Jornal Página 3
Coluna
Mãe na Roda
Por Caroline Cezar

Nunca ajude uma criança...

"MÃÃEIN, QUERO COLHÊR!"

A tradução para a frase arrastada da bebê de dois anos, que protesta batendo a mão da perna como quem diz "poxa vida", é "MÃE, EU QUERO ESCOLHER".

Ela estava reivindicando a autonomia plena na hora de se servir de um picolé caseiro. Era ela quem queria escolher o que ia comer: a cor do palito, a cor do picolé, e se era o da direita ou da esquerda.

Outra sentença muito utilizada por esse bebê é "NÃO ADJUDA MÃEIN, MADU ADJUDA". Madu é ela mesma, ou seja, ela está pedindo "ME DEIXE FAZER SOZINHA". Quando conclui a tarefa, comemora: "Aaaah, Madu fez". "Aaahh, Madu conseguiu". "Aaaah, Madu já sabe".
Às vezes não consegue e diz: "AGORA SIM" (você pode me ajudar, porque agora sim estou precisando).

 

Maria Montessori orienta: 'NUNCA AJUDE UMA CRIANÇA NUMA TAREFA QUE ELA SE SENTE CAPAZ DE FAZER'.

Veja bem: que ELA se sente capaz de fazer.
Não importa se ela é realmente capaz, se ela concluirá da maneira "certa" ou fará "tudo errado": aqui o que vale é o processo. A tentativa. A coragem. A vontade. A iniciativa. O desenvolvimento de habilidades. A percepção.

De preferência fique invisível e finja que não está vendo. Se for solicitado, esteja pronto, mas limite seus comentários, e não seja tão rápido e categórico nas respostas. Incentive a intuição, adie o que você acha, dê o tempo para a criança pensar e tomar suas conclusões sobre as coisas.

É fácil ver mães e pais de filhos adultos dizendo: "isso você não sabe", "você nunca conseguiria", "você não é capaz", então já imaginou no início da vida? Por isso que vemos crianças de três anos que não sabem levar uma colher à boca, ou vestir um chinelo: a incapacidade não é da criança, é dos pais da criança.

Incapacidade de ter paciência e confiar e principalmente incapacidade de realmente acreditar na capacidade infantil.

Assim como muitos médicos acham que estão salvando uma mulher que sabe parir e um bebê que sabe nascer "ajudando" no nascimento, "acabando com isso logo" intervindo no processo de um jeito ou outro -com bisturis, induções sintéticas, empurrões, puxões- a mãe e pai acham que estão ajudando o filho a caminhar, se vestir, se alimentar, brincar, pensar, concluir.

Nos dois exemplos o que falta é PACIÊNCIA e CONFIANÇA. Paciência pra que tudo aconteça no seu tempo e CONFIANÇA de que tudo acontecerá a seu tempo. Quanto menos interferência melhor. Faça-se esse desafio e passe a observar como você não é tão sagaz quanto a sabedoria da natureza. 

Escrito por Caroline Cezar, 13/11/2015 às 09h59 | carol.jp3@gmail.com

"Quem Manda Aqui?"

Acabou de ficar pronto "Quem Manda Aqui?", um livro sobre política, realizado por quatro autores jovens, a partir de oficinas com crianças. Todo o processo de realização -desde a ideia à captação de recursos via financiamento coletivo- foi feito de forma democrática e aberta, um "processo de embolo coletivo de ideias", definiu Pedro Markun, que é um dos autores e trabalha no Laboratório Hacker. As oficinas para o segundo livro já estão acontecendo e Pedro conversou com a reportagem sobre esse trabalho de empoderamento infantil e social.

 

"Quem manda aqui" fala da capacidade de, desde muito cedo, avaliar, discernir, se posicionar… Fala da liberdade e autonomia da criança, enquanto ser social e concreto, e não um algo-que-virá-a-ser. O que despertou sua vontade de falar nisso? Filhos? Situação da criança? Situação do país? Nossas escolas?
A necessidade de falar de política com crianças e de encontrar maneiras de fazer isso... vem com certeza do momento que minha filha nasceu. Eu que sempre gostei e trabalhei com isso, me peguei pensando em como é que eu ia contar essas coisas pra ela; e que temos pouquissimo repertório e experiências sobre isso. Mas o livro de fato surgiu da colaboração. A Paula Desgualdo, uma amiga querida, estava um dia em casa e me perguntou se eu nunca tinha tido vontade de escrever um livro... eu disse que sempre, mas que não sabia escrever. E aí naquele momento ela resolveu que ia escrever o livro comigo e ele nasceu... com a colaboração do André Rodrigues e da Lari, dois ilustradores incriveis que abraçaram o projeto com força desde o nascedouro - juntos viramos autores. :)

 

O livro aborda questões de opressão e violência de forma simples e tranquila, com um foco objetivo. Como alcançar tamanho grau de simplicidade? A ajuda das crianças tem que peso nesse sentido?
A gente não sabia direito o que ia ser o livro. Partimos de bem poucas premissas... a maior delas a de que a gente ia ouvir francamente as crianças antes de começar a ter nossas próprias ideias do que é que devia ser o livro. Uma das primeiras decisões que tomamos foi a de tomar muito cuidado para que o livro trouxesse mais perguntas que respostas, para que ele tivesse muito espaço em branco (e pouco texto) pra deixar os pais trabalharem com as crianças os conteúdos do livro. A gente pensou cada página, cada personagem... com um propósito, uma provocação... mas a ideia foi deixar isso mesmo de maneira bem suave para que cada um se apropriasse conforme o seu interesse e olhar.

 

Você concorda que 'Nenhum problema social é tão universal quanto a opressão da criança', como colocou Maria Montessori? 
Acho que não. Tem vários outros problemas bem universais... e que tem várias sociedades que tratam a criança com mais respeito do que a nossa sociedade ocidental cristã (pra ficar no raso)... mas obviamente concordo que é um puta problema social, pelo menos pra gente.

 

Sobre nosso modelo de escolas, o que você pensa?
Acho um problema pior e mais generalizado do que a opressão com as crianças.
Ainda não sei como falar sobre escola com a minha filha. Acho que vou ter que escrever um livro sobre isso qualquer hora...

 

Como acontecem as oficinas? Como é o processo de escolher o que vai ser publicado?
A segunda oficina, Democracia Brincante, já está acontecendo.
Essa coisa de escolher o que vai ser publicado foi uma questão pra gente... logo no início a gente não sabia direito 'como' ia ser o aproveitamento do material no livro final. E no fim a gente decidiu que não precisava usar nada 'diretamente'. Tem coisas, ideias, traços que aparecem no livro. Mas é que a gente vê autoria de um outro jeito né? Então o livro tudo foi uma escolha dos meninos que fizeram oficina e nossa também... não dá muito pra apontar o que é que veio deles, o que veio da Paula, da Lari, do André... eu pelo menos sinto isso e esse sentimento me dá uma certa segurança de que a gente fez um processo legal e aberto.

 

O que teremos daqui pra frente como continuação do projeto?
Ainda é cedo pra martelar qualquer coisa na pedra... e como o processo passa por essa conversa/oficina com as crianças, nunca dá pra gente antecipar tudo. Mas estamos trabalhando com a ideia de um livro que fale sobre democracia e eleições - focado mais nas confusões desse nosso processo louquíssimo que rola de 2 em 2 anos e através do qual a sociedade moderna resolveu se relacionar com a política.


Que dicas práticas você daria para quem lida com crianças no dia a dia, para que sejam mais livres e responsáveis por suas escolhas?
Sejam mais livres e responsáveis por suas escolhas! Mas se quiser algo menos subjetivo... escute a criança como você escutaria aquele professor provocativo da universidade. Aquele que você escuta com bastante atenção, porque sempre acha que ele vai falar algo genial, mas que escuta com atenção redobrada porque ele volta e meia joga com as palavras e com as ideias para te provocar e se você estiver desatento... cai :)

 

Leia o livro (abaixo na versão on line) e saiba mais sobre o projeto aqui:

 

 
Escrito por Caroline Cezar, 05/11/2015 às 08h19 | carol.jp3@gmail.com

Brincar com menos

Toda criança precisa brincar e cada uma brinca do seu jeito.... umas gostam de correr, outras gostam de jogar bola, algumas preferem jogos de montar e outras preferem jogar tudo no chão! Será?

Vivemos em uma sociedade cheia de 'coisas'. Muita coisa pra todo lado. Coisa de todo tipo. muitos objetos, muitas roupas, muitos brinquedos, muito barulho, muitos eletrônicos, muitos muitos. O brincar da criança prepara ela para a vida adulta. É através do brincar que ela experimenta sensações e situações que vivenciará no mundo adulto, mas em casas e escolas com muito estímulo fica difícil vivenciar um dia leve.

Tente imaginar:
"Você trocou os armários da sua cozinha por dois grandes baús, onde você guarda todos os seus utensílios e alimentos. Um grande baú com utensílios: talheres, copos, xícaras, panelas, panos, potes plásticos, descascadores, vasilhas, toalhas de mesa, etc, e outro com todos os alimentos: secos e molhados, temperos e bebidas. Seu estômago avisa que está na hora de começar a cozinhar e você resolve fazer um macarrão, algo que você considera simples. Você abre o baú e está tudo ali dentro, tudo que você precisa dentro de um enorme baú encostado na parede! Você abre a caixa e começa a procurar uma faca. Tá muito difícil, você não acha, começa a ficar nervosa porque a fome está apertando e resolve virar a caixa no chão da cozinha. Agora sim! Você achou a faca, mas a panela foi soterrada. Aí você espalha bem toda aquela bagunça para poder visualizar melhor e encontra não a sua panela, mas aquela meia que estava perdida fazia uns tempos... resolve tirar ela dali, levar para a lavanderia e quando volta não lembra mais o que estava procurando. Senta, olha mais uns objetos que nem lembrava que tinha e aparece a panela. Mas agora você está no outro lado da cozinha, longe do fogão e da pia... para chegar lá, passa por cima de toda a tralha, alguma coisa se quebra, outra te machuca, mas você está com fome e determinada a fazer seu macarrãozinho. Não desiste. Agora você está na frente da pia, com a faca, a panela e sem o macarrão (mas pra que era a faca mesmo?). Começa a pensar onde estaria o macarrão, e lembra que tem outra caixa, cheia de alimentos e temperos. Então você abre outra caixa, a primeira ainda está espalhada no chão, mas você tem fome e precisa achar o macarrão para continuar o seu almoço. O baú está cheio de coisas, o macarrão não está na sua visão, mas bem em cima está o arroz e você acha mais simples preparar o arroz mesmo... atravessa as tralhas com o arroz na mão e quando chega na pia vê que não separou o lavador de arroz. Vira para aquela pilha enorme de utensílios jogados no meio de sua cozinha e ao longe vê uma televisão ligada na frente de um sofá com um pacote de bolachas ao lado. Seus olhos brilham, sua boca saliva, seu corpo pede pelo descanso no sofá... Agora você está satisfeita, sentada no sofá, comendo bolachas e assistindo seu programa favorito."

Conseguiu imaginar? É isso que acontece com uma criança que tem muitos brinquedos. É muito difícil focar a atenção em alguma coisa quando tem muita coisa junta.

 

A criança deve ter poucos (bem poucos) brinquedos e eles devem ser guardados de forma ordenada para que a criança possa escolher com o que vai brincar sem distrações. Na infância fazemos ligações muito importantes e num ambiente desordenado fica muito difícil estabelecer estas conexões.

Para crianças mais atentas e focadas:
1- Desligue a televisão;
2- Se livre das tralhas e excessos de brinquedos (se você não consegue organizar mentalmente quantos e quais brinquedos seu filho tem, ele tem brinquedos demais, doe!);
3- Separe os brinquedos por tipo;
4- Livre-se da tão famosa CAIXA DE BRINQUEDOS;
5- Opte por brinquedos feitos de materiais orgânicos como madeira, pano e papelão. Brinquedos que precisam de pilha e que produzem sozinhos sons e movimentos não são inofensíveis, roubam a criatividade de seu pequeno, prefira não tê-los;
6- Permita que seu filho seja criança. Crianças brincam com qualquer coisa, utensílios de casa são ótimas opções;
7- Mantenha um ambiente ordenado e prefira cores que remetam lugares calmos e naturais;
8- Observe mais e interfira menos.

Paz e bem!

Por uma humanidade mais fraterna.

Escrito por Ana Paula Góis, 29/10/2015 às 06h24 | conviteecia@hotmail.com

O que sai da boca!

Andando na rua escuto:

"FILHA MENTIR É MUITO FEIO VIU? VAI NASCER UM NARIZ DE PINÓQUIO EM VC E PAPAI NOEL NÃO VAI TE TRAZER PRESENTES!"

A amiga completou:

"Eu ouvi no supermercado esses dias: "não seja teimoso que Deus castiga. Vai fazer você torcer o pé no futebol. Vai fazer você cair e se machucar."

 

Precisamos comentar?
 

Escrito por Caroline Cezar, 22/10/2015 às 09h29 | carol.jp3@gmail.com

Balas não fazem mal...

 

...quem oferece é que faz!

Neste final de semana conheci uma senhora que é avó de uma menininha de 1 ano e meio. A avó tá desesperada porque a pequena não dorme. Diz que vai dormir quase de madrugada, chorando porque não quer dormir e não faz soninho durante o dia.

Existem várias causas para uma criança não dormir bem mas uma bem frequente é a alimentação. Falei para avó que devia dar uma olhada se não tava comendo muita besteira... A avó, cozinheira de mão cheia e fogão à lenha, logo dispara: "come bem, muita verdura e comida caseira e também mama no peito toda hora porque a mãe dela vive dando o peito. Mas to falando do sono, o apetite é bom!" Nisso, a tia que tava quieta ouvindo tudo disse: "Mas qual o problema em a gente dar um docinho pra ela? Ela é magrinha, pode comer e ela gosta tanto... eu moro do lado da casa dela e compro saquinhos de bala para ela comer... ela já sabe onde fica na gavetinha e vai lá toda hora comer uma."

Existem muitos problemas em se dar uma balinha para uma criança, que vão muito além de ficar gordo ou magro.
Segundo a nutricionista Joana Pinheiro, "quando se ingere uma grande quantidade de guloseimas ou qualquer alimento rico em açúcar como bolachas, refrigerantes e balas, os níveis de açúcar no sangue ou glicemia disparam. Este efeito origina, numa criança, uma explosão de energia, a qual se segue uma quebra dos níveis de açúcar no sangue ou hipoglicemia, o que pode originar cansaço, birras e até isolamento." Dificuldades no sono e na concentração aparecem com muita frequência em crianças que consomem diariamente guloseimas, além da explosão de energia ainda tem a diminuição de nutrientes: cálcio, sódio, potássio e magnésio, para citar somente alguns, são retirados de várias partes do corpo para “digerir” o açúcar.

Aquela simples e inocente balinha que seu filho come no mercado, no restaurante, na casa da tia, não é só uma simples balinha, e somada a todo o açúcar consumido pode ser a causa de muitas das suas preocupações.

Ajude as crianças a se alimentarem de maneira inteligente e saudável. Ofereça alimentos frescos e naturais. Fuja dos industrializados, eles não são bons!

Não ofereça balas, pirulitos, refrigerantes e alimentos processados. Ofereça abraços e frutas!
Compartilhe sua experiência de vida, conte uma história de sua infância, convide para cozinhar. Estar junto é o melhor 'doce' da vida!

Por uma humanidade mais fraterna.
Paz e bem.

Leia mais sobre O Açúcar e As Crianças, aqui no blog.

Escrito por Ana Paula Góis, 14/10/2015 às 07h19 | conviteecia@hotmail.com

Paternar

Uma vez assisti um filme, curto, sobre pais recém nascidos. Pai, figura masculina. O que eles estavam achando de ficar grávidos. Como lidavam com a coisa. Como lidavam com a coisa, antes, durante, depois da coisinha nascer. Como agradar a Grande Coisa, a Coisíssima Mor, Todas as Outras Coisas. Que atitude tomar diante da quase indecifrável alma feminina?

- O que devo dizer? - O que não devo dizer? - Como faço isso? - O que ela está pensando? - Estou atrapalhando? - Como posso ajudar? - Não vou acertar uma será?' 

Foi muito legal ouvir a voz masculina aquele dia. Uma voz que também precisa ser ouvida.

Antes de mostrar o doc, a doula contou que atendia um parto na Espanha, tudo dentro dos conformes, mas a coisa não avançava. Algo estava bloqueando o trabalho. Ela achou que era o marido, e chamou pra fora, discretamente. O homem sentou na beira do rio, com uma garrafa na mão. Ela teve um pouco de medo. Ele deu um gole e ofereceu a cachaça. Ela aceitou e devolveu, e ele caiu num choro de criança, profundo, ancorando-se na mulher. Aquele homão enorme, grande, quase bruto, se derramando em lágrima.

Ela esperou parar os soluços e se pôs a ouvir o homem grande confessando que não sabia o que fazer, nem como fazer, e que não queria ser só o cara que pega coisas, e faz tudo errado. Todo mundo estava mandando nele, mas ninguém estava olhando pra ele, nem queria saber algo dele, e ele queria ser útil, ajudar sua mulher a atravessar. Tornando-se estava, um pai.

A doula foi lá dentro, mandou que todos saíssem. Ficou a mulher. O homem entrou. A criança nasceu. O homem nasceu. A mulher sorriu.

***

Lembrei isso depois de rir um pouco com o humor da nova página Paternar, que faz par com a já existente Maternar, iniciativas locais (BC/ Itajaí/ região) que somam para uma gestação, criação, vínculos, mais atentos.

O homem tem muito isso do humor, -e como esse é um caminho tranquilo para quebrar as barreiras, e ir entrando assim fazendo graça num campo delicado e minado, cheio de condicionamentos e falsas construções que alguém chamou de masculinidade.

É cada vez mais permitido ao homem que exerça sua hombridade de forma mais nobre e menos lugar-comum, que seja um homem inteiro, um pai inteiro, uma pessoa inteira, alguém que sente, chora, observa, participa, integra, apóia, entende, busca, ama. É mais permitido que ele ocupe seu espaço de maneira menos imposta, mais como ele quiser.

Que sigam nesse empoderamento masculino sob novo ângulo, porque isso é significante para uma sociedade mais fraterna. Isso é essencial para criar filhos livres e amorosos, pessoas livres e amorosas, é essencial para criar um lugar onde é permitido SER.

 

 


"A palavra puerpério é Paciência, que um dia me disseram ser PAZciência, ou seja, a ciência de ter e viver em paz. Essencial para este período." by Dé Aragão
 

Escrito por Caroline Cezar, 07/10/2015 às 12h31 | carol.jp3@gmail.com



3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Caroline Cezar

Assina a coluna Mãe na Roda














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Mãe na Roda
Por Caroline Cezar

Nunca ajude uma criança...

"MÃÃEIN, QUERO COLHÊR!"

A tradução para a frase arrastada da bebê de dois anos, que protesta batendo a mão da perna como quem diz "poxa vida", é "MÃE, EU QUERO ESCOLHER".

Ela estava reivindicando a autonomia plena na hora de se servir de um picolé caseiro. Era ela quem queria escolher o que ia comer: a cor do palito, a cor do picolé, e se era o da direita ou da esquerda.

Outra sentença muito utilizada por esse bebê é "NÃO ADJUDA MÃEIN, MADU ADJUDA". Madu é ela mesma, ou seja, ela está pedindo "ME DEIXE FAZER SOZINHA". Quando conclui a tarefa, comemora: "Aaaah, Madu fez". "Aaahh, Madu conseguiu". "Aaaah, Madu já sabe".
Às vezes não consegue e diz: "AGORA SIM" (você pode me ajudar, porque agora sim estou precisando).

 

Maria Montessori orienta: 'NUNCA AJUDE UMA CRIANÇA NUMA TAREFA QUE ELA SE SENTE CAPAZ DE FAZER'.

Veja bem: que ELA se sente capaz de fazer.
Não importa se ela é realmente capaz, se ela concluirá da maneira "certa" ou fará "tudo errado": aqui o que vale é o processo. A tentativa. A coragem. A vontade. A iniciativa. O desenvolvimento de habilidades. A percepção.

De preferência fique invisível e finja que não está vendo. Se for solicitado, esteja pronto, mas limite seus comentários, e não seja tão rápido e categórico nas respostas. Incentive a intuição, adie o que você acha, dê o tempo para a criança pensar e tomar suas conclusões sobre as coisas.

É fácil ver mães e pais de filhos adultos dizendo: "isso você não sabe", "você nunca conseguiria", "você não é capaz", então já imaginou no início da vida? Por isso que vemos crianças de três anos que não sabem levar uma colher à boca, ou vestir um chinelo: a incapacidade não é da criança, é dos pais da criança.

Incapacidade de ter paciência e confiar e principalmente incapacidade de realmente acreditar na capacidade infantil.

Assim como muitos médicos acham que estão salvando uma mulher que sabe parir e um bebê que sabe nascer "ajudando" no nascimento, "acabando com isso logo" intervindo no processo de um jeito ou outro -com bisturis, induções sintéticas, empurrões, puxões- a mãe e pai acham que estão ajudando o filho a caminhar, se vestir, se alimentar, brincar, pensar, concluir.

Nos dois exemplos o que falta é PACIÊNCIA e CONFIANÇA. Paciência pra que tudo aconteça no seu tempo e CONFIANÇA de que tudo acontecerá a seu tempo. Quanto menos interferência melhor. Faça-se esse desafio e passe a observar como você não é tão sagaz quanto a sabedoria da natureza. 

Escrito por Caroline Cezar, 13/11/2015 às 09h59 | carol.jp3@gmail.com

"Quem Manda Aqui?"

Acabou de ficar pronto "Quem Manda Aqui?", um livro sobre política, realizado por quatro autores jovens, a partir de oficinas com crianças. Todo o processo de realização -desde a ideia à captação de recursos via financiamento coletivo- foi feito de forma democrática e aberta, um "processo de embolo coletivo de ideias", definiu Pedro Markun, que é um dos autores e trabalha no Laboratório Hacker. As oficinas para o segundo livro já estão acontecendo e Pedro conversou com a reportagem sobre esse trabalho de empoderamento infantil e social.

 

"Quem manda aqui" fala da capacidade de, desde muito cedo, avaliar, discernir, se posicionar… Fala da liberdade e autonomia da criança, enquanto ser social e concreto, e não um algo-que-virá-a-ser. O que despertou sua vontade de falar nisso? Filhos? Situação da criança? Situação do país? Nossas escolas?
A necessidade de falar de política com crianças e de encontrar maneiras de fazer isso... vem com certeza do momento que minha filha nasceu. Eu que sempre gostei e trabalhei com isso, me peguei pensando em como é que eu ia contar essas coisas pra ela; e que temos pouquissimo repertório e experiências sobre isso. Mas o livro de fato surgiu da colaboração. A Paula Desgualdo, uma amiga querida, estava um dia em casa e me perguntou se eu nunca tinha tido vontade de escrever um livro... eu disse que sempre, mas que não sabia escrever. E aí naquele momento ela resolveu que ia escrever o livro comigo e ele nasceu... com a colaboração do André Rodrigues e da Lari, dois ilustradores incriveis que abraçaram o projeto com força desde o nascedouro - juntos viramos autores. :)

 

O livro aborda questões de opressão e violência de forma simples e tranquila, com um foco objetivo. Como alcançar tamanho grau de simplicidade? A ajuda das crianças tem que peso nesse sentido?
A gente não sabia direito o que ia ser o livro. Partimos de bem poucas premissas... a maior delas a de que a gente ia ouvir francamente as crianças antes de começar a ter nossas próprias ideias do que é que devia ser o livro. Uma das primeiras decisões que tomamos foi a de tomar muito cuidado para que o livro trouxesse mais perguntas que respostas, para que ele tivesse muito espaço em branco (e pouco texto) pra deixar os pais trabalharem com as crianças os conteúdos do livro. A gente pensou cada página, cada personagem... com um propósito, uma provocação... mas a ideia foi deixar isso mesmo de maneira bem suave para que cada um se apropriasse conforme o seu interesse e olhar.

 

Você concorda que 'Nenhum problema social é tão universal quanto a opressão da criança', como colocou Maria Montessori? 
Acho que não. Tem vários outros problemas bem universais... e que tem várias sociedades que tratam a criança com mais respeito do que a nossa sociedade ocidental cristã (pra ficar no raso)... mas obviamente concordo que é um puta problema social, pelo menos pra gente.

 

Sobre nosso modelo de escolas, o que você pensa?
Acho um problema pior e mais generalizado do que a opressão com as crianças.
Ainda não sei como falar sobre escola com a minha filha. Acho que vou ter que escrever um livro sobre isso qualquer hora...

 

Como acontecem as oficinas? Como é o processo de escolher o que vai ser publicado?
A segunda oficina, Democracia Brincante, já está acontecendo.
Essa coisa de escolher o que vai ser publicado foi uma questão pra gente... logo no início a gente não sabia direito 'como' ia ser o aproveitamento do material no livro final. E no fim a gente decidiu que não precisava usar nada 'diretamente'. Tem coisas, ideias, traços que aparecem no livro. Mas é que a gente vê autoria de um outro jeito né? Então o livro tudo foi uma escolha dos meninos que fizeram oficina e nossa também... não dá muito pra apontar o que é que veio deles, o que veio da Paula, da Lari, do André... eu pelo menos sinto isso e esse sentimento me dá uma certa segurança de que a gente fez um processo legal e aberto.

 

O que teremos daqui pra frente como continuação do projeto?
Ainda é cedo pra martelar qualquer coisa na pedra... e como o processo passa por essa conversa/oficina com as crianças, nunca dá pra gente antecipar tudo. Mas estamos trabalhando com a ideia de um livro que fale sobre democracia e eleições - focado mais nas confusões desse nosso processo louquíssimo que rola de 2 em 2 anos e através do qual a sociedade moderna resolveu se relacionar com a política.


Que dicas práticas você daria para quem lida com crianças no dia a dia, para que sejam mais livres e responsáveis por suas escolhas?
Sejam mais livres e responsáveis por suas escolhas! Mas se quiser algo menos subjetivo... escute a criança como você escutaria aquele professor provocativo da universidade. Aquele que você escuta com bastante atenção, porque sempre acha que ele vai falar algo genial, mas que escuta com atenção redobrada porque ele volta e meia joga com as palavras e com as ideias para te provocar e se você estiver desatento... cai :)

 

Leia o livro (abaixo na versão on line) e saiba mais sobre o projeto aqui:

 

 
Escrito por Caroline Cezar, 05/11/2015 às 08h19 | carol.jp3@gmail.com

Brincar com menos

Toda criança precisa brincar e cada uma brinca do seu jeito.... umas gostam de correr, outras gostam de jogar bola, algumas preferem jogos de montar e outras preferem jogar tudo no chão! Será?

Vivemos em uma sociedade cheia de 'coisas'. Muita coisa pra todo lado. Coisa de todo tipo. muitos objetos, muitas roupas, muitos brinquedos, muito barulho, muitos eletrônicos, muitos muitos. O brincar da criança prepara ela para a vida adulta. É através do brincar que ela experimenta sensações e situações que vivenciará no mundo adulto, mas em casas e escolas com muito estímulo fica difícil vivenciar um dia leve.

Tente imaginar:
"Você trocou os armários da sua cozinha por dois grandes baús, onde você guarda todos os seus utensílios e alimentos. Um grande baú com utensílios: talheres, copos, xícaras, panelas, panos, potes plásticos, descascadores, vasilhas, toalhas de mesa, etc, e outro com todos os alimentos: secos e molhados, temperos e bebidas. Seu estômago avisa que está na hora de começar a cozinhar e você resolve fazer um macarrão, algo que você considera simples. Você abre o baú e está tudo ali dentro, tudo que você precisa dentro de um enorme baú encostado na parede! Você abre a caixa e começa a procurar uma faca. Tá muito difícil, você não acha, começa a ficar nervosa porque a fome está apertando e resolve virar a caixa no chão da cozinha. Agora sim! Você achou a faca, mas a panela foi soterrada. Aí você espalha bem toda aquela bagunça para poder visualizar melhor e encontra não a sua panela, mas aquela meia que estava perdida fazia uns tempos... resolve tirar ela dali, levar para a lavanderia e quando volta não lembra mais o que estava procurando. Senta, olha mais uns objetos que nem lembrava que tinha e aparece a panela. Mas agora você está no outro lado da cozinha, longe do fogão e da pia... para chegar lá, passa por cima de toda a tralha, alguma coisa se quebra, outra te machuca, mas você está com fome e determinada a fazer seu macarrãozinho. Não desiste. Agora você está na frente da pia, com a faca, a panela e sem o macarrão (mas pra que era a faca mesmo?). Começa a pensar onde estaria o macarrão, e lembra que tem outra caixa, cheia de alimentos e temperos. Então você abre outra caixa, a primeira ainda está espalhada no chão, mas você tem fome e precisa achar o macarrão para continuar o seu almoço. O baú está cheio de coisas, o macarrão não está na sua visão, mas bem em cima está o arroz e você acha mais simples preparar o arroz mesmo... atravessa as tralhas com o arroz na mão e quando chega na pia vê que não separou o lavador de arroz. Vira para aquela pilha enorme de utensílios jogados no meio de sua cozinha e ao longe vê uma televisão ligada na frente de um sofá com um pacote de bolachas ao lado. Seus olhos brilham, sua boca saliva, seu corpo pede pelo descanso no sofá... Agora você está satisfeita, sentada no sofá, comendo bolachas e assistindo seu programa favorito."

Conseguiu imaginar? É isso que acontece com uma criança que tem muitos brinquedos. É muito difícil focar a atenção em alguma coisa quando tem muita coisa junta.

 

A criança deve ter poucos (bem poucos) brinquedos e eles devem ser guardados de forma ordenada para que a criança possa escolher com o que vai brincar sem distrações. Na infância fazemos ligações muito importantes e num ambiente desordenado fica muito difícil estabelecer estas conexões.

Para crianças mais atentas e focadas:
1- Desligue a televisão;
2- Se livre das tralhas e excessos de brinquedos (se você não consegue organizar mentalmente quantos e quais brinquedos seu filho tem, ele tem brinquedos demais, doe!);
3- Separe os brinquedos por tipo;
4- Livre-se da tão famosa CAIXA DE BRINQUEDOS;
5- Opte por brinquedos feitos de materiais orgânicos como madeira, pano e papelão. Brinquedos que precisam de pilha e que produzem sozinhos sons e movimentos não são inofensíveis, roubam a criatividade de seu pequeno, prefira não tê-los;
6- Permita que seu filho seja criança. Crianças brincam com qualquer coisa, utensílios de casa são ótimas opções;
7- Mantenha um ambiente ordenado e prefira cores que remetam lugares calmos e naturais;
8- Observe mais e interfira menos.

Paz e bem!

Por uma humanidade mais fraterna.

Escrito por Ana Paula Góis, 29/10/2015 às 06h24 | conviteecia@hotmail.com

O que sai da boca!

Andando na rua escuto:

"FILHA MENTIR É MUITO FEIO VIU? VAI NASCER UM NARIZ DE PINÓQUIO EM VC E PAPAI NOEL NÃO VAI TE TRAZER PRESENTES!"

A amiga completou:

"Eu ouvi no supermercado esses dias: "não seja teimoso que Deus castiga. Vai fazer você torcer o pé no futebol. Vai fazer você cair e se machucar."

 

Precisamos comentar?
 

Escrito por Caroline Cezar, 22/10/2015 às 09h29 | carol.jp3@gmail.com

Balas não fazem mal...

 

...quem oferece é que faz!

Neste final de semana conheci uma senhora que é avó de uma menininha de 1 ano e meio. A avó tá desesperada porque a pequena não dorme. Diz que vai dormir quase de madrugada, chorando porque não quer dormir e não faz soninho durante o dia.

Existem várias causas para uma criança não dormir bem mas uma bem frequente é a alimentação. Falei para avó que devia dar uma olhada se não tava comendo muita besteira... A avó, cozinheira de mão cheia e fogão à lenha, logo dispara: "come bem, muita verdura e comida caseira e também mama no peito toda hora porque a mãe dela vive dando o peito. Mas to falando do sono, o apetite é bom!" Nisso, a tia que tava quieta ouvindo tudo disse: "Mas qual o problema em a gente dar um docinho pra ela? Ela é magrinha, pode comer e ela gosta tanto... eu moro do lado da casa dela e compro saquinhos de bala para ela comer... ela já sabe onde fica na gavetinha e vai lá toda hora comer uma."

Existem muitos problemas em se dar uma balinha para uma criança, que vão muito além de ficar gordo ou magro.
Segundo a nutricionista Joana Pinheiro, "quando se ingere uma grande quantidade de guloseimas ou qualquer alimento rico em açúcar como bolachas, refrigerantes e balas, os níveis de açúcar no sangue ou glicemia disparam. Este efeito origina, numa criança, uma explosão de energia, a qual se segue uma quebra dos níveis de açúcar no sangue ou hipoglicemia, o que pode originar cansaço, birras e até isolamento." Dificuldades no sono e na concentração aparecem com muita frequência em crianças que consomem diariamente guloseimas, além da explosão de energia ainda tem a diminuição de nutrientes: cálcio, sódio, potássio e magnésio, para citar somente alguns, são retirados de várias partes do corpo para “digerir” o açúcar.

Aquela simples e inocente balinha que seu filho come no mercado, no restaurante, na casa da tia, não é só uma simples balinha, e somada a todo o açúcar consumido pode ser a causa de muitas das suas preocupações.

Ajude as crianças a se alimentarem de maneira inteligente e saudável. Ofereça alimentos frescos e naturais. Fuja dos industrializados, eles não são bons!

Não ofereça balas, pirulitos, refrigerantes e alimentos processados. Ofereça abraços e frutas!
Compartilhe sua experiência de vida, conte uma história de sua infância, convide para cozinhar. Estar junto é o melhor 'doce' da vida!

Por uma humanidade mais fraterna.
Paz e bem.

Leia mais sobre O Açúcar e As Crianças, aqui no blog.

Escrito por Ana Paula Góis, 14/10/2015 às 07h19 | conviteecia@hotmail.com

Paternar

Uma vez assisti um filme, curto, sobre pais recém nascidos. Pai, figura masculina. O que eles estavam achando de ficar grávidos. Como lidavam com a coisa. Como lidavam com a coisa, antes, durante, depois da coisinha nascer. Como agradar a Grande Coisa, a Coisíssima Mor, Todas as Outras Coisas. Que atitude tomar diante da quase indecifrável alma feminina?

- O que devo dizer? - O que não devo dizer? - Como faço isso? - O que ela está pensando? - Estou atrapalhando? - Como posso ajudar? - Não vou acertar uma será?' 

Foi muito legal ouvir a voz masculina aquele dia. Uma voz que também precisa ser ouvida.

Antes de mostrar o doc, a doula contou que atendia um parto na Espanha, tudo dentro dos conformes, mas a coisa não avançava. Algo estava bloqueando o trabalho. Ela achou que era o marido, e chamou pra fora, discretamente. O homem sentou na beira do rio, com uma garrafa na mão. Ela teve um pouco de medo. Ele deu um gole e ofereceu a cachaça. Ela aceitou e devolveu, e ele caiu num choro de criança, profundo, ancorando-se na mulher. Aquele homão enorme, grande, quase bruto, se derramando em lágrima.

Ela esperou parar os soluços e se pôs a ouvir o homem grande confessando que não sabia o que fazer, nem como fazer, e que não queria ser só o cara que pega coisas, e faz tudo errado. Todo mundo estava mandando nele, mas ninguém estava olhando pra ele, nem queria saber algo dele, e ele queria ser útil, ajudar sua mulher a atravessar. Tornando-se estava, um pai.

A doula foi lá dentro, mandou que todos saíssem. Ficou a mulher. O homem entrou. A criança nasceu. O homem nasceu. A mulher sorriu.

***

Lembrei isso depois de rir um pouco com o humor da nova página Paternar, que faz par com a já existente Maternar, iniciativas locais (BC/ Itajaí/ região) que somam para uma gestação, criação, vínculos, mais atentos.

O homem tem muito isso do humor, -e como esse é um caminho tranquilo para quebrar as barreiras, e ir entrando assim fazendo graça num campo delicado e minado, cheio de condicionamentos e falsas construções que alguém chamou de masculinidade.

É cada vez mais permitido ao homem que exerça sua hombridade de forma mais nobre e menos lugar-comum, que seja um homem inteiro, um pai inteiro, uma pessoa inteira, alguém que sente, chora, observa, participa, integra, apóia, entende, busca, ama. É mais permitido que ele ocupe seu espaço de maneira menos imposta, mais como ele quiser.

Que sigam nesse empoderamento masculino sob novo ângulo, porque isso é significante para uma sociedade mais fraterna. Isso é essencial para criar filhos livres e amorosos, pessoas livres e amorosas, é essencial para criar um lugar onde é permitido SER.

 

 


"A palavra puerpério é Paciência, que um dia me disseram ser PAZciência, ou seja, a ciência de ter e viver em paz. Essencial para este período." by Dé Aragão
 

Escrito por Caroline Cezar, 07/10/2015 às 12h31 | carol.jp3@gmail.com



3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Caroline Cezar

Assina a coluna Mãe na Roda