteração de entendimento no TST. O ponto central da discussão foi a interrupção ou não do contrato de trabalho quando o funcionário se aposenta. Há ainda o risco de violação dos pontos intocáveis da Constituição Federal.

Insegurança e instabilidade
O novo governo de Santa Catarina está completando o segundo mês com um balanço político a revelar polêmicas, falta de articulação política, frustrações em várias áreas, decisões e declarações que provocam intranquilidade e insegurança jurídica. O processo de maior impacto é relacionado ao cancelamento de incentivos fiscais a milhares de produtos e setores da economia, com impacto em toda a sociedade. Todas as manifestações do setor produtivo abriram baterias no maior efeito dos decretos que elevaram alíquotas do ICMS e cortaram incentivos: insegurança jurídica. Para completar o clima de instabilidade, o governo revelou que os salários dos servidores estaduais poderão sofrer atraso já em junho. Provocou instabilidade no funcionalismo e cria clima alarmista na população. Governantes, diz a ciência política, devem dar só boas notícias.

Quando se aposentar
Para quem tem expectativa de se aposentar entre os próximos três e cinco anos, as opções oferecidas pelo projeto do governo empurram a idade da aposentadoria para perto dos 60 anos. No primeiro sistema de transição, a idade mínima começa em 56 anos (mulheres) e 61 anos (homens), progredindo até chegar a 62 e 65 anos. A segunda opção libera benefício ao trabalhador que, ao somar idade e período contribuído, atingir uma pontuação que parte de 86 (mulheres) e 96 (homens) e avança um ponto ao ano até chegar a 100 (mulheres) e 105 (homens). Já no terceiro sistema de transição, a exigência é o acréscimo de 50% do tempo restante para que seja atingido o período de contribuição.

Benefício por idade
A reforma da Previdência exigirá idade mínima para se aposentar, acabando com o benefício por tempo de contribuição. Porém, a aposentadoria por idade como é hoje não vai existir mais. Antes, haverá uma regra de transição, que vai elevar a idade mínima das mulheres aos poucos. Hoje, os homens se aposentam com 65 anos de idade e as mulheres, com 60 anos. São exigidos 15 anos de contribuição. Para eles, a única mudança é que o total de pagamentos ao INSS subirá, até chegar a 20 anos. Para as seguradas, a idade subirá seis meses a cada ano. Assim, em 2023, para se aposentar, a trabalhadora terá de cumprir a idade mínima de 62 anos.

Aposentadoria especial
O projeto da reforma da Previdência apresentada pelo governo acaba com duas das principais regras da aposentadoria especial: o pedido antecipado e o benefício sem desconto. E ainda cria outras dificuldades, como a necessidade de comprovar a efetiva exposição a agentes nocivos prejudiciais à saúde. Além disso, a possibilidade de converter o tempo especial em comum acabará. O texto prevê duas regras de transição que, na prática, inviabilizam a aposentadoria especial. Na primeira, o trabalhador terá de cumprir pontuação de 66, 76 ou 86 pontos, segundo o tempo mínimo de contribuição de seu tipo de atividade. Na outra, o segurado precisa ter idade mínima que subirá a partir de 2024.

Desconto no salário
A reforma da Previdência não muda apenas as regras para aposentadoria, mas mexe também com o salário de todos os trabalhadores. O governo propõe uma mudança na forma de cálculo da contribuição ao INSS. Na reforma, cada fatia do salário terá a incidência de uma alíquota. Hoje, um índice único é aplicado ao salário todo. Com isso, segundo o governo, 20 milhões de brasileiros pagarão contribuição menor. Um trabalhador que ganha R$ 1.000 paga, hoje, R$ 80 (8%) por mês ao INSS. Com a mudança, vai pagar R$ 75 (7,5%). Já quem ganha R$ 5.800 verá seu desconto mensal subir de R$ 638 (11%) para R$ 677 (11,67%). No caso dos servidores, o índice máximo será de 22%.

Redução da idade da mulher
O governo afirmou que está disposto a alterar pontos da reforma da Previdência enviada ao Congresso, entre eles reduzir a idade mínima para aposentadoria das mulheres de 62 para 60 anos. Também admitiu que a porcentagem por morte poderá passar de 60% para 70% e que poderá fazer concessões no BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago para idosos e deficientes de baixa renda. O governo acha que dá para cortar um pouco de gordura e chegar a um bom termo. O que não pode é continuar como está. O déficit na Previdência é monstruoso.

Aposentadoria do professor
A reforma da Previdência pretende criar uma idade mínima de 60 anos para professores e professoras, de escolas públicas e privadas. Também serão exigidos 30 anos de contribuições exclusivamente nas funções de magistério na educação infantil ou no ensino fundamental e médio. A idade é menor do que a de outros trabalhadores da iniciativa privada (62 anos, mulher, e 65, homem), mas professores perdem na transição: terão só duas opções (contra três dos demais). A transição chamada de pedágio, para quem está bem perto de se aposentar, não valerá para os docentes.

Correção da aposentadoria (1)
Na gíria do Congresso, um jabuti é uma regra qualquer incluída num projeto que trata de um assunto completamente diferente. Por exemplo, meter uma norma de trânsito numa lei sobre impostos, sem ninguém notar. É como um jabuti em cima de uma árvore: ninguém sabe como ele foi parar lá, mas não foi com as próprias pernas. Já um bode é uma parte de um projeto que provoca chiadeira na mesma hora. E está lá para isso mesmo. Na hora de negociar, a medida polêmica é retirada do texto para facilitar a aprovação do restante. É como a história do bode na sala: depois que o bicho fedorento sai, o ambiente parece melhor do que era antes. Esse parece ser o caso da ideia de tirar da Constituição a regra que determina a correção das aposentadorias pela inflação, como consta da reforma da Previdência.

Correção da aposentadoria (2)
Hoje, todos os benefícios têm um valor atualizado a cada ano pelo INPC, um índice de preços. É assim que o poder de compra dos idosos é preservado. Não dá para imaginar que o governo pretenda consertar suas contas tungando dessa forma os aposentados, ainda mais os que recebem o salário mínimo e formam a maioria no INSS. Além disso, a inflação caiu bastante nos últimos anos, felizmente, e a correção dos valores não faz mais essa diferença toda. Assim, ou a equipe do governo explica direito o que pretende com essa mudança ou vai ser melhor desistir dela. Afinal, as propostas importantes de fato da reforma já vão dar bastante trabalho.

Sem pedágio
Quem também não terá regra de pedágio são os trabalhadores de área insalubre. No caso do benefício especial, a reforma praticamente cria uma idade mínima para ter o direito, o que deve inviabilizar esse pedido. Vai ficar pesado para esse pessoal.. Além do tempo de contribuição, ainda tem o cálculo. Com 25 anos de contribuição, o segurado vai ter 70% da média salarial. Muitos trabalhadores de área sinsalubres ingressam jovem no mercado.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 07/03/2019 às 10h34 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

Teka
A Tecelagem Kuehnrich (Teka) divulgou comunicado ao mercado reafirmando que a decisão da 2ª Câmara de Direito Comercial do TJ-SC que determinou a convocação de assembleia para definir quem deve ser o novo presidente não afasta a gestora judicial Fabiane Paula Esvicero das suas atividades, nem mesmo altera a sua condição de atuar diretamente e em conjunto com o responsável pelo cargo.

SC na beira do precipício
O governo de Santa Catarina tem situação pré-falimentar. O déficit mensal está em R$ 210 milhões e o deste ano é superior a R$ 2,5 bilhões. A dívida pública é impagável. O Estado está sem condições financeiras para pagar a dívida. O Sistema de Previdência pública faliu. Terá um déficit este ano de R$ 3,8 bilhões. A carga tributária é elevada e mal distribuída. A Secretaria da Fazenda não é contra os incentivos fiscais. É a favor da isonomia e contra a desigualdade. A situação financeira de Santa Catarina é muito perigosa. Está na beira do precipício. São palavras do atual Secretário da Fazenda, Paulo Eli.

Sistema S
A prisão do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson de Andrade, suspeito de participar de um esquema de corrupção em contratos do Ministério do Turismo e do Sistema S, dá força ao discurso do ministro da Economia em promover cortes no sistema de contribuições compulsórias a entidades como Sesi, Senai, Sebrae e Senac.

Buddemeyer
A têxtil Buddemeyer, de São Bento do Sul, teve vendas líquidas em 2018 de R$ 275,3 milhões, contra R$ 253,4 milhões em igual período de 2017. Teve lucro líquido de R$ 22,9 milhões. No ano anterior, o lucro líquido foi de R$ 18 milhões. O Patrimônio Líquido (Capital Social e Reservas) soma 181 milhões. A liquidez corrente é de 2,10. A Buddemeyer iniciou suas atividades adquirindo teares usados, principalmente das grandes têxteis de Brusque. Atualmente, está numa situação excelente, enquanto as grandes empresas têxteis de Brusque foram a falência.

Planos econômicos
Herdeiros e inventariantes de poupadores que tiveram perdas nos planos Bresser, Verão e Collor 2, já podem aderir ao acordo para receber a grana mais rápido.

Leilão
O Papai Noel gigante de Balneário Camboriú, aposentado há dois Natais, vai novamente a leilão. Será a terceira tentativa da prefeitura de vender o boneco de 15 metros de altura, que já foi robotizado ... ficava em pé, mexia os braços e boca, mas hoje já não se movimenta. O preço da estrutura, feita em ferro, é quase simbólico: R$ 3 mil. A avaliação é de que já não vale a pena mantê-lo guardado. Quando comprado, o Papai Noel custou R$ 200 mil.

Escândalo
Se Florianópolis tem a chamada “indústria” da ponte Hercílio Luz, na Serra tem a do “aeroporto”. No caso é o de Correia Pinto, que já levou R$ 63 milhões, está parado há 15 anos e custa R$ 170 mil por mês ao Estado. Fica distante 30 quilômetros do terminal de Lages.

Mais 22 lojas
O Grupo Kyly, de Pomerode, planeja abrir 22 unidades da marca Milon até o final deste ano e também ampliar atuação em multimarcas com: Kyly, Lemon, Amora e Nanai. Para isso, está investindo R$ 40 milhões em novos maquinários para sua fábrica com o objetivo de aumentar sua capacidade produtiva. Atualmente, a rede tem 20 lojas próprias Milon e 28 no modelo de franquia, espalhadas por São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Santa Catarina.

Matérias obrigatórias
A partir deste ano, as disciplinas que versem sobre conciliação, mediação e arbitragem passam a ser matérias obrigatórias nas grades curriculares dos cursos de direito de todo o país, segundo a Resolução CNE/CES nº 5/2018, oriunda do Parecer 635/2018, homologado pela Portaria 1.351/2018 do Ministério da Educação. A medida atende a uma provocação conjunta do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Federal da OAB. O prazo de adaptação às novas diretrizes curriculares é de dois anos.

Novo modelo de solução (1)
No Brasil, a partir da Constituição de 1988, quando se redemocratizou o País, o Judiciário começou a ser demandado pela maioria da população brasileira. Essa explosão de demandas judiciais caracterizou-se como afirmação da cidadania. Nesses 30 anos, enquanto o número de processos ajuizados multiplicou-se em mais de 80 vezes, o número de juízes chegou apenas a quintuplicar (4.900 juízes em 1988 e pouco mais de 20 mil, atualmente). Em média, o Brasil possui a segunda maior carga de trabalho do mundo (4,6 mil processos por juiz). Atualmente, temos mais de 100 milhões de processos em andamento: um processo para cada dois habitantes. Na Austrália, há um processo para cada 6,4 mil cidadãos.

Novo modelo de solução (2)
A alta litigiosidade, conjugada com a não utilização de meios alternativos de solução de litígios (conciliação, mediação e arbitragem), levam a uma demora excessiva pois sobrecarregam a estrutura do Judiciário. Além de tudo o que já foi proposto, é necessário que sejam criadas câmaras setoriais de composição voltadas à solução dos conflitos existentes antes do acionamento da máquina judicial. Essas câmaras vão basear sua situação na conciliação, mediação e arbitragem e serão focadas em áreas específicas como indústria, comércio e prestação de serviços. Dessa forma, direito e economia, poder público e iniciativa privada vão sentar à mesa para encaminhar as suas questões, todos imbuídos em um propósito maior que é o entendimento para desenvolver nosso Brasil.

Mais uma loja
A Havan vai construir loja em São Francisco do Sul. A unidade será instalada no km 4 da BR-280, entroncamento de acesso à Enseada.

Efeito
Se o projeto de reforma da Previdência Social for aprovado da forma como deseja o governo, vai aumentar a procura por contratos de previdência privada.

Cada vez mais bilionária
A WEG, com sede em Jaraguá do Sul, encerrou 2018 com receita líquida de vendas de R$ 11,97 bilhões, um expressivo crescimento de 25,7% frente ao resultado de 2017 (R$ 9,52 bilhões). O lucro líquido somou R$ 1,33 bilhão, alta de cerca de 17%. Os bons resultados foram registrados tanto no mercado doméstico (+20,9%) como no exterior (+29,5%), apesar de uma maior pressão sobre custos de materiais. Uma das estratégias da multinacional tem sido diversificar sua atuação. O Brasil respondeu por R$ 5,08 bilhões das vendas, enquanto outros países representaram R$ 6,89 bilhões.

Confiança continua alta
Os empresários da indústria catarinense permanecem confiantes, mesmo com leve queda no índice que passou de 68,5 pontos, em janeiro, para 68,0 pontos em fevereiro. No país, a confiança atingiu 64,5 pontos neste mês, registrando redução de 0,2 ponto na passagem do período, mantendo-se estabilizado. A coleta foi feita antes da crise política do atual governo.

Hospital de Indaial
O juiz federal da 5ª Vara Federal de Blumenau, determinou que o Hospital Beatriz Ramos, o único de Indaial, vá a leilão. O magistrado atendeu a pedido da União, que cobra o não recolhimento de impostos federais por parte da unidade de saúde, como o INSS dos funcionários. Somados, o terreno e o prédio da instituição estão avaliados em R$ 4,48 milhões. Há quatro datas marcadas para o leilão: dias 16 e 30 de abril e 14 e 28 de maio.

Aposentados
Um levantamento feito pela equipe técnica do governo federal revelou que em cinco Estados a remuneração total dos aposentados é superior aos gastos com os funcionários ativos. O líder é o Rio de Janeiro, com R$ 1,1 bilhão. Seguem-se o Rio Grande do Sul, com R$ 582 milhões e Minas Gerais com R$ 572 milhões. Santa Catarina aparece em quarto lugar, com R$ 405 milhões de gastos com inativos.

Shopping Car
Joinville vai ganhar o Shopping Car, empreendimento da Imobiliária Zattar em parceria com a Top Car, vai reunir, num único lugar 400 espaços de carros multimarcas com oferta de aproximadamente 500 veículos, no total. O novo negócio será erguido na Avenida Santos Dumont. O Shopping terá 19 mil m2 de área construída e área de vendas de 12 mil m2. A intenção é concentrar capacidade de negócios de lojistas num só endereço e, assim, atrair clientes para as diversas revendas que vão se instalar neste local. Há 300 revendas de carros na cidade.

Consulta inusitada
O Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC) recebeu um pedido para que o órgão emita parecer técnico sobre a possibilidade de fusão de Camboriú e Balneário Camboriú. As duas cidades eram uma só até 1964, quando a “praia” se tornou independente. A alegação que Balneário tem um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, mas que Camboriú fica com o “passivo social”, servindo como cidade-dormitório para os operários que trabalham no município vizinho. Quando ocorreu a emancipação, não imaginaram que a divisão poderia acarretar tamanha diferença.

Píer turístico
Três empresas catarinenses e uma do Rio de Janeiro disputam o projeto do píer turístico na Meia Praia, junto à foz do Rio Perequê, em Itapema, que será construído em parceria público-privada. As propostas serão entregues dia 4 de março. O píer promete ser uma nova atração turística, com espaço para empreendimentos de gastronomia e lazer. A próxima fase será a licitação da obra.

Cerâmica
A Oxford, de São Bento do Sul, se apresenta ao mercado como uma marca de soluções completas para cozinha, servir, organizar, decorar e brindar. A empresa ampliou seu portfólio de produtos para novos nichos de utilidades domésticas. Os lançamentos estiveram na Home & Gift Abup, principal feira do setor que aconteceu em São Paulo.

Isonomia doida
Causou espanto duas afirmações do secretário da Fazenda, em sessão especial na Assembleia Legislativa. Primeira: por conta de incentivos, 11.145 empresas, naturalmente que nenhuma pequena ou micro, não recolhem um centavo de ICMS em SC. Segunda: cada uma das quatro companhias aéreas que operam em Florianópolis, paga uma alíquota diferente do ICMS, sobre a querosene. Uma 3%, duas 12% e outra 17%. Que segurança alguém tem para investir com tanta insegurança tributária?

Curso de Medicina
Foi dada a largada do curso de Medicina da Unifebe, em Brusque. A aula magna que marca o início aconteceu na noite do dia 20, no Centro Empresarial. A cerimônia contou com a participação dos 40 alunos e seus respectivos padrinhos, familiares, docentes do curso e autoridades. O curso utilizará da metodologia ativa de aprendizagem, na qual desde o primeiro semestre os alunos já terão experiências práticas. Apesar de ser antiga, a metodologia é novidade na região. A instituição garante que não visa formar apenas profissionais da saúde, mas pretende colocar no mercado médicos com caráter humanista. O coordenador de Medicina da Unifebe, Dr. Osvaldo Quirino de Souza, revela que o curso é de extrema importância para a cidade de Brusque, região e para a própria instituição. A primeira turma é formada por alunos do Paraná, Rio Grande do Sul e a maior parte de Santa Catarina, sendo sete estudantes de Brusque.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 26/02/2019 às 10h02 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

Vendas na indústria de SC
Responsável por quase um terço do Produto Interno Bruto de Santa Catarina, a indústria comemora os bons resultados obtidos no último ano. Conforme indicadores divulgados pela Federação das Indústrias (Fiesc), o setor registrou alta de 12,2% nas vendas, na comparação com 2017. Dos 14 segmentos analisados, 13 tiveram alta. As mais expressivas foram de produtos alimentícios (32,2%), metal (20,5%), vestuário e acessórios (18,4%). Com retração apenas no setor de celulose e papel.

Crescimento do Vale
O Vale do Itajaí foi a região do Estado que mais cresceu entre janeiro e setembro do ano passado. O avanço chegou a 11,86% frente ao mesmo período de 2017. A média estadual ficou em 8,07%. Os dados foram elaborados pela Facisc e compõem o Índice de Perfomance Econômica das Regiões. A projeção é que o indicador feche 2018 em 10,03%.

Decolagem
O atual secretário de Turismo de São Paulo, o ex-ministro Vinicius Lummertz, natural de SC, projeta geração de R$ 7 bilhões na economia paulista com um programa de estímulo ao turismo que engloba redução do ICMS para querosene na aviação. Isso baixaria custos com combustível, abrindo espaço para a criação de mais voos para o Estado. Companhias aéreas e o trade turístico já chegaram a fazer reivindicação semelhante para Santa Catarina.

Logística em expansão
Após fechar 2018 com R$ 525 milhões de faturamento, um dos maiores operadores logísticos do Brasil, a Multilog, estima um crescimento de 20% de receita para os próximos 12 meses. A meta considera R$ 60 milhões em investimentos em estrutura física, tecnologia e capacitação de pessoas. A empresa conta com 1,5 mil trabalhadores e mais de 1,5 milhão de m2 de área alfandegada. A meta é atingir R$ 1 bilhão de faturamento até 2022.

Teka
A 2ª Câmara de Direito Comercial do TJ-SC, determinou que a Teka, faça uma assembleia de credores para definir quem deve ocupar o cargo de diretor-presidente da empresa. A decisão foi tomada dia 25 de janeiro e atendeu parcialmente agravo de instrumento protocolado por Frederico Kuehnrich Neto, integrante da família fundadora e que está afastado da função por decisão judicial. Trata-se de mais um capítulo do imbróglio jurídico envolvendo a gestão da tradicional companhia têxtil blumenauense.

Franquias
A Associação Brasileira de Franchising (ABF) divulgou uma prévia do desempenho do setor de franquias no Brasil em 2018 e projeções para 2019. A entidade estimou que o crescimento do faturamento do setor deve ser de 7% em 2018, superando os R$ 170 bilhões. Em número de unidades, a expansão foi de 5% e de número de redes de 1%, revertendo uma queda em 2017. As projeções para 2019 são mais positivas: crescimento de 8 a 10% em faturamento e de 5% a 6% em número de unidades.

Mercado de capitais
O controle da inflação dentro da meta de 4,5% ao ano, definida pelo Banco Central para 2019 e a manutenção da taxa de básica de juros Selic no piso histórico de 6,5% ao ano, criaram um ambiente ideal para o avanço do mercado de capitais no Brasil. Com o momento favorável, esta vertente tem se consolidado como uma opção para investidores brasileiros, que estão sofisticando seu comportamento em relação às aplicações, procurando maior rentabilidade e diversificação da carteira. A Bolsa de Valores no mês passado (janeiro) teve ganhos de 10,86%. Ações como do Bradesco PN, ultrapassaram ganhos de 17%. O Ibovespa deve chegar neste semestre aos 100 mil pontos.

Municípios inviáveis
O Tribunal de Contas do Estado realizou um completo levantamento em 2017, concluindo que a população catarinense paga mais de R$ 1 bilhão para manter os municípios que não têm receita para se manter. Este estudo conclui que os municípios com menos de 5 mil habitantes são inviáveis e deveriam examinar uma proposta de fusão. A situação da maioria dos municípios catarinenses é delicada, segundo enfatiza o documento do TCE, esclarecendo que há uma grande dependência das transferências federais e estaduais. E que a capacidade de arrecadação de impostos municipais (IPTU e ISS) é ínfima. O tema é polêmico. Houve um período em que distritos foram emancipados por motivação partidária ou demagógica e hoje não têm recursos para sustentar a máquina.

Contas em atraso
A situação financeira dos catarinenses está melhor no começo deste ano. Dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) referente janeiro de 2019, levantados pela Fecomércio-SC, mostram que 17,3% das famílias do Estado possuem contas em atraso, ou seja, estavam inadimplentes. O resultado é menor que o registrado em janeiro de 2018, quando 19,7% dos entrevistados afirmaram ter débitos pendentes. Se comparado com o total visto em dezembro (18,1%), também houve melhora. O cartão de crédito segue sendo o vilão das dívidas. Em janeiro, 64,9% das dívidas eram nesta modalidade.

Turnê na Capital
O Sintex mudou o formato da 11ª edição da Turnê do Mercado Têxtil de Santa Catarina, em vez de convidar compradores para conhecer showrooms de empresas em diferentes cidades, concentrou a exposição em um único local, no caso o Majestic Palace Hotel, em Florianópolis. De Brusque participaram Atlântica e Bouton, que apresentaram novidades nos segmentos cama, mesa e banho.

Vagas no Senai
O Senai tem 7,2 mil vagas disponíveis em 17 cidades no Estado, em cursos de graduação (955 tecnólogos e engenharia e 6,3 mil em cursos técnicos presenciais e a distância nas áreas de alimentos, bebidas, automação, mecânica, segurança do trabalho, polímeros, química). A grande novidade para o primeiro semestre deste ano é o curso técnico de administração, com foco na indústria 4.0, que será oferecido em 17 cidades catarinenses. Inédito no país, propõe o uso de tecnologias como big data e inteligência artificial.

Valor pago a falecido
Os bancos poderão sacar das contas-correntes de pessoas falecidas créditos irregulares do INSS para restituir os valores ao governo. O Conselho Monetário Nacional aprovou resolução que regulamenta medida provisória 871, antifraudes, que permite o acesso às contas-correntes de beneficiários que morreram. Segundo o Ministério da Economia, a resolução foi necessária para invalidar dispositivos anteriores que restringiam a movimentação da conta ao correntista ou a pessoas autorizadas por ele. A MP deverá gerar economia de R$ 9,8 bilhões por ano. A regulamentação dará segurança jurídica para que os bancos retirem os recursos da conta-corrente e remeta-os ao INSS.

Contas básicas
Oito em cada dez (79%) brasileiros, mudaram seus hábitos, com destaque para a pesquisa de preços (59%) antes da aquisição de algum produto, percentual que chega a 68% nas classes A e B, segundo pesquisa feita pela CNDL e pelo SPC Brasil, em parceria com o Banco Central. Além disso, 56% passaram a limitar gastos com lazer e 55% a controlar despesas pessoais. Mais da metade dos entrevistados passou a reduzir o consumo de luz, água e telefone. Outros 53% passaram a ficar atentos às promoções em busca de preços menores, enquanto 46% substituíram produtos por marcas similares mais baratas e 42% admitem ter incorporado em sua rotina a prática de pechinchar.

Ganhando cara
A Tex Cotton começou a fazer limpeza e a reformar algumas áreas do antigo prédio da Sulfabril. A empresa têxtil arrematou o complexo fabril na Rua Itajaí, em Blumenau, por R$ 34,3 milhões em leilão realizado em dezembro. Vai concentrar lá as suas operações, hoje divididas em vários imóveis no bairro Garcia. A transferência deve começar em março.

Inflação
Pressionada pelo setor de alimentos e bebidas, a inflação atingiu 0,32% em janeiro, segundo o IBGE. Em 12 meses, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 3,78%, ainda abaixo do centro da meta do governo, então em 4,5%. No grupo alimentação em domicílio, o impacto veio em maior parte pela alta do feijão-carioca (19,76%), da cebola (10,21%), das frutas (5,45%) e também das carnes (0,78%). No caso das frutas, é um aumento de demanda comum nos meses mais quentes do ano.

Mais empregos formais
A criação de vínculos formais de emprego em 2018 no Estado superou os quatro anos anteriores, com 39.646 novas vagas. Seguindo a realidade estadual, Brusque também registrou um cenário positivo ao longo do ano e subiu para quinto lugar no ranking de geração de empregos, com saldo de 1.381 novos postos de trabalho, 288 a mais do que no ano anterior. No total, foram registrados 24.149 admissões contra 22.768 demissões nos 12 meses do ano. Brusque subiu duas posições, de sétimo para quinto colocado no Estado, ficando à frente de cidades importantes como Blumenau, Itajaí, Criciúma, Itapema e Balneário Camboriú. A previsão é de que os números continuem melhorando.

Som alto
Nas principais ruas e avenidas de Brusque são locais com variados sons. Seja para anunciar algum produto ou para simplesmente tocar músicas. Diversos estabelecimentos têm em sua porta de entrada uma ou mais caixas de som, além dos carros de som desfilando nas principais ruas. O som não está agradando alguns lojistas e consumidores. A CDL já encaminhou pedido de providências junto à Prefeitura local. O pedido do Sindilojas é que a lei seja cumprida. Atualmente falta fiscalização por parte do poder público. Como não tem fiscalização, as pessoas acabam se aproveitando e abusando desse meio de comunicação. Na maioria das cidades, esse procedimento é proibido.

Aeroportos de SC
Apesar da ausência dos argentinos, sempre esperados para a temporada de Santa Catarina, mas que vieram em menor número desta vez, os cinco principais aeroportos do Estado registraram alta de 4,7% na movimentação de passageiros em 2018. Foram quase 7 milhões que entraram ou saíram pelos terminais catarinenses. Impulsionados pelas atrações turísticas ou por viagens de negócios, é a maior soma de passageiros já registrada no conjunto dos terminais do Estado. O mais movimentado continua sendo o Hercílio Luz, em Florianópolis, que manteve a média de 3,8 milhões de passageiros, com destaque para turistas chilenos. Já o aeroporto de Navegantes registrou índice de crescimento de 19,8% e superou a marca de 1,9 milhão de passageiros.

Capital Social
Em assembleia, a Bunge Alimentos aprovou redução do Capital Social da empresa em R$ 600 milhões, passando de R$ 4,44 bilhões para R$ 3,84 bilhões. A quantia anterior era considerada excessiva para as operações da companhia.

Sem concorrência nos bancos
A concentração bancária no Brasil é tão grande que os cinco maiores bancos reuniam 85% de todos os depósitos em 2017, segundo dados do Banco Central. A cada R$ 10 depositados, R$ 8,50 estavam sob a guarda da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Santander e Bradesco. A compra de bancos a partir de 2008 piorou a concentração desse setor. Com a concentração, os bancos também promovem a chamada verticalização, que é o domínio de vários elos de um mesmo setor, como meios de pagamento e bandeiras.

Previdência
Uma vez aprovada a reforma da Previdência, nove estados (SC ainda não se manifestou) já sinalizaram que imediatamente irão incorporá-la e sem transição. Caso contrário falirão, como Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Centro de Negócios
Um Centro de Negócios Imobiliários foi inaugurado em Brusque. O estabelecimento está localizado no Jardim Maluche, no antigo Zize Pescados. O espaço é liderado pelo corretor de imóveis José Luis Ambrosi, devendo abrigar sua imobiliária e outros empreendimentos do ramo, como escritórios de engenharia, arquitetura e design de interiores.

Safra de uvas
A safra catarinense de uvas nas regiões produtoras de vinho de altitude, deste ano, é estimada em 1 milhão de toneladas. A colheita vai até maio, segundo o presidente da Associação de Vinhos de Altitude Produtores Associados. A sexta edição da vindima de altitude de SC acontece de 1 a 31 de março. O evento envolve 15 vinícolas localizadas nos municípios de São Joaquim, Campo Belo do Sul, Urubici e Bom Retiro.

Decoração
As 158 lojas associadas ao Núcleo Catarinense de Decoração faturaram cerca de R$ 500 milhões em 2018, com crescimento de 10,7% frente ao ano anterior. De acordo com a entidade, o número de profissionais cadastrados chegou a quase 6 mil, alta de 7,5% no total de arquitetos e designers que integram a base de dados.

Reforma da Previdência
O governo deve apresentar ns próximas semanas a reforma da Previdência e avaliar algumas propostas. Uma delas, que tornou-se pública, facilita mudanças futuras, retirando da Constituição regras de acesso a benefícios. O tempo mínimo de contribuição e a idade mínima foram incluídos no texto constitucional em 1998, por exemplo, e só podem ser alterados com apoio de três quintos dos parlamentares. Se a proposta vingar, passará a ser preciso maioria simples para alterar os critérios. A minuta prevê idade mínima de 65 anos para homem e mulher.

Antecipação de aposentadoria
Os registros do INSS apontam que 663,7 mil trabalhadores de todo o país têm direito à contagem de tempo especial, o que garante aposentadoria antecipada. Esse é o total de funcionários expostos a ambientes com risco à saúde oficialmente registrados na Previdência, segundo dados de 2017. A aposentadoria especial é permitida a trabalhadores que completam 15, 20 ou 25 anos de atividade insalubre. O período exigido para a concessão desse benefício varia conforme o tipo de risco. O número de pessoas que podem ter a aposentadoria antecipada caiu 6% desde 2014, quando eram 706,3 mil pessoas.

Idade mínima
Relatório preliminar aponta que uma das hipóteses de reforma da Previdência em discussão no ministério da Economia prevê idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem. O governo minimizou o documento. Pela minuta, quem começar a trabalhar após a reforma precisaria ter 20 anos de contribuição para se aposentar (com 60% do valor). Quem já trabalha deveria ter 86 (mulher) ou 96 (homem) pontos na soma da idade e do tempo de contribuição. A exigência subiria ano a ano até 105 (para ambos).

Trabalhador pode saber antes
O trabalhador que está perto de completar as exigências para ter a aposentadoria consegue ver no site do INSS se as contribuições previdenciárias realizadas ao longo da vida estão corretamente registradas no cadastro eletrônico da Previdência. O serviço está disponível no meu.inss.gov.br ou no aplicativo Meu INSS (para celular ou tablete). É preciso preencher um cadastro e criar uma senha. Para mulheres a partir dos 60 anos e homens de 65 anos ou mais, a aposentadoria por idade pode ser concedida com 15 anos de contribuição (180 pagamentos). O segurado também pode saber se tem direito à aposentadoria por tempo de contribuição com pagamento integral no 86/96.

Transição curta
A reforma da Previdência com a criação de idades mínimas de 57 anos, para mulheres, e de 62 anos, para homens, como já defendeu o atual presidente, não é capaz de reduzir os gastos com benefícios de forma suficiente para equilibrar as contas públicas no futuro e, além disso, prejudica trabalhadores que estão perto de completar os requisitos para receber o benefício por tempo de contribuição, segundo o ministro da Economia. A “transição estreita” significa que, para ter uma idade mínima baixa, o governo precisaria impor essa exigência já nos primeiros anos após a reforma. Outro problema apontado pelo ministro é que a ideia defendida pelo presidente atrapalharia a intenção da equipe econômica que é economizar R$ 1 trilhão em 10 ou 15 anos com a reforma.

Golpistas aceleram aposentadorias
A AGU (Advocacia-Geral da União) entrou com ação na 3ª Vara Federal de São Bernardo do Campo pedindo a condenação, por improbidade administrativa, de um grupo que mantinha um esquema de fraudes para acelerar aposentadorias. O grupo falsificava laudos de atividades insalubres e, para isso, recebia R$ 10 mil a R$ 15 mil para acelerar benefícios. Foram cancelados alguns benefícios irregulares. Outros 1.300 com indícios de fraudes serão auditados pelo INSS.

Plano de manutenção
Os temporais deste verão têm provocado alagamentos até dentro dos prédios. Os condomínios devem tomar medidas de prevenção para evitar que as épocas de chuva se tornem um problema grave. Solicitar podas de árvores, limpeza de calhas, luzes de emergência, e outras, podem ser medidas eficazes. O ideal é que nos meses que antecedem o verão, de outubro a dezembro, seja feita vistoria completa para evitar problemas futuros. O síndico deve buscar um seguro com cobertura ampla e se certificar que está cumprindo todas as obrigatoriedades, sendo a principal o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB).

Tribunais dão adicional
A Justiça tem concedido aos segurados do INSS o direito ao adicional de 25% para os que precisam de ajuda permanente de outra pessoa, como um cuidador. Para a Previdência, apenas os aposentados por invalidez podem pedir o complemento. No entanto, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que todos os beneficiários nessas condições devem ter o adicional. Assim, os tribunais federais estão usando a decisão para determinar que o INSS pague o complemento a qualquer benefício, como aposentadoria por idade ou pensão por morte.

Quem parou de contribuir
O segurado que deixa de contribuir para o INSS entra no chamado período de graça, o tempo em que é possível ficar sem recolher antes de perder a cobertura previdenciária. Esse período varia de caso para caso. Para o contribuinte facultativo (não obrigatório), a cobertura é válida por seis meses após o último pagamento. Já para o obrigatório, caso dos autônomos, e o empregado demitido, esse prazo é de um ano. A cobertura para o desempregado pode ser prolongada por até 3 anos se ele possuir 10 anos de contribuição e tiver recebido o seguro-desemprego.

Governo dificulta benefícios
O governo está dificultando o acesso a vários benefícios previdenciários (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, salário-maternidade e auxílio-reclusão) para quem, após um período de informalidade, voltar a contribuir ao INSS. Artigo incluído na medida provisória do pente-fino do INSS endureceu regras para quem, depois de uma pausa de até 36 meses, voltar a contribuir para a Previdência. Desde a publicação da MP, esses trabalhadores precisam cumprir novamente toda a carência (exigência mínima de contribuições) para que possam receber o benefício pago a quem está temporariamente incapaz de trabalhar, a quem se afasta por causa do nascimento de um filho ou a quem está preso e tem valor destinado à família. A carência desses benefícios varia de 10 a 24 meses.

Morador inadimplente
A inadimplência em condomínios tem se tornado cada vez mais comum, em especial após a crise econômica que atingiu o país nos últimos anos. Cabe aos condomínios, antes de ingressar na Justiça, negociar com os devedores. Caso o proprietário persista em não pagar, pode até perder o bem. Os tipos mais frequentes de inadimplência em condomínios são os de pagamento da taxa mensal e de multas por infração à convenção. Em condomínio com áreas comuns, no qual diversas pessoas buscam conviver em harmonia, a recomendação é que, em primeiro lugar, sejam adotadas medidas extrajudiciais e amigáveis para cobrança dos valores devidos, como prazo maior para pagamento da dívida.

Sem tributação
A Receita Federal definiu que o auxílio-alimentação pago aos trabalhadores por meio de vale ou cartão não deve entrar no cálculo das contribuições previdenciárias desde o dia 11 de novembro de 2017, quando entrou em vigor a reforma trabalhista. Tanto antes, quanto depois da mudança na CLT, porém, o auxílio-alimentação pago em dinheiro, além de benefícios como cesta básica e alimentação no local (chamados de “in natura”) têm a cobrança. As dúvidas em torno do tema foram geradas pela alteração do artigo 457 da legislação trabalhista. A norma excluía o auxílio da base de cálculo, mas não falava em pagamento por tíquete ou cartão magnético.

Dívida de consignado
A Terceira Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu que o contrato de empréstimo consignado não termina com a morte do trabalhador ou do aposentado que fez a dívida. Portanto, a obrigação de fazer o pagamento é transferida ao espólio, quando ainda não houver partilha, ou aos herdeiros. A dívida herdada fica limitada ao que foi deixado por quem morreu.

Ação contra o INSS
Os aposentados que pretendem entrar na Justiça para exigir uma revisão do benefício devem tomar alguns cuidados extras. Na medida provisória que criou o novo pente-fino do INSS, incluiu um artigo que reforça a ordem de cobrar de volta valores pagos a quem perdeu a ação. Em muitos casos, o segurado pede a chamada antecipação de tutela, ou seja, que o reajuste seja pago pelo governo antes mesmo que o processo seja julgado de forma definitiva. Com a nova determinação, aumenta a chance de o aposentado que perder a ação no final ter que devolver a grana.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 12/02/2019 às 15h18 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

IGP-M
O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,01% em janeiro deste ano. A taxa é superior à deflação (queda de preços) de 1,08% de dezembro de 2018. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o IGP-M acumula inflação de 6,74% em 12 meses, índice que servirá de reajuste para os contratos com vencimento a partir de fevereiro deste ano.

Mudanças na Santur
Após um excelente trabalho, o brusquense Waldyr Walendowsky deixa a presidência da Santur, após mais de 7 anos à frente daquela pasta, muitas vezes respondendo pela Secretaria de Turismo do Estado. Durante seu trabalho, SC foi destaque a nível nacional, estando à frente de outros Estados, que até então despontavam na liderança. Faltava mesmo, antes de seu ingresso na Santur, maior divulgação de nosso Estado.

Confiança
O índice de confiança do empresário industrial catarinense atingiu 68,5 pontos em janeiro, contra 64,7 pontos da média nacional. O dado foi destacado em apresentação feita pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC).

Imóvel à venda
Após a transferência da Uniasselvi para a Vila Schlosser, ficou disponível o imóvel que abrigava a universidade na Avenida Otto Renaux. O terreno, de propriedade da Irmãos Fischer, tem 21 mil m2 e possui 11 mil m2 de área construída.

Shoppings
A Associação Brasileira de Shoppings Centers aponta tendência de consolidação do setor neste ano, com possíveis negócios de fusões e aquisições.

Sem crise
Maior shopping de design e decoração do Sul do Brasil, o CasaHall, de Balneário Camboriú, registrou crescimento de 40% no faturamento em 2018. Para este ano a meta é de novo incremento, na ordem de 30%.

Maior arrecadação
A arrecadação do governo de Santa Catarina com impostos de taxas estaduais, como ICMS e IPVA, atingiu R$ 26,1 bilhões em 2018, alta de 13,3% frente a 2017. Bem acima da inflação (3,75%). Só de ICMS, a principal fatia da receita, o recolhimento foi de R$ 19,4 bilhões. Os setores com maior crescimento na arrecadação do tributo foram redes de lojas e restaurantes (29,3%), automação comercial (22,7%) e automóveis (17,5%).

Logística
A Havan divulgou detalhes dos planos de expansão do seu centro de distribuição em Barra Velha (SC). O negócio foi fechado por R$ 26,28 milhões, houve uma atualização de preços, já que a oferta original de R$ 25,5 milhões foi feita em agosto do ano passado. O pagamento foi dividido em uma entrada de R$ 3,68 milhões com o saldo restante dividido em 141 parcelas mensais. A estrutura, coração logístico da operação da rede varejista de Brusque, inclui um pacote de R$ 70 milhões, além da expansão física, haverá melhorias também em tecnologias relacionadas à expedição.

Novos parques
O novo ministro do Turismo divulgou como um dos objetivos principais da pasta a definição de distritos turísticos. O material do Ministério cita o exemplo de Penha, em SC, que é pioneira na iniciativa junto com Palmas, capital do Tocantins e porta de entrada para o Japão. A administração municipal de Penha recebeu sondagem de pelo menos 10 empreendimentos interessados em se instalar no distrito, que ficará em entorno do parque Beto Carrero World. Entre os que manifestaram interesse estão grupos brasileiros, chineses e de Orlando, nos EUA, responsáveis por parques temáticos, aquáticos e resorts.

Estação 101 Hotéis
A rede de hotéis Estação 101, com sede em Itajaí, já está operando em Brusque, onde ficava o Brusque Palace Hotel, próximo do Terminal Rodoviário. Possui excelente restaurante e duas salas para eventos. O local é dotado de amplo estacionamento.

Apetite das micro
Diante da perspectiva de recuperação da economia, os micros e pequenos empresários do varejo e comércio têm demonstrado mais apetite para realizar investimentos em 2019. É o que aponta dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O levantamento mostra que 41% desses empresários pretendem investir este ano, ante 35% em 2018. Por outro lado, 38% não planejam fazer qualquer tipo de movimento nesse sentido e 21% ainda não sabem o que farão.

Mais vendas
O indicador que mde a propensão de investimento das MPEs (micro e pequenas empresas) passou de 41,4 pontos em janeiro de 2018 para 47,9 em janeiro deste ano, uma alta de 16% na comparação anual. Pela metodologia, quanto mais próximo de 100, maior a propensão para o investimento. Quando mais próximo de zero, menor a propensão. Entre os empresários que devem investir, seis em cada dez (60%) miram o aumento das vendas, enquanto 27% visam atender ao aumento da demanda e 25% querem adaptar sua empresa à snovas tecnologias. A principal finalidade para esses recursos será a compra de equipamentos (31%). Em seguida, 26% buscam reformar a empresa e 22% ampliar seus estoques.

Mais cervejarias
Santa Catarina ganhou 27 novas cervejarias em 2018. O número total de fabricantes da bebida saltou de 78, em 2017, para 105 no último ano, alta de 34,6%. Com isso, o Estado é o quarto do país com mais empreendimentos do tipo, atrás do Rio Grande do Sul (186), São Paulo (165) e Minas Gerais (115). Os dados são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Em todo o país, foram abertas 210 cervejarias em 2018, elevando o número total para 889. Já existe pelo menos um empreendimento do gênero em 479 cidades brasileiras. A Associação Brasileira da Cerveja Artesanal estima que cervejarias com até 99 funcionários empreguem 3,6 mil pessoas. Esse grupo criou 1.114 vagas de trabalho em 2018, número quase 20% maior do que o verificado nas grandes indústrias ligadas a marcas comerciais, que geraram 828 postos de trabalho ao longo do ano.

Temporada de frustrações (1)
A atual temporada de verão no litoral catarinense já está caracterizada por um paradoxo. O tempo está excelente, com muito sol, céu claro e temperaturas elevadas. Exceção, claro, aos temporais que castigaram algumas regiões. Mas a presença de turistas está muito longe da badalada pelas autoridades. As reclamações de vazios começam com os restaurantes, passam pelos proprietários de pousadas, casas e apartamentos e se completam com os prestadores de serviços. Estudos técnicos precisam ser feitos com urgência se o Estado pretende evitar a deterioração do turismo e o esvaziamento da atividade. A queda do número de turistas argentinos é uma das causas do fraco movimento. Uma redução de 70% em relação a outras temporadas.

Temporada de frustrações (2)
A falta de mobilidade é um fator decisivo. Ninguém vem para Santa Catarina para ficar preso em intermináveis engarrafamentos. A travessia da BR-101 entre Itapema e Itajaí é um sufoco diário, que só se agrava. Sobre o trânsito na Ilha de SC, na Capital, há pouco a dizer. Está sempre travada. A poluição das praias é outra tragédia anunciada. Qual turista nacional ou estrangeiro vai para uma cidade para se banhar em águas poluídas e praias tomadas por cachorros e detritos? Adicione-se um número impressionante de ambulantes, total indisciplina nos aluguéis de casas e apartamentos e se terá o cenário ideal para afugentar os turistas. Quem vem a primeira, evita a segunda.

Mais empregos
O Brasil encerrou 2018 com saldo positivo de 529,5 mil empregos formais, segundo dados do Caged. Foi o primeiro saldo positivo desde 2014, quando houve geração de 420,6 mil empregos formais. Santa Catarina fechou 2018 com 41,9 mil empregos, o terceiro melhor desempenho entre os estados brasileiros. Brusque fechou o ano com saldo positivo de 1.232 novos postos de trabalho. O saldo é melhor do que 2017, quando as empresas geraram 1.097 novas vagas de emprego.

Cruzeiros
Comandantes e diretores da MSC estão empolgados com as escalas em Balneário Camboriú e as facilidades do Atracadouro Tedesco. Novos equipamentos foram instalados, facilitando as operações de embarque e desembarque. Os navios da MSC já fizeram mais de 10 escalas nesta temporada e deverão ancorar em outras passagens por BC. O MSC Seaview, maior navio do grupo, deixou mais de 4 mil passageiros na última escala.

Cia. Hering
A Cia. Hering encerrou 2018 com 38 lojas a menos do que tinha ao final de 2017 (reduziu de 799 para 761), mas ainda assim, manteve o faturamento estável. No ano passado a receita bruta atingiu R$ 1,8 bilhão, teve queda de 1,9% frente ao desempenho do exercício de 2017, que somou R$ 1,84 bilhão. Em comunicado enviado ao mercado, a empresa listou três fatores que impactaram nos resultados do ano: greve dos caminhoneiros, que afetou o abastecimento dos canais multimarcas e das franquias; redução de fluxo de lojas em dias de jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo e temperaturas mais altas do que se esperava no inverno, o que prejudicou as vendas das coleções da estação. Esses motivos já haviam sido apontados pela própria Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) como determinantes para a desaceleração do segmento em geral em 2018.

Extinção da Eletrosul
Estão adiantados os estudos na Eletrobrás que culminarão com a extinção da Eletrosul – Centrais Elétricas do Sul, a maior estatal federal com sede em Santa Catarina. Oficialmente, ocorrerá a incorporação dos ativos da Eletrosul com a CGTEE – Cia. de Geração Térmica de Energia Elétrica, sediada no Rio Grande do Sul, integrando o Grupo Eletrobrás. A previsão é de que o processo seja deflagrado em março.

Feita têxtil
O primeiro evento do Centro de Eventos de Balneário Camboriú deve ocorrer em junho. A Feira Nacional da Indústria da Moda (Fenim), que tem edições anuais em Gramado (RS) e São Paulo (SP), deve reunir 150 expositores e reservar 12 mil leitos em BC. A organização do evento acompanhou de perto a visita do secretário de Estado, Lucas esmeraldino, à cidade.

Porto, não
A Advocacia Geral da União (AGU) emitiu parecer totalmente contrário ao projeto da BC Port, que pretende se instalar na Barra Sul em Balneário Camboriú. O projeto não tem autorização da prefeitura e muito menos licenças ambientais. Além disso, os proprietários não possuem áreas de terra nas imediações, e têm sido alvo de denúncias de falsidade de documentos. O parecer da AGU é datado de 10 de janeiro de 2019.

Aeroporto de Navegantes
O aeroporto de Navegantes terminou 2018 com recorde histórico na movimentação de passageiros. De janeiro a dezembro, foram 1,90 milhão de pessoas, 21% a mais do que em 2017. O mês com maior movimentação foi janeiro, com 192 mil passageiros, seguido de julho com 175mil e outubro com 174 mil. A média diária é de 5.289 pessoas entre embarques e desembarques. O terminal tem 44 operações regulares, entre pousos e decolagens, operadas por quatro companhias aéreas: Gol, Latam, Avianca Brasil e Azul.

Impacto na Vale
A Vale do Rio Doce sofreu perdas bilionárias como consequência do rompimento da barragem de Feijão, no município de Brumadinho (MG). O valor de mercado caiu R$ 70 bilhões num único dia; os acionistas deixarão de receber dividendos; com cotação das ações recuando 20%, o mergulho foi profundo. Exatamente num momento em que a companhia estava se reerguendo. Boas vendas, valor do minério em alta, a mineradora até havia anunciado antecipação de divulgação de resultados, o que analistas entenderam com sinal de desempenho positivo no ano passado. O desastre humano e ambiental é muito maior, mas do ponto de vista dos negócios, é um péssimo momento.

Isso é turismo?
De um leitor de Florianópolis, incomodado com o nível baixo da maioria dos turistas nesta temporada: “Acabo de qualificar os dois tipos de visitantes: 1. Turista Gafanhoto: vem, destrói o que encontra, usa e abusa de tudo como se fosse o fim dos tempos e vai embora, deixando apenas lixo; 2. Turista Cupim: vem com uma mão atrás e outra na frente, apenas com a ropua do corpo e mochila, não gasta e prejudica o que é dos outros”.

Operação defeso
O pente-fino do seguro-defeso da pesca vai demandar uma ação coordenada com a Marinha, Polícia Federal e INSS. O governo deve começar as revisões pelos Estados do Maranhão e do Pará, que detém juntos, 70% dos cadastros de seguro-defeso no país. Santa Catarina virá em uma etapa posterior.

Intercâmbio com idosos
Quem pensa que intercâmbio de idiomas é coisa para jovem está bem enganado. A prova disso é o aumento da procura de pessoas com mais de 50 anos para estudar inglês, francês ou espanhol no exterior. Segundo agências de viagem especializada em intercâmbio, a procura aumentou 20% nos últimos anos. E com o envelhecimento da população, a tendência é crescer. A maioria quer aprender um idioma para viajar e não ficar na dependência de ninguém.

Arrecadação sobe
A arrecadação federal teve alta de 4,74% acima da inflação em 2018. As receitas com tributos federais e contribuições previdenciárias fecharam o ano em R$ 1,45 trilhão. O resultado é o melhor desde 2014. Foi o segundo ano seguido com resultado positivo. Em 2017, houve alta real mais modesta, de 0,59%. Os três anos anteriores foram de retração das receitas federais. Segundo a Receita Federal, entre os pontos que justificam o dado de 2018 está a melhora dos indicadores econômicos.

Acordos de poupadores
Os poupadores que compõem o nono lote do calendário de acordo dos planos econômicos poderão aderir à proposta. Estão nesse lote os nascidos a partir de 1964 que entraram com ações na Justiça para reivindicar correções por perdas dos planos Bresser, Verão e Collor 2. O plano Collor 1 não está contemplado. O acordo foi homologado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em março do ano passado. Em maio, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) passou a disponibilizar acesso à plataforma eletrônica (pagamentodapoupança.com.br) que recebe os pedidos de poupadores e os encaminha ao pagamento. Ao todo, são 11 etapas (ou lotes) para aderir aos acordos.

Transparência internacional
A sensação de corrupção no Brasil continuou a crescer em 2018, de acordo com a mais recente edição do IPC (Índice de Percepção da Corrupção), ranking da Transparência Internacional. O país caiu nove posições e agora ocupa a 105ª posição, em conjunto de 180 países. O IPC faz a classificação com base em quão corrupto o setor público é percebido por especialistas e executivos, com base em 13 pesquisas e relatórios independentes. Quanto menor a nota (de 0 a 100), maior é a percepção da corrupção. A média do Brasil caiu novamente e chegou a 35 pontos em 2018, a mais baixa nos últimos sete anos. O país empata com Argélia, Armênia, Costa do Marfim, Egito, El Salvador, Peru, Timor Leste e Zâmbia. A nota mais alta coube à Dinamarca (88) e a mais baixa, à Somália (10).

Aplicações financeiras
Os números do mês de janeiro deste ano, transcrevemos: Selic, CDI e CDB (+0,54%), Poupança (+0,37%), Bolsa de Valores (+10,82%), Dólar (-5,58%), Euro (-5,55%), Ouro (-2,03%) e IGP-M (+0,01%).

Vale-alimentação
A Receita Federal definiu que o auxílio-alimentação pago aos trabalhadores por meio de vale ou cartão não deve entrar no cálculo das contribuições previdenciárias desde o dia 11 de novembro de 2017, quando entrou em vigor a reforma trabalhista. Tanto antes, quanto depois da mudança na CLT, porém, o auxílio-alimentação pago em dinheiro, além de benefícios como cesta básica e alimentação no local (chamados de “in natura”) têm a cobrança.

Juro do cheque especial
Os juros do cheque especial subiram de 305,7% ao ano em novembro para 312,6% em dezembro do ano passado. No mesmo período, as taxas do rotativo do cartão de crédito também aumentaram de 279,8% para 285,4% em dezembro. Embora os percentuais tenham caído na comparação com o último mês de 2017, as taxas continuam altas. No caso do cheque especial, os juros passam de 310% ao ano. A Selic (taxa básica de juros do país) está em seu menor patamar histórico, a 6.5% ao ano. Os números foram divulgados pelo Banco Central.

TIM recebe multa
A Secretaria Nacional do Consumidor multou a TIM em R$ 9,7 milhões porque a empresa teria cobrado por serviços e produtos nunca solicitados pelos consumidores. Vivo, Oi e Claro já tinham recebido a mesma punição em setembro do ano passado. O valor da penalidade é o maior que pode ser aplicado pelo órgão. A TIM informou que aprimorou seus processos.

Morador inadimplente
A inadimplência em condomínios tem se tornado cada vez mais comum, em especial após a crise econômica que atingiu o país nos últimos anos. Cabe aos condomínios, antes de ingressar na Justiça, negociar com os devedores. Caso o proprietário persista em não pagar, pode até perder o seu bem. Os tiposmais frequentes de inadimplência em condomínios são os de pagamento da taxa mensal e de multas por infração à convenção. Em condomínio com áreas comuns, no qual diversas pessoas buscam conviver em harmonia, a recomendação é que, em primeiro lugar, sejam adotadas medidas extrajudiciais e amigáveis para cobrança dos valores devidos, como prazo maior para pagamento da dívida. A falta de pagamento do condomínio é um dos principais problemas. Desde 2016, a cota condominial foi elevada a título executivo extrajudicial. O devedor recebe uma citação para pagar a dívida em três dias ou nomear bens para penhora. É um processo muito mais rápido. Estima-se que em seis meses a um ano ele pode ter essa dívida inscrita na matrícula do bem e, em última instância, perder esse bem.

Compensação de créditos
Estudo da Confederação Nacional da Indústria mostra que os 10 maiores estados exportadores do Brasil, Santa Catarina incluído, limitam a compensação de créditos de ICMS por parte de empresas que vendem produtos ao exterior. Os governos estaduais impõem condições para o uso desses créditos tanto no pagamento de dívidas quanto na sua transferência a outras empresas, em confronto com a legislação e com entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ). No Brasil, por lei, exportações de mercadorias são desoneradas da cobrança de ICMS. Esse benefício está previsto na Constituição Federal e na Lei Kandir e busca tornar os produtos brasileiros mais competitivos no mercado externo.

Condomínios logísticos
Dados compilados pela CBRE, um das principais consultorias internacionais especializadas no mercado de condomínios logísticos, confirmam o potencial de negócios do setor: atualmente, o Brasil conta com 1,4 milhão de m2 construídos por ano, totalizando 625 galpões em todo o território nacional, um recorde na história deste segmento. De 2005 a 2010 foram construídos 450 mil m2 por ano. De 2011 a 2013, com a chegada de grandes companhias internacionais ao País, esse número mais que dobrou, indo para aproximadamente 1 milhão de m2. De 2014 a 2018, mesmo em um período de recessão econômica, o avanço não parou, chegando aos atuais 1,4 milhão de m2. O principal protagonista neste crescimento é o estado de São Paulo, que sozinho, responde por mais de 50% desse total, concentrando 350 condomínios.

Revisão de incentivos fiscais
A Secretaria da Fazenda do governo de Santa Catarina entrega até o fim de fevereiro o estudo com ampla revisão de incentivos fiscais concedidos a empresas catarinenses pelo governo estadual. Em especial, a tributação sobre itens da cesta básica estão sendo esmiuçados. O objetivo é dar tratamento diferenciado a produtos de largo consumo popular constantes da cesta básica de alimentos. Também está em análise uma forma de viabilizar tratamento tributário diferenciado às empresas sediadas no Estado, de modo a incentivar a produção catarinense. No campo específico dos produtos da cesta básica, pelo menos duas distorções já foram verificadas e que merecerão atenção por parte dos técnicos. São os casos do ICMS incidente sobre pão e sobre água mineral. Em ambas as situações, a alíquota é a mesma, não importando se o produto é feito nas panificadoras locais ou se o pão é importado, como também não faz diferença se a água mineral Perrier, a mais famosa do mundo, ou se vem da indústria regional.

Concursos
Tribunal de Justiça do Estado publicou edital de concurso para preenchimento de 192 vagas para serviços notariais e registrais em dezenas de cartórios do Estado. O prazo de inscrições será aberto em 11 março. Por sua vez, a Secretaria da Fazenda está publicando a relação dos candidatos classificados no concurso de auditor fiscal. São 114 os aprovados na primeira relação e cerca de 70 em listas específicas de técnicos.

Desativação das ADRs
A desativação das 20 Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) foi oficializada em um decreto assinado pelo governo de Santa Catarina. O documento detalha a forma como a desarticulação será feita, sob a coordenação de um grupo composto por representantes de diversos órgãos do governo. De acordo com o decreto, todo o processo de desativação das ADRs deverá estar concluído até o dia 30 de abril. A extinção definitiva das agências será objeto da reforma administrativa a ser encaminhada à Assembleia Legislativa neste mês de fevereiro.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 06/02/2019 às 09h48 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

BRF vende mais uma fábrica
Doze dias depois de comunicar a venda da argentina Quickfood por cerca de US$ 55 milhões, a BRF voltou a anunciar que se desfez de mais uma operação em território Hermano. Desta vez foi a Avex, uma das líderes na produção de alimentos a base de frango e margarinas no país vizinho, que foi repassada à Granja Tres Arroyos e à Fribel. Por 100% do capital social do negócio, elas pagarão US$ 50 milhões.

Moda cara
Num universo de 44 países onde tem negócios, é no Brasil que a varejista Zara vende as peças mais caras. O custo é em média 18% maior que nos Estados Unidos, onde os preços, por sua vez, já são 36% maiores do que os praticados na Eslováquia, em Portugal e na Espanha, locais com as etiquetas mais acessíveis. O alto custo do Brasil se deve à complexidade do sistema tributário e regulatório e os gargalos em logística. As informações constam no chamado “Índice Zara”, divulgado pelo BTC Pactual e foram citadas no jornal Valor Econômico.

Grupo seleto
Santa Catarina é um dos seis Estados brasileiros, ao lado do Pará, Roraima, Mato Grosso, Rondônia e Mato Grosso do Sul, cujo PIB deste ano irá superar o de 2014, antes do início da recessão. A projeção consta em levantamento feito pela Tendências Consultoria Integrada. A expectativa de incremento da economia catarinense em 2019 em relação aquele ano é de 0,2%.

Floripa: a pior
Um estudo realizado pelo aplicativo Waze, o mais acionado pelos celulares para localização e informações rodoviárias, revela que Florianópolis é a “pior cidade do Brasil para dirigir”. Seguem-se Manaus, João Pessoa, Belém e Vitória. Entre as melhores despontam Atibaia, São José do Rio Preto e Grande Campinas, em São Paulo.

Liberações
Vinicius Lummertz, atualmente secretário de Turismo de São Paulo, informou ainda que foram liberados R$ 90 milhões no final do período. Desse total, foram R$ 25 milhões para Santa Catarina e R$ 30 milhões para São Paulo. Justificou as verbas para o Estado, alegando que “o turismo deverá movimentar neste verão em Santa Catarina R$ 11 bilhões e mais R$ 800 milhões em impostos diretos”.

Alemães em SC
O ano de 2019 terá várias comemorações sobre a epopeia dos alemães em Santa Catarina. Em março, os 190 anos da colonização alemã no Estado; em 19 de setembro, o centenário de nascimento do excepcional botânico e historiador Raulino Reitz; e, em 26 de dezembro, os 200 anos de nascimento do dr. Blumenau. Em Santa Cecília, situada a 330 km de Florianópolis, às margens da BR-116, o quarto aniversário do Museu da Família Granemann, iniciativa extraordinária da Florestal Granemann, que reuniu mais de 2 mil peças e fez o resgate dos alemães na região. Em março, ainda, a OASE (Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas) estarão comemorando 120 anos de atuação, com um evento em Blumenau, a nível nacional.

Balança comercial
O Ministério da Economia divulgou que, em nível de Brasil, as exportações cresceram 9,6%, o maior índice dos últimos cinco anos, alcançando US$ 239,5 bilhões em 2018. Já as importações registraram US$ 181,2 bilhões, aumento de 19,7% com relação ao ano anterior e atingiram o maior valor desde 2014. O saldo comercial mostra um superávit de US$ 58,3 bilhões, segundo melhor desempenho desde 1989.

Emprego
A expectativa líquida de emprego no Brasil para o primeiro trimestre de 2019 subiu dois pontos percentuais com relação ao levantamento feito no mesmo período do ano passado e um ponto percentual no comparativo ao 4º trimestre de 2018, atingindo uma variação sazonal de 8%. A percepção vem de 850 empregadores brasileiros entrevistados pelo Manpowergroup em resposta à pergunta: “qual a sua previsão de variação no número total de colaboradores em seu local de trabalho nos próximos três meses comparado ao trimestre atual?” A pesquisa mostra intenções moderadas de contratação de janeiro a março: 18% dos empresários preveem aumento no número de contratações; 11% apostam em redução e 66% não esperam alteração nos níveis de admissões. Os dados revelam a mais forte expectativa líquida de emprego dos últimos quatro anos no país.

Panificadora Ristow
A Panificadora Ristow fechou as portas no final do ano. O fim das atividades da tradicional padaria colocou um ponto final numa história quase centenária e deixará muitos moradores de toda a região das delícias caseiras encontradas somente no estabelecimento na rua Hercílio Luz, no Centro, em Brusque. Em 1919, Germano Ristow comprou aquele ponto comercial e ali começou a construir uma história do estabelecimento que se fundiu com o sobrenome da família Ristow. Uma série de fatores contribuíram para o fechamento da panificadora. Mas o principal deles é que, para modernizá-la, seria necessário um investimento muito alto. Segundo a última proprietária, tudo tem seu tempo e é hora de parar.

Vale lidera venda de veículos em SC
O Vale do Itajaí liderou a venda de veículos novos em Santa Catarina ao longo de 2018. O crescimento, incluindo todos os segmentos, chegou a 23,5%. Foi o maior do que todas as outras regiões: Norte, Sul, Oeste, Serra e Grande Florianópolis e, consequentemente, acima da média estadual, que chegou a 18,6%. O desempenho foi melhor, inclusive, do que o verificado em nível nacional. No Brasil, o incremento ficou em 13,5%. Os dados são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores de Santa Catarina (Fenabrave-SC). Ao longo de 2018, foram comercializados 53,4 mil unidades na região.

Uruguaios
Florianópolis vive uma nova fase. Milhares de turistas já retornaram às suas cidades, os argentinos estão chegando em voos fretados e os uruguaios anunciam presença maciça. Segundo a Santur, chilenos e bolivianos também estão chegando este ano à Santa Catarina.

Terreno fértil
A Associação Brasileira de Startups mapeou 10 mil empresas desse tipo em todo o Brasil em 2018, sendo 50 delas em Blumenau. O levantamento inclui informações sobre idade média e modelo do negócio, mercado de atuação e público-alvo, se elas oferecem serviços para outras empresas ou para consumidores finais, por exemplo. A meta da entidade é ampliar essa base para 15 mil em 2019, ano em que soluções para as áreas de finanças, saúde e alimentação devem continuar em alta.

Crescimento
A Havan divulgou que ultrapassou a marca de R$ 7 bilhões em faturamento em 2018, fruto de um crescimento de 40% nas vendas. A rede varejista de Brusque encerrou o ano com 120 lojas. Pelo menos mais 20 devem ser inauguradas em 2019, consumindo investimentos em torno de R$ 500 milhões e gerando a contratação de mais 4 mil pessoas, elevando para 20 mil o quadro de funcionários. A meta é chegar a 200 unidades em todo o país em 2022. O índice expressivo de crescimento já era previsto, em que pese seu proprietário ter ganho projeção nacional com suas manifestações polêmicas, principalmente durante as eleições, que geraram marketing espontâneo para a Havan.

Ampliação física
O Porto Itapoá movimentou, em 2018, 680 mil TEUs, um crescimento de 11% em relação ao movimento de 2017. A perspectiva para os próximos anos, com a ampliação da área física do terminal de 150 mil m2 para 250 mil m2 ainda neste ano, é de que tenha capacidade para movimentar 1,2 milhão de TEUs. Esse patamar coloca o Porto Itapoá entre as maiores capacidades estáticas de armazenamento de contêineres do Brasil.

Negócios
O ranking das melhores cidades para se Fazer Negócios, feito anualmente pela consultoria Urban Systems para a revista Exame, traz quatro cidades catarinenses entre as 50 principais no país: Florianópolis (24ª), Balneário Camboriú (35ª), Itajaí (36ª) e Tubarão (50ª) integram a lista, que considera índices de desenvolvimento econômico, capital humano, desenvolvimento social e infraestrutura. Vitória, capital do Espirito Santo, lidera o ranking.

Economia
Nas análises de cada indicador, os municípios catarinenses têm destaque em setores diferentes. Itajaí aparece entre as primeiras da lista em desenvolvimento econômico, passou do 45º, em 2017, para o 9º lugar na lista. Balneário Camboriú teve uma ligeira queda de posições, mas manteve-se entre as 20 primeiras, passou do 11º para o 17º lugar.

Social
Balneário Camboriú tem seu melhor posicionamento em desenvolvimento social. É a segunda do país, atrás apenas de São Caetano do Sul (SP). Aliás, nesse quesito, é a única cidade catarinense entre as 10 mais, todas as outras são do Estado de São Paulo. Em infraestrutura, Balneário também é destaque. Saltou da 63ª posição em 2017, para 17º lugar. É a melhor classificação entre os municípios catarinenses.

Melhor dezembro
As exportações de Santa Catarina, em dezembro de 2018, somaram US$ 773,63 milhões, e as importações, US$ 1.053,46 milhões. Na comparação com o mês anterior, houve avanço de 1,25% nas exportações e recuo de 22,39% nas importações. No confronto com o mesmo mês do ano anterior, as variações foram de 6,73% e 9,44%, respectivamente. Esse resultado representa um crescimento de 5,18% nas vendas do ano e de 22,95% nas compras internacionais por parte das indústrias. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e da Fiesc. Com o maior valor exportado para um mês de dezembro da história, as vendas catarinenses continuam crescendo. Os valores do ano passado se aproximam do recorde de exportações de 2011, quando somaram US$ 8,97 bilhões.

Principais produtos
Entre os produtos exportados, destacam-se as carnes de aves, que mesmo em cenário de embargos que já duram um ano, mantiveram expansão de negócios, alcançando valores de 5,55% superiores ao do ano anterior e continuam como o principal produto exportado no ano. O desempenho está associado à expansão de novos mercados, principalmente para os países árabes e para a China.

No ano
Em todo o ano passado, SC exportou US$ 8,94 bilhões e as importações totalizaram US$ 15,47 bilhões. Significa que o saldo comercial ficou negativo em US$ 6,52 bilhões. No Brasil, o comportamento da balança comercial foi diferente da verificada no Estado. As exportações totalizaram US$ 239,88 bilhões, contra US$ 181,10 bilhões, resultando em superávit de US$ 58,78 bilhões.

Insignificância
Chegou há dias à segunda maior instância da Justiça no país, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), um pedido de liminar, que foi concedido a um homem preso em flagrante sob acusação de subtrair uma maçã de uma mulher de 67 anos. Com a decisão, ele poderá responder ao processo em liberdade. Inacreditável. E os verdadeiros bandidos (políticos, principalmente) que nos tem roubado diariamente continuam soltos em sua grande maioria.

STF desmoralizado
De matéria de capa da revista IstoÉ, espinafrando o ministro Marco Aurélio Melo, pela estapafúrdia liminar liberando 168 mil presos condenados em duas instâncias: “Adotando ativismo judicial e cada vez menos preocupado em exercer suas funções elementares, como a de guardião da Constituição e da estabilidade do país, o Supremo encontra-se ainda mais desmoralizado perante à sociedade brasileira”.

Prodec
O Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense (Prodec) aprovou em 2018 a concessão de benefício de incentivos fiscais para sete empresas e reportou investimentos previstos em aproximadamente R$ 485 milhões. O estímulo potencializou a geração de 1,9 mil empregos diretos em três municípios no Norte: Joinville, Jaraguá do Sul e Mafra, além das cidades de Anita Garibaldi, Lages, Blumenau, Guaraciaba, Guabiruba e Timbó.

Retomada do ritmo econômico
A queda na abertura de empresas no Oeste é explicada pela Fecomércio-SC como resultado da pouca diversificação da economia dessas cidades, que têm no agronegócio a maior fonte de renda. Já no Meio-Oeste e nas cidades litorâneas, há mais opções para os empreendedores investirem. Além da agricultura, tem certa atividade industrial. No Litoral, houve mais atividades de serviços. Quanto mais diversificada a região, mais contribui para a geração de novas empresas. Outro indicativo de que a economia catarinense está se recuperando é a criação de empregos. De acordo com os dados do Caged, Santa Catarina abriu 64 mil novas vagas entre janeiro e novembro do ano passado. Somadas as vagas geradas em 2017, a economia recuperou os empregos perdidos entre 2015 e 2016, pior período da crise. É o primeiro momento desde dezembro de 2014 que recuperamos todas as vagas perdidas. É um momento histórico.

Coaf
O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) investigou 370 mil pessoas físicas e empresas em 2018, o que gerou cerca de 330 mil comunicações de operações suspeitas e em espécie, além de 7,2 mil relatório de inteligência financeira (RIFs) às polícias e ao Ministério Público. Somente em número de relatório, a alta foi de 10% no paralelo com o ano anterior. O órgão é responsável por analisar transações financeiras suspeitas no país e, em 2018, rendeu o bloqueio judicial de cerca de R$ 36 milhões (incluindo operações no exterior), dinheiro este relacionado a investigações de lavagem de dinheiro e crimes diversos.

Confiança renovada
A confiança da classe empresarial avançou dois pontos no indicador que mede o Índice de Expectativas para o futuro no setor de serviços. A medição é da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e alcançou 101,4 pontos, retomando os três dígitos depois de cinco anos abaixo de 100 pontos (a escala vai até 200 pontos). Em contrapartida, o Índice de Situação Atual, responsável por avaliar a confiança no momento presente, o crescimento é bem mais contido (0,5 ponto), chegando a 88,2 pontos.

Indicadores econômicos
Para o comércio, o ano teve resultado positivo, com crescimento médio nas vendas superando os 10% mês a mês (exceção de outubro, que o varejo cresceu 9,1%). A tendência é de que o setor manterá os rumos da recuperação em 2019, devido a expectativa de aumento de renda aliada a uma possível redução do desemprego. Em Santa Catarina o índice de desemprego voltou ao mesmo patamar dos dois anos anteriores, de 6,2%. Já o saldo líquido de vagas mostrou evolução com relação a 2017: duas mil vagas a mais no varejo e o dobro no setor de serviços, alcançando, 30,7 mil novas oportunidades. O volume de serviços, inclusive, teve o melhor resultado desde 2015 no acumulado em 12 meses, em SC. O Estado ficou ainda no segundo posto nacional na abertura de lojas no primeiro semestre de 2018, com 852 novos estabelecimentos criados.

Futuro planejado
Muitas pessoas ficam em dúvida quando o assunto é previdência privada. Ter ou não ter? Ela é realmente necessária, mesmo sendo contribuinte da previdência social? Essas são algumas das questões de quem pensa sobre os investimentos no futuro. Outros, mais pessimistas ou humorados, disparam a célebre frase: “Nem sei se estarei vivo amanhã, imagina daqui a 20 ou 30 anos”. Pois é, mas conforme dados do IBGE muitos de nós estaremos vivos nesse período, sim. Segundo o instituto, até 2050, a população idosa vai triplicar no país. De 20 milhões em 2010 para mais de 60milhões. Isso afetará, e muito, a configuração de vida em diversos aspectos, inclusive as formas de previdência. Somente este dado já responde sobre a relevância e os drásticos impactos dos investimentos futuros. A educação financeira é essencial, independentemente da sua idade, e investir no futuro também é uma forma prática de educar financeiramente. Analise com calma, converse com especialistas e com amigos que já contam com o suporte antes de escolher.  

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 15/01/2019 às 11h24 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

Mercado em 2018
O dólar subiu 17% no ano passado, puxado pela turbulência global desencadeada pela alta de juros nos Estados Unidos e despontou como o investimento mais rentável de 2018. A moeda americana fechou o ano cotada em R$ 3,8770. O desempenho da moeda americana superou inclusive os ganhos no mercado acionário: o Ibovespa avançou 15% no ano, acumulando o melhor desempenho entre as principais Bolsas mundiais. Para quem investiu o FGTS em ações há alguns anos, os papéis ordinários da Petrobrás (Petr3) subiram 46,57% durante todo o ano, de R$ 17,33 no primeiro pregão de 2018, para R$ 25,40 no final. Já as ações da Vale (Vale3) avançaram 22,24% de R$ 41,77 para R$ 51. Aplicações em fundos cambiais se valorizaram 20%, segundo dados da associação do mercado de Capitais.

Brasileiro está otimista
O otimismo do brasileiro com os rumos da economia atingiu níveis recordes. É o que aponta pesquisa Datafolha. Dos entrevistados, 65% consideram que a economia vai melhorar. Menos de 1% acha que a situação vai ficar pior. O levantamento mostra ainda que 47% acreditam que o desemprego será menor no novo governo. Outras 35% acham que a inflação cairá.

Atacarejo em alta
O ano de 2018 foi marcado pela expansão do atacarejo em Santa Catarina. Várias redes abriram unidades neste formato, que é o que mais cresce dentro do ramo supermercadista, em todas as regiões, inclusive em Brusque. A Associação Catarinense de Supermercados não tem um levantamento de quanto foi investido no segmento, porque nem todas as redes abrem esse tipo de informação. Mas os aportes são significativos. Para 2019 a projeção é bem mais otimista para os supermercados, entre 3% e 3,5%. O atacarejo deve continuar puxando a fila dos investimentos, com mais lojas deste formato, chegando em muitas cidades do interior.

Crescimento nas montadoras
Cinco montadoras registraram crescimento acima do mercado total de automóveis e comerciais leves de 14,6% no ano que acabou. O destaque foi a Volkswagen, com alta de quase 35% em relação a 2017. A marca vendeu 366,9 mil veículos e ficou em segundo lugar no ranking nacional, atrás a General Motors, com 433,9 mil unidades, 10% a mais que em 2017. Outro destaque foi a Renault, que vendeu 214,9 mil unidades, alta de 28,7% ante 2017. A marca ocupou a quinta posição na lista das fabricantes. A Fiat ficou em terceiro lugar com 325,7 mil unidades, alta de 11,8%. Na sequência veio a Ford, com 226,4 mil unidades, com crescimento de 9,5%. A Hyundai ficou na sexta posição, com venda de 206,5 mil veículos e crescimento de 2,3% ante o ano anterior. Somando todas as marcas, em 2018 a indústria automobilística brasileira vendeu cerca de 325 mil veículos a mais que no ano anterior. O setor encerrou o período com 2,56 milhões de unidades vendidas, alta de 14,5%. É o segundo crescimento seguido registrado pelo setor, após os quatro anos de queda no período mais crítico da crise econômica, a partir de 2013. Para este ano, a expectativa é de novo crescimento de pouco mais de 10%.

Termômetro e medidor de pressão
A partir deste novo ano, ficam proibidas em todo o país a fabricação e a venda de termômetros e de aparelhos para verificar a pressão arterial que utilizam coluna de mercúrio. A medida não veta o uso doméstico de termômetros de mercúrio para quem já possui o equipamento.

Iate de luxo
Foi de 14,4 milhões o valor pago, em leilão, a um iate de luxo que pertencia ao empresário Eike Batista. A embarcação foi apreendida pela Operação Lava-Jato.

Constatação cruel
Quem vive o dia a dia de Florianópolis e região e o caos na mobilidade perde o humor sabendo que enquanto o dinheiro para recuperar a Ponte Hercílio Luz foi para o bolso de um bando de corruptos e safados, as duas outras pontes estão cheias de problemas. Fala-se, inclusive, que mantida a situação de degradação contínua atual, podem ser interditadas em futuro bem próximo. Aí seria o inferno total.

Pelo ralo
O desperdício de dinheiro com as tais Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDR), depois transformadas em agências, sabe-se agora que envolveu inclusive a construção de sedes próprias para acomodar o cabide de empregos que sempre foram tais instâncias “descentralizadas”. Chegou-se a fazer o projeto das 36, mas só um viabilizado, o de São Joaquim, chefiado, desde seu início, pela ex-miss SC Solange Pagani.

IGP-M
O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) caiu 1,08% em dezembro, segundo publicação da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado é pouco diferente da queda registrada de 0,35% registrada em novembro e expõe a variação de preço do índice que é considerado nos reajustes de contratos de aluguéis. Apesar dessa deflação, o IGP-M continua com inflação acumulada de 7,54% no ano. Índice que deverá servir de reajuste para os alugueis que vencem em janeiro deste ano.

Aporte de recursos
O Sicoob projeta investimentos de R$ 340 milhões em 2019, com foco em tecnologia, canais de atendimento, novas transações e crédito digital para o agronegócio. Uma das novidades previstas é o aplicativo Moob, que permitirá que um cooperado faça vendas e anúncios de produtos para outros cooperados.

Tex Cotton
A Tex Cotton recebeu a carta de arrematação do leilão da Sulfabril, em Blumenau, e já é oficialmente a dona dos bens que pertenciam à antiga empresa têxtil, incluindo o complexo industrial da Rua Itajaí. O próximo passo é a contratação de uma empresa que avaliará a estrutura e fará uma proposta de layout. A Tex Cotton, atualmente instalada no bairro Garcia, em imóveis separados, quer concentrar todo o negócio no novo espaço, recém-adquirido.

Conectados
Subiu de 69,3% em 2016, para 74,9% em 2018, o percentual de domicílios brasileiros com acesso à internet. A presença do celular passou de 92,6% para 93,2%, enquanto a do telefone fixo caiu de 33,6% para 31,5%. Os dados são do IBGE.

Embargo
O embargo europeu ao pescado brasileiro, que está completando um ano neste mês de janeiro, está no topo das prioridades do novo secretário nacional de Aquicultura e Pesca. Em reunião recente do secretariado do Ministério da Agricultura, foi acordada uma força tarefa para resolver o problema. Será necessária atuação conjunta, já que há questões sanitárias aguardando solução.

Preocupação
O comércio lojista constata dois gargalos que limitam a expansão dos negócios do varejo com maior velocidade: o desemprego e o endividamento familiar. O novo governo, segundo os líderes do varejo, precisa adotar medidas para amenizar estes dois problemas. E para dinamizar a economia com redução da carga tributária e da burocracia.

Economia cresce
Apesar de manter a mesma posição geral (9ª) no ranking estadual em relação a 2015, o PIB de 2016, divulgado pelo IBGE, teve números positivos. Principalmente para a indústria, que cresceu 5,8% e subiu para a 6ª posição. O PIB per capita também ganhou força e cresceu 3,31%, fechando 2016 em R$ 41.682,64.

SC em 4º lugar
O Sebrae nacional divulgou o Índice Sebrae de Desenvolvimento Econômico Local (ISDEL), que posiciona os territórios entre uma escala que varia de 0 a 1, onde estão os níveis mínimos e máximos de desenvolvimento. Analisa 30 indicadores com base em fontes oficiais, divididos em cinco dimensões: capital empreendedor (educação, renda e densidade empresarial), tecido empresarial (relacionado à existência de elementos do tecido social, tecido empresarial, programas e ações associativistas), governança para o desenvolvimento (participação e controle social, articulação e gestão pública), organização produtiva (aglomerações e diversificação produtiva) e inserção competitiva (especialmente informações do comércio internacional). O Estado de Santa Catarina aparece na quarta colocação, com 0,436. São Paulo lidera o ranking com índice 0,538, seguida pelo Rio de Janeiro com 0,491 e Distrito Federal, que obteve índice de 0,473.

Aplicações financeiras
Registramos a seguir as principais aplicações no mercado financeiro no mês de dezembro e no cumulado de 2018: CDI (+0,49% acumulado +6,42%), CDB (+0,50% acumulado +6,17%), Poupança (+0,37% acumulado +4,62%), Bovespa (-1,81% acumulado +15,03%), Dólar (+0,42% acumulado +16,92%), Euro (+1,51% acumulado +11,84%), Ouro (+4,98% acumulado +16,93%), IGP-M (-1,08% acumulado +7,54%).

Chineses chegando
Uma boa notícia para incrementar o turismo brasileiro. O Diário Oficial da União publicou a relação das 59 agências de turismo que poderão atender os turistas chineses que vierem ao Brasil a partir deste ano. A Organização Mundial do Turismo revela que o chinês é hoje, em média, o que mais viaja pelo mundo. O título já foi dos japoneses.

Coamo antecipa sobras
A Coamo, maior cooperativa do Brasil, não deixou o ano terminar e antecipou R$ 109 milhões de sobras aos associados, distribuídos conforme a movimentação de cada cooperado na comercialização de soja, trigo, milho e insumos. A antecipação das sobras, apelidada de 13º do produtor rural associado à Coamo é uma tradição e ajuda a movimentar o comércio no final do ano nas cidades em que a cooperativa está inserida. A complementação das sobras vem quando da aprovação das contas do ano anterior. Segundo o presidente da Coamo, o brusquense José Aroldo Gallassini, o ano de 2018 foi considerado o melhor ano da cooperativa. Direção e associados estão orgulhosos do resultado alcançado.

IPTU mais caro
Os carnês de IPTU de Balneário Camboriú começaram a ser distribuídos em 2 de janeiro, com um reajuste de 10,8% em relação ao que foi cobrado em 2018. A diferença é do IGP-M, índice escolhido pela administração para balizar o aumento. As prefeituras adotam, anualmente, a variação de três índices: IGP-M, IPCA ou o IPC para calcular o reajuste. O IGP-M costuma ser o mais alto. Na realidade, o IGP-M teve uma variação de 7,54% em 2018 e não 10,8% como foi aplicado. Os contribuintes foram lesados pela atual administração de Balneário Camboriú.

Turismo
A virada do ano foi a melhor da história em Santa Catarina. De acordo com os dados da Santur, hotéis lotados no litoral e no interior. Cidades que tinham infraestrutura receberam grande número de visitantes em todos os pontos do Estado. Os argentinos vieram em número bem reduzido, mas os catarinenses e os brasileiros bateram todos os recordes.

Inovação
Santa Catarina continua investindo na implantação dos 13 centros de inovação projetados para fomentar o ecossistema de inovação no Estado, dois deles já em operação, em Jaraguá do Sul e Lages. Em 2018, houve investimento recorde de R$ 15,2 milhões na construção de novas unidades, sete delas com prazo de conclusão das obras previsto para meados deste ano.

Pirataria
Com respeito a quem pratica, pirataria é como uma erva daninha que você tem que estar sempre cortando porque ela cresce automaticamente. É preciso ter um controle muito rigoroso sobre isso e temos exemplo disso em Balneário Camboriú. Essa é uma atividade com a qual o governo perde milhões em impostos, pois são produtos vendidos livremente, de marcas falsificadas e, às vezes, que podem causar problemas à saúde e não têm regulamentação. Essa é também uma das bandeiras da CDL, do combate ao contrabando e à pirataria.

Exportações de SC crescem
As exportações de Santa Catarina cresceram 5,2% em 2018, atingindo cifras de US$ 8,95 bilhões, de acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O avanço foi mais modesto que o verificado em 2017, quando os embarques tiveram alta de 12%, Apesar do incremento geral, houve leve queda nas vendas de manufaturados de 0,9%. Com isso, caiu, também a participação desse tipo de item na pauta exportadora, de 53,6% em 2017, para 50,5% no ano passado, totalizando US$ 4,52 bilhões. Os produtos básicos e os semimanufaturados, no entanto, trataram de deixar os números finais positivos.

Superpasta
Tido como Superministério da Economia, a nova pasta nasce no novo governo reunindo as atribuições dos antigos ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Internacionais e parte do Ministério do Trabalho. A pasta terá sete secretarias especiais, 19 comuns e uma subsecretaria-geral vinculada à Secretaria Especial da Receita Federal e outra assessoria especial de assuntos estratégicos.

Otimização de recursos
O governo de Santa Catarina aponta para economia de cerca de R$ 10 milhões em 2018, na gestão de projetos e obras estratégicas para o Estado. A redução de custeio veio por meio de análises técnicas, jurídicas e de engenharia nas licitações e em aditivos de obras do Pacto por Santa Catarina. Pelo programa, foram investidos quase R$ 850 milhões em obras.

Chineses seguem investindo
Entre setembro e dezembro foram confirmados mais quatro projetos de investimentos chineses no Brasil, contemplando os setores de energia, indústria, peças automotivas e financeiro. O valor total das aplicações chega a US$ 1,3 bilhão, conforme relatório da Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento. De 2003 a 2018, a China investiu em 317 empreendimentos no País com valores totais de US$ 133,9 bilhões. Do total, 155 se confirmaram, o que se converteu em US$ 69,2 bilhões investidos.

Itapema disputada
O mar azul de Itapema tem espaço disputado com o mar de guarda-sóis nesta temporada. A cidade registrou público de mais de 400 mil pessoas no Réveillon, mantendo a ocupação dos hotéis oscilando entre 90% e 100%. Já é a melhor temporada dos últimos anos. Os turistas estão gastando em restaurantes e no comércio, que vivem cheios. A expectativa é manter os bons números com a chegada dos turistas do Mercosul. A crise na Argentina pode mudar o perfil do visitante que vem do país vizinho. O Chile promete ser a bola da vez entre os estrangeiros e compensar uma eventual redução no número de argentinos.

Turistas visitam Brusque
Destino conhecido de quem gosta de fazer turismo de compras, Brusque teve dias movimentados. Os estacionamentos da FIP e do Stop Shop estão sempre cheios de carros, a grande maioria de outras cidades. Muitos turistas aproveitam a variedade de lojas e os preços, tanto no varejo quanto no atacado, são convidativos. Depois do Natal, as lojas estavam sempre cheias.

Duplicação da Antônio Heil
A obra segue a passos de tartaruga, quase parando, e é uma das principais demandas para a região. O canteiro de obras chegou a ficar parado. Acabar o que já foi iniciado é importante. Vamos ter dois grandes problemas nesta rodovia: os retornos do Brilhante e do Limoeiro. A obra era supervisionada pelo Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra). O novo governo de SC extinguiu este departamento. Outro problema a ser enfrentado é a obra no entroncamento com a BR-101. É uma obra cara, que embora tenha projeto, o histórico do poder público mostra que deverá demorar para ficar pronta.

Inadimplência entre empresas
A inadimplência entre as empresas subiu 9,01% no mês de novembro, na comparação com o mesmo período em 2017, segundo levantamento da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil. Em relação ao mês de outubro, o aumento foi de 2,17%. A alta foi puxada, principalmente, pela região Sudeste, onde subiu 16,76% o número de empresas com crédito restrito. O setor de serviços registrou o maior crescimento de inadimplência, com um avanço de 13,20%.

Pagar as contas
Juntar dinheiro e sair do vermelho são as principais metas financeiras dos brasileiros para 2019, de acordo com estudo feito pelo SPC Brasil (Serviço de proteção ao Crédito) em conjunto com a CNDL. Segundo os dados, a principal meta financeira de 51% dos entrevistados é juntar dinheiro; 37% querem se livrar do endividamento. A pesquisa mostra ainda que, em 2018, oito em cada dez (82%) fizeram cortes no orçamento. Dentre as principais reduções estão refeições fora de casa (52%), compra de itens e vestuário, calçados e acessórios (49%), itens supérfluos de supermercado (47%) e viagens (43%).

Insegurança Jurídica
A decisão do ministro Marco Aurélio Mello de suspender liminarmente a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância acabou sendo revista pelo presidente do STF, mas contribuiu para aprofundar a insegurança jurídica no país. Além de interferir diretamente num dois pilares da Operação Lava-Jato, a decisão ocorreu fora de hora, na véspera do início do recesso do Judiciário. O Supremo, já deveria ter se manifestado há mais tempo, e, de forma definitiva, sobre o tema. Agora ficou para o plenário em 10 de abril.

Otimismo com a economia (1)
Quando muda o governo, é normal que aumente a confiança da população num progresso da situação da economia. Mesmo gente que não votou no novo presidente costuma ficar mais otimista. Afinal de contas, ele assumiu com força política, propostas diferentes e vontade de mostrar serviço logo. Não é a toa, portanto, que são favoráveis as expectativas na nova administração do Brasil. Segundo pesquisa Datafolha, 65% dos brasileiros acham que o país vai melhorar nos próximos meses. Outros 24% acreditam que tudo continuará como está e só 9% preveem uma piora. É bom notar que as esperanças de hoje estão acima do normal. O otimismo medido pela pesquisa é o maior desde 1997.

Otimismo com a economia (2)
Para se ter uma ideia, apenas quatro meses atrás, em agosto, a parcela dos que apostavam no avanço do país não passava de 23%. A confiança dos brasileiros tem base na realidade, mas convém não esperar resultados maravilhosos tão cedo. Depois de anos de crise e recuperação muito lenta da economia, a tendência é que as coisas de fato andem mais em 2019. A inflação está baixa e os juros podem cair. Mas tudo vai depender da coragem dos empresários de voltar a investir e contratar. E isso só vai acontecer se o governo mostrar competência na política e na economia.

Ano cervejeiro
O ano de 2018 foi tido como histórico para a indústria cervejeira de SC, que tem mais de 100 fabricantes, com o inesperado reconhecimento mundial da Catharina Sour, a cerveja ácida com adição de frutas, criada aqui, como um estilo, pela Beer Judge Certification Program (BJCP), uma das mais importantes instituições da categoria do mundo. O reconhecimento impulsionou três roteiros, comercializados por operadoras de turismo: o Balneário Cervejeiro (envolvendo cervejarias de Itajaí, Balneário Camboriú, Bombinhas e Tijucas); Caminho Cervejeiro Grande Florianópolis (Florianópolis, São José e Santo Amaro da Imperatriz); e Vale Cervejeiro (Blumenau, Brusque, Pomerode, Timbó e Gaspar). Outros dois estão sendo finalizados: Encantos do Sul (Garopaba, Tubarão e Lauro Mueller) e Caminho dos Príncipes (Joinville, Jaraguá do Sul e Corupá).

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 08/01/2019 às 15h37 | acdiegoli@gmail.com



1 2 3 4 5 6 7 8 9

Augusto Cesar Diegoli

Assina a coluna Economia & Negócios

Contabilista aposentado, graduado em Direito pela Univali (ex-Fepevi), pós graduado em Direito tributário e Finanças Empresariais pela Furb, árbitro/mediador e diretor da Câmara de Mediação e Arbitragrem de Brusque e diretor da Facema - Federação Catarinense das Entidades de Mediação e Arbitragem.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Economia & Negócios
Por Augusto Cesar Diegoli

Economia na Semana

Geração de empregos
Santa Catarina continua sendo destaque nacional na geração de empregos. Em janeiro, o Estado gerou um saldo de 17.348 novas vagas de trabalho com carteira assinada, segundo o Caged. O número de janeiro também registrou o melhor resultado para o mês desde 2014, quando foi registrado saldo de 18.317 vagas. São Paulo foi o Estado que registrou maior número de novos empregos com 20.278 vagas, seguido do Rio Grande do Sul com 17.769. Em todo o país, o saldo em janeiro foi de 77.822 novas vagas. Os destaques em SC no mês ficaram com: Fraiburgo (+1.492), Joinville (+1.320), Blumenau (+910) e Florianópolis (+818).

Mensagem falsa do PIS
Os trabalhadores devem ficar atentos e não clicar no link de uma mensagem com informação falsa que circula no WhatsApp dizendo que o dinheiro do abono do PIS deve ser sacado até 12 de março. Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a mudança no abono salarial proposta na reforma da Previdência só produzirá efeitos a partir de 2020, se aprovada pelo Congresso Nacional. O órgão orienta os segurados a não fornecerem seus dados pessoais a terceiros.

Têxtil Renauxview
Estão sendo convocados os senhores acionistas da Têxtil Renauxview, de Brusque, a reunirem-se em Assembleia Geral Extraordinária a realizar-se na sede social, às 11,00 horas do dia 18 de março deste ano, a fim de deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: Ratificar a decisão tomada pelo Conselho de Administração da empresa, autorizando o protocolo de Pedido de Recuperação Extrajudicial, nos termos e condições constantes do próprio plano, em regime de urgência. Os mandatos de representação para a assembleia e comprovantes de titularidade de ações emitidas pela instituição financeira depositária deverão ser depositados na sede social da Companhia até as 10,00 horas do dia 14 de março de 2019. Assina o Edital o presidente do Conselho de Administração, Armando César Hess de Souza.

Alvará da Havan
O prefeito de São Francisco do Sul entregou o alvará de construção da nova loja da rede de departamentos Havan, que será instalada na entrada da cidade, junto à BR-280, nas imediações do trevo dos balneários. O investimento é de R$ 25 milhões. O comércio será inaugurado em julho, terá 7 mil m2 e vai criar 150 empregos. Com 120 lojas espalhadas pelo país, a empresa tem previsão de acabar o ano com 145 unidades.

Dinheiro extra
Como efeito dos resultados, o grupo Lunelli distribuiu R$ 9,2 milhões aos seus 4,2 mil funcionários das 16 unidades que tem no Estado. O faturamento cresceu 10% no ano passado, em comparação com 2017.

Evolução das aplicações financeiras
O mês de fevereiro registrou as seguintes evoluções: Selic +0,49% (acumulado/ano +1,04%), CDB + 0,53% (acumulado +1,06%), Poupança +0,37% (acumulado +0,74%), Bolsa de Valores -1,86% (acumulado +8,76%), Dólar +2,86% (acumulado -3,12%), Euro +2,04% (acumulado -3,62%), Ouro +1,94% (acumulado -0,13%), IGP-M +0,88% (acumulado 0,01%).

IGP-M
Com o resultado do IGP-M de fevereiro (+0,88%), os aluguéis anuais com reajuste para março deste ano, terão um aumento de 7,60%.

Precatórios
Os segurados que derrotaram o INSS na Justiça e têm direito de receber atrasados acima de R$ 56.220 terão a grana depositada em abril, segundo o Conselho da Justiça Federal (CJF). Serão pagos R$ 6,4 bilhões em precatórios para quem teve o atrasado liberado pelo juiz entre os dias 2 de julho de 2017 e 1º de julho de 2018. Essa grana é paga apenas uma vez por ano. Por lei, o governo tem até dezembro para liberar os valores, mas, pelo segundo ano seguido depois da crise, o dinheiro sairá em abril. Os precatórios são os atrasados acima de 60 salários mínimos. Para quem teve a ação totalmente encerrada em 2017, o valor do precatório é maior que R$ 56.220. No caso dos processos finalizados em 2018, o valor deve ser acima de R$ 57.240.

Reajuste de aposentados
O reajuste das aposentadorias do INSS para recompor o poder de compra dos aposentados é garantido pela Constituição Federal. A PEC (proposta de emenda à Constituição) da reforma da Previdência quer acabar com essa garantia e instituir o modelo de reajuste por lei complementar. Para mudar qualquer item da Constituição, a tramitação no Congresso é mais complexa e demorada. Para ser aprovada, uma PEC exige voto favorável de três quintos dos deputados e senadores, em duas sessões. Ao todo, são necessários 308 deputados a favor e 49 senadores.

Subsídios
Em 2017, o BMW Group vendeu cerca de 2,4 milhões de automóveis e 164 mil motocicletas em todo o mundo. O lucro antes de impostos, em 2016 foi de aproximadamente 9,67 bilhões de euros, em receitas. Isso não impediu o BRDE bater bumbo e assinar contrato de financiamento com a BMW no valor de R$ 240 milhões para instalação da unidade de Araquari, sem contar outros benefícios e ou isenções de órgãos públicos. Mesmo com faturamento global na casa dos bilhões de euros, a gigante montadora mundial não abre mão de benesses regionais onde se instala.

Custos & Custos
O presidente da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) está diante de um desafio de grandes proporções: atender o que enseja estudo do Tribunal de Contas do Estado para quem, conforme estudo recente, as despesas públicas poderiam ser substancialmente reduzidas se 105 municípios de SC com menos de 5 mil habitantes, voltassem a ser distritos, ou deixar tudo como está. Sabe-se quem está pagando a conta: é aquele otário de sempre.

Aposentados
Os trabalhadores aposentados pelo INSS recebem hoje, em média, R$ 1.240. Os servidores de Poder Executivo recebem R$ 7.583, na média. Os militares têm proventos de R$ 9.597. Já os funcionários aposentados pelo Judiciário têm direito, na média, a R$ 26.302. E os servidores do Legislativo, os mais privilegiados, estão na faixa de R$ 28.547. Como explicar que os sindicatos de trabalhadores sejam contrários à reforma da Previdência?

Dinheiro falso
Santa Catarina foi o sexto Estado brasileiro com a maior quantidade de cédulas falsas recolhidas em 2018. No total, 32.386 notas ilegais acabaram retiradas de circulação, segundo dados do Departamento do Meio Circulante do Banco Central. Em valores, isso representa R$ 2,62 milhões de dinheiro falsificado. A cédula mais visada por golpistas, sem surpresas, é a de R$ 100. Foram 22.436 notas falsas deste valor apreendidas no Estado em 2018, totalizando R$ 2,24 milhões. Na sequência aparecem as de R$ 50, com 6.560 unidades que totalizaram R$ 328 mil. O Estado com o maior volume de notas falsas tiradas de circulação no ano passado foi São Paulo, com 167.181. Depois vem Minas Gerais (56.593), Rio de Janeiro (42.803). Em todo o Brasil, 529.206 cédulas adulteradas foram retiradas em 2018.

Shopping na Brava
A Praia Brava, em Itajaí, está ganhando seu primeiro shopping. Projetado pela construtora Procave, o Brava Mail tem área construída de 33 mil m2, divididos em três pisos. São 80 operações, incluindo supermercado, cinema, praça de alimentação com 11 lojas e 280 vagas de estacionamento. O empreendimento recebeu investimentos de R$ 60 milhões.

Inchaço
O presidente da Fiesc retornou de Brasília desiludido com o que ocorre no Congresso Nacional. São 35 partidos políticos que perdem horas e horas para discutir a aprovação de um simples requerimento. Os gabinetes dos deputados vivem entupidos de prefeitos e vereadores. Esta centralização de Brasília é um grande equívoco, que merece urgente revisão, afirmou, É realmente grave: no Congresso Nacional trabalham hoje 60 mil funcionários. E o povo pagando!

Portaria da OAB de Brusque
Através da Portaria 014/2019, de 23 de fevereiro, o presidente da OAB/SC, sub-secção de Brusque, nomeou o advogado Gustavo Aranha Gomes, presidente da Comissão de Mediação e Arbitragem local. Junto com a presidência da Comissão, foram nomeados mais cinco advogados.

A importância dos aeroportos
O aeroporto de Navegantes para fazer jus ao padrão “internacional”, tem uma recepção muito acanhada. É inadiável que se faça a ampliação e a reforma do terminal de passageiros. Precisa, também, completar a desapropriação e fazer a segunda pista dentro dos rigores exigidos pela Anac. Com toda a crise no Brasil, Navegantes teve recorde de passageiros no mês de janeiro. Já são mais de 200 mil pessoas, o maior índice da história. Hoje, Santa Catarina pode se orgulhar de ter 12% do PIB lastreado no turismo.

Menor taxa de desemprego
Santa Catarina encerrou 2018 mantendo o posto de Estado brasileiro com o menor número de desempregados proporcionalmente à sua população. Dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios divulgados pelo IBGE, mostram que a taxa de desocupação no território catarinense ficou em 6,4% no trimestre outubro e dezembro. É quase a metade da média verificada no país: 11,6%. Os números do IBGE também apontam pequeno recuo no índice catarinense no ano. Entre os meses de janeiro, fevereiro e março do ano passado, a taxa ficou em 6,5%. Na prática, o indicador ficou estável ao longo de 2018. O rendimento médio das pessoas ocupadas somou R$ 2.462. Santa Catarina também fechou 2018 com a menor taxa de subutilização da força de trabalho, que agrega os desocupados, os subocupados por insuficiência de horas e a força de trabalho potencial. O índice estadual ficou em 11,2%, enquanto o nacional foi de 23,9%.

Recuperação Judicial
O deputado federal Darci de Matos protocolou projeto na Câmara dos Deputados para permitir que empresas em processo de recuperação judicial também possam participar de licitações. O parlamentar defende a criação de mecanismos para que as empresas brasileiras atualmente nesta situação possam se recuperar, ficar adimplentes e gerar mais empregos. Segundo reportagem na última semana, por exemplo, mostrou que 33 empresas fizeram requerimento de recuperação judicial somente em Joinville, maior cidade do Estado. Destas, 28 tiveram o pedido deferido pela Justiça.

SCGás vai ampliar
A rede de distribuição de gás natural no Vale será aumentada. Dois novos trechos serão construídos a partir deste ano: de Rio do Sul a Trombudo Central e de Trombudo Central a Pouso Redondo. A empresa vai investir R$ 50 milhões em 2019, o triplo do ano passado, e quer ligar 2,2 mil novos clientes à rede.

Gás
As tarifas do gás natural distribuído em Santa Catarina pela SC-Gás deverá sofrer reajuste pesado. É que em março de 2020 termina contrato de suprimento de gás pela Petrobrás, via Gasbol. A SC-Gás receberá até 29 de março propostas para contratação de novos supridores de gás. Uma das opções seria o Terminal do Gás Nacional Liquefeito no porto de São Francisco do Sul. O problema é que o IMA engavetou a licença ambiental.

Galpões logísticos
O estoque de galpões logísticos em Santa Catarina está praticamente com 100% de ocupação. A taxa de vacância no Estado é de apenas 6%. Os dados são de levantamento da empresa americana de pesquisas e consultoria imobiliária Siila – Sistema de Informação Imobiliária Latino-Americana e apontam para um aquecimento desse mercado. O complexo Mega Itajaí já opera com 100% de ocupação e está ampliando instalações. A Capital Realty iniciou a ampliação no ano passado, adicionando mais de 30 mil m2, num investimento de aproximadamente R$ 60 milhões.

Confecção
O grupo Pasquini, empresa paulista do ramo de confecções, expande atividades para Santa Catarina. Com mais de 2 mil pontos de vendas pelo país, se instala em Itajaí. A empresa estima criar 400 empregos.

Incentivos fiscais
O prefeito de Itajaí reuniu mais de 50 empresários de todo o Estado para tratar sobre o que a revogação dos incentivos fiscais pode representar para a economia de Santa Catarina. A medida pode ter duplo impacto para Itajaí: a eventual saída de empresas que usam os portos para importar e exportar e a possibilidade de corte dos benefícios fiscais que tornam atrativo o setor portuário catarinense. Em ambas, o cenário é de prejuízo. Por sua vez, a Secretaria de Estado da Fazenda informou que os incentivos para o setor de importação e exportação estão mantidos. Mas o entendimento no setor é de que a revisão ainda pode vir a atingi-los, diante do atual cenário.

Movimentação
O Complexo Portuário do Itajaí-Açu, que inclui os portos de Itajaí e Navegantes, movimenta 67% das importações em SC. Os números mostram que, somente nesse setor, os incentivos fiscais fizeram a arrecadação de ICMS saltar de R$ 6,6 milhões em 2006, para R$ 51,6 milhões em 2017. Um crescimento de R$ 45 milhões em 10 anos. O governo está ciente do impacto que o corte dos incentivos fiscais pode trazer ao Estado. Há um esforço para agilizar a elaboração de uma lei na Assembleia, que permita estender os benefícios. Há uma preocupação com a insegurança jurídica que a perda dos incentivos fiscais pode representar daqui para frente. Se o assunto não for bem trabalhado, SC corre o risco de perder empresas mesmo em setores em que os benefícios forem mantidos, por receio de uma eventual mudança de entendimento no governo.

Mudanças
O governo deverá mudar não apenas o nome do programa Mais Médicos, mas seu foco. O objetivo é deixá-lo mais enxuto, voltado apenas às regiões de difícil acesso do país. Mas, centros urbanos que contam com profissionais não devem ter prejuízos, segundo o Ministério da Saúde. O novo modelo será apresentado neste mês de março.

CPFS
Foi publicada no Diário Oficial da União a instrução normativa que trata dos detalhes sobre declaração de imposto de renda da pessoa física neste ano. O prazo de entrega inicia no dia 7 de março e vai até 30 de abril. Em Santa Catarina são esperadas 1 milhão e 300 mil declarações. A novidade é a obrigatoriedade de informar o CPF de todos os dependentes e alimentando residentes no país.

Fim da multa do FGTS
Há espaço para se questionar na Justiça a proposta da reforma da Previdência de tirar dos aposentados que trabalham o depósito e a multa indenizatória do FGTS. Para a consultoria de Orçamento da Câmara, é questionável incluir no texto um tema que já foi discutido no STF e que resultou em uma alteração de entendimento no TST. O ponto central da discussão foi a interrupção ou não do contrato de trabalho quando o funcionário se aposenta. Há ainda o risco de violação dos pontos intocáveis da Constituição Federal.

Insegurança e instabilidade
O novo governo de Santa Catarina está completando o segundo mês com um balanço político a revelar polêmicas, falta de articulação política, frustrações em várias áreas, decisões e declarações que provocam intranquilidade e insegurança jurídica. O processo de maior impacto é relacionado ao cancelamento de incentivos fiscais a milhares de produtos e setores da economia, com impacto em toda a sociedade. Todas as manifestações do setor produtivo abriram baterias no maior efeito dos decretos que elevaram alíquotas do ICMS e cortaram incentivos: insegurança jurídica. Para completar o clima de instabilidade, o governo revelou que os salários dos servidores estaduais poderão sofrer atraso já em junho. Provocou instabilidade no funcionalismo e cria clima alarmista na população. Governantes, diz a ciência política, devem dar só boas notícias.

Quando se aposentar
Para quem tem expectativa de se aposentar entre os próximos três e cinco anos, as opções oferecidas pelo projeto do governo empurram a idade da aposentadoria para perto dos 60 anos. No primeiro sistema de transição, a idade mínima começa em 56 anos (mulheres) e 61 anos (homens), progredindo até chegar a 62 e 65 anos. A segunda opção libera benefício ao trabalhador que, ao somar idade e período contribuído, atingir uma pontuação que parte de 86 (mulheres) e 96 (homens) e avança um ponto ao ano até chegar a 100 (mulheres) e 105 (homens). Já no terceiro sistema de transição, a exigência é o acréscimo de 50% do tempo restante para que seja atingido o período de contribuição.

Benefício por idade
A reforma da Previdência exigirá idade mínima para se aposentar, acabando com o benefício por tempo de contribuição. Porém, a aposentadoria por idade como é hoje não vai existir mais. Antes, haverá uma regra de transição, que vai elevar a idade mínima das mulheres aos poucos. Hoje, os homens se aposentam com 65 anos de idade e as mulheres, com 60 anos. São exigidos 15 anos de contribuição. Para eles, a única mudança é que o total de pagamentos ao INSS subirá, até chegar a 20 anos. Para as seguradas, a idade subirá seis meses a cada ano. Assim, em 2023, para se aposentar, a trabalhadora terá de cumprir a idade mínima de 62 anos.

Aposentadoria especial
O projeto da reforma da Previdência apresentada pelo governo acaba com duas das principais regras da aposentadoria especial: o pedido antecipado e o benefício sem desconto. E ainda cria outras dificuldades, como a necessidade de comprovar a efetiva exposição a agentes nocivos prejudiciais à saúde. Além disso, a possibilidade de converter o tempo especial em comum acabará. O texto prevê duas regras de transição que, na prática, inviabilizam a aposentadoria especial. Na primeira, o trabalhador terá de cumprir pontuação de 66, 76 ou 86 pontos, segundo o tempo mínimo de contribuição de seu tipo de atividade. Na outra, o segurado precisa ter idade mínima que subirá a partir de 2024.

Desconto no salário
A reforma da Previdência não muda apenas as regras para aposentadoria, mas mexe também com o salário de todos os trabalhadores. O governo propõe uma mudança na forma de cálculo da contribuição ao INSS. Na reforma, cada fatia do salário terá a incidência de uma alíquota. Hoje, um índice único é aplicado ao salário todo. Com isso, segundo o governo, 20 milhões de brasileiros pagarão contribuição menor. Um trabalhador que ganha R$ 1.000 paga, hoje, R$ 80 (8%) por mês ao INSS. Com a mudança, vai pagar R$ 75 (7,5%). Já quem ganha R$ 5.800 verá seu desconto mensal subir de R$ 638 (11%) para R$ 677 (11,67%). No caso dos servidores, o índice máximo será de 22%.

Redução da idade da mulher
O governo afirmou que está disposto a alterar pontos da reforma da Previdência enviada ao Congresso, entre eles reduzir a idade mínima para aposentadoria das mulheres de 62 para 60 anos. Também admitiu que a porcentagem por morte poderá passar de 60% para 70% e que poderá fazer concessões no BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago para idosos e deficientes de baixa renda. O governo acha que dá para cortar um pouco de gordura e chegar a um bom termo. O que não pode é continuar como está. O déficit na Previdência é monstruoso.

Aposentadoria do professor
A reforma da Previdência pretende criar uma idade mínima de 60 anos para professores e professoras, de escolas públicas e privadas. Também serão exigidos 30 anos de contribuições exclusivamente nas funções de magistério na educação infantil ou no ensino fundamental e médio. A idade é menor do que a de outros trabalhadores da iniciativa privada (62 anos, mulher, e 65, homem), mas professores perdem na transição: terão só duas opções (contra três dos demais). A transição chamada de pedágio, para quem está bem perto de se aposentar, não valerá para os docentes.

Correção da aposentadoria (1)
Na gíria do Congresso, um jabuti é uma regra qualquer incluída num projeto que trata de um assunto completamente diferente. Por exemplo, meter uma norma de trânsito numa lei sobre impostos, sem ninguém notar. É como um jabuti em cima de uma árvore: ninguém sabe como ele foi parar lá, mas não foi com as próprias pernas. Já um bode é uma parte de um projeto que provoca chiadeira na mesma hora. E está lá para isso mesmo. Na hora de negociar, a medida polêmica é retirada do texto para facilitar a aprovação do restante. É como a história do bode na sala: depois que o bicho fedorento sai, o ambiente parece melhor do que era antes. Esse parece ser o caso da ideia de tirar da Constituição a regra que determina a correção das aposentadorias pela inflação, como consta da reforma da Previdência.

Correção da aposentadoria (2)
Hoje, todos os benefícios têm um valor atualizado a cada ano pelo INPC, um índice de preços. É assim que o poder de compra dos idosos é preservado. Não dá para imaginar que o governo pretenda consertar suas contas tungando dessa forma os aposentados, ainda mais os que recebem o salário mínimo e formam a maioria no INSS. Além disso, a inflação caiu bastante nos últimos anos, felizmente, e a correção dos valores não faz mais essa diferença toda. Assim, ou a equipe do governo explica direito o que pretende com essa mudança ou vai ser melhor desistir dela. Afinal, as propostas importantes de fato da reforma já vão dar bastante trabalho.

Sem pedágio
Quem também não terá regra de pedágio são os trabalhadores de área insalubre. No caso do benefício especial, a reforma praticamente cria uma idade mínima para ter o direito, o que deve inviabilizar esse pedido. Vai ficar pesado para esse pessoal.. Além do tempo de contribuição, ainda tem o cálculo. Com 25 anos de contribuição, o segurado vai ter 70% da média salarial. Muitos trabalhadores de área sinsalubres ingressam jovem no mercado.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 07/03/2019 às 10h34 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

Teka
A Tecelagem Kuehnrich (Teka) divulgou comunicado ao mercado reafirmando que a decisão da 2ª Câmara de Direito Comercial do TJ-SC que determinou a convocação de assembleia para definir quem deve ser o novo presidente não afasta a gestora judicial Fabiane Paula Esvicero das suas atividades, nem mesmo altera a sua condição de atuar diretamente e em conjunto com o responsável pelo cargo.

SC na beira do precipício
O governo de Santa Catarina tem situação pré-falimentar. O déficit mensal está em R$ 210 milhões e o deste ano é superior a R$ 2,5 bilhões. A dívida pública é impagável. O Estado está sem condições financeiras para pagar a dívida. O Sistema de Previdência pública faliu. Terá um déficit este ano de R$ 3,8 bilhões. A carga tributária é elevada e mal distribuída. A Secretaria da Fazenda não é contra os incentivos fiscais. É a favor da isonomia e contra a desigualdade. A situação financeira de Santa Catarina é muito perigosa. Está na beira do precipício. São palavras do atual Secretário da Fazenda, Paulo Eli.

Sistema S
A prisão do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson de Andrade, suspeito de participar de um esquema de corrupção em contratos do Ministério do Turismo e do Sistema S, dá força ao discurso do ministro da Economia em promover cortes no sistema de contribuições compulsórias a entidades como Sesi, Senai, Sebrae e Senac.

Buddemeyer
A têxtil Buddemeyer, de São Bento do Sul, teve vendas líquidas em 2018 de R$ 275,3 milhões, contra R$ 253,4 milhões em igual período de 2017. Teve lucro líquido de R$ 22,9 milhões. No ano anterior, o lucro líquido foi de R$ 18 milhões. O Patrimônio Líquido (Capital Social e Reservas) soma 181 milhões. A liquidez corrente é de 2,10. A Buddemeyer iniciou suas atividades adquirindo teares usados, principalmente das grandes têxteis de Brusque. Atualmente, está numa situação excelente, enquanto as grandes empresas têxteis de Brusque foram a falência.

Planos econômicos
Herdeiros e inventariantes de poupadores que tiveram perdas nos planos Bresser, Verão e Collor 2, já podem aderir ao acordo para receber a grana mais rápido.

Leilão
O Papai Noel gigante de Balneário Camboriú, aposentado há dois Natais, vai novamente a leilão. Será a terceira tentativa da prefeitura de vender o boneco de 15 metros de altura, que já foi robotizado ... ficava em pé, mexia os braços e boca, mas hoje já não se movimenta. O preço da estrutura, feita em ferro, é quase simbólico: R$ 3 mil. A avaliação é de que já não vale a pena mantê-lo guardado. Quando comprado, o Papai Noel custou R$ 200 mil.

Escândalo
Se Florianópolis tem a chamada “indústria” da ponte Hercílio Luz, na Serra tem a do “aeroporto”. No caso é o de Correia Pinto, que já levou R$ 63 milhões, está parado há 15 anos e custa R$ 170 mil por mês ao Estado. Fica distante 30 quilômetros do terminal de Lages.

Mais 22 lojas
O Grupo Kyly, de Pomerode, planeja abrir 22 unidades da marca Milon até o final deste ano e também ampliar atuação em multimarcas com: Kyly, Lemon, Amora e Nanai. Para isso, está investindo R$ 40 milhões em novos maquinários para sua fábrica com o objetivo de aumentar sua capacidade produtiva. Atualmente, a rede tem 20 lojas próprias Milon e 28 no modelo de franquia, espalhadas por São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Santa Catarina.

Matérias obrigatórias
A partir deste ano, as disciplinas que versem sobre conciliação, mediação e arbitragem passam a ser matérias obrigatórias nas grades curriculares dos cursos de direito de todo o país, segundo a Resolução CNE/CES nº 5/2018, oriunda do Parecer 635/2018, homologado pela Portaria 1.351/2018 do Ministério da Educação. A medida atende a uma provocação conjunta do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Federal da OAB. O prazo de adaptação às novas diretrizes curriculares é de dois anos.

Novo modelo de solução (1)
No Brasil, a partir da Constituição de 1988, quando se redemocratizou o País, o Judiciário começou a ser demandado pela maioria da população brasileira. Essa explosão de demandas judiciais caracterizou-se como afirmação da cidadania. Nesses 30 anos, enquanto o número de processos ajuizados multiplicou-se em mais de 80 vezes, o número de juízes chegou apenas a quintuplicar (4.900 juízes em 1988 e pouco mais de 20 mil, atualmente). Em média, o Brasil possui a segunda maior carga de trabalho do mundo (4,6 mil processos por juiz). Atualmente, temos mais de 100 milhões de processos em andamento: um processo para cada dois habitantes. Na Austrália, há um processo para cada 6,4 mil cidadãos.

Novo modelo de solução (2)
A alta litigiosidade, conjugada com a não utilização de meios alternativos de solução de litígios (conciliação, mediação e arbitragem), levam a uma demora excessiva pois sobrecarregam a estrutura do Judiciário. Além de tudo o que já foi proposto, é necessário que sejam criadas câmaras setoriais de composição voltadas à solução dos conflitos existentes antes do acionamento da máquina judicial. Essas câmaras vão basear sua situação na conciliação, mediação e arbitragem e serão focadas em áreas específicas como indústria, comércio e prestação de serviços. Dessa forma, direito e economia, poder público e iniciativa privada vão sentar à mesa para encaminhar as suas questões, todos imbuídos em um propósito maior que é o entendimento para desenvolver nosso Brasil.

Mais uma loja
A Havan vai construir loja em São Francisco do Sul. A unidade será instalada no km 4 da BR-280, entroncamento de acesso à Enseada.

Efeito
Se o projeto de reforma da Previdência Social for aprovado da forma como deseja o governo, vai aumentar a procura por contratos de previdência privada.

Cada vez mais bilionária
A WEG, com sede em Jaraguá do Sul, encerrou 2018 com receita líquida de vendas de R$ 11,97 bilhões, um expressivo crescimento de 25,7% frente ao resultado de 2017 (R$ 9,52 bilhões). O lucro líquido somou R$ 1,33 bilhão, alta de cerca de 17%. Os bons resultados foram registrados tanto no mercado doméstico (+20,9%) como no exterior (+29,5%), apesar de uma maior pressão sobre custos de materiais. Uma das estratégias da multinacional tem sido diversificar sua atuação. O Brasil respondeu por R$ 5,08 bilhões das vendas, enquanto outros países representaram R$ 6,89 bilhões.

Confiança continua alta
Os empresários da indústria catarinense permanecem confiantes, mesmo com leve queda no índice que passou de 68,5 pontos, em janeiro, para 68,0 pontos em fevereiro. No país, a confiança atingiu 64,5 pontos neste mês, registrando redução de 0,2 ponto na passagem do período, mantendo-se estabilizado. A coleta foi feita antes da crise política do atual governo.

Hospital de Indaial
O juiz federal da 5ª Vara Federal de Blumenau, determinou que o Hospital Beatriz Ramos, o único de Indaial, vá a leilão. O magistrado atendeu a pedido da União, que cobra o não recolhimento de impostos federais por parte da unidade de saúde, como o INSS dos funcionários. Somados, o terreno e o prédio da instituição estão avaliados em R$ 4,48 milhões. Há quatro datas marcadas para o leilão: dias 16 e 30 de abril e 14 e 28 de maio.

Aposentados
Um levantamento feito pela equipe técnica do governo federal revelou que em cinco Estados a remuneração total dos aposentados é superior aos gastos com os funcionários ativos. O líder é o Rio de Janeiro, com R$ 1,1 bilhão. Seguem-se o Rio Grande do Sul, com R$ 582 milhões e Minas Gerais com R$ 572 milhões. Santa Catarina aparece em quarto lugar, com R$ 405 milhões de gastos com inativos.

Shopping Car
Joinville vai ganhar o Shopping Car, empreendimento da Imobiliária Zattar em parceria com a Top Car, vai reunir, num único lugar 400 espaços de carros multimarcas com oferta de aproximadamente 500 veículos, no total. O novo negócio será erguido na Avenida Santos Dumont. O Shopping terá 19 mil m2 de área construída e área de vendas de 12 mil m2. A intenção é concentrar capacidade de negócios de lojistas num só endereço e, assim, atrair clientes para as diversas revendas que vão se instalar neste local. Há 300 revendas de carros na cidade.

Consulta inusitada
O Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC) recebeu um pedido para que o órgão emita parecer técnico sobre a possibilidade de fusão de Camboriú e Balneário Camboriú. As duas cidades eram uma só até 1964, quando a “praia” se tornou independente. A alegação que Balneário tem um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, mas que Camboriú fica com o “passivo social”, servindo como cidade-dormitório para os operários que trabalham no município vizinho. Quando ocorreu a emancipação, não imaginaram que a divisão poderia acarretar tamanha diferença.

Píer turístico
Três empresas catarinenses e uma do Rio de Janeiro disputam o projeto do píer turístico na Meia Praia, junto à foz do Rio Perequê, em Itapema, que será construído em parceria público-privada. As propostas serão entregues dia 4 de março. O píer promete ser uma nova atração turística, com espaço para empreendimentos de gastronomia e lazer. A próxima fase será a licitação da obra.

Cerâmica
A Oxford, de São Bento do Sul, se apresenta ao mercado como uma marca de soluções completas para cozinha, servir, organizar, decorar e brindar. A empresa ampliou seu portfólio de produtos para novos nichos de utilidades domésticas. Os lançamentos estiveram na Home & Gift Abup, principal feira do setor que aconteceu em São Paulo.

Isonomia doida
Causou espanto duas afirmações do secretário da Fazenda, em sessão especial na Assembleia Legislativa. Primeira: por conta de incentivos, 11.145 empresas, naturalmente que nenhuma pequena ou micro, não recolhem um centavo de ICMS em SC. Segunda: cada uma das quatro companhias aéreas que operam em Florianópolis, paga uma alíquota diferente do ICMS, sobre a querosene. Uma 3%, duas 12% e outra 17%. Que segurança alguém tem para investir com tanta insegurança tributária?

Curso de Medicina
Foi dada a largada do curso de Medicina da Unifebe, em Brusque. A aula magna que marca o início aconteceu na noite do dia 20, no Centro Empresarial. A cerimônia contou com a participação dos 40 alunos e seus respectivos padrinhos, familiares, docentes do curso e autoridades. O curso utilizará da metodologia ativa de aprendizagem, na qual desde o primeiro semestre os alunos já terão experiências práticas. Apesar de ser antiga, a metodologia é novidade na região. A instituição garante que não visa formar apenas profissionais da saúde, mas pretende colocar no mercado médicos com caráter humanista. O coordenador de Medicina da Unifebe, Dr. Osvaldo Quirino de Souza, revela que o curso é de extrema importância para a cidade de Brusque, região e para a própria instituição. A primeira turma é formada por alunos do Paraná, Rio Grande do Sul e a maior parte de Santa Catarina, sendo sete estudantes de Brusque.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 26/02/2019 às 10h02 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

Vendas na indústria de SC
Responsável por quase um terço do Produto Interno Bruto de Santa Catarina, a indústria comemora os bons resultados obtidos no último ano. Conforme indicadores divulgados pela Federação das Indústrias (Fiesc), o setor registrou alta de 12,2% nas vendas, na comparação com 2017. Dos 14 segmentos analisados, 13 tiveram alta. As mais expressivas foram de produtos alimentícios (32,2%), metal (20,5%), vestuário e acessórios (18,4%). Com retração apenas no setor de celulose e papel.

Crescimento do Vale
O Vale do Itajaí foi a região do Estado que mais cresceu entre janeiro e setembro do ano passado. O avanço chegou a 11,86% frente ao mesmo período de 2017. A média estadual ficou em 8,07%. Os dados foram elaborados pela Facisc e compõem o Índice de Perfomance Econômica das Regiões. A projeção é que o indicador feche 2018 em 10,03%.

Decolagem
O atual secretário de Turismo de São Paulo, o ex-ministro Vinicius Lummertz, natural de SC, projeta geração de R$ 7 bilhões na economia paulista com um programa de estímulo ao turismo que engloba redução do ICMS para querosene na aviação. Isso baixaria custos com combustível, abrindo espaço para a criação de mais voos para o Estado. Companhias aéreas e o trade turístico já chegaram a fazer reivindicação semelhante para Santa Catarina.

Logística em expansão
Após fechar 2018 com R$ 525 milhões de faturamento, um dos maiores operadores logísticos do Brasil, a Multilog, estima um crescimento de 20% de receita para os próximos 12 meses. A meta considera R$ 60 milhões em investimentos em estrutura física, tecnologia e capacitação de pessoas. A empresa conta com 1,5 mil trabalhadores e mais de 1,5 milhão de m2 de área alfandegada. A meta é atingir R$ 1 bilhão de faturamento até 2022.

Teka
A 2ª Câmara de Direito Comercial do TJ-SC, determinou que a Teka, faça uma assembleia de credores para definir quem deve ocupar o cargo de diretor-presidente da empresa. A decisão foi tomada dia 25 de janeiro e atendeu parcialmente agravo de instrumento protocolado por Frederico Kuehnrich Neto, integrante da família fundadora e que está afastado da função por decisão judicial. Trata-se de mais um capítulo do imbróglio jurídico envolvendo a gestão da tradicional companhia têxtil blumenauense.

Franquias
A Associação Brasileira de Franchising (ABF) divulgou uma prévia do desempenho do setor de franquias no Brasil em 2018 e projeções para 2019. A entidade estimou que o crescimento do faturamento do setor deve ser de 7% em 2018, superando os R$ 170 bilhões. Em número de unidades, a expansão foi de 5% e de número de redes de 1%, revertendo uma queda em 2017. As projeções para 2019 são mais positivas: crescimento de 8 a 10% em faturamento e de 5% a 6% em número de unidades.

Mercado de capitais
O controle da inflação dentro da meta de 4,5% ao ano, definida pelo Banco Central para 2019 e a manutenção da taxa de básica de juros Selic no piso histórico de 6,5% ao ano, criaram um ambiente ideal para o avanço do mercado de capitais no Brasil. Com o momento favorável, esta vertente tem se consolidado como uma opção para investidores brasileiros, que estão sofisticando seu comportamento em relação às aplicações, procurando maior rentabilidade e diversificação da carteira. A Bolsa de Valores no mês passado (janeiro) teve ganhos de 10,86%. Ações como do Bradesco PN, ultrapassaram ganhos de 17%. O Ibovespa deve chegar neste semestre aos 100 mil pontos.

Municípios inviáveis
O Tribunal de Contas do Estado realizou um completo levantamento em 2017, concluindo que a população catarinense paga mais de R$ 1 bilhão para manter os municípios que não têm receita para se manter. Este estudo conclui que os municípios com menos de 5 mil habitantes são inviáveis e deveriam examinar uma proposta de fusão. A situação da maioria dos municípios catarinenses é delicada, segundo enfatiza o documento do TCE, esclarecendo que há uma grande dependência das transferências federais e estaduais. E que a capacidade de arrecadação de impostos municipais (IPTU e ISS) é ínfima. O tema é polêmico. Houve um período em que distritos foram emancipados por motivação partidária ou demagógica e hoje não têm recursos para sustentar a máquina.

Contas em atraso
A situação financeira dos catarinenses está melhor no começo deste ano. Dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) referente janeiro de 2019, levantados pela Fecomércio-SC, mostram que 17,3% das famílias do Estado possuem contas em atraso, ou seja, estavam inadimplentes. O resultado é menor que o registrado em janeiro de 2018, quando 19,7% dos entrevistados afirmaram ter débitos pendentes. Se comparado com o total visto em dezembro (18,1%), também houve melhora. O cartão de crédito segue sendo o vilão das dívidas. Em janeiro, 64,9% das dívidas eram nesta modalidade.

Turnê na Capital
O Sintex mudou o formato da 11ª edição da Turnê do Mercado Têxtil de Santa Catarina, em vez de convidar compradores para conhecer showrooms de empresas em diferentes cidades, concentrou a exposição em um único local, no caso o Majestic Palace Hotel, em Florianópolis. De Brusque participaram Atlântica e Bouton, que apresentaram novidades nos segmentos cama, mesa e banho.

Vagas no Senai
O Senai tem 7,2 mil vagas disponíveis em 17 cidades no Estado, em cursos de graduação (955 tecnólogos e engenharia e 6,3 mil em cursos técnicos presenciais e a distância nas áreas de alimentos, bebidas, automação, mecânica, segurança do trabalho, polímeros, química). A grande novidade para o primeiro semestre deste ano é o curso técnico de administração, com foco na indústria 4.0, que será oferecido em 17 cidades catarinenses. Inédito no país, propõe o uso de tecnologias como big data e inteligência artificial.

Valor pago a falecido
Os bancos poderão sacar das contas-correntes de pessoas falecidas créditos irregulares do INSS para restituir os valores ao governo. O Conselho Monetário Nacional aprovou resolução que regulamenta medida provisória 871, antifraudes, que permite o acesso às contas-correntes de beneficiários que morreram. Segundo o Ministério da Economia, a resolução foi necessária para invalidar dispositivos anteriores que restringiam a movimentação da conta ao correntista ou a pessoas autorizadas por ele. A MP deverá gerar economia de R$ 9,8 bilhões por ano. A regulamentação dará segurança jurídica para que os bancos retirem os recursos da conta-corrente e remeta-os ao INSS.

Contas básicas
Oito em cada dez (79%) brasileiros, mudaram seus hábitos, com destaque para a pesquisa de preços (59%) antes da aquisição de algum produto, percentual que chega a 68% nas classes A e B, segundo pesquisa feita pela CNDL e pelo SPC Brasil, em parceria com o Banco Central. Além disso, 56% passaram a limitar gastos com lazer e 55% a controlar despesas pessoais. Mais da metade dos entrevistados passou a reduzir o consumo de luz, água e telefone. Outros 53% passaram a ficar atentos às promoções em busca de preços menores, enquanto 46% substituíram produtos por marcas similares mais baratas e 42% admitem ter incorporado em sua rotina a prática de pechinchar.

Ganhando cara
A Tex Cotton começou a fazer limpeza e a reformar algumas áreas do antigo prédio da Sulfabril. A empresa têxtil arrematou o complexo fabril na Rua Itajaí, em Blumenau, por R$ 34,3 milhões em leilão realizado em dezembro. Vai concentrar lá as suas operações, hoje divididas em vários imóveis no bairro Garcia. A transferência deve começar em março.

Inflação
Pressionada pelo setor de alimentos e bebidas, a inflação atingiu 0,32% em janeiro, segundo o IBGE. Em 12 meses, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 3,78%, ainda abaixo do centro da meta do governo, então em 4,5%. No grupo alimentação em domicílio, o impacto veio em maior parte pela alta do feijão-carioca (19,76%), da cebola (10,21%), das frutas (5,45%) e também das carnes (0,78%). No caso das frutas, é um aumento de demanda comum nos meses mais quentes do ano.

Mais empregos formais
A criação de vínculos formais de emprego em 2018 no Estado superou os quatro anos anteriores, com 39.646 novas vagas. Seguindo a realidade estadual, Brusque também registrou um cenário positivo ao longo do ano e subiu para quinto lugar no ranking de geração de empregos, com saldo de 1.381 novos postos de trabalho, 288 a mais do que no ano anterior. No total, foram registrados 24.149 admissões contra 22.768 demissões nos 12 meses do ano. Brusque subiu duas posições, de sétimo para quinto colocado no Estado, ficando à frente de cidades importantes como Blumenau, Itajaí, Criciúma, Itapema e Balneário Camboriú. A previsão é de que os números continuem melhorando.

Som alto
Nas principais ruas e avenidas de Brusque são locais com variados sons. Seja para anunciar algum produto ou para simplesmente tocar músicas. Diversos estabelecimentos têm em sua porta de entrada uma ou mais caixas de som, além dos carros de som desfilando nas principais ruas. O som não está agradando alguns lojistas e consumidores. A CDL já encaminhou pedido de providências junto à Prefeitura local. O pedido do Sindilojas é que a lei seja cumprida. Atualmente falta fiscalização por parte do poder público. Como não tem fiscalização, as pessoas acabam se aproveitando e abusando desse meio de comunicação. Na maioria das cidades, esse procedimento é proibido.

Aeroportos de SC
Apesar da ausência dos argentinos, sempre esperados para a temporada de Santa Catarina, mas que vieram em menor número desta vez, os cinco principais aeroportos do Estado registraram alta de 4,7% na movimentação de passageiros em 2018. Foram quase 7 milhões que entraram ou saíram pelos terminais catarinenses. Impulsionados pelas atrações turísticas ou por viagens de negócios, é a maior soma de passageiros já registrada no conjunto dos terminais do Estado. O mais movimentado continua sendo o Hercílio Luz, em Florianópolis, que manteve a média de 3,8 milhões de passageiros, com destaque para turistas chilenos. Já o aeroporto de Navegantes registrou índice de crescimento de 19,8% e superou a marca de 1,9 milhão de passageiros.

Capital Social
Em assembleia, a Bunge Alimentos aprovou redução do Capital Social da empresa em R$ 600 milhões, passando de R$ 4,44 bilhões para R$ 3,84 bilhões. A quantia anterior era considerada excessiva para as operações da companhia.

Sem concorrência nos bancos
A concentração bancária no Brasil é tão grande que os cinco maiores bancos reuniam 85% de todos os depósitos em 2017, segundo dados do Banco Central. A cada R$ 10 depositados, R$ 8,50 estavam sob a guarda da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Santander e Bradesco. A compra de bancos a partir de 2008 piorou a concentração desse setor. Com a concentração, os bancos também promovem a chamada verticalização, que é o domínio de vários elos de um mesmo setor, como meios de pagamento e bandeiras.

Previdência
Uma vez aprovada a reforma da Previdência, nove estados (SC ainda não se manifestou) já sinalizaram que imediatamente irão incorporá-la e sem transição. Caso contrário falirão, como Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Centro de Negócios
Um Centro de Negócios Imobiliários foi inaugurado em Brusque. O estabelecimento está localizado no Jardim Maluche, no antigo Zize Pescados. O espaço é liderado pelo corretor de imóveis José Luis Ambrosi, devendo abrigar sua imobiliária e outros empreendimentos do ramo, como escritórios de engenharia, arquitetura e design de interiores.

Safra de uvas
A safra catarinense de uvas nas regiões produtoras de vinho de altitude, deste ano, é estimada em 1 milhão de toneladas. A colheita vai até maio, segundo o presidente da Associação de Vinhos de Altitude Produtores Associados. A sexta edição da vindima de altitude de SC acontece de 1 a 31 de março. O evento envolve 15 vinícolas localizadas nos municípios de São Joaquim, Campo Belo do Sul, Urubici e Bom Retiro.

Decoração
As 158 lojas associadas ao Núcleo Catarinense de Decoração faturaram cerca de R$ 500 milhões em 2018, com crescimento de 10,7% frente ao ano anterior. De acordo com a entidade, o número de profissionais cadastrados chegou a quase 6 mil, alta de 7,5% no total de arquitetos e designers que integram a base de dados.

Reforma da Previdência
O governo deve apresentar ns próximas semanas a reforma da Previdência e avaliar algumas propostas. Uma delas, que tornou-se pública, facilita mudanças futuras, retirando da Constituição regras de acesso a benefícios. O tempo mínimo de contribuição e a idade mínima foram incluídos no texto constitucional em 1998, por exemplo, e só podem ser alterados com apoio de três quintos dos parlamentares. Se a proposta vingar, passará a ser preciso maioria simples para alterar os critérios. A minuta prevê idade mínima de 65 anos para homem e mulher.

Antecipação de aposentadoria
Os registros do INSS apontam que 663,7 mil trabalhadores de todo o país têm direito à contagem de tempo especial, o que garante aposentadoria antecipada. Esse é o total de funcionários expostos a ambientes com risco à saúde oficialmente registrados na Previdência, segundo dados de 2017. A aposentadoria especial é permitida a trabalhadores que completam 15, 20 ou 25 anos de atividade insalubre. O período exigido para a concessão desse benefício varia conforme o tipo de risco. O número de pessoas que podem ter a aposentadoria antecipada caiu 6% desde 2014, quando eram 706,3 mil pessoas.

Idade mínima
Relatório preliminar aponta que uma das hipóteses de reforma da Previdência em discussão no ministério da Economia prevê idade mínima de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem. O governo minimizou o documento. Pela minuta, quem começar a trabalhar após a reforma precisaria ter 20 anos de contribuição para se aposentar (com 60% do valor). Quem já trabalha deveria ter 86 (mulher) ou 96 (homem) pontos na soma da idade e do tempo de contribuição. A exigência subiria ano a ano até 105 (para ambos).

Trabalhador pode saber antes
O trabalhador que está perto de completar as exigências para ter a aposentadoria consegue ver no site do INSS se as contribuições previdenciárias realizadas ao longo da vida estão corretamente registradas no cadastro eletrônico da Previdência. O serviço está disponível no meu.inss.gov.br ou no aplicativo Meu INSS (para celular ou tablete). É preciso preencher um cadastro e criar uma senha. Para mulheres a partir dos 60 anos e homens de 65 anos ou mais, a aposentadoria por idade pode ser concedida com 15 anos de contribuição (180 pagamentos). O segurado também pode saber se tem direito à aposentadoria por tempo de contribuição com pagamento integral no 86/96.

Transição curta
A reforma da Previdência com a criação de idades mínimas de 57 anos, para mulheres, e de 62 anos, para homens, como já defendeu o atual presidente, não é capaz de reduzir os gastos com benefícios de forma suficiente para equilibrar as contas públicas no futuro e, além disso, prejudica trabalhadores que estão perto de completar os requisitos para receber o benefício por tempo de contribuição, segundo o ministro da Economia. A “transição estreita” significa que, para ter uma idade mínima baixa, o governo precisaria impor essa exigência já nos primeiros anos após a reforma. Outro problema apontado pelo ministro é que a ideia defendida pelo presidente atrapalharia a intenção da equipe econômica que é economizar R$ 1 trilhão em 10 ou 15 anos com a reforma.

Golpistas aceleram aposentadorias
A AGU (Advocacia-Geral da União) entrou com ação na 3ª Vara Federal de São Bernardo do Campo pedindo a condenação, por improbidade administrativa, de um grupo que mantinha um esquema de fraudes para acelerar aposentadorias. O grupo falsificava laudos de atividades insalubres e, para isso, recebia R$ 10 mil a R$ 15 mil para acelerar benefícios. Foram cancelados alguns benefícios irregulares. Outros 1.300 com indícios de fraudes serão auditados pelo INSS.

Plano de manutenção
Os temporais deste verão têm provocado alagamentos até dentro dos prédios. Os condomínios devem tomar medidas de prevenção para evitar que as épocas de chuva se tornem um problema grave. Solicitar podas de árvores, limpeza de calhas, luzes de emergência, e outras, podem ser medidas eficazes. O ideal é que nos meses que antecedem o verão, de outubro a dezembro, seja feita vistoria completa para evitar problemas futuros. O síndico deve buscar um seguro com cobertura ampla e se certificar que está cumprindo todas as obrigatoriedades, sendo a principal o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB).

Tribunais dão adicional
A Justiça tem concedido aos segurados do INSS o direito ao adicional de 25% para os que precisam de ajuda permanente de outra pessoa, como um cuidador. Para a Previdência, apenas os aposentados por invalidez podem pedir o complemento. No entanto, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que todos os beneficiários nessas condições devem ter o adicional. Assim, os tribunais federais estão usando a decisão para determinar que o INSS pague o complemento a qualquer benefício, como aposentadoria por idade ou pensão por morte.

Quem parou de contribuir
O segurado que deixa de contribuir para o INSS entra no chamado período de graça, o tempo em que é possível ficar sem recolher antes de perder a cobertura previdenciária. Esse período varia de caso para caso. Para o contribuinte facultativo (não obrigatório), a cobertura é válida por seis meses após o último pagamento. Já para o obrigatório, caso dos autônomos, e o empregado demitido, esse prazo é de um ano. A cobertura para o desempregado pode ser prolongada por até 3 anos se ele possuir 10 anos de contribuição e tiver recebido o seguro-desemprego.

Governo dificulta benefícios
O governo está dificultando o acesso a vários benefícios previdenciários (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, salário-maternidade e auxílio-reclusão) para quem, após um período de informalidade, voltar a contribuir ao INSS. Artigo incluído na medida provisória do pente-fino do INSS endureceu regras para quem, depois de uma pausa de até 36 meses, voltar a contribuir para a Previdência. Desde a publicação da MP, esses trabalhadores precisam cumprir novamente toda a carência (exigência mínima de contribuições) para que possam receber o benefício pago a quem está temporariamente incapaz de trabalhar, a quem se afasta por causa do nascimento de um filho ou a quem está preso e tem valor destinado à família. A carência desses benefícios varia de 10 a 24 meses.

Morador inadimplente
A inadimplência em condomínios tem se tornado cada vez mais comum, em especial após a crise econômica que atingiu o país nos últimos anos. Cabe aos condomínios, antes de ingressar na Justiça, negociar com os devedores. Caso o proprietário persista em não pagar, pode até perder o bem. Os tipos mais frequentes de inadimplência em condomínios são os de pagamento da taxa mensal e de multas por infração à convenção. Em condomínio com áreas comuns, no qual diversas pessoas buscam conviver em harmonia, a recomendação é que, em primeiro lugar, sejam adotadas medidas extrajudiciais e amigáveis para cobrança dos valores devidos, como prazo maior para pagamento da dívida.

Sem tributação
A Receita Federal definiu que o auxílio-alimentação pago aos trabalhadores por meio de vale ou cartão não deve entrar no cálculo das contribuições previdenciárias desde o dia 11 de novembro de 2017, quando entrou em vigor a reforma trabalhista. Tanto antes, quanto depois da mudança na CLT, porém, o auxílio-alimentação pago em dinheiro, além de benefícios como cesta básica e alimentação no local (chamados de “in natura”) têm a cobrança. As dúvidas em torno do tema foram geradas pela alteração do artigo 457 da legislação trabalhista. A norma excluía o auxílio da base de cálculo, mas não falava em pagamento por tíquete ou cartão magnético.

Dívida de consignado
A Terceira Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu que o contrato de empréstimo consignado não termina com a morte do trabalhador ou do aposentado que fez a dívida. Portanto, a obrigação de fazer o pagamento é transferida ao espólio, quando ainda não houver partilha, ou aos herdeiros. A dívida herdada fica limitada ao que foi deixado por quem morreu.

Ação contra o INSS
Os aposentados que pretendem entrar na Justiça para exigir uma revisão do benefício devem tomar alguns cuidados extras. Na medida provisória que criou o novo pente-fino do INSS, incluiu um artigo que reforça a ordem de cobrar de volta valores pagos a quem perdeu a ação. Em muitos casos, o segurado pede a chamada antecipação de tutela, ou seja, que o reajuste seja pago pelo governo antes mesmo que o processo seja julgado de forma definitiva. Com a nova determinação, aumenta a chance de o aposentado que perder a ação no final ter que devolver a grana.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 12/02/2019 às 15h18 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

IGP-M
O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,01% em janeiro deste ano. A taxa é superior à deflação (queda de preços) de 1,08% de dezembro de 2018. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o IGP-M acumula inflação de 6,74% em 12 meses, índice que servirá de reajuste para os contratos com vencimento a partir de fevereiro deste ano.

Mudanças na Santur
Após um excelente trabalho, o brusquense Waldyr Walendowsky deixa a presidência da Santur, após mais de 7 anos à frente daquela pasta, muitas vezes respondendo pela Secretaria de Turismo do Estado. Durante seu trabalho, SC foi destaque a nível nacional, estando à frente de outros Estados, que até então despontavam na liderança. Faltava mesmo, antes de seu ingresso na Santur, maior divulgação de nosso Estado.

Confiança
O índice de confiança do empresário industrial catarinense atingiu 68,5 pontos em janeiro, contra 64,7 pontos da média nacional. O dado foi destacado em apresentação feita pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC).

Imóvel à venda
Após a transferência da Uniasselvi para a Vila Schlosser, ficou disponível o imóvel que abrigava a universidade na Avenida Otto Renaux. O terreno, de propriedade da Irmãos Fischer, tem 21 mil m2 e possui 11 mil m2 de área construída.

Shoppings
A Associação Brasileira de Shoppings Centers aponta tendência de consolidação do setor neste ano, com possíveis negócios de fusões e aquisições.

Sem crise
Maior shopping de design e decoração do Sul do Brasil, o CasaHall, de Balneário Camboriú, registrou crescimento de 40% no faturamento em 2018. Para este ano a meta é de novo incremento, na ordem de 30%.

Maior arrecadação
A arrecadação do governo de Santa Catarina com impostos de taxas estaduais, como ICMS e IPVA, atingiu R$ 26,1 bilhões em 2018, alta de 13,3% frente a 2017. Bem acima da inflação (3,75%). Só de ICMS, a principal fatia da receita, o recolhimento foi de R$ 19,4 bilhões. Os setores com maior crescimento na arrecadação do tributo foram redes de lojas e restaurantes (29,3%), automação comercial (22,7%) e automóveis (17,5%).

Logística
A Havan divulgou detalhes dos planos de expansão do seu centro de distribuição em Barra Velha (SC). O negócio foi fechado por R$ 26,28 milhões, houve uma atualização de preços, já que a oferta original de R$ 25,5 milhões foi feita em agosto do ano passado. O pagamento foi dividido em uma entrada de R$ 3,68 milhões com o saldo restante dividido em 141 parcelas mensais. A estrutura, coração logístico da operação da rede varejista de Brusque, inclui um pacote de R$ 70 milhões, além da expansão física, haverá melhorias também em tecnologias relacionadas à expedição.

Novos parques
O novo ministro do Turismo divulgou como um dos objetivos principais da pasta a definição de distritos turísticos. O material do Ministério cita o exemplo de Penha, em SC, que é pioneira na iniciativa junto com Palmas, capital do Tocantins e porta de entrada para o Japão. A administração municipal de Penha recebeu sondagem de pelo menos 10 empreendimentos interessados em se instalar no distrito, que ficará em entorno do parque Beto Carrero World. Entre os que manifestaram interesse estão grupos brasileiros, chineses e de Orlando, nos EUA, responsáveis por parques temáticos, aquáticos e resorts.

Estação 101 Hotéis
A rede de hotéis Estação 101, com sede em Itajaí, já está operando em Brusque, onde ficava o Brusque Palace Hotel, próximo do Terminal Rodoviário. Possui excelente restaurante e duas salas para eventos. O local é dotado de amplo estacionamento.

Apetite das micro
Diante da perspectiva de recuperação da economia, os micros e pequenos empresários do varejo e comércio têm demonstrado mais apetite para realizar investimentos em 2019. É o que aponta dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O levantamento mostra que 41% desses empresários pretendem investir este ano, ante 35% em 2018. Por outro lado, 38% não planejam fazer qualquer tipo de movimento nesse sentido e 21% ainda não sabem o que farão.

Mais vendas
O indicador que mde a propensão de investimento das MPEs (micro e pequenas empresas) passou de 41,4 pontos em janeiro de 2018 para 47,9 em janeiro deste ano, uma alta de 16% na comparação anual. Pela metodologia, quanto mais próximo de 100, maior a propensão para o investimento. Quando mais próximo de zero, menor a propensão. Entre os empresários que devem investir, seis em cada dez (60%) miram o aumento das vendas, enquanto 27% visam atender ao aumento da demanda e 25% querem adaptar sua empresa à snovas tecnologias. A principal finalidade para esses recursos será a compra de equipamentos (31%). Em seguida, 26% buscam reformar a empresa e 22% ampliar seus estoques.

Mais cervejarias
Santa Catarina ganhou 27 novas cervejarias em 2018. O número total de fabricantes da bebida saltou de 78, em 2017, para 105 no último ano, alta de 34,6%. Com isso, o Estado é o quarto do país com mais empreendimentos do tipo, atrás do Rio Grande do Sul (186), São Paulo (165) e Minas Gerais (115). Os dados são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Em todo o país, foram abertas 210 cervejarias em 2018, elevando o número total para 889. Já existe pelo menos um empreendimento do gênero em 479 cidades brasileiras. A Associação Brasileira da Cerveja Artesanal estima que cervejarias com até 99 funcionários empreguem 3,6 mil pessoas. Esse grupo criou 1.114 vagas de trabalho em 2018, número quase 20% maior do que o verificado nas grandes indústrias ligadas a marcas comerciais, que geraram 828 postos de trabalho ao longo do ano.

Temporada de frustrações (1)
A atual temporada de verão no litoral catarinense já está caracterizada por um paradoxo. O tempo está excelente, com muito sol, céu claro e temperaturas elevadas. Exceção, claro, aos temporais que castigaram algumas regiões. Mas a presença de turistas está muito longe da badalada pelas autoridades. As reclamações de vazios começam com os restaurantes, passam pelos proprietários de pousadas, casas e apartamentos e se completam com os prestadores de serviços. Estudos técnicos precisam ser feitos com urgência se o Estado pretende evitar a deterioração do turismo e o esvaziamento da atividade. A queda do número de turistas argentinos é uma das causas do fraco movimento. Uma redução de 70% em relação a outras temporadas.

Temporada de frustrações (2)
A falta de mobilidade é um fator decisivo. Ninguém vem para Santa Catarina para ficar preso em intermináveis engarrafamentos. A travessia da BR-101 entre Itapema e Itajaí é um sufoco diário, que só se agrava. Sobre o trânsito na Ilha de SC, na Capital, há pouco a dizer. Está sempre travada. A poluição das praias é outra tragédia anunciada. Qual turista nacional ou estrangeiro vai para uma cidade para se banhar em águas poluídas e praias tomadas por cachorros e detritos? Adicione-se um número impressionante de ambulantes, total indisciplina nos aluguéis de casas e apartamentos e se terá o cenário ideal para afugentar os turistas. Quem vem a primeira, evita a segunda.

Mais empregos
O Brasil encerrou 2018 com saldo positivo de 529,5 mil empregos formais, segundo dados do Caged. Foi o primeiro saldo positivo desde 2014, quando houve geração de 420,6 mil empregos formais. Santa Catarina fechou 2018 com 41,9 mil empregos, o terceiro melhor desempenho entre os estados brasileiros. Brusque fechou o ano com saldo positivo de 1.232 novos postos de trabalho. O saldo é melhor do que 2017, quando as empresas geraram 1.097 novas vagas de emprego.

Cruzeiros
Comandantes e diretores da MSC estão empolgados com as escalas em Balneário Camboriú e as facilidades do Atracadouro Tedesco. Novos equipamentos foram instalados, facilitando as operações de embarque e desembarque. Os navios da MSC já fizeram mais de 10 escalas nesta temporada e deverão ancorar em outras passagens por BC. O MSC Seaview, maior navio do grupo, deixou mais de 4 mil passageiros na última escala.

Cia. Hering
A Cia. Hering encerrou 2018 com 38 lojas a menos do que tinha ao final de 2017 (reduziu de 799 para 761), mas ainda assim, manteve o faturamento estável. No ano passado a receita bruta atingiu R$ 1,8 bilhão, teve queda de 1,9% frente ao desempenho do exercício de 2017, que somou R$ 1,84 bilhão. Em comunicado enviado ao mercado, a empresa listou três fatores que impactaram nos resultados do ano: greve dos caminhoneiros, que afetou o abastecimento dos canais multimarcas e das franquias; redução de fluxo de lojas em dias de jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo e temperaturas mais altas do que se esperava no inverno, o que prejudicou as vendas das coleções da estação. Esses motivos já haviam sido apontados pela própria Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) como determinantes para a desaceleração do segmento em geral em 2018.

Extinção da Eletrosul
Estão adiantados os estudos na Eletrobrás que culminarão com a extinção da Eletrosul – Centrais Elétricas do Sul, a maior estatal federal com sede em Santa Catarina. Oficialmente, ocorrerá a incorporação dos ativos da Eletrosul com a CGTEE – Cia. de Geração Térmica de Energia Elétrica, sediada no Rio Grande do Sul, integrando o Grupo Eletrobrás. A previsão é de que o processo seja deflagrado em março.

Feita têxtil
O primeiro evento do Centro de Eventos de Balneário Camboriú deve ocorrer em junho. A Feira Nacional da Indústria da Moda (Fenim), que tem edições anuais em Gramado (RS) e São Paulo (SP), deve reunir 150 expositores e reservar 12 mil leitos em BC. A organização do evento acompanhou de perto a visita do secretário de Estado, Lucas esmeraldino, à cidade.

Porto, não
A Advocacia Geral da União (AGU) emitiu parecer totalmente contrário ao projeto da BC Port, que pretende se instalar na Barra Sul em Balneário Camboriú. O projeto não tem autorização da prefeitura e muito menos licenças ambientais. Além disso, os proprietários não possuem áreas de terra nas imediações, e têm sido alvo de denúncias de falsidade de documentos. O parecer da AGU é datado de 10 de janeiro de 2019.

Aeroporto de Navegantes
O aeroporto de Navegantes terminou 2018 com recorde histórico na movimentação de passageiros. De janeiro a dezembro, foram 1,90 milhão de pessoas, 21% a mais do que em 2017. O mês com maior movimentação foi janeiro, com 192 mil passageiros, seguido de julho com 175mil e outubro com 174 mil. A média diária é de 5.289 pessoas entre embarques e desembarques. O terminal tem 44 operações regulares, entre pousos e decolagens, operadas por quatro companhias aéreas: Gol, Latam, Avianca Brasil e Azul.

Impacto na Vale
A Vale do Rio Doce sofreu perdas bilionárias como consequência do rompimento da barragem de Feijão, no município de Brumadinho (MG). O valor de mercado caiu R$ 70 bilhões num único dia; os acionistas deixarão de receber dividendos; com cotação das ações recuando 20%, o mergulho foi profundo. Exatamente num momento em que a companhia estava se reerguendo. Boas vendas, valor do minério em alta, a mineradora até havia anunciado antecipação de divulgação de resultados, o que analistas entenderam com sinal de desempenho positivo no ano passado. O desastre humano e ambiental é muito maior, mas do ponto de vista dos negócios, é um péssimo momento.

Isso é turismo?
De um leitor de Florianópolis, incomodado com o nível baixo da maioria dos turistas nesta temporada: “Acabo de qualificar os dois tipos de visitantes: 1. Turista Gafanhoto: vem, destrói o que encontra, usa e abusa de tudo como se fosse o fim dos tempos e vai embora, deixando apenas lixo; 2. Turista Cupim: vem com uma mão atrás e outra na frente, apenas com a ropua do corpo e mochila, não gasta e prejudica o que é dos outros”.

Operação defeso
O pente-fino do seguro-defeso da pesca vai demandar uma ação coordenada com a Marinha, Polícia Federal e INSS. O governo deve começar as revisões pelos Estados do Maranhão e do Pará, que detém juntos, 70% dos cadastros de seguro-defeso no país. Santa Catarina virá em uma etapa posterior.

Intercâmbio com idosos
Quem pensa que intercâmbio de idiomas é coisa para jovem está bem enganado. A prova disso é o aumento da procura de pessoas com mais de 50 anos para estudar inglês, francês ou espanhol no exterior. Segundo agências de viagem especializada em intercâmbio, a procura aumentou 20% nos últimos anos. E com o envelhecimento da população, a tendência é crescer. A maioria quer aprender um idioma para viajar e não ficar na dependência de ninguém.

Arrecadação sobe
A arrecadação federal teve alta de 4,74% acima da inflação em 2018. As receitas com tributos federais e contribuições previdenciárias fecharam o ano em R$ 1,45 trilhão. O resultado é o melhor desde 2014. Foi o segundo ano seguido com resultado positivo. Em 2017, houve alta real mais modesta, de 0,59%. Os três anos anteriores foram de retração das receitas federais. Segundo a Receita Federal, entre os pontos que justificam o dado de 2018 está a melhora dos indicadores econômicos.

Acordos de poupadores
Os poupadores que compõem o nono lote do calendário de acordo dos planos econômicos poderão aderir à proposta. Estão nesse lote os nascidos a partir de 1964 que entraram com ações na Justiça para reivindicar correções por perdas dos planos Bresser, Verão e Collor 2. O plano Collor 1 não está contemplado. O acordo foi homologado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em março do ano passado. Em maio, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) passou a disponibilizar acesso à plataforma eletrônica (pagamentodapoupança.com.br) que recebe os pedidos de poupadores e os encaminha ao pagamento. Ao todo, são 11 etapas (ou lotes) para aderir aos acordos.

Transparência internacional
A sensação de corrupção no Brasil continuou a crescer em 2018, de acordo com a mais recente edição do IPC (Índice de Percepção da Corrupção), ranking da Transparência Internacional. O país caiu nove posições e agora ocupa a 105ª posição, em conjunto de 180 países. O IPC faz a classificação com base em quão corrupto o setor público é percebido por especialistas e executivos, com base em 13 pesquisas e relatórios independentes. Quanto menor a nota (de 0 a 100), maior é a percepção da corrupção. A média do Brasil caiu novamente e chegou a 35 pontos em 2018, a mais baixa nos últimos sete anos. O país empata com Argélia, Armênia, Costa do Marfim, Egito, El Salvador, Peru, Timor Leste e Zâmbia. A nota mais alta coube à Dinamarca (88) e a mais baixa, à Somália (10).

Aplicações financeiras
Os números do mês de janeiro deste ano, transcrevemos: Selic, CDI e CDB (+0,54%), Poupança (+0,37%), Bolsa de Valores (+10,82%), Dólar (-5,58%), Euro (-5,55%), Ouro (-2,03%) e IGP-M (+0,01%).

Vale-alimentação
A Receita Federal definiu que o auxílio-alimentação pago aos trabalhadores por meio de vale ou cartão não deve entrar no cálculo das contribuições previdenciárias desde o dia 11 de novembro de 2017, quando entrou em vigor a reforma trabalhista. Tanto antes, quanto depois da mudança na CLT, porém, o auxílio-alimentação pago em dinheiro, além de benefícios como cesta básica e alimentação no local (chamados de “in natura”) têm a cobrança.

Juro do cheque especial
Os juros do cheque especial subiram de 305,7% ao ano em novembro para 312,6% em dezembro do ano passado. No mesmo período, as taxas do rotativo do cartão de crédito também aumentaram de 279,8% para 285,4% em dezembro. Embora os percentuais tenham caído na comparação com o último mês de 2017, as taxas continuam altas. No caso do cheque especial, os juros passam de 310% ao ano. A Selic (taxa básica de juros do país) está em seu menor patamar histórico, a 6.5% ao ano. Os números foram divulgados pelo Banco Central.

TIM recebe multa
A Secretaria Nacional do Consumidor multou a TIM em R$ 9,7 milhões porque a empresa teria cobrado por serviços e produtos nunca solicitados pelos consumidores. Vivo, Oi e Claro já tinham recebido a mesma punição em setembro do ano passado. O valor da penalidade é o maior que pode ser aplicado pelo órgão. A TIM informou que aprimorou seus processos.

Morador inadimplente
A inadimplência em condomínios tem se tornado cada vez mais comum, em especial após a crise econômica que atingiu o país nos últimos anos. Cabe aos condomínios, antes de ingressar na Justiça, negociar com os devedores. Caso o proprietário persista em não pagar, pode até perder o seu bem. Os tiposmais frequentes de inadimplência em condomínios são os de pagamento da taxa mensal e de multas por infração à convenção. Em condomínio com áreas comuns, no qual diversas pessoas buscam conviver em harmonia, a recomendação é que, em primeiro lugar, sejam adotadas medidas extrajudiciais e amigáveis para cobrança dos valores devidos, como prazo maior para pagamento da dívida. A falta de pagamento do condomínio é um dos principais problemas. Desde 2016, a cota condominial foi elevada a título executivo extrajudicial. O devedor recebe uma citação para pagar a dívida em três dias ou nomear bens para penhora. É um processo muito mais rápido. Estima-se que em seis meses a um ano ele pode ter essa dívida inscrita na matrícula do bem e, em última instância, perder esse bem.

Compensação de créditos
Estudo da Confederação Nacional da Indústria mostra que os 10 maiores estados exportadores do Brasil, Santa Catarina incluído, limitam a compensação de créditos de ICMS por parte de empresas que vendem produtos ao exterior. Os governos estaduais impõem condições para o uso desses créditos tanto no pagamento de dívidas quanto na sua transferência a outras empresas, em confronto com a legislação e com entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ). No Brasil, por lei, exportações de mercadorias são desoneradas da cobrança de ICMS. Esse benefício está previsto na Constituição Federal e na Lei Kandir e busca tornar os produtos brasileiros mais competitivos no mercado externo.

Condomínios logísticos
Dados compilados pela CBRE, um das principais consultorias internacionais especializadas no mercado de condomínios logísticos, confirmam o potencial de negócios do setor: atualmente, o Brasil conta com 1,4 milhão de m2 construídos por ano, totalizando 625 galpões em todo o território nacional, um recorde na história deste segmento. De 2005 a 2010 foram construídos 450 mil m2 por ano. De 2011 a 2013, com a chegada de grandes companhias internacionais ao País, esse número mais que dobrou, indo para aproximadamente 1 milhão de m2. De 2014 a 2018, mesmo em um período de recessão econômica, o avanço não parou, chegando aos atuais 1,4 milhão de m2. O principal protagonista neste crescimento é o estado de São Paulo, que sozinho, responde por mais de 50% desse total, concentrando 350 condomínios.

Revisão de incentivos fiscais
A Secretaria da Fazenda do governo de Santa Catarina entrega até o fim de fevereiro o estudo com ampla revisão de incentivos fiscais concedidos a empresas catarinenses pelo governo estadual. Em especial, a tributação sobre itens da cesta básica estão sendo esmiuçados. O objetivo é dar tratamento diferenciado a produtos de largo consumo popular constantes da cesta básica de alimentos. Também está em análise uma forma de viabilizar tratamento tributário diferenciado às empresas sediadas no Estado, de modo a incentivar a produção catarinense. No campo específico dos produtos da cesta básica, pelo menos duas distorções já foram verificadas e que merecerão atenção por parte dos técnicos. São os casos do ICMS incidente sobre pão e sobre água mineral. Em ambas as situações, a alíquota é a mesma, não importando se o produto é feito nas panificadoras locais ou se o pão é importado, como também não faz diferença se a água mineral Perrier, a mais famosa do mundo, ou se vem da indústria regional.

Concursos
Tribunal de Justiça do Estado publicou edital de concurso para preenchimento de 192 vagas para serviços notariais e registrais em dezenas de cartórios do Estado. O prazo de inscrições será aberto em 11 março. Por sua vez, a Secretaria da Fazenda está publicando a relação dos candidatos classificados no concurso de auditor fiscal. São 114 os aprovados na primeira relação e cerca de 70 em listas específicas de técnicos.

Desativação das ADRs
A desativação das 20 Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) foi oficializada em um decreto assinado pelo governo de Santa Catarina. O documento detalha a forma como a desarticulação será feita, sob a coordenação de um grupo composto por representantes de diversos órgãos do governo. De acordo com o decreto, todo o processo de desativação das ADRs deverá estar concluído até o dia 30 de abril. A extinção definitiva das agências será objeto da reforma administrativa a ser encaminhada à Assembleia Legislativa neste mês de fevereiro.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 06/02/2019 às 09h48 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

BRF vende mais uma fábrica
Doze dias depois de comunicar a venda da argentina Quickfood por cerca de US$ 55 milhões, a BRF voltou a anunciar que se desfez de mais uma operação em território Hermano. Desta vez foi a Avex, uma das líderes na produção de alimentos a base de frango e margarinas no país vizinho, que foi repassada à Granja Tres Arroyos e à Fribel. Por 100% do capital social do negócio, elas pagarão US$ 50 milhões.

Moda cara
Num universo de 44 países onde tem negócios, é no Brasil que a varejista Zara vende as peças mais caras. O custo é em média 18% maior que nos Estados Unidos, onde os preços, por sua vez, já são 36% maiores do que os praticados na Eslováquia, em Portugal e na Espanha, locais com as etiquetas mais acessíveis. O alto custo do Brasil se deve à complexidade do sistema tributário e regulatório e os gargalos em logística. As informações constam no chamado “Índice Zara”, divulgado pelo BTC Pactual e foram citadas no jornal Valor Econômico.

Grupo seleto
Santa Catarina é um dos seis Estados brasileiros, ao lado do Pará, Roraima, Mato Grosso, Rondônia e Mato Grosso do Sul, cujo PIB deste ano irá superar o de 2014, antes do início da recessão. A projeção consta em levantamento feito pela Tendências Consultoria Integrada. A expectativa de incremento da economia catarinense em 2019 em relação aquele ano é de 0,2%.

Floripa: a pior
Um estudo realizado pelo aplicativo Waze, o mais acionado pelos celulares para localização e informações rodoviárias, revela que Florianópolis é a “pior cidade do Brasil para dirigir”. Seguem-se Manaus, João Pessoa, Belém e Vitória. Entre as melhores despontam Atibaia, São José do Rio Preto e Grande Campinas, em São Paulo.

Liberações
Vinicius Lummertz, atualmente secretário de Turismo de São Paulo, informou ainda que foram liberados R$ 90 milhões no final do período. Desse total, foram R$ 25 milhões para Santa Catarina e R$ 30 milhões para São Paulo. Justificou as verbas para o Estado, alegando que “o turismo deverá movimentar neste verão em Santa Catarina R$ 11 bilhões e mais R$ 800 milhões em impostos diretos”.

Alemães em SC
O ano de 2019 terá várias comemorações sobre a epopeia dos alemães em Santa Catarina. Em março, os 190 anos da colonização alemã no Estado; em 19 de setembro, o centenário de nascimento do excepcional botânico e historiador Raulino Reitz; e, em 26 de dezembro, os 200 anos de nascimento do dr. Blumenau. Em Santa Cecília, situada a 330 km de Florianópolis, às margens da BR-116, o quarto aniversário do Museu da Família Granemann, iniciativa extraordinária da Florestal Granemann, que reuniu mais de 2 mil peças e fez o resgate dos alemães na região. Em março, ainda, a OASE (Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas) estarão comemorando 120 anos de atuação, com um evento em Blumenau, a nível nacional.

Balança comercial
O Ministério da Economia divulgou que, em nível de Brasil, as exportações cresceram 9,6%, o maior índice dos últimos cinco anos, alcançando US$ 239,5 bilhões em 2018. Já as importações registraram US$ 181,2 bilhões, aumento de 19,7% com relação ao ano anterior e atingiram o maior valor desde 2014. O saldo comercial mostra um superávit de US$ 58,3 bilhões, segundo melhor desempenho desde 1989.

Emprego
A expectativa líquida de emprego no Brasil para o primeiro trimestre de 2019 subiu dois pontos percentuais com relação ao levantamento feito no mesmo período do ano passado e um ponto percentual no comparativo ao 4º trimestre de 2018, atingindo uma variação sazonal de 8%. A percepção vem de 850 empregadores brasileiros entrevistados pelo Manpowergroup em resposta à pergunta: “qual a sua previsão de variação no número total de colaboradores em seu local de trabalho nos próximos três meses comparado ao trimestre atual?” A pesquisa mostra intenções moderadas de contratação de janeiro a março: 18% dos empresários preveem aumento no número de contratações; 11% apostam em redução e 66% não esperam alteração nos níveis de admissões. Os dados revelam a mais forte expectativa líquida de emprego dos últimos quatro anos no país.

Panificadora Ristow
A Panificadora Ristow fechou as portas no final do ano. O fim das atividades da tradicional padaria colocou um ponto final numa história quase centenária e deixará muitos moradores de toda a região das delícias caseiras encontradas somente no estabelecimento na rua Hercílio Luz, no Centro, em Brusque. Em 1919, Germano Ristow comprou aquele ponto comercial e ali começou a construir uma história do estabelecimento que se fundiu com o sobrenome da família Ristow. Uma série de fatores contribuíram para o fechamento da panificadora. Mas o principal deles é que, para modernizá-la, seria necessário um investimento muito alto. Segundo a última proprietária, tudo tem seu tempo e é hora de parar.

Vale lidera venda de veículos em SC
O Vale do Itajaí liderou a venda de veículos novos em Santa Catarina ao longo de 2018. O crescimento, incluindo todos os segmentos, chegou a 23,5%. Foi o maior do que todas as outras regiões: Norte, Sul, Oeste, Serra e Grande Florianópolis e, consequentemente, acima da média estadual, que chegou a 18,6%. O desempenho foi melhor, inclusive, do que o verificado em nível nacional. No Brasil, o incremento ficou em 13,5%. Os dados são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores de Santa Catarina (Fenabrave-SC). Ao longo de 2018, foram comercializados 53,4 mil unidades na região.

Uruguaios
Florianópolis vive uma nova fase. Milhares de turistas já retornaram às suas cidades, os argentinos estão chegando em voos fretados e os uruguaios anunciam presença maciça. Segundo a Santur, chilenos e bolivianos também estão chegando este ano à Santa Catarina.

Terreno fértil
A Associação Brasileira de Startups mapeou 10 mil empresas desse tipo em todo o Brasil em 2018, sendo 50 delas em Blumenau. O levantamento inclui informações sobre idade média e modelo do negócio, mercado de atuação e público-alvo, se elas oferecem serviços para outras empresas ou para consumidores finais, por exemplo. A meta da entidade é ampliar essa base para 15 mil em 2019, ano em que soluções para as áreas de finanças, saúde e alimentação devem continuar em alta.

Crescimento
A Havan divulgou que ultrapassou a marca de R$ 7 bilhões em faturamento em 2018, fruto de um crescimento de 40% nas vendas. A rede varejista de Brusque encerrou o ano com 120 lojas. Pelo menos mais 20 devem ser inauguradas em 2019, consumindo investimentos em torno de R$ 500 milhões e gerando a contratação de mais 4 mil pessoas, elevando para 20 mil o quadro de funcionários. A meta é chegar a 200 unidades em todo o país em 2022. O índice expressivo de crescimento já era previsto, em que pese seu proprietário ter ganho projeção nacional com suas manifestações polêmicas, principalmente durante as eleições, que geraram marketing espontâneo para a Havan.

Ampliação física
O Porto Itapoá movimentou, em 2018, 680 mil TEUs, um crescimento de 11% em relação ao movimento de 2017. A perspectiva para os próximos anos, com a ampliação da área física do terminal de 150 mil m2 para 250 mil m2 ainda neste ano, é de que tenha capacidade para movimentar 1,2 milhão de TEUs. Esse patamar coloca o Porto Itapoá entre as maiores capacidades estáticas de armazenamento de contêineres do Brasil.

Negócios
O ranking das melhores cidades para se Fazer Negócios, feito anualmente pela consultoria Urban Systems para a revista Exame, traz quatro cidades catarinenses entre as 50 principais no país: Florianópolis (24ª), Balneário Camboriú (35ª), Itajaí (36ª) e Tubarão (50ª) integram a lista, que considera índices de desenvolvimento econômico, capital humano, desenvolvimento social e infraestrutura. Vitória, capital do Espirito Santo, lidera o ranking.

Economia
Nas análises de cada indicador, os municípios catarinenses têm destaque em setores diferentes. Itajaí aparece entre as primeiras da lista em desenvolvimento econômico, passou do 45º, em 2017, para o 9º lugar na lista. Balneário Camboriú teve uma ligeira queda de posições, mas manteve-se entre as 20 primeiras, passou do 11º para o 17º lugar.

Social
Balneário Camboriú tem seu melhor posicionamento em desenvolvimento social. É a segunda do país, atrás apenas de São Caetano do Sul (SP). Aliás, nesse quesito, é a única cidade catarinense entre as 10 mais, todas as outras são do Estado de São Paulo. Em infraestrutura, Balneário também é destaque. Saltou da 63ª posição em 2017, para 17º lugar. É a melhor classificação entre os municípios catarinenses.

Melhor dezembro
As exportações de Santa Catarina, em dezembro de 2018, somaram US$ 773,63 milhões, e as importações, US$ 1.053,46 milhões. Na comparação com o mês anterior, houve avanço de 1,25% nas exportações e recuo de 22,39% nas importações. No confronto com o mesmo mês do ano anterior, as variações foram de 6,73% e 9,44%, respectivamente. Esse resultado representa um crescimento de 5,18% nas vendas do ano e de 22,95% nas compras internacionais por parte das indústrias. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e da Fiesc. Com o maior valor exportado para um mês de dezembro da história, as vendas catarinenses continuam crescendo. Os valores do ano passado se aproximam do recorde de exportações de 2011, quando somaram US$ 8,97 bilhões.

Principais produtos
Entre os produtos exportados, destacam-se as carnes de aves, que mesmo em cenário de embargos que já duram um ano, mantiveram expansão de negócios, alcançando valores de 5,55% superiores ao do ano anterior e continuam como o principal produto exportado no ano. O desempenho está associado à expansão de novos mercados, principalmente para os países árabes e para a China.

No ano
Em todo o ano passado, SC exportou US$ 8,94 bilhões e as importações totalizaram US$ 15,47 bilhões. Significa que o saldo comercial ficou negativo em US$ 6,52 bilhões. No Brasil, o comportamento da balança comercial foi diferente da verificada no Estado. As exportações totalizaram US$ 239,88 bilhões, contra US$ 181,10 bilhões, resultando em superávit de US$ 58,78 bilhões.

Insignificância
Chegou há dias à segunda maior instância da Justiça no país, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), um pedido de liminar, que foi concedido a um homem preso em flagrante sob acusação de subtrair uma maçã de uma mulher de 67 anos. Com a decisão, ele poderá responder ao processo em liberdade. Inacreditável. E os verdadeiros bandidos (políticos, principalmente) que nos tem roubado diariamente continuam soltos em sua grande maioria.

STF desmoralizado
De matéria de capa da revista IstoÉ, espinafrando o ministro Marco Aurélio Melo, pela estapafúrdia liminar liberando 168 mil presos condenados em duas instâncias: “Adotando ativismo judicial e cada vez menos preocupado em exercer suas funções elementares, como a de guardião da Constituição e da estabilidade do país, o Supremo encontra-se ainda mais desmoralizado perante à sociedade brasileira”.

Prodec
O Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense (Prodec) aprovou em 2018 a concessão de benefício de incentivos fiscais para sete empresas e reportou investimentos previstos em aproximadamente R$ 485 milhões. O estímulo potencializou a geração de 1,9 mil empregos diretos em três municípios no Norte: Joinville, Jaraguá do Sul e Mafra, além das cidades de Anita Garibaldi, Lages, Blumenau, Guaraciaba, Guabiruba e Timbó.

Retomada do ritmo econômico
A queda na abertura de empresas no Oeste é explicada pela Fecomércio-SC como resultado da pouca diversificação da economia dessas cidades, que têm no agronegócio a maior fonte de renda. Já no Meio-Oeste e nas cidades litorâneas, há mais opções para os empreendedores investirem. Além da agricultura, tem certa atividade industrial. No Litoral, houve mais atividades de serviços. Quanto mais diversificada a região, mais contribui para a geração de novas empresas. Outro indicativo de que a economia catarinense está se recuperando é a criação de empregos. De acordo com os dados do Caged, Santa Catarina abriu 64 mil novas vagas entre janeiro e novembro do ano passado. Somadas as vagas geradas em 2017, a economia recuperou os empregos perdidos entre 2015 e 2016, pior período da crise. É o primeiro momento desde dezembro de 2014 que recuperamos todas as vagas perdidas. É um momento histórico.

Coaf
O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) investigou 370 mil pessoas físicas e empresas em 2018, o que gerou cerca de 330 mil comunicações de operações suspeitas e em espécie, além de 7,2 mil relatório de inteligência financeira (RIFs) às polícias e ao Ministério Público. Somente em número de relatório, a alta foi de 10% no paralelo com o ano anterior. O órgão é responsável por analisar transações financeiras suspeitas no país e, em 2018, rendeu o bloqueio judicial de cerca de R$ 36 milhões (incluindo operações no exterior), dinheiro este relacionado a investigações de lavagem de dinheiro e crimes diversos.

Confiança renovada
A confiança da classe empresarial avançou dois pontos no indicador que mede o Índice de Expectativas para o futuro no setor de serviços. A medição é da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e alcançou 101,4 pontos, retomando os três dígitos depois de cinco anos abaixo de 100 pontos (a escala vai até 200 pontos). Em contrapartida, o Índice de Situação Atual, responsável por avaliar a confiança no momento presente, o crescimento é bem mais contido (0,5 ponto), chegando a 88,2 pontos.

Indicadores econômicos
Para o comércio, o ano teve resultado positivo, com crescimento médio nas vendas superando os 10% mês a mês (exceção de outubro, que o varejo cresceu 9,1%). A tendência é de que o setor manterá os rumos da recuperação em 2019, devido a expectativa de aumento de renda aliada a uma possível redução do desemprego. Em Santa Catarina o índice de desemprego voltou ao mesmo patamar dos dois anos anteriores, de 6,2%. Já o saldo líquido de vagas mostrou evolução com relação a 2017: duas mil vagas a mais no varejo e o dobro no setor de serviços, alcançando, 30,7 mil novas oportunidades. O volume de serviços, inclusive, teve o melhor resultado desde 2015 no acumulado em 12 meses, em SC. O Estado ficou ainda no segundo posto nacional na abertura de lojas no primeiro semestre de 2018, com 852 novos estabelecimentos criados.

Futuro planejado
Muitas pessoas ficam em dúvida quando o assunto é previdência privada. Ter ou não ter? Ela é realmente necessária, mesmo sendo contribuinte da previdência social? Essas são algumas das questões de quem pensa sobre os investimentos no futuro. Outros, mais pessimistas ou humorados, disparam a célebre frase: “Nem sei se estarei vivo amanhã, imagina daqui a 20 ou 30 anos”. Pois é, mas conforme dados do IBGE muitos de nós estaremos vivos nesse período, sim. Segundo o instituto, até 2050, a população idosa vai triplicar no país. De 20 milhões em 2010 para mais de 60milhões. Isso afetará, e muito, a configuração de vida em diversos aspectos, inclusive as formas de previdência. Somente este dado já responde sobre a relevância e os drásticos impactos dos investimentos futuros. A educação financeira é essencial, independentemente da sua idade, e investir no futuro também é uma forma prática de educar financeiramente. Analise com calma, converse com especialistas e com amigos que já contam com o suporte antes de escolher.  

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 15/01/2019 às 11h24 | acdiegoli@gmail.com

Economia na Semana

Mercado em 2018
O dólar subiu 17% no ano passado, puxado pela turbulência global desencadeada pela alta de juros nos Estados Unidos e despontou como o investimento mais rentável de 2018. A moeda americana fechou o ano cotada em R$ 3,8770. O desempenho da moeda americana superou inclusive os ganhos no mercado acionário: o Ibovespa avançou 15% no ano, acumulando o melhor desempenho entre as principais Bolsas mundiais. Para quem investiu o FGTS em ações há alguns anos, os papéis ordinários da Petrobrás (Petr3) subiram 46,57% durante todo o ano, de R$ 17,33 no primeiro pregão de 2018, para R$ 25,40 no final. Já as ações da Vale (Vale3) avançaram 22,24% de R$ 41,77 para R$ 51. Aplicações em fundos cambiais se valorizaram 20%, segundo dados da associação do mercado de Capitais.

Brasileiro está otimista
O otimismo do brasileiro com os rumos da economia atingiu níveis recordes. É o que aponta pesquisa Datafolha. Dos entrevistados, 65% consideram que a economia vai melhorar. Menos de 1% acha que a situação vai ficar pior. O levantamento mostra ainda que 47% acreditam que o desemprego será menor no novo governo. Outras 35% acham que a inflação cairá.

Atacarejo em alta
O ano de 2018 foi marcado pela expansão do atacarejo em Santa Catarina. Várias redes abriram unidades neste formato, que é o que mais cresce dentro do ramo supermercadista, em todas as regiões, inclusive em Brusque. A Associação Catarinense de Supermercados não tem um levantamento de quanto foi investido no segmento, porque nem todas as redes abrem esse tipo de informação. Mas os aportes são significativos. Para 2019 a projeção é bem mais otimista para os supermercados, entre 3% e 3,5%. O atacarejo deve continuar puxando a fila dos investimentos, com mais lojas deste formato, chegando em muitas cidades do interior.

Crescimento nas montadoras
Cinco montadoras registraram crescimento acima do mercado total de automóveis e comerciais leves de 14,6% no ano que acabou. O destaque foi a Volkswagen, com alta de quase 35% em relação a 2017. A marca vendeu 366,9 mil veículos e ficou em segundo lugar no ranking nacional, atrás a General Motors, com 433,9 mil unidades, 10% a mais que em 2017. Outro destaque foi a Renault, que vendeu 214,9 mil unidades, alta de 28,7% ante 2017. A marca ocupou a quinta posição na lista das fabricantes. A Fiat ficou em terceiro lugar com 325,7 mil unidades, alta de 11,8%. Na sequência veio a Ford, com 226,4 mil unidades, com crescimento de 9,5%. A Hyundai ficou na sexta posição, com venda de 206,5 mil veículos e crescimento de 2,3% ante o ano anterior. Somando todas as marcas, em 2018 a indústria automobilística brasileira vendeu cerca de 325 mil veículos a mais que no ano anterior. O setor encerrou o período com 2,56 milhões de unidades vendidas, alta de 14,5%. É o segundo crescimento seguido registrado pelo setor, após os quatro anos de queda no período mais crítico da crise econômica, a partir de 2013. Para este ano, a expectativa é de novo crescimento de pouco mais de 10%.

Termômetro e medidor de pressão
A partir deste novo ano, ficam proibidas em todo o país a fabricação e a venda de termômetros e de aparelhos para verificar a pressão arterial que utilizam coluna de mercúrio. A medida não veta o uso doméstico de termômetros de mercúrio para quem já possui o equipamento.

Iate de luxo
Foi de 14,4 milhões o valor pago, em leilão, a um iate de luxo que pertencia ao empresário Eike Batista. A embarcação foi apreendida pela Operação Lava-Jato.

Constatação cruel
Quem vive o dia a dia de Florianópolis e região e o caos na mobilidade perde o humor sabendo que enquanto o dinheiro para recuperar a Ponte Hercílio Luz foi para o bolso de um bando de corruptos e safados, as duas outras pontes estão cheias de problemas. Fala-se, inclusive, que mantida a situação de degradação contínua atual, podem ser interditadas em futuro bem próximo. Aí seria o inferno total.

Pelo ralo
O desperdício de dinheiro com as tais Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDR), depois transformadas em agências, sabe-se agora que envolveu inclusive a construção de sedes próprias para acomodar o cabide de empregos que sempre foram tais instâncias “descentralizadas”. Chegou-se a fazer o projeto das 36, mas só um viabilizado, o de São Joaquim, chefiado, desde seu início, pela ex-miss SC Solange Pagani.

IGP-M
O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) caiu 1,08% em dezembro, segundo publicação da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado é pouco diferente da queda registrada de 0,35% registrada em novembro e expõe a variação de preço do índice que é considerado nos reajustes de contratos de aluguéis. Apesar dessa deflação, o IGP-M continua com inflação acumulada de 7,54% no ano. Índice que deverá servir de reajuste para os alugueis que vencem em janeiro deste ano.

Aporte de recursos
O Sicoob projeta investimentos de R$ 340 milhões em 2019, com foco em tecnologia, canais de atendimento, novas transações e crédito digital para o agronegócio. Uma das novidades previstas é o aplicativo Moob, que permitirá que um cooperado faça vendas e anúncios de produtos para outros cooperados.

Tex Cotton
A Tex Cotton recebeu a carta de arrematação do leilão da Sulfabril, em Blumenau, e já é oficialmente a dona dos bens que pertenciam à antiga empresa têxtil, incluindo o complexo industrial da Rua Itajaí. O próximo passo é a contratação de uma empresa que avaliará a estrutura e fará uma proposta de layout. A Tex Cotton, atualmente instalada no bairro Garcia, em imóveis separados, quer concentrar todo o negócio no novo espaço, recém-adquirido.

Conectados
Subiu de 69,3% em 2016, para 74,9% em 2018, o percentual de domicílios brasileiros com acesso à internet. A presença do celular passou de 92,6% para 93,2%, enquanto a do telefone fixo caiu de 33,6% para 31,5%. Os dados são do IBGE.

Embargo
O embargo europeu ao pescado brasileiro, que está completando um ano neste mês de janeiro, está no topo das prioridades do novo secretário nacional de Aquicultura e Pesca. Em reunião recente do secretariado do Ministério da Agricultura, foi acordada uma força tarefa para resolver o problema. Será necessária atuação conjunta, já que há questões sanitárias aguardando solução.

Preocupação
O comércio lojista constata dois gargalos que limitam a expansão dos negócios do varejo com maior velocidade: o desemprego e o endividamento familiar. O novo governo, segundo os líderes do varejo, precisa adotar medidas para amenizar estes dois problemas. E para dinamizar a economia com redução da carga tributária e da burocracia.

Economia cresce
Apesar de manter a mesma posição geral (9ª) no ranking estadual em relação a 2015, o PIB de 2016, divulgado pelo IBGE, teve números positivos. Principalmente para a indústria, que cresceu 5,8% e subiu para a 6ª posição. O PIB per capita também ganhou força e cresceu 3,31%, fechando 2016 em R$ 41.682,64.

SC em 4º lugar
O Sebrae nacional divulgou o Índice Sebrae de Desenvolvimento Econômico Local (ISDEL), que posiciona os territórios entre uma escala que varia de 0 a 1, onde estão os níveis mínimos e máximos de desenvolvimento. Analisa 30 indicadores com base em fontes oficiais, divididos em cinco dimensões: capital empreendedor (educação, renda e densidade empresarial), tecido empresarial (relacionado à existência de elementos do tecido social, tecido empresarial, programas e ações associativistas), governança para o desenvolvimento (participação e controle social, articulação e gestão pública), organização produtiva (aglomerações e diversificação produtiva) e inserção competitiva (especialmente informações do comércio internacional). O Estado de Santa Catarina aparece na quarta colocação, com 0,436. São Paulo lidera o ranking com índice 0,538, seguida pelo Rio de Janeiro com 0,491 e Distrito Federal, que obteve índice de 0,473.

Aplicações financeiras
Registramos a seguir as principais aplicações no mercado financeiro no mês de dezembro e no cumulado de 2018: CDI (+0,49% acumulado +6,42%), CDB (+0,50% acumulado +6,17%), Poupança (+0,37% acumulado +4,62%), Bovespa (-1,81% acumulado +15,03%), Dólar (+0,42% acumulado +16,92%), Euro (+1,51% acumulado +11,84%), Ouro (+4,98% acumulado +16,93%), IGP-M (-1,08% acumulado +7,54%).

Chineses chegando
Uma boa notícia para incrementar o turismo brasileiro. O Diário Oficial da União publicou a relação das 59 agências de turismo que poderão atender os turistas chineses que vierem ao Brasil a partir deste ano. A Organização Mundial do Turismo revela que o chinês é hoje, em média, o que mais viaja pelo mundo. O título já foi dos japoneses.

Coamo antecipa sobras
A Coamo, maior cooperativa do Brasil, não deixou o ano terminar e antecipou R$ 109 milhões de sobras aos associados, distribuídos conforme a movimentação de cada cooperado na comercialização de soja, trigo, milho e insumos. A antecipação das sobras, apelidada de 13º do produtor rural associado à Coamo é uma tradição e ajuda a movimentar o comércio no final do ano nas cidades em que a cooperativa está inserida. A complementação das sobras vem quando da aprovação das contas do ano anterior. Segundo o presidente da Coamo, o brusquense José Aroldo Gallassini, o ano de 2018 foi considerado o melhor ano da cooperativa. Direção e associados estão orgulhosos do resultado alcançado.

IPTU mais caro
Os carnês de IPTU de Balneário Camboriú começaram a ser distribuídos em 2 de janeiro, com um reajuste de 10,8% em relação ao que foi cobrado em 2018. A diferença é do IGP-M, índice escolhido pela administração para balizar o aumento. As prefeituras adotam, anualmente, a variação de três índices: IGP-M, IPCA ou o IPC para calcular o reajuste. O IGP-M costuma ser o mais alto. Na realidade, o IGP-M teve uma variação de 7,54% em 2018 e não 10,8% como foi aplicado. Os contribuintes foram lesados pela atual administração de Balneário Camboriú.

Turismo
A virada do ano foi a melhor da história em Santa Catarina. De acordo com os dados da Santur, hotéis lotados no litoral e no interior. Cidades que tinham infraestrutura receberam grande número de visitantes em todos os pontos do Estado. Os argentinos vieram em número bem reduzido, mas os catarinenses e os brasileiros bateram todos os recordes.

Inovação
Santa Catarina continua investindo na implantação dos 13 centros de inovação projetados para fomentar o ecossistema de inovação no Estado, dois deles já em operação, em Jaraguá do Sul e Lages. Em 2018, houve investimento recorde de R$ 15,2 milhões na construção de novas unidades, sete delas com prazo de conclusão das obras previsto para meados deste ano.

Pirataria
Com respeito a quem pratica, pirataria é como uma erva daninha que você tem que estar sempre cortando porque ela cresce automaticamente. É preciso ter um controle muito rigoroso sobre isso e temos exemplo disso em Balneário Camboriú. Essa é uma atividade com a qual o governo perde milhões em impostos, pois são produtos vendidos livremente, de marcas falsificadas e, às vezes, que podem causar problemas à saúde e não têm regulamentação. Essa é também uma das bandeiras da CDL, do combate ao contrabando e à pirataria.

Exportações de SC crescem
As exportações de Santa Catarina cresceram 5,2% em 2018, atingindo cifras de US$ 8,95 bilhões, de acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O avanço foi mais modesto que o verificado em 2017, quando os embarques tiveram alta de 12%, Apesar do incremento geral, houve leve queda nas vendas de manufaturados de 0,9%. Com isso, caiu, também a participação desse tipo de item na pauta exportadora, de 53,6% em 2017, para 50,5% no ano passado, totalizando US$ 4,52 bilhões. Os produtos básicos e os semimanufaturados, no entanto, trataram de deixar os números finais positivos.

Superpasta
Tido como Superministério da Economia, a nova pasta nasce no novo governo reunindo as atribuições dos antigos ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Internacionais e parte do Ministério do Trabalho. A pasta terá sete secretarias especiais, 19 comuns e uma subsecretaria-geral vinculada à Secretaria Especial da Receita Federal e outra assessoria especial de assuntos estratégicos.

Otimização de recursos
O governo de Santa Catarina aponta para economia de cerca de R$ 10 milhões em 2018, na gestão de projetos e obras estratégicas para o Estado. A redução de custeio veio por meio de análises técnicas, jurídicas e de engenharia nas licitações e em aditivos de obras do Pacto por Santa Catarina. Pelo programa, foram investidos quase R$ 850 milhões em obras.

Chineses seguem investindo
Entre setembro e dezembro foram confirmados mais quatro projetos de investimentos chineses no Brasil, contemplando os setores de energia, indústria, peças automotivas e financeiro. O valor total das aplicações chega a US$ 1,3 bilhão, conforme relatório da Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento. De 2003 a 2018, a China investiu em 317 empreendimentos no País com valores totais de US$ 133,9 bilhões. Do total, 155 se confirmaram, o que se converteu em US$ 69,2 bilhões investidos.

Itapema disputada
O mar azul de Itapema tem espaço disputado com o mar de guarda-sóis nesta temporada. A cidade registrou público de mais de 400 mil pessoas no Réveillon, mantendo a ocupação dos hotéis oscilando entre 90% e 100%. Já é a melhor temporada dos últimos anos. Os turistas estão gastando em restaurantes e no comércio, que vivem cheios. A expectativa é manter os bons números com a chegada dos turistas do Mercosul. A crise na Argentina pode mudar o perfil do visitante que vem do país vizinho. O Chile promete ser a bola da vez entre os estrangeiros e compensar uma eventual redução no número de argentinos.

Turistas visitam Brusque
Destino conhecido de quem gosta de fazer turismo de compras, Brusque teve dias movimentados. Os estacionamentos da FIP e do Stop Shop estão sempre cheios de carros, a grande maioria de outras cidades. Muitos turistas aproveitam a variedade de lojas e os preços, tanto no varejo quanto no atacado, são convidativos. Depois do Natal, as lojas estavam sempre cheias.

Duplicação da Antônio Heil
A obra segue a passos de tartaruga, quase parando, e é uma das principais demandas para a região. O canteiro de obras chegou a ficar parado. Acabar o que já foi iniciado é importante. Vamos ter dois grandes problemas nesta rodovia: os retornos do Brilhante e do Limoeiro. A obra era supervisionada pelo Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra). O novo governo de SC extinguiu este departamento. Outro problema a ser enfrentado é a obra no entroncamento com a BR-101. É uma obra cara, que embora tenha projeto, o histórico do poder público mostra que deverá demorar para ficar pronta.

Inadimplência entre empresas
A inadimplência entre as empresas subiu 9,01% no mês de novembro, na comparação com o mesmo período em 2017, segundo levantamento da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil. Em relação ao mês de outubro, o aumento foi de 2,17%. A alta foi puxada, principalmente, pela região Sudeste, onde subiu 16,76% o número de empresas com crédito restrito. O setor de serviços registrou o maior crescimento de inadimplência, com um avanço de 13,20%.

Pagar as contas
Juntar dinheiro e sair do vermelho são as principais metas financeiras dos brasileiros para 2019, de acordo com estudo feito pelo SPC Brasil (Serviço de proteção ao Crédito) em conjunto com a CNDL. Segundo os dados, a principal meta financeira de 51% dos entrevistados é juntar dinheiro; 37% querem se livrar do endividamento. A pesquisa mostra ainda que, em 2018, oito em cada dez (82%) fizeram cortes no orçamento. Dentre as principais reduções estão refeições fora de casa (52%), compra de itens e vestuário, calçados e acessórios (49%), itens supérfluos de supermercado (47%) e viagens (43%).

Insegurança Jurídica
A decisão do ministro Marco Aurélio Mello de suspender liminarmente a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância acabou sendo revista pelo presidente do STF, mas contribuiu para aprofundar a insegurança jurídica no país. Além de interferir diretamente num dois pilares da Operação Lava-Jato, a decisão ocorreu fora de hora, na véspera do início do recesso do Judiciário. O Supremo, já deveria ter se manifestado há mais tempo, e, de forma definitiva, sobre o tema. Agora ficou para o plenário em 10 de abril.

Otimismo com a economia (1)
Quando muda o governo, é normal que aumente a confiança da população num progresso da situação da economia. Mesmo gente que não votou no novo presidente costuma ficar mais otimista. Afinal de contas, ele assumiu com força política, propostas diferentes e vontade de mostrar serviço logo. Não é a toa, portanto, que são favoráveis as expectativas na nova administração do Brasil. Segundo pesquisa Datafolha, 65% dos brasileiros acham que o país vai melhorar nos próximos meses. Outros 24% acreditam que tudo continuará como está e só 9% preveem uma piora. É bom notar que as esperanças de hoje estão acima do normal. O otimismo medido pela pesquisa é o maior desde 1997.

Otimismo com a economia (2)
Para se ter uma ideia, apenas quatro meses atrás, em agosto, a parcela dos que apostavam no avanço do país não passava de 23%. A confiança dos brasileiros tem base na realidade, mas convém não esperar resultados maravilhosos tão cedo. Depois de anos de crise e recuperação muito lenta da economia, a tendência é que as coisas de fato andem mais em 2019. A inflação está baixa e os juros podem cair. Mas tudo vai depender da coragem dos empresários de voltar a investir e contratar. E isso só vai acontecer se o governo mostrar competência na política e na economia.

Ano cervejeiro
O ano de 2018 foi tido como histórico para a indústria cervejeira de SC, que tem mais de 100 fabricantes, com o inesperado reconhecimento mundial da Catharina Sour, a cerveja ácida com adição de frutas, criada aqui, como um estilo, pela Beer Judge Certification Program (BJCP), uma das mais importantes instituições da categoria do mundo. O reconhecimento impulsionou três roteiros, comercializados por operadoras de turismo: o Balneário Cervejeiro (envolvendo cervejarias de Itajaí, Balneário Camboriú, Bombinhas e Tijucas); Caminho Cervejeiro Grande Florianópolis (Florianópolis, São José e Santo Amaro da Imperatriz); e Vale Cervejeiro (Blumenau, Brusque, Pomerode, Timbó e Gaspar). Outros dois estão sendo finalizados: Encantos do Sul (Garopaba, Tubarão e Lauro Mueller) e Caminho dos Príncipes (Joinville, Jaraguá do Sul e Corupá).

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 08/01/2019 às 15h37 | acdiegoli@gmail.com



1 2 3 4 5 6 7 8 9

Augusto Cesar Diegoli

Assina a coluna Economia & Negócios

Contabilista aposentado, graduado em Direito pela Univali (ex-Fepevi), pós graduado em Direito tributário e Finanças Empresariais pela Furb, árbitro/mediador e diretor da Câmara de Mediação e Arbitragrem de Brusque e diretor da Facema - Federação Catarinense das Entidades de Mediação e Arbitragem.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade