Jornal Página 3
Coluna
Mãe na Roda
Por Caroline Cezar

Ciência e amor andam juntos

Palavras da cientista Eleanor Luzes, psicanalista e cientista que explica didaticamente a importância do sutil e das emoções em tudo que nos diz respeito, e principalmente na nossa formação como seres humanos. Eleanor não é mística, é uma pesquisadora conceituada, que compilou estudos mundiais sobre concepção, gestação, amamentação e primeiros anos de vida, como fundamentos de uma existência saudável e plena. Já esteve por aqui, estudamos com ela, e seu trabalho se chama Ciência do Início da Vida. Graças à internet sua tese vem se tornando mais acessível a todos que buscam informação de qualidade. Esses parágrafos são atualizações de facebook da página da Eleanor, que também faz congressos on line sobre seu trabalho. Abasteça-se! Conecte-se!

 

PARTO

"Amigos o parto é um ritual de passagem entre dois mundos. Que mundo queremos apresentar? Há amor? Então o bebê fica pele a pele com a mãe. É um mundo fraterno? Então irmãos participam em presença seja do parto (especialmente meninas com mais de 6 anos, o que lhes confere experiência de no futuro ter um parto maravilhoso - memória celular), seja da noite do pós-parto, onde não se exclui, pois a criança vive, este momento como "esse entre nós - família". Como é o escurecimento do quarto? que facilita a intimidade, que som, familiar? prazeroso? Quanto aos cheiros são familiares para mulher? Isto a faz segura. Ela é livre para comer, pois em geral quando chega com 5 cm de dilatação não tem vontade de comer, é fisiológico. Ela está livre para adotar a postura que sua anatomia considera mais adequada? Quanto que ela é tratada como o ser que está trazendo outro ser para o mundo e só ela pode, portanto ela é humana e deusa. Diante de duas divindades que comportamento precisamos ter? Este comportamento inscreve as mentiras pessoais, se forem desarmônicos que ficam gravadas para sempre, e se reproduzem vez após vez. Ou uma pessoa com fé e gratidão pela vida, com uma bela capacidade amorosa, que não aceita a vida de abusos. Que queremos mostrar para este mundo para este ser que acreditará que assim é para sempre, neste mundo?

Beijos Eleanor"

 

ALEITAMENTO

"Amigos o Aleitamento Materno é sublime, a composição do leite é justo a necessidade para cada minuto do corpo do bebê, há um campo mórfico entre os dois. Se além de amamentar a mãe olha nos olhos do bebê, ele recebe a melhor das estimulações das diversas partes do cérebro para se desenvolver, além do que o leite possui ácidos únicos que estimulam o cérebro que se formará até o primeiro ano de vida que corresponde a 70% do que temos na vida. A gravidez em verdade são 9 meses intra uterinos e 9 extrauterinos, e o sangue é subistituido pelo leite. E este leite é de fato uma forma também de proteção do corpo sutil, assim a mulher pode ungir com ele o chacra da coroa, do coração e o plexo solar do seu bebê e o protegerá de alguma situação difícil ou densa. De novo a humana deusa, aquela que já esteve dando a luz, estende sua proteção. O aleitamento programa; fé na vida, fraternidade, uma sexualidade sem bloqueios, generosidade, afetividade, impede o desenvolvimento da violência e portante criminalidade, confere uma saúde dentária e de vários sistemas, é uma dádiva maravilhosa, uma passo na vida para a segurança e autoestima.

Beijos Eleanor"

 

PRIMEIROS PASSOS

"Amigos e assim depois de muito amor e confiança o primeiro ano com aleitamento criou um bebê sensível, perceptivo, alegre, amoroso. Agora ele começa a andar, a explorar os espaços e objetos, ainda neurologicamente ele tem melhor percepção nos lábios, daí a boca é o “primeiro contato”. Há sensibilidade a dor como mostrou ANAND em 1987 é enorme. Na verdade a criança que se machuca olha para a mãe pois ela está sob estado de espanto diante de uma enorme dor, quando a mãe olha para o lugar, ela chora de alívio. Isto é um dos milhares de modos de demonstração daquilo que muitos pintores mostraram, os bebês descobrem sobre eles mesmos pelo olhar da mãe. Talvez por esta falta, devido a creche cedo demais é que a gíria “desbussulado” surgiu, pois o olhar materno é a bússola que norteia a criança para o que é bom ou ruim para ela é o norte, há ai uma confiança enorme. Aliás, ao olhar para uma criança até principalmente seus 3 anos, não é bom quando ouvimos “é muito independente”, o bom é “confia absolutamente na mãe”. Pois este momento vai plasmar no futuro como este ser confiará em quem ama. E segue o segundo ano, o tempo das palavras, serão em média 500 que ela vai aprender, dominantemente são substantivos, porque ela quer isto ou aquilo, há poucos adjetivos, pois ainda as coisas não tem significado de valor pela palavra, é mais gosta e não gosta, é bom ou mal, na expressão física. Quando a fala fica difícil é uma maneira sutil da criança mostrar que há alguma mentira acontecendo e uma vez descoberta ela pode falar muito bem. Quando vai começando a articular o pensamento, rudimentar, é uma brincadeira, que ela vive com muitas alegrias, vendo os olhos de contentamento dos pais.

Estas crianças nascidas de concepção consciente, muito desejadas, que tiveram um parto suave, aleitadas logo que nasceram, e ficaram com a mãe até os 6 meses com o máximo de contato possível e cama conjunta e se seu aleitamento continuou com a entrada cuidadosa de alimentos, são generosas e não têm medo. Lá pelos dois anos os olhos dela mudam no dia que trepam num banco e conseguem um alimento, neste dia parece que descobriram o mundo, depois o pais lhes colocam em um velocípede e simbolicamente começam a levar para longe do mundo da mãe e iniciam a mostrar o mundo a elas. Novamente confiar é um ponto fundamental. “Estou com meu pai, nada de mal pode me acontecer”. De descoberta em descoberta vão chegando aos 3 anos, aí têm uma memória continua, são fraternas, colaborativas, e com variantes de criança para criança podem ir para a escola, ainda a pedagogia que há 150 anos estuda cada idade, em 80 países, há mais de 50 anos no Brasil, lá vão desenvolver criativamente o pensar, sentir e agir, é uma pedagogia que entende a necessidade de arte, de línguas de criar para aprender, que na França é chamada de Pedagogia Curativa, no Brasil; Pedagogia Waldorf, pode dar continuidade a uma educação que começou no útero tendo em vista, valores, é uma educação que se dirige a um ser que tem corpo , sentimentos e dimensão espiritual, um ser em sua totalidade, com muitos talentos, sempre.

Beijos Eleanor".

   

Escrito por Caroline Cezar, 29/03/2016 às 14h46 | carol.jp3@gmail.com



Caroline Cezar

Assina a coluna Mãe na Roda














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Mãe na Roda
Por Caroline Cezar

Ciência e amor andam juntos

Palavras da cientista Eleanor Luzes, psicanalista e cientista que explica didaticamente a importância do sutil e das emoções em tudo que nos diz respeito, e principalmente na nossa formação como seres humanos. Eleanor não é mística, é uma pesquisadora conceituada, que compilou estudos mundiais sobre concepção, gestação, amamentação e primeiros anos de vida, como fundamentos de uma existência saudável e plena. Já esteve por aqui, estudamos com ela, e seu trabalho se chama Ciência do Início da Vida. Graças à internet sua tese vem se tornando mais acessível a todos que buscam informação de qualidade. Esses parágrafos são atualizações de facebook da página da Eleanor, que também faz congressos on line sobre seu trabalho. Abasteça-se! Conecte-se!

 

PARTO

"Amigos o parto é um ritual de passagem entre dois mundos. Que mundo queremos apresentar? Há amor? Então o bebê fica pele a pele com a mãe. É um mundo fraterno? Então irmãos participam em presença seja do parto (especialmente meninas com mais de 6 anos, o que lhes confere experiência de no futuro ter um parto maravilhoso - memória celular), seja da noite do pós-parto, onde não se exclui, pois a criança vive, este momento como "esse entre nós - família". Como é o escurecimento do quarto? que facilita a intimidade, que som, familiar? prazeroso? Quanto aos cheiros são familiares para mulher? Isto a faz segura. Ela é livre para comer, pois em geral quando chega com 5 cm de dilatação não tem vontade de comer, é fisiológico. Ela está livre para adotar a postura que sua anatomia considera mais adequada? Quanto que ela é tratada como o ser que está trazendo outro ser para o mundo e só ela pode, portanto ela é humana e deusa. Diante de duas divindades que comportamento precisamos ter? Este comportamento inscreve as mentiras pessoais, se forem desarmônicos que ficam gravadas para sempre, e se reproduzem vez após vez. Ou uma pessoa com fé e gratidão pela vida, com uma bela capacidade amorosa, que não aceita a vida de abusos. Que queremos mostrar para este mundo para este ser que acreditará que assim é para sempre, neste mundo?

Beijos Eleanor"

 

ALEITAMENTO

"Amigos o Aleitamento Materno é sublime, a composição do leite é justo a necessidade para cada minuto do corpo do bebê, há um campo mórfico entre os dois. Se além de amamentar a mãe olha nos olhos do bebê, ele recebe a melhor das estimulações das diversas partes do cérebro para se desenvolver, além do que o leite possui ácidos únicos que estimulam o cérebro que se formará até o primeiro ano de vida que corresponde a 70% do que temos na vida. A gravidez em verdade são 9 meses intra uterinos e 9 extrauterinos, e o sangue é subistituido pelo leite. E este leite é de fato uma forma também de proteção do corpo sutil, assim a mulher pode ungir com ele o chacra da coroa, do coração e o plexo solar do seu bebê e o protegerá de alguma situação difícil ou densa. De novo a humana deusa, aquela que já esteve dando a luz, estende sua proteção. O aleitamento programa; fé na vida, fraternidade, uma sexualidade sem bloqueios, generosidade, afetividade, impede o desenvolvimento da violência e portante criminalidade, confere uma saúde dentária e de vários sistemas, é uma dádiva maravilhosa, uma passo na vida para a segurança e autoestima.

Beijos Eleanor"

 

PRIMEIROS PASSOS

"Amigos e assim depois de muito amor e confiança o primeiro ano com aleitamento criou um bebê sensível, perceptivo, alegre, amoroso. Agora ele começa a andar, a explorar os espaços e objetos, ainda neurologicamente ele tem melhor percepção nos lábios, daí a boca é o “primeiro contato”. Há sensibilidade a dor como mostrou ANAND em 1987 é enorme. Na verdade a criança que se machuca olha para a mãe pois ela está sob estado de espanto diante de uma enorme dor, quando a mãe olha para o lugar, ela chora de alívio. Isto é um dos milhares de modos de demonstração daquilo que muitos pintores mostraram, os bebês descobrem sobre eles mesmos pelo olhar da mãe. Talvez por esta falta, devido a creche cedo demais é que a gíria “desbussulado” surgiu, pois o olhar materno é a bússola que norteia a criança para o que é bom ou ruim para ela é o norte, há ai uma confiança enorme. Aliás, ao olhar para uma criança até principalmente seus 3 anos, não é bom quando ouvimos “é muito independente”, o bom é “confia absolutamente na mãe”. Pois este momento vai plasmar no futuro como este ser confiará em quem ama. E segue o segundo ano, o tempo das palavras, serão em média 500 que ela vai aprender, dominantemente são substantivos, porque ela quer isto ou aquilo, há poucos adjetivos, pois ainda as coisas não tem significado de valor pela palavra, é mais gosta e não gosta, é bom ou mal, na expressão física. Quando a fala fica difícil é uma maneira sutil da criança mostrar que há alguma mentira acontecendo e uma vez descoberta ela pode falar muito bem. Quando vai começando a articular o pensamento, rudimentar, é uma brincadeira, que ela vive com muitas alegrias, vendo os olhos de contentamento dos pais.

Estas crianças nascidas de concepção consciente, muito desejadas, que tiveram um parto suave, aleitadas logo que nasceram, e ficaram com a mãe até os 6 meses com o máximo de contato possível e cama conjunta e se seu aleitamento continuou com a entrada cuidadosa de alimentos, são generosas e não têm medo. Lá pelos dois anos os olhos dela mudam no dia que trepam num banco e conseguem um alimento, neste dia parece que descobriram o mundo, depois o pais lhes colocam em um velocípede e simbolicamente começam a levar para longe do mundo da mãe e iniciam a mostrar o mundo a elas. Novamente confiar é um ponto fundamental. “Estou com meu pai, nada de mal pode me acontecer”. De descoberta em descoberta vão chegando aos 3 anos, aí têm uma memória continua, são fraternas, colaborativas, e com variantes de criança para criança podem ir para a escola, ainda a pedagogia que há 150 anos estuda cada idade, em 80 países, há mais de 50 anos no Brasil, lá vão desenvolver criativamente o pensar, sentir e agir, é uma pedagogia que entende a necessidade de arte, de línguas de criar para aprender, que na França é chamada de Pedagogia Curativa, no Brasil; Pedagogia Waldorf, pode dar continuidade a uma educação que começou no útero tendo em vista, valores, é uma educação que se dirige a um ser que tem corpo , sentimentos e dimensão espiritual, um ser em sua totalidade, com muitos talentos, sempre.

Beijos Eleanor".

   

Escrito por Caroline Cezar, 29/03/2016 às 14h46 | carol.jp3@gmail.com



Caroline Cezar

Assina a coluna Mãe na Roda