Jornal Página 3
Coluna
J. Júnior
Por Jonas Ramos Júnior

MALA DIRETA

 

CONFUSÃO

A greve dos caminhoneiros que paralisou o Brasil e nos colocou todos de joelhos diante da fragilidade das instituições, entrou semana a dentro e fez todo mundo andar a pé ou de bicicleta. Todo mundo pode sentir o que é viver na Venezuela por alguns dias. Faltou desde a simples couve até o carvão pro churrasco de fim de semana. Isso sem falar em itens de primeira necessidade como remédios, gás de cozinha e insumos hospitalares. Por fim os caminhoneiros conseguiram até mais do que pediram e a paralização arrefeceu, com um outro grupo de infiltrados fazendo baderna pelas estradas. Pra normalizar ainda vai um bom tempo. Já tava difícil, imagina agora.


REFÉM

O governo combalido do presidente Michel Temer apanhou de todos os lados no meio da paralisação dos caminhoneiros. O congresso jogou cascas de banana nos seus pés com a liberação de bilhões em impostos (PIS e COFINS), alguns governadores lavaram as mãos e fizeram de conta que uma parte do valor do Diesel é arrecadado pelos estados. E por fim alguns sindicatos ou representantes dos caminhoneiros deram as costas pras negociações. Ao final, até que se saiu bem com muita negociação e nenhuma baixa de caminhoneiro, com a PRF e o Exército Brasileiro sendo ovacionados pela população, pela ação dura, mas sem violência com que agiram. Para a população que inicialmente apoiou o movimento sobrou a conta pra pagar. E não será pouco.


Fotos: Arquivo pessoal

Maria Salete, esposa do nosso querido Jaimor, da Ótica Itaçu, completou mais uma primavera neste dia 29 de maio. Parabéns a esta grande mulher, que dedicou muitos anos como professora na educação pública e privada de Balneário Camboriú!. Salete comemorou em família. Na foto maior com o esposo Jaimor e na foto menor com o neto George.


  

   V I T R I N E   

 

  • A batata quente ficou nas mãos do governo federal e os candidatos a presidente e a governador não deram as caras. Uma ou outra manifestação nas redes sociais. Ninguém quer briga com nenhuma instituição. Só querem o voto e aparecer de bonzinho. Político é mais liso que jundiá ensaboado.
  • O dilema de uma paralisação como essa é saber que hora mudar de lado e ter o feeling de trocar na hora certa. No início somos todos a favor, a hora que a água bate no nosso bumbum a coisa muda de figura. Tem apoiador que na hora que ficou sem gasolina andava implorando por um galão de 20 litros. É a chamada Lei da escassez. Daí a greve perdeu a graça.
  • Soube essa semana que teve motorista usando álcool 96 graus como combustível em carro flex é claro, e a resposta do desempenho foi normal. O problema foi o valor do litro que beirou os 7(sete) reais. Sempre damos um jeitinho.
  • A proliferação das chamadas motos elétricas é visível por toda a cidade e a tendência depois da paralisação dos caminhoneiros é aumentar. A dúvida que paira é a seguinte: não precisam usar capacetes (tipo Bike) e se podem andar na contramão. Com a palavra as autoridades.
  • Abertura do prolongamento da 4ª Avenida tá ficando show apesar da demora, e vai dar uma boa agilizada no tráfego. A cidade vai ganhar em mobilidade e beleza. Governo instalado nos altos da Dinamarca vai marcar um golaço. Em tempo.
  • Minha filha Carol que mora nos EUA veio ao Brasil e confiou a cirurgia de correção de miopia nos dois olhos ao Dr. Wislen Braga do Hospital de Olhos Santa Catarina. A cirurgia durou menos de 10 minutos. Correu tudo bem e não fosse pela falta de um tipo de colírio nas farmácias, afetadas pela falta de entregas de medicamentos, tinha sido tudo 10. Por fim um vidrinho de amostra grátis nos salvou. Menos mal.

Foto: Romulo Cruz/Flows

  • Ígor Amorelli, nossa maior expressão no triathlon mundial mais uma vez saiu vitorioso no fim de semana na etapa brasileira em Floripa. Chegou em segundo lugar apesar de estar durante todo o circuito de bike com o pedal quebrado. Agora rumo ao Havaí em Kona pra etapa final do mundial.  O cara é fera e está sempre no pódio. Valeu equipe CPH e família Amorelli.
  • Feriado se aproximando e a esperança que a paralisação não afete a vinda de turistas ainda é grande. Comerciantes que nos últimos dias amargaram um baita prejuízo aguardam com ansiedade a volta à normalidade. Pessoal do camelô em frente à igreja Santa Inês lamentava as perdas no fim de semana passada. Esse choro se ouviu por toda cidade. Façam figas.
  • Vale lembrar que esse ano teremos eleições para Deputado Estadual, Deputado Federal, Senador, Governador e Presidente da República. Portanto sugiro que não se perca tempo gritando pelas ruas Fora Temer ou pedindo Intervenção militar. A hora agora é de escolhermos pelo voto direto, livre e consciente quem vai nos governar no plano estadual e federal. Junte todas as suas forças pra analisar os candidatos e fazer escolhas acertadas. Tudo passa pelo congresso e a única maneira de mudar esse país é impedindo os corruptos e ladrões de se elegerem ou reelegerem. Faltam só quatro meses pra gente mudar esse país. Pense nisso.

ESSE ANO FAÇA CERTO. DIGA NÃO A CORRUPÇÃO. FAÇA A SUA PARTE.


 

 

Escrito por Jonas Ramos Júnior, 30/05/2018 às 13h10 | jonasramos3011@hotmail.com



Jonas Ramos Júnior

Assina a coluna J. Júnior

Advogado pós graduado em direito ambiental, reside em BC desde dez/1981. Escreve no JP3 desde 1992, porque tem interesse na cidade e no seu desenvolvimento.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
J. Júnior
Por Jonas Ramos Júnior

MALA DIRETA

 

CONFUSÃO

A greve dos caminhoneiros que paralisou o Brasil e nos colocou todos de joelhos diante da fragilidade das instituições, entrou semana a dentro e fez todo mundo andar a pé ou de bicicleta. Todo mundo pode sentir o que é viver na Venezuela por alguns dias. Faltou desde a simples couve até o carvão pro churrasco de fim de semana. Isso sem falar em itens de primeira necessidade como remédios, gás de cozinha e insumos hospitalares. Por fim os caminhoneiros conseguiram até mais do que pediram e a paralização arrefeceu, com um outro grupo de infiltrados fazendo baderna pelas estradas. Pra normalizar ainda vai um bom tempo. Já tava difícil, imagina agora.


REFÉM

O governo combalido do presidente Michel Temer apanhou de todos os lados no meio da paralisação dos caminhoneiros. O congresso jogou cascas de banana nos seus pés com a liberação de bilhões em impostos (PIS e COFINS), alguns governadores lavaram as mãos e fizeram de conta que uma parte do valor do Diesel é arrecadado pelos estados. E por fim alguns sindicatos ou representantes dos caminhoneiros deram as costas pras negociações. Ao final, até que se saiu bem com muita negociação e nenhuma baixa de caminhoneiro, com a PRF e o Exército Brasileiro sendo ovacionados pela população, pela ação dura, mas sem violência com que agiram. Para a população que inicialmente apoiou o movimento sobrou a conta pra pagar. E não será pouco.


Fotos: Arquivo pessoal

Maria Salete, esposa do nosso querido Jaimor, da Ótica Itaçu, completou mais uma primavera neste dia 29 de maio. Parabéns a esta grande mulher, que dedicou muitos anos como professora na educação pública e privada de Balneário Camboriú!. Salete comemorou em família. Na foto maior com o esposo Jaimor e na foto menor com o neto George.


  

   V I T R I N E   

 

  • A batata quente ficou nas mãos do governo federal e os candidatos a presidente e a governador não deram as caras. Uma ou outra manifestação nas redes sociais. Ninguém quer briga com nenhuma instituição. Só querem o voto e aparecer de bonzinho. Político é mais liso que jundiá ensaboado.
  • O dilema de uma paralisação como essa é saber que hora mudar de lado e ter o feeling de trocar na hora certa. No início somos todos a favor, a hora que a água bate no nosso bumbum a coisa muda de figura. Tem apoiador que na hora que ficou sem gasolina andava implorando por um galão de 20 litros. É a chamada Lei da escassez. Daí a greve perdeu a graça.
  • Soube essa semana que teve motorista usando álcool 96 graus como combustível em carro flex é claro, e a resposta do desempenho foi normal. O problema foi o valor do litro que beirou os 7(sete) reais. Sempre damos um jeitinho.
  • A proliferação das chamadas motos elétricas é visível por toda a cidade e a tendência depois da paralisação dos caminhoneiros é aumentar. A dúvida que paira é a seguinte: não precisam usar capacetes (tipo Bike) e se podem andar na contramão. Com a palavra as autoridades.
  • Abertura do prolongamento da 4ª Avenida tá ficando show apesar da demora, e vai dar uma boa agilizada no tráfego. A cidade vai ganhar em mobilidade e beleza. Governo instalado nos altos da Dinamarca vai marcar um golaço. Em tempo.
  • Minha filha Carol que mora nos EUA veio ao Brasil e confiou a cirurgia de correção de miopia nos dois olhos ao Dr. Wislen Braga do Hospital de Olhos Santa Catarina. A cirurgia durou menos de 10 minutos. Correu tudo bem e não fosse pela falta de um tipo de colírio nas farmácias, afetadas pela falta de entregas de medicamentos, tinha sido tudo 10. Por fim um vidrinho de amostra grátis nos salvou. Menos mal.

Foto: Romulo Cruz/Flows

  • Ígor Amorelli, nossa maior expressão no triathlon mundial mais uma vez saiu vitorioso no fim de semana na etapa brasileira em Floripa. Chegou em segundo lugar apesar de estar durante todo o circuito de bike com o pedal quebrado. Agora rumo ao Havaí em Kona pra etapa final do mundial.  O cara é fera e está sempre no pódio. Valeu equipe CPH e família Amorelli.
  • Feriado se aproximando e a esperança que a paralisação não afete a vinda de turistas ainda é grande. Comerciantes que nos últimos dias amargaram um baita prejuízo aguardam com ansiedade a volta à normalidade. Pessoal do camelô em frente à igreja Santa Inês lamentava as perdas no fim de semana passada. Esse choro se ouviu por toda cidade. Façam figas.
  • Vale lembrar que esse ano teremos eleições para Deputado Estadual, Deputado Federal, Senador, Governador e Presidente da República. Portanto sugiro que não se perca tempo gritando pelas ruas Fora Temer ou pedindo Intervenção militar. A hora agora é de escolhermos pelo voto direto, livre e consciente quem vai nos governar no plano estadual e federal. Junte todas as suas forças pra analisar os candidatos e fazer escolhas acertadas. Tudo passa pelo congresso e a única maneira de mudar esse país é impedindo os corruptos e ladrões de se elegerem ou reelegerem. Faltam só quatro meses pra gente mudar esse país. Pense nisso.

ESSE ANO FAÇA CERTO. DIGA NÃO A CORRUPÇÃO. FAÇA A SUA PARTE.


 

 

Escrito por Jonas Ramos Júnior, 30/05/2018 às 13h10 | jonasramos3011@hotmail.com



Jonas Ramos Júnior

Assina a coluna J. Júnior

Advogado pós graduado em direito ambiental, reside em BC desde dez/1981. Escreve no JP3 desde 1992, porque tem interesse na cidade e no seu desenvolvimento.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade