Jornal Página 3
Coluna
Enéas Athanázio
Por Enéas Athanázio

POESIA EM VERSO & PROSA

C. Ronald é um poeta em constante atividade. Desde que o conheci, e lá se foram longos anos, está sempre produzindo uma poesia da melhor qualidade, elaborada, esmerada, límpida, merecedora dos aplausos da melhor crítica nacional. Com vários livros publicados, dentre os quais “Os sempre”, “Caro Rimbaud”, “Um lugar para os dias”, “Nessa agonia”, “Bichos procuram buracos nas paredes brancas” e “Seguindo o tempo”, sua obra constitui um conjunto da melhor expressão na poética produzida em nosso Estado. A admiração por Rimbaud sugere uma benéfica influência do poeta andarilho que tanto fascinava as novas gerações.


Também contista, dramaturgo, tradutor e ensaísta, residiu no Rio de Janeiro e muito escreveu para jornais e revistas.


Agora, desde seu recanto na bucólica Biguaçu, ele publica “Então esquece”, contendo suas mais recentes produções (Bernúncia Editora – Florianópolis – 2019).


Sua poesia é rica de ideias, sugestões, impressões e pensamentos que elaborou ao longo do tempo e que registrou nos seus versos.


As inquietações do poeta vão surgindo, revelando a universalidade de seu pensamento. O comportamento de certas nações, o sofrimento das pessoas, a liberdade, a busca incansável da perfeição de suas obras, o mistério do tempo, os medos, a angústia, o bem e o mal, os sonhos, a memória, as artes, a música, a felicidade e, naturalmente, o amor. Tudo aquilo que povoa a complexa alma do poeta e fere sua sensibilidade.


É uma sucessão de mensagens carregadas das mais diversas sensações que escorre até o fim, levando o leitor a voltar, observar e reler para sentir mais uma vez.


Encerrando, transcrevo um dos poemas do livro, publicado à p. 18:


SER LIVRE

Ser livre se
nos adjetivos a voz fica
lapidando o cristal
na pontuação impossível
das minhas cartas
repletas de ansiedade.

Logo

o pulso percorre as milhas
de letras o hóspede sem
silhueta agarra
a parte de trás do poema
dentro daquilo
que a entrega inventa.
_______________________
Zenilda Nunes Lins, por sua vez, prefere a poesia em prosa. Romancista, contista, poeta e historiadora, é professora. Homenageada pela Academia Catarinense de Letras, pertence a diversas entidades culturais.
Em primorosa crônica há pouco publicada, intitulada “O suave entardecer da velhice”, elaborou curiosa analogia entre as fases do dia e da vida humana num texto tocante e iluminado.
“Gosto do inverno – da estação e da vida -, tema inspirador do texto aqui publicado”, afirma ela. E, com efeito, a inspiração não poderia ser das melhores, tantas e tão precisas são as observações feitas no correr do texto.
É uma crônica poética, humana e enternecedora que merece a melhor das atenções (*).
________________________
(*) “Mosaico Literário” – I Coletânea da ANACLA
Florianópolis – 2019 – pp. 103/106.

Escrito por Enéas Athanázio, 19/08/2019 às 21h12 | e.atha@terra.com.br



Enéas Athanázio

Assina a coluna Enéas Athanázio

Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 51 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Enéas Athanázio
Por Enéas Athanázio

POESIA EM VERSO & PROSA

C. Ronald é um poeta em constante atividade. Desde que o conheci, e lá se foram longos anos, está sempre produzindo uma poesia da melhor qualidade, elaborada, esmerada, límpida, merecedora dos aplausos da melhor crítica nacional. Com vários livros publicados, dentre os quais “Os sempre”, “Caro Rimbaud”, “Um lugar para os dias”, “Nessa agonia”, “Bichos procuram buracos nas paredes brancas” e “Seguindo o tempo”, sua obra constitui um conjunto da melhor expressão na poética produzida em nosso Estado. A admiração por Rimbaud sugere uma benéfica influência do poeta andarilho que tanto fascinava as novas gerações.


Também contista, dramaturgo, tradutor e ensaísta, residiu no Rio de Janeiro e muito escreveu para jornais e revistas.


Agora, desde seu recanto na bucólica Biguaçu, ele publica “Então esquece”, contendo suas mais recentes produções (Bernúncia Editora – Florianópolis – 2019).


Sua poesia é rica de ideias, sugestões, impressões e pensamentos que elaborou ao longo do tempo e que registrou nos seus versos.


As inquietações do poeta vão surgindo, revelando a universalidade de seu pensamento. O comportamento de certas nações, o sofrimento das pessoas, a liberdade, a busca incansável da perfeição de suas obras, o mistério do tempo, os medos, a angústia, o bem e o mal, os sonhos, a memória, as artes, a música, a felicidade e, naturalmente, o amor. Tudo aquilo que povoa a complexa alma do poeta e fere sua sensibilidade.


É uma sucessão de mensagens carregadas das mais diversas sensações que escorre até o fim, levando o leitor a voltar, observar e reler para sentir mais uma vez.


Encerrando, transcrevo um dos poemas do livro, publicado à p. 18:


SER LIVRE

Ser livre se
nos adjetivos a voz fica
lapidando o cristal
na pontuação impossível
das minhas cartas
repletas de ansiedade.

Logo

o pulso percorre as milhas
de letras o hóspede sem
silhueta agarra
a parte de trás do poema
dentro daquilo
que a entrega inventa.
_______________________
Zenilda Nunes Lins, por sua vez, prefere a poesia em prosa. Romancista, contista, poeta e historiadora, é professora. Homenageada pela Academia Catarinense de Letras, pertence a diversas entidades culturais.
Em primorosa crônica há pouco publicada, intitulada “O suave entardecer da velhice”, elaborou curiosa analogia entre as fases do dia e da vida humana num texto tocante e iluminado.
“Gosto do inverno – da estação e da vida -, tema inspirador do texto aqui publicado”, afirma ela. E, com efeito, a inspiração não poderia ser das melhores, tantas e tão precisas são as observações feitas no correr do texto.
É uma crônica poética, humana e enternecedora que merece a melhor das atenções (*).
________________________
(*) “Mosaico Literário” – I Coletânea da ANACLA
Florianópolis – 2019 – pp. 103/106.

Escrito por Enéas Athanázio, 19/08/2019 às 21h12 | e.atha@terra.com.br



Enéas Athanázio

Assina a coluna Enéas Athanázio

Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 51 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade