Jornal Página 3
Coluna
Mãe na Roda
Por Ana Paula Góis

Por favor, me deixem chorar!

Por que o choro incomoda tanto?
O que você sente quando vê uma pessoa chorando? E uma criança? Há diferença nestes sentimentos?

Frequentemente presencio momentos em que crianças são impedidas de chorar, e uma vizinha especial me leva a chorar com ela muitas vezes. Ela ama alguém...é pequena, 2 ou 3 anos e ama alguém grande, 20 ou 30 anos, que não é nem pai nem mãe, mas é grande e forte... Este alguém também a ama. Talvez eles sejam um pro outro o maior amor que conhecem. Mas o choro dela incomoda muito ele. Quando ele grita com ela, fico amarrada como poucas situações conseguem me amarrar... São gritos fortes cheios de amor e desespero... De longe, fico imaginando os olhinhos dela e toda a confusão que está dentro dela, e quando me vejo, estou com os mesmos olhinhos e com a mesma confusão...

Ela só quer poder sofrer, poder expressar seu sentimento de dor, e não entende porque ele fica tão nervoso, mas acolhe...Faz um esforço gigantesco, daquele que só uma criança muito pura é capaz de fazer, para engolir o choro e assumir um papel que possa fazer a alma dele mais calma. Do mesmo modo, eu quero me aproximar, falar com ele e algo me trava, como se fosse e alma dela me dizendo: - Calma, isso é necessário pra nós.

Em algum momento, fomos separados de nossas crianças -nossos descendentes e de nossas crianças interiores e eu acho que foi quando nos privaram de chorar. Neste momento parece que várias coisas acontecem... aprendemos a mascarar sentimentos, a ter que agradar mais aos outros do que a nós mesmos. Aprendemos que legal é sorrir e que chorar é feio. Perdemos a chance de mergulhar na nossa dor, na nossa sombra e de descobrirmos quem realmente somos, o que realmente queremos e o que nossa alma realmente anseia expressar nessa existência.

Em algumas situações a melhor ajuda que podemos dar a alguém, adulto ou criança, é deixar chorar... é deixar viver a dor e acolher qualquer emoção. Acolher o choro. Chorar junto. Depois passa, igual a alegria, depois passa.

Por uma humanidade fraterna, por favor, chore e deixe chorar.
Paz e bem.

Escrito por Ana Paula Góis, 20/11/2017 às 22h03 | conviteecia@hotmail.com



Ana Paula Góis

Assina a coluna Mãe na Roda
















Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br