Jornal Página 3
Coluna
Literatura
Por Enéas Athanázio

CAMÕES NA RUA

A Thesaurus Editora, de Brasília, publicou um pequeno livro que é uma obra-prima na forma e no conteúdo. Trata-se da antologia “Camões na Rua”, contendo uma seleção da obra do grande poeta português Luís Vaz de Camões (1524/1580) e, pelo que me parece, integrante de uma série que contempla também outros autores. Organizada pelo poeta Anderson Braga Horta e contando com uma introdução do editor Victor Alegria, tem o formato de pocket book e excelente feição gráfica.

O ensaio/prefácio de autoria do organizador é modelar e nele fica evidente o seu domínio sobre a arte poética, seus segredos e a história da literatura portuguesa. Em dez páginas, Braga Horta esbanja conhecimento a respeito da vida e da obra do vate português, considerado o fixador de nossa língua. Assinala que Camões, “grande amoroso e gente de guerra”, teve uma vida aventurosa e sofrida, lutou na África e na Ásia, perdeu uma vista em combate, foi preso por diversas vezes e a mulher amada pereceu em naufrágio. Numa das celas em que ficou recluso teria composto “Os Lusíadas.” Enfatiza que “Camões não inventou a língua portuguesa” mas é pacífico “que lhe deu esplendor e matizes novos e como que a normatizou num corpus coeso e moderno.” A língua e a poesia de Camões, adverte com toda razão, “constituem uma força de coesão” que nos protege das “forças de dispersão” deste mundo populoso e tecnológico.

“Hoje o que nos preocupa – escreve Braga Horta – são os germes de dissolução, que tendem a pulverizar o ordenamento fora do qual o pensar pode tornar-se uma falácia, o belo uma coisa irreal, ininteligível ou piegas, o ético não mais que pruridos igualmente sentimentais, a nos afastarem das materialidades grosseiras que são a menina dos olhos dos deslumbrados com o que qualquer moeda pode adquirir. Temos de recorrer a Camões e os outros clássicos das literaturas lusófragas, ao invés de sepultá-los com pretextos de modernidade...”

Palavras sábias, merecedoras de muita atenção.

Preocupado com a má qualidade da língua falada nos dias atuais, o editor Victor Alegria afirma com razão “que praticamente há duas décadas há um profundo desprezo para melhorar o incentivo à língua bem falada.” Anota que as pessoas em geral e os jovens em particular não dominam mais que duas centenas de palavras, fato que é deveras assustador. Comenta a ausência de diálogo nas reuniões familiares e o isolamento cada vez maior das pessoas. Suas palavras são um atestado eloquente de preocupação com a realidade nacional, um hino de brasilidade partido de um português mais nacionalista e patriota que muitíssimos brasileiros natos. Victor Alegria, que não conheço em pessoa, já se faz credor de minha admiração.

Não preciso dizer que mergulhei na poesia de Camões depois de bom tempo. E nela reencontrei textos que, de tanto ler, acabei decorando. Entre os sonetos deparei com aquele que meu pai estava sempre a declamar: “Sete anos de pastor Jacó servia/ Labão, pai de Raquel, serrana bela; Mas não servia ao pai, servia a ela, / E a ela só por prêmio pretendia...” A desilusão e o conformismo de Jacó diante dos enganos de Labão são comoventes. E quem não se recorda de “Alma minha gentil, que te partiste/ Tão cedo desta vida descontente,/ Repousa lá no Céu eternamente/ E viva eu cá na terra sempre triste...” É de arrepiar! Outro, marcante e inesquecível: “Amor é fogo que arde sem se ver; / É ferida que dói e não se sente:/ É um contentamento descontente;/ É dor que desatina sem doer...”

E “Os Lusíadas”? Sempre que os leio tenho a sensação de marchar, tão perfeita é a cadência das rimas:

“As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia lusitana.
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana...”

Meus parabéns ao organizador e ao editor por trazerem Camões para a rua, colocando-o nas mãos dos leitores. Uma homenagem justa e merecida.

Escrito por Enéas Athanázio, 03/02/2020 às 11h29 | e.atha@terra.com.br

UM CASAL AFINADO

Casados há muitos anos, Iracema M. Régis e Aristides Theodoro são escritores, poetas e jornalistas. Produzem em profusão e estão em constante agitação cultural. Apóiam-se mutuamente e lançam livros em vários gêneros, escrevem para os jornais e mantêm nutrido intercâmbio com colegas de ofício e leitores de todo o país. O Grande ABC, seu palco de origem, já se tornou pequeno para eles.

A incansável Iracema tem 29 títulos publicados, recebeu vários prêmios e sua obra tem sido analisada por muitos críticos, dentre os quais Marcelo Smeets, Nelly Novaes Coelho, Fernando Jorge, Dimas Macedo, Nelson Hoffmann, Manoel Onofre Jr., João Weber Griebeler e outros. Tive o prazer de prefaciar um de seus livros.

Agora ela lança a coletânea de contos que tem como título “A Menina que Gostava de Cemitério” (Futurama Editora – S. Paulo – 2019) reunindo 16 histórias, algumas bem curtas e outras mais extensas. O conto título se destaca pelo inusitado. É uma narrativa primorosa. Florisbela, conhecida por Flô, menina branca, de faces pálidas, indicava portar alguma anomalia mental, uma vez que gostava de enterros, velórios e cemitérios. Além disso, tratava de saber dos detalhes da morte. Como se vê, atitudes mórbidas e que despertavam a atenção dos que a conheciam. Para fugir aos maus tratos da mãe, a moça, numa atitude espantosa, passa a morar no cemitério, ainda que não abandonando o costume de frequentar velórios, enterros e missas de sétimo dia. O encontro com a narradora/autora que fecha o conto contém boa dose de humor negro. O conto põe a nu os imprevistos da mestra vida que, como dizia Érico Veríssimo, é capaz de gerar situações mais esdrúxulas que a mais descabelada das ficções.

Todos os demais contos são interessantes e merecem uma leitura atenta. São criativos e prendem a atenção do leitor.

Já o irrequieto Theodoro tem 21 obras publicadas em prosa e verso. Sua característica é uma linguagem desataviada e sem peias, polêmica e provocadora. Não teme cutucar a onça com vara curta. Alguns de seus livros levam títulos bem expressivos: “Não contribuirei com um só óbulo para a construção do novo mundo”, “O homem que liquidou um trovão a tiros de clavinote”, “Gargalhada na catedral”, “Funga funga no fuá” são bons exemplos. Leitor incansável e dono de excelente memória, tem uma visão panorâmica do cenário literário brasileiro e mundial. Também prefaciei um de seus livros.

Está publicando agora “O pitoresco na vida de grandes homens” (Futurama Editora – S. Paulo – 2019) reunindo vários ensaios muito curiosos e absorventes, São todos produtos de infindáveis leituras, pesquisas, anotações e reflexões. Alguns são inovadores, talvez inéditos, tanto que não me recordo de ter encontrado algo semelhante. Em “O fascínio de alguns escritores e outros artistas pelas cidades” ele mergulha no mundo literário em busca dos protestos amorosos de escritores e artistas pelas cidades e seu reflexo em suas obras. Mulheres na ótica de alguns escritores, nomes de mulheres que deram títulos a livros, homens famosos e seus apelidos, o diabo visto pelos homens, a gíria na língua portuguesa e o trabalho que deu título ao volume, o pitoresco na vida de grandes homens, além de outros são temas abordados com leveza, revelando um autor erudito e atento.

É um livro para ser lido com prazer. Com ele aprendi e recapitulei.

Minhas felicitações ao casal amigo. Faço votos de que continuem sempre afinados. 

Escrito por Enéas Athanázio, 27/01/2020 às 13h30 | e.atha@terra.com.br

LEAL E AS CIÊNCIAS CRIMINAIS

Escrever a respeito de um colega do Ministério Público a quem admiro de longa data e que, ainda por cima, é um amigo, pode se afigurar como algo suspeito. Mas, para quem tanto tem escrito sobre estranhos e nem sempre muito simpáticos, creio que não incidirei em pecado ao batucar algumas mal traçadas em homenagem a João José Leal.

Tijucano, dono de um sotaque típico daquelas paragens, Leal bacharelou-se pela Faculdade de Direito da UFSC em 1966, quando a ditadura estava em seu segundo ano. Manteve intensa atividade na política estudantil, tendo presidido o Diretório Acadêmico XI de Fevereiro. Desde cedo revelou inclinação para as Ciências Criminais e foi nesse campo que se especializou.

Ingressou no Ministério Público, andou pelo oeste do Estado e acabou por se fixar em Brusque. Foi Procurador-Geral de Justiça e se aposentou como Promotor de Justiça. Ao longo dessa caminhada cultivou com intensidade o Direito Penal, o Processo Penal e a Criminologia, além de temas correlatos, escrevendo e lecionando para inúmeras gerações de bacharéis, numerosos deles hoje profissionais na área do Direito.

Buscando constante aperfeiçoamento, fez curso de Especialista em Direito pela Universidade de Nice (França) e Mestrado em Ciências Criminológicas pela Universidade de Bruxelas (Bélgica), além de obter a livre-docência em nível de doutorado pela Universidade Gama Filho (Rio de Janeiro). Durante longos anos lecionou as disciplinas de sua especialidade na FURB, na UNIFEBE e na UNIVALI.

A par de suas atividades no Ministério Público e no magistério, nunca deixou de escrever, produzindo obras de envergadura e que foram aplaudidas pela crítica especializada. Entre seus livros, estão “Curso de Direito Penal”, “Crimes Hediondos”, “Direito Penal Geral” e “Controle Penal das Drogas.” São obras meticulosas, pensadas e fundamentadas, enfrentando inclusive temas que os juristas consideram “vexata quaestio.” Afora isso, escreveu inúmeros artigos para publicações especializadas, elaborou teses apresentadas em congressos discutindo temas complexos e palpitantes do momento vivido pelo país.

Seu pensamento se afinou sempre com as correntes mais humanitárias, assumindo posições críticas ao decrépito sistema penitenciário nacional. Advogou desde cedo pela adoção de um regime de semiliberdade para os condenados a penas curtas – a chamada prisão-albergue – no que foi apoiado pelo famoso jurista Alípio Silveira, considerado o “pai da prisão-albergue.” Nesse tópico pode ser apontado com justiça como um pioneiro. Além disso, tomou posições claras contra as absurdas absolvições dos matadores de mulheres adúlteras a pretexto de lavarem a honra com sangue, prática muito difundida, inclusive em nosso Estado, os chamados homicídios passionais. Tomou partido contra a tortura, mesmo quando inexistia lei penal tipificando o fato e batalhou pela melhoria de nosso sistema penitenciário. Seu pensamento, sempre coerente, foi na linha do humanismo e do respeito à condição humana, formando ao lado das correntes mais avançadas. É membro de importantes entidades dedicadas às Ciências Criminais.

Em Brusque, teve e ainda tem intensa participação comunitária, em especial no campo artístico e cultural.

Encerradas as atividades forenses e didáticas, Leal se tornou escritor. Já publicou dois livros de crônicas, um dos quais tive o prazer de prefaciar, e escreve todas as semanas para os jornais. Integra hoje a Academia Catarinense de Letras.

Depois de tudo que produziu, ele se define, com rara modéstia, como um cronista.

E com estas desataviadas linhas pago uma dívida afetiva ao colega e amigo. 

Escrito por Enéas Athanázio, 22/01/2020 às 18h10 | e.atha@terra.com.br

LAMPIÃO ANO A ANO

O cangaço foi um fenômeno típico do Brasil, sem similar no mundo ou na história. Forma de banditismo organizado, vicejou por um século, atingindo todos os Estados nordestinos. Teve como aliados os grandes espaços abertos, a ausência de cercas e estradas, a população rarefeita e a omissão do Estado. Donos de extraordinária coragem, astutos e cruéis, os cangaceiros formavam grupos poderosos e bem armados, invadiam vilas, pequenas cidades, fazendas e sítios isolados saqueando as propriedades e levando tudo que tivesse valor. Nessas incursões nada respeitavam e eliminavam quem se atrevesse a dificultar suas ações.

Lampião e Maria Bonita (Reprodução)

Muitos foram os bandos de cangaceiros que se tornaram famosos e entraram para a história. Nenhum, porém, alcançou a notoriedade nacional e até internacional como o grupo comandado por Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião (1897/1898-1938). As façanhas do cangaceiro nascido em Serra Talhada, Estado de Pernambuco, correram o país e ocuparam grandes espaços da imprensa, inclusive de outros países, durante os vinte anos que durou sua carreira. Sua vida e suas ações, incluindo renhidos combates com as volantes policiais, fugas espetaculares, invasões arrojadas, atos de grande generosidade e de extrema crueldade, os misteriosos esconderijos onde se refugiava sempre despertaram a curiosidade de estudiosos do cangaço e da movimentada existência do cangaceiro. Em consequência, surgiu a respeito do tema uma imensa bibliografia que não cessa de crescer. Entre os livros mais interessantes que tenho encontrado está “A Misteriosa Vida de Lampião”, de autoria de Cicinato Ferreira Neto (Premius Editora – Fortaleza – 2010) e que acabo de ler com grande interesse.

Neste livro o autor faz uma abordagem diferente. Dedica um capítulo a cada ano de atividade de Lampião, cerca de vinte, registrando mês a mês as tropelias que praticou e outros eventos acontecidos com ele e seu grupo. Para tanto consultou imensa quantidade de obras, comparando, sopesando, jornais e revistas, literatura de cordel, mensagens e relatórios oficiais, sites e depoimentos. Trabalho hercúleo e que revela um pesquisador exigente. O livro também é rico em fotografias.

A narrativa tem início com o nascimento de Virgulino, em Vila Bela, atual Serra Talhada, sua infância na companhia dos pais lavradores e, pouco depois, suas atividades como almocreve. Surgem então as primeiras desavenças da família com os vizinhos, forçando inclusive a mudança dos Ferreira. Ainda jovem, Virgulino ingressa no bando do famoso cangaceiro Sinhô Pereira. Dizia ele que assim agia para vingar a morte do pai, assassinado pela polícia, fato muito controvertido. Quando Sinhô Pereira decide abandonar o cangaço e se exilar em local desconhecido, Lampião é designado como seu sucessor e assume o comando do grupo. Desde o início se revela um chefe competente, carismático, inteligente e grande estrategista, além de dono de uma coragem fora do comum. Seu bando prospera, chegando a contar com 100 integrantes, é temido em todo o Nordeste. Enfrenta as volantes em violentos combates, desafia os governos e, segundo comentários, chegou a enviar uma carta ao governador de Pernambuco propondo a divisão do Estado, ficando ele como dono e senhor do sertão. As invasões e saques são lucrativas e o grupo enriquece. Lampião é vítima de ferimentos, o mesmo acontecendo com sua companheira Maria Bonita. A mobilidade do grupo é fantástica, confundindo as inúmeras volantes policiais que o perseguiam. Suas atividades vão do Rio Grande do Norte à Bahia.

Com o passar do tempo, gera-se um mito em torno do cangaceiro. Para uns é generoso, protetor dos pobres, justiceiro, um Robin Hood das caatingas; para outros é um assassino frio e cruel, capaz das maiores atrocidades, vingativo e ladrão. É considerado invencível e indestrutível, tendo o corpo fechado. Oito vezes sua morte foi anunciada com estardalhaço, mas logo depois ele reaparecia em local inesperado e com toda a força. Os governos estaduais se exasperavam e exigiam que suas forças policiais exterminassem o bando de uma vez por todas. Estas, por sua vez, cometiam toda sorte de arbitrariedades contra aqueles que consideravam coiteiros ou colaboradores de Lampião. O Governo Vargas, depois de 1930, pressionava os interventores estaduais, considerando o cangaço uma vergonha nacional.

Os dados a respeito de Lampião são assustadores. Segundo estimativas, ele matou mais de 1000 pessoas, incendiou mais de 500 propriedades e matou mais de 5000 reses de seus inimigos. Participou de mais de 200 combates com a polícia e violentou mais de 200 mulheres. São informações imprecisas mas devem ter fundamento, considerando-se a violência inaudita com que praticava as invasões e os saques, além do longo período de tempo que durou sua carreira. Existem inúmeros relatos de crimes bárbaros envolvendo o cangaceiro e seu grupo.

Mas tudo tem um fim. No dia 28 de julho de 1938, cercado pela tropa do tenente João Bezerra, no local denominado Grota do Angico, em Sergipe, o grupo de Lampião foi atacado de surpresa e de madrugada. Foram mortos o próprio Lampião, Maria Bonita e mais 9 cangaceiros. Os restantes conseguiram fugir, o que muito me surpreende, uma vez que visitei o lugar em uma de minhas viagens e constatei que só havia uma saída pela qual a volante se aproximou. É um lugar feio, pedregoso, acanhado e com escassa vegetação. Lampião teria sido advertido sobre o perigo que rondava aquele acampamento. A morte de Lampião é apontada como o fim do cangaço. Seu sucessor, Corisco, sobreviveu por mais dois anos e se entregou a inaudita violência para vingar a morte do chefe.

O livro de Cicinato Ferreira Neto é ilustrativo e bem fundamentado. É pena que o uso da crase seja feito de forma equivocada do começo ao fim. Quanto ao título, ele me parece impróprio porque o autor desvendou a vida do cangaceiro mês a mês, não havendo para ele e para nós leitores qualquer mistério.

Escrito por Enéas Athanázio, 13/01/2020 às 12h18 | e.atha@terra.com.br

CONVERSA COM BRENNAND

Importante revista cultural (*) publicou interessante e rara entrevista com o celebrado artista plástico Francisco Brennand, que não costuma se abrir em conversas públicas com frequência. Graças à habilidade da equipe da revista, ele acabou esclarecendo aspectos de sua obra que são sempre motivos de interrogação.


Brennand

Lembra o artista que, como todo mundo, nutria severo preconceito contra as chamadas artes menores, entre elas a cerâmica. Exercitava-e na pintura a óleo sobre tela, desenho e escultura, mas era no uso do pincel que mais se aplicava e nele projetava uma carreira. Aconteceu, então, a viagem a Paris, nos anos 1940, ocasião em que o pintor Cícero Dias, que vivia na capital francesa, o convidou para visitar uma exposição de obras de Picasso. “Para a minha grande surpresa – confessou ele – era uma exposição de cerâmicas. Essa belíssima exposição me deixou boquiaberto e, mais do que tudo, humilhado porque me demonstrou de imediato que não existia arte maior e arte menor. Esse problema de ser tela, madeira, gesso ou o que for pouco importava.” O deslumbramento aumentou ao constatar que Joan Miró também trabalhava a cerâmica e em quantidade ainda maior que Picasso. Verificou ainda que outros artistas de renome praticavam a cerâmica. E assim, o acaso de uma visita traçou o seu destino e o levou a se dedicar por inteiro à cerâmica, transformando-se num dos maiores artistas plásticos nacionais, praticando também, em menor grau, a pintura, o desenho, a arquitetura e a escultura.

Filhos de empresário que já se dedicava à cerâmica, produzindo telhas, tijolos, porcelanas e azulejos, Brennand e os irmãos herdaram uma olaria nas proximidades do Recife que se encontrava em ruínas. Como os irmãos não se interessavam, teve a ideia de restaurar a velha olaria e transformá-la num grande ateliê. Em homenagem ao pai, retirou das ruínas o que restava do prédio, pedra a pedra, tijolo a tijolo, instalando nele sua monumental oficina artística que abriga um dos patrimônios cerâmicos de importância mundial. O local é visitado todos os dias por turistas do país e do exterior e conhecê-lo é dever de todo brasileiro interessado em nossa cultura.

A cerâmica de Brennand é de formas avantajadas, grandes, exuberantes. Inspira-se, segundo diz, num universo arcaico e em figuras fantásticas. Enquanto na pintura prefere retratar a mulher, as formas femininas, a maciez e as curvas, na cerâmica a mulher pode ser lembrada de forma indireta, num vaso ou outra forma qualquer. Já na cerâmica, valoriza o mundo vegetal, motivos florais e outros aspectos que podem ser aumentados sem se tornar monstruosos. É verdade que muitas de suas obras sugerem várias formas de erotismo, mas isso é acidental. É curioso observar que o artista não gosta de vender suas obras; dizem que a venda o deprime. Ele próprio afirma que está fora do mercado.

Brennand realizou grandes obras no país e no exterior e o acervo de seu ateliê é conhecido em toda parte. Tem obras expostas no centro da cidade de Recife e nas unidades do SESC em Pinheiros, Interlagos e Sorocaba. Aos 87 anos de idade, informa que nos bons tempos chegou a morar no ateliê, mas isso se tornou impossível. Diminuiu o número de viagens e de exposições. Para geral surpresa, afirma que não pertenceu ao Movimento Armorial, fundado por Ariano Suassuna com o objetivo de criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular. Acredita, porém, que Ariano tenha se inspirado em algumas de suas próprias ideias.


(*) “Revista E”, publicação do SESC/SP,
maio de 2015, pp. 10 a 15.

(Republico este artigo em homenagem a
Francisco Brennand, falecido aos 92 anos
no Recife no dia 19 de dezembro. Sua partida
deixa uma grande lacuna no cenário artístico nacional).

 

Escrito por Enéas Athanázio, 06/01/2020 às 11h29 | e.atha@terra.com.br

O MISTÉRIO DA ILHA DO SOLDADO

Rochosa, áspera, quase inabitável, a Ilha do Soldado, na costa britânica, é um local desolado, esbatido pelos ventos marítimos e de difícil acesso. Só com tempo bom e mar calmo pode alguma barco atracar com segurança. Ali, um milionário norte-americano excêntrico construiu uma casa ampla, moderna e luxuosa, no ponto mais elevado, e que pouco se avista do continente. A propriedade, mais tarde, é vendida a um certo Mr. Owen, figura misteriosa e que ninguém encontrou, fosse na ilha ou em terra firme. É partindo desses dados que Agatha Christie (1890/1976), escritora inglesa conhecida como a rainha do crime, engendra a história de seu mais famoso livro: “E não sobrou nenhum” (Globo Livros – Rio de Janeiro – 2018). Como é sabido, ela foi a mais famosa autora de obras policiais em todo o mundo, a mais lida e vendida no gênero e traduzida para inúmeros idiomas. Publicou oitenta livros policiais, várias coletâneas de contos e doze peças teatrais.

Mr. Owen, mesmo sem se mostrar, consegue reunir através de correspondência, dez pessoas que nada têm entre si para alguns dias de descanso no casarão da Ilha do Soldado. Elas vêm de vários pontos do país e são conduzidas por um barqueiro para isso contratado. Instalam-se nos luxuosos quartos e começam a usufruir das mordomias de umas férias que tinham tudo para ser maravilhosas. Mas o inesperado acontece.

Quando todos se encontram na suntuosa sala de estar, uma voz misteriosa surge nítida e clara. Declinando o nome de cada um, vai acusando os visitantes de certos atos que, embora criminosos, escaparam da justiça a permaneceram impunes. O choque é violento porque todos julgavam que o esquecimento havia recaído sobre os fatos e ninguém mais se lembrava deles. Começam, a seguir, as mais misteriosas e inexplicáveis mortes. Varejam a casa e a ilha e constatam que além dos visitantes não havia viva alma no local. O mau tempo e o mar agitado impedem a aproximação de qualquer embarcação. Não obstante, apesar dos extremos cuidados adotados por todos, as mortes continuam. A conclusão inevitável é a de que o criminoso é um deles e todos passam a vigiar uns aos outros com total desconfiança. E o mais curioso é que a cada morte desaparece um dos soldadinhos de porcelana que jaziam sobre uma mesa. Além disso, as mortes coincidem com as palavras de um poema infantil exposto em todos os quartos: “Dez soldadinhos saem para jantar/ a fome os move/ um engasgou, e então sobraram nove...”

Num clima tenso, cria-se um ambiente lúgubre, cheio de medo e expectativa. Quem seria o próximo? As horas escorrem vagarosas, a tempestade ruge lá fora, o mar encapelado martela as rochas da ilha e novas mortes acontecem até que não sobra nenhum. Cada um deles, por sua vez, morre nas mais estranhas circunstâncias, incluindo-se dois suicídios que não me parecem muito convincentes. Mas ao longo de 400 páginas a autora mantém um suspense que quase provoca falta de ar no leitor. As investigações mais minuciosas nada conseguem esclarecer. Só uma carta subscrita pelo juiz Laurence Wargrave, um dos visitantes mortos, enviada à Scotland Yard pelo mestre da traineira Emma Jane põe fim ao mistério e explica tudo. Mas isso não posso expor porque ninguém teria interesse em ler o livro e isso seria lamentável.

Escrito por Enéas Athanázio, 02/01/2020 às 09h05 | e.atha@terra.com.br



3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Enéas Athanázio

Assina a coluna Literatura

Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 51 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: [email protected]

Página 3
Literatura
Por Enéas Athanázio

CAMÕES NA RUA

A Thesaurus Editora, de Brasília, publicou um pequeno livro que é uma obra-prima na forma e no conteúdo. Trata-se da antologia “Camões na Rua”, contendo uma seleção da obra do grande poeta português Luís Vaz de Camões (1524/1580) e, pelo que me parece, integrante de uma série que contempla também outros autores. Organizada pelo poeta Anderson Braga Horta e contando com uma introdução do editor Victor Alegria, tem o formato de pocket book e excelente feição gráfica.

O ensaio/prefácio de autoria do organizador é modelar e nele fica evidente o seu domínio sobre a arte poética, seus segredos e a história da literatura portuguesa. Em dez páginas, Braga Horta esbanja conhecimento a respeito da vida e da obra do vate português, considerado o fixador de nossa língua. Assinala que Camões, “grande amoroso e gente de guerra”, teve uma vida aventurosa e sofrida, lutou na África e na Ásia, perdeu uma vista em combate, foi preso por diversas vezes e a mulher amada pereceu em naufrágio. Numa das celas em que ficou recluso teria composto “Os Lusíadas.” Enfatiza que “Camões não inventou a língua portuguesa” mas é pacífico “que lhe deu esplendor e matizes novos e como que a normatizou num corpus coeso e moderno.” A língua e a poesia de Camões, adverte com toda razão, “constituem uma força de coesão” que nos protege das “forças de dispersão” deste mundo populoso e tecnológico.

“Hoje o que nos preocupa – escreve Braga Horta – são os germes de dissolução, que tendem a pulverizar o ordenamento fora do qual o pensar pode tornar-se uma falácia, o belo uma coisa irreal, ininteligível ou piegas, o ético não mais que pruridos igualmente sentimentais, a nos afastarem das materialidades grosseiras que são a menina dos olhos dos deslumbrados com o que qualquer moeda pode adquirir. Temos de recorrer a Camões e os outros clássicos das literaturas lusófragas, ao invés de sepultá-los com pretextos de modernidade...”

Palavras sábias, merecedoras de muita atenção.

Preocupado com a má qualidade da língua falada nos dias atuais, o editor Victor Alegria afirma com razão “que praticamente há duas décadas há um profundo desprezo para melhorar o incentivo à língua bem falada.” Anota que as pessoas em geral e os jovens em particular não dominam mais que duas centenas de palavras, fato que é deveras assustador. Comenta a ausência de diálogo nas reuniões familiares e o isolamento cada vez maior das pessoas. Suas palavras são um atestado eloquente de preocupação com a realidade nacional, um hino de brasilidade partido de um português mais nacionalista e patriota que muitíssimos brasileiros natos. Victor Alegria, que não conheço em pessoa, já se faz credor de minha admiração.

Não preciso dizer que mergulhei na poesia de Camões depois de bom tempo. E nela reencontrei textos que, de tanto ler, acabei decorando. Entre os sonetos deparei com aquele que meu pai estava sempre a declamar: “Sete anos de pastor Jacó servia/ Labão, pai de Raquel, serrana bela; Mas não servia ao pai, servia a ela, / E a ela só por prêmio pretendia...” A desilusão e o conformismo de Jacó diante dos enganos de Labão são comoventes. E quem não se recorda de “Alma minha gentil, que te partiste/ Tão cedo desta vida descontente,/ Repousa lá no Céu eternamente/ E viva eu cá na terra sempre triste...” É de arrepiar! Outro, marcante e inesquecível: “Amor é fogo que arde sem se ver; / É ferida que dói e não se sente:/ É um contentamento descontente;/ É dor que desatina sem doer...”

E “Os Lusíadas”? Sempre que os leio tenho a sensação de marchar, tão perfeita é a cadência das rimas:

“As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia lusitana.
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana...”

Meus parabéns ao organizador e ao editor por trazerem Camões para a rua, colocando-o nas mãos dos leitores. Uma homenagem justa e merecida.

Escrito por Enéas Athanázio, 03/02/2020 às 11h29 | e.atha@terra.com.br

UM CASAL AFINADO

Casados há muitos anos, Iracema M. Régis e Aristides Theodoro são escritores, poetas e jornalistas. Produzem em profusão e estão em constante agitação cultural. Apóiam-se mutuamente e lançam livros em vários gêneros, escrevem para os jornais e mantêm nutrido intercâmbio com colegas de ofício e leitores de todo o país. O Grande ABC, seu palco de origem, já se tornou pequeno para eles.

A incansável Iracema tem 29 títulos publicados, recebeu vários prêmios e sua obra tem sido analisada por muitos críticos, dentre os quais Marcelo Smeets, Nelly Novaes Coelho, Fernando Jorge, Dimas Macedo, Nelson Hoffmann, Manoel Onofre Jr., João Weber Griebeler e outros. Tive o prazer de prefaciar um de seus livros.

Agora ela lança a coletânea de contos que tem como título “A Menina que Gostava de Cemitério” (Futurama Editora – S. Paulo – 2019) reunindo 16 histórias, algumas bem curtas e outras mais extensas. O conto título se destaca pelo inusitado. É uma narrativa primorosa. Florisbela, conhecida por Flô, menina branca, de faces pálidas, indicava portar alguma anomalia mental, uma vez que gostava de enterros, velórios e cemitérios. Além disso, tratava de saber dos detalhes da morte. Como se vê, atitudes mórbidas e que despertavam a atenção dos que a conheciam. Para fugir aos maus tratos da mãe, a moça, numa atitude espantosa, passa a morar no cemitério, ainda que não abandonando o costume de frequentar velórios, enterros e missas de sétimo dia. O encontro com a narradora/autora que fecha o conto contém boa dose de humor negro. O conto põe a nu os imprevistos da mestra vida que, como dizia Érico Veríssimo, é capaz de gerar situações mais esdrúxulas que a mais descabelada das ficções.

Todos os demais contos são interessantes e merecem uma leitura atenta. São criativos e prendem a atenção do leitor.

Já o irrequieto Theodoro tem 21 obras publicadas em prosa e verso. Sua característica é uma linguagem desataviada e sem peias, polêmica e provocadora. Não teme cutucar a onça com vara curta. Alguns de seus livros levam títulos bem expressivos: “Não contribuirei com um só óbulo para a construção do novo mundo”, “O homem que liquidou um trovão a tiros de clavinote”, “Gargalhada na catedral”, “Funga funga no fuá” são bons exemplos. Leitor incansável e dono de excelente memória, tem uma visão panorâmica do cenário literário brasileiro e mundial. Também prefaciei um de seus livros.

Está publicando agora “O pitoresco na vida de grandes homens” (Futurama Editora – S. Paulo – 2019) reunindo vários ensaios muito curiosos e absorventes, São todos produtos de infindáveis leituras, pesquisas, anotações e reflexões. Alguns são inovadores, talvez inéditos, tanto que não me recordo de ter encontrado algo semelhante. Em “O fascínio de alguns escritores e outros artistas pelas cidades” ele mergulha no mundo literário em busca dos protestos amorosos de escritores e artistas pelas cidades e seu reflexo em suas obras. Mulheres na ótica de alguns escritores, nomes de mulheres que deram títulos a livros, homens famosos e seus apelidos, o diabo visto pelos homens, a gíria na língua portuguesa e o trabalho que deu título ao volume, o pitoresco na vida de grandes homens, além de outros são temas abordados com leveza, revelando um autor erudito e atento.

É um livro para ser lido com prazer. Com ele aprendi e recapitulei.

Minhas felicitações ao casal amigo. Faço votos de que continuem sempre afinados. 

Escrito por Enéas Athanázio, 27/01/2020 às 13h30 | e.atha@terra.com.br

LEAL E AS CIÊNCIAS CRIMINAIS

Escrever a respeito de um colega do Ministério Público a quem admiro de longa data e que, ainda por cima, é um amigo, pode se afigurar como algo suspeito. Mas, para quem tanto tem escrito sobre estranhos e nem sempre muito simpáticos, creio que não incidirei em pecado ao batucar algumas mal traçadas em homenagem a João José Leal.

Tijucano, dono de um sotaque típico daquelas paragens, Leal bacharelou-se pela Faculdade de Direito da UFSC em 1966, quando a ditadura estava em seu segundo ano. Manteve intensa atividade na política estudantil, tendo presidido o Diretório Acadêmico XI de Fevereiro. Desde cedo revelou inclinação para as Ciências Criminais e foi nesse campo que se especializou.

Ingressou no Ministério Público, andou pelo oeste do Estado e acabou por se fixar em Brusque. Foi Procurador-Geral de Justiça e se aposentou como Promotor de Justiça. Ao longo dessa caminhada cultivou com intensidade o Direito Penal, o Processo Penal e a Criminologia, além de temas correlatos, escrevendo e lecionando para inúmeras gerações de bacharéis, numerosos deles hoje profissionais na área do Direito.

Buscando constante aperfeiçoamento, fez curso de Especialista em Direito pela Universidade de Nice (França) e Mestrado em Ciências Criminológicas pela Universidade de Bruxelas (Bélgica), além de obter a livre-docência em nível de doutorado pela Universidade Gama Filho (Rio de Janeiro). Durante longos anos lecionou as disciplinas de sua especialidade na FURB, na UNIFEBE e na UNIVALI.

A par de suas atividades no Ministério Público e no magistério, nunca deixou de escrever, produzindo obras de envergadura e que foram aplaudidas pela crítica especializada. Entre seus livros, estão “Curso de Direito Penal”, “Crimes Hediondos”, “Direito Penal Geral” e “Controle Penal das Drogas.” São obras meticulosas, pensadas e fundamentadas, enfrentando inclusive temas que os juristas consideram “vexata quaestio.” Afora isso, escreveu inúmeros artigos para publicações especializadas, elaborou teses apresentadas em congressos discutindo temas complexos e palpitantes do momento vivido pelo país.

Seu pensamento se afinou sempre com as correntes mais humanitárias, assumindo posições críticas ao decrépito sistema penitenciário nacional. Advogou desde cedo pela adoção de um regime de semiliberdade para os condenados a penas curtas – a chamada prisão-albergue – no que foi apoiado pelo famoso jurista Alípio Silveira, considerado o “pai da prisão-albergue.” Nesse tópico pode ser apontado com justiça como um pioneiro. Além disso, tomou posições claras contra as absurdas absolvições dos matadores de mulheres adúlteras a pretexto de lavarem a honra com sangue, prática muito difundida, inclusive em nosso Estado, os chamados homicídios passionais. Tomou partido contra a tortura, mesmo quando inexistia lei penal tipificando o fato e batalhou pela melhoria de nosso sistema penitenciário. Seu pensamento, sempre coerente, foi na linha do humanismo e do respeito à condição humana, formando ao lado das correntes mais avançadas. É membro de importantes entidades dedicadas às Ciências Criminais.

Em Brusque, teve e ainda tem intensa participação comunitária, em especial no campo artístico e cultural.

Encerradas as atividades forenses e didáticas, Leal se tornou escritor. Já publicou dois livros de crônicas, um dos quais tive o prazer de prefaciar, e escreve todas as semanas para os jornais. Integra hoje a Academia Catarinense de Letras.

Depois de tudo que produziu, ele se define, com rara modéstia, como um cronista.

E com estas desataviadas linhas pago uma dívida afetiva ao colega e amigo. 

Escrito por Enéas Athanázio, 22/01/2020 às 18h10 | e.atha@terra.com.br

LAMPIÃO ANO A ANO

O cangaço foi um fenômeno típico do Brasil, sem similar no mundo ou na história. Forma de banditismo organizado, vicejou por um século, atingindo todos os Estados nordestinos. Teve como aliados os grandes espaços abertos, a ausência de cercas e estradas, a população rarefeita e a omissão do Estado. Donos de extraordinária coragem, astutos e cruéis, os cangaceiros formavam grupos poderosos e bem armados, invadiam vilas, pequenas cidades, fazendas e sítios isolados saqueando as propriedades e levando tudo que tivesse valor. Nessas incursões nada respeitavam e eliminavam quem se atrevesse a dificultar suas ações.

Lampião e Maria Bonita (Reprodução)

Muitos foram os bandos de cangaceiros que se tornaram famosos e entraram para a história. Nenhum, porém, alcançou a notoriedade nacional e até internacional como o grupo comandado por Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião (1897/1898-1938). As façanhas do cangaceiro nascido em Serra Talhada, Estado de Pernambuco, correram o país e ocuparam grandes espaços da imprensa, inclusive de outros países, durante os vinte anos que durou sua carreira. Sua vida e suas ações, incluindo renhidos combates com as volantes policiais, fugas espetaculares, invasões arrojadas, atos de grande generosidade e de extrema crueldade, os misteriosos esconderijos onde se refugiava sempre despertaram a curiosidade de estudiosos do cangaço e da movimentada existência do cangaceiro. Em consequência, surgiu a respeito do tema uma imensa bibliografia que não cessa de crescer. Entre os livros mais interessantes que tenho encontrado está “A Misteriosa Vida de Lampião”, de autoria de Cicinato Ferreira Neto (Premius Editora – Fortaleza – 2010) e que acabo de ler com grande interesse.

Neste livro o autor faz uma abordagem diferente. Dedica um capítulo a cada ano de atividade de Lampião, cerca de vinte, registrando mês a mês as tropelias que praticou e outros eventos acontecidos com ele e seu grupo. Para tanto consultou imensa quantidade de obras, comparando, sopesando, jornais e revistas, literatura de cordel, mensagens e relatórios oficiais, sites e depoimentos. Trabalho hercúleo e que revela um pesquisador exigente. O livro também é rico em fotografias.

A narrativa tem início com o nascimento de Virgulino, em Vila Bela, atual Serra Talhada, sua infância na companhia dos pais lavradores e, pouco depois, suas atividades como almocreve. Surgem então as primeiras desavenças da família com os vizinhos, forçando inclusive a mudança dos Ferreira. Ainda jovem, Virgulino ingressa no bando do famoso cangaceiro Sinhô Pereira. Dizia ele que assim agia para vingar a morte do pai, assassinado pela polícia, fato muito controvertido. Quando Sinhô Pereira decide abandonar o cangaço e se exilar em local desconhecido, Lampião é designado como seu sucessor e assume o comando do grupo. Desde o início se revela um chefe competente, carismático, inteligente e grande estrategista, além de dono de uma coragem fora do comum. Seu bando prospera, chegando a contar com 100 integrantes, é temido em todo o Nordeste. Enfrenta as volantes em violentos combates, desafia os governos e, segundo comentários, chegou a enviar uma carta ao governador de Pernambuco propondo a divisão do Estado, ficando ele como dono e senhor do sertão. As invasões e saques são lucrativas e o grupo enriquece. Lampião é vítima de ferimentos, o mesmo acontecendo com sua companheira Maria Bonita. A mobilidade do grupo é fantástica, confundindo as inúmeras volantes policiais que o perseguiam. Suas atividades vão do Rio Grande do Norte à Bahia.

Com o passar do tempo, gera-se um mito em torno do cangaceiro. Para uns é generoso, protetor dos pobres, justiceiro, um Robin Hood das caatingas; para outros é um assassino frio e cruel, capaz das maiores atrocidades, vingativo e ladrão. É considerado invencível e indestrutível, tendo o corpo fechado. Oito vezes sua morte foi anunciada com estardalhaço, mas logo depois ele reaparecia em local inesperado e com toda a força. Os governos estaduais se exasperavam e exigiam que suas forças policiais exterminassem o bando de uma vez por todas. Estas, por sua vez, cometiam toda sorte de arbitrariedades contra aqueles que consideravam coiteiros ou colaboradores de Lampião. O Governo Vargas, depois de 1930, pressionava os interventores estaduais, considerando o cangaço uma vergonha nacional.

Os dados a respeito de Lampião são assustadores. Segundo estimativas, ele matou mais de 1000 pessoas, incendiou mais de 500 propriedades e matou mais de 5000 reses de seus inimigos. Participou de mais de 200 combates com a polícia e violentou mais de 200 mulheres. São informações imprecisas mas devem ter fundamento, considerando-se a violência inaudita com que praticava as invasões e os saques, além do longo período de tempo que durou sua carreira. Existem inúmeros relatos de crimes bárbaros envolvendo o cangaceiro e seu grupo.

Mas tudo tem um fim. No dia 28 de julho de 1938, cercado pela tropa do tenente João Bezerra, no local denominado Grota do Angico, em Sergipe, o grupo de Lampião foi atacado de surpresa e de madrugada. Foram mortos o próprio Lampião, Maria Bonita e mais 9 cangaceiros. Os restantes conseguiram fugir, o que muito me surpreende, uma vez que visitei o lugar em uma de minhas viagens e constatei que só havia uma saída pela qual a volante se aproximou. É um lugar feio, pedregoso, acanhado e com escassa vegetação. Lampião teria sido advertido sobre o perigo que rondava aquele acampamento. A morte de Lampião é apontada como o fim do cangaço. Seu sucessor, Corisco, sobreviveu por mais dois anos e se entregou a inaudita violência para vingar a morte do chefe.

O livro de Cicinato Ferreira Neto é ilustrativo e bem fundamentado. É pena que o uso da crase seja feito de forma equivocada do começo ao fim. Quanto ao título, ele me parece impróprio porque o autor desvendou a vida do cangaceiro mês a mês, não havendo para ele e para nós leitores qualquer mistério.

Escrito por Enéas Athanázio, 13/01/2020 às 12h18 | e.atha@terra.com.br

CONVERSA COM BRENNAND

Importante revista cultural (*) publicou interessante e rara entrevista com o celebrado artista plástico Francisco Brennand, que não costuma se abrir em conversas públicas com frequência. Graças à habilidade da equipe da revista, ele acabou esclarecendo aspectos de sua obra que são sempre motivos de interrogação.


Brennand

Lembra o artista que, como todo mundo, nutria severo preconceito contra as chamadas artes menores, entre elas a cerâmica. Exercitava-e na pintura a óleo sobre tela, desenho e escultura, mas era no uso do pincel que mais se aplicava e nele projetava uma carreira. Aconteceu, então, a viagem a Paris, nos anos 1940, ocasião em que o pintor Cícero Dias, que vivia na capital francesa, o convidou para visitar uma exposição de obras de Picasso. “Para a minha grande surpresa – confessou ele – era uma exposição de cerâmicas. Essa belíssima exposição me deixou boquiaberto e, mais do que tudo, humilhado porque me demonstrou de imediato que não existia arte maior e arte menor. Esse problema de ser tela, madeira, gesso ou o que for pouco importava.” O deslumbramento aumentou ao constatar que Joan Miró também trabalhava a cerâmica e em quantidade ainda maior que Picasso. Verificou ainda que outros artistas de renome praticavam a cerâmica. E assim, o acaso de uma visita traçou o seu destino e o levou a se dedicar por inteiro à cerâmica, transformando-se num dos maiores artistas plásticos nacionais, praticando também, em menor grau, a pintura, o desenho, a arquitetura e a escultura.

Filhos de empresário que já se dedicava à cerâmica, produzindo telhas, tijolos, porcelanas e azulejos, Brennand e os irmãos herdaram uma olaria nas proximidades do Recife que se encontrava em ruínas. Como os irmãos não se interessavam, teve a ideia de restaurar a velha olaria e transformá-la num grande ateliê. Em homenagem ao pai, retirou das ruínas o que restava do prédio, pedra a pedra, tijolo a tijolo, instalando nele sua monumental oficina artística que abriga um dos patrimônios cerâmicos de importância mundial. O local é visitado todos os dias por turistas do país e do exterior e conhecê-lo é dever de todo brasileiro interessado em nossa cultura.

A cerâmica de Brennand é de formas avantajadas, grandes, exuberantes. Inspira-se, segundo diz, num universo arcaico e em figuras fantásticas. Enquanto na pintura prefere retratar a mulher, as formas femininas, a maciez e as curvas, na cerâmica a mulher pode ser lembrada de forma indireta, num vaso ou outra forma qualquer. Já na cerâmica, valoriza o mundo vegetal, motivos florais e outros aspectos que podem ser aumentados sem se tornar monstruosos. É verdade que muitas de suas obras sugerem várias formas de erotismo, mas isso é acidental. É curioso observar que o artista não gosta de vender suas obras; dizem que a venda o deprime. Ele próprio afirma que está fora do mercado.

Brennand realizou grandes obras no país e no exterior e o acervo de seu ateliê é conhecido em toda parte. Tem obras expostas no centro da cidade de Recife e nas unidades do SESC em Pinheiros, Interlagos e Sorocaba. Aos 87 anos de idade, informa que nos bons tempos chegou a morar no ateliê, mas isso se tornou impossível. Diminuiu o número de viagens e de exposições. Para geral surpresa, afirma que não pertenceu ao Movimento Armorial, fundado por Ariano Suassuna com o objetivo de criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular. Acredita, porém, que Ariano tenha se inspirado em algumas de suas próprias ideias.


(*) “Revista E”, publicação do SESC/SP,
maio de 2015, pp. 10 a 15.

(Republico este artigo em homenagem a
Francisco Brennand, falecido aos 92 anos
no Recife no dia 19 de dezembro. Sua partida
deixa uma grande lacuna no cenário artístico nacional).

 

Escrito por Enéas Athanázio, 06/01/2020 às 11h29 | e.atha@terra.com.br

O MISTÉRIO DA ILHA DO SOLDADO

Rochosa, áspera, quase inabitável, a Ilha do Soldado, na costa britânica, é um local desolado, esbatido pelos ventos marítimos e de difícil acesso. Só com tempo bom e mar calmo pode alguma barco atracar com segurança. Ali, um milionário norte-americano excêntrico construiu uma casa ampla, moderna e luxuosa, no ponto mais elevado, e que pouco se avista do continente. A propriedade, mais tarde, é vendida a um certo Mr. Owen, figura misteriosa e que ninguém encontrou, fosse na ilha ou em terra firme. É partindo desses dados que Agatha Christie (1890/1976), escritora inglesa conhecida como a rainha do crime, engendra a história de seu mais famoso livro: “E não sobrou nenhum” (Globo Livros – Rio de Janeiro – 2018). Como é sabido, ela foi a mais famosa autora de obras policiais em todo o mundo, a mais lida e vendida no gênero e traduzida para inúmeros idiomas. Publicou oitenta livros policiais, várias coletâneas de contos e doze peças teatrais.

Mr. Owen, mesmo sem se mostrar, consegue reunir através de correspondência, dez pessoas que nada têm entre si para alguns dias de descanso no casarão da Ilha do Soldado. Elas vêm de vários pontos do país e são conduzidas por um barqueiro para isso contratado. Instalam-se nos luxuosos quartos e começam a usufruir das mordomias de umas férias que tinham tudo para ser maravilhosas. Mas o inesperado acontece.

Quando todos se encontram na suntuosa sala de estar, uma voz misteriosa surge nítida e clara. Declinando o nome de cada um, vai acusando os visitantes de certos atos que, embora criminosos, escaparam da justiça a permaneceram impunes. O choque é violento porque todos julgavam que o esquecimento havia recaído sobre os fatos e ninguém mais se lembrava deles. Começam, a seguir, as mais misteriosas e inexplicáveis mortes. Varejam a casa e a ilha e constatam que além dos visitantes não havia viva alma no local. O mau tempo e o mar agitado impedem a aproximação de qualquer embarcação. Não obstante, apesar dos extremos cuidados adotados por todos, as mortes continuam. A conclusão inevitável é a de que o criminoso é um deles e todos passam a vigiar uns aos outros com total desconfiança. E o mais curioso é que a cada morte desaparece um dos soldadinhos de porcelana que jaziam sobre uma mesa. Além disso, as mortes coincidem com as palavras de um poema infantil exposto em todos os quartos: “Dez soldadinhos saem para jantar/ a fome os move/ um engasgou, e então sobraram nove...”

Num clima tenso, cria-se um ambiente lúgubre, cheio de medo e expectativa. Quem seria o próximo? As horas escorrem vagarosas, a tempestade ruge lá fora, o mar encapelado martela as rochas da ilha e novas mortes acontecem até que não sobra nenhum. Cada um deles, por sua vez, morre nas mais estranhas circunstâncias, incluindo-se dois suicídios que não me parecem muito convincentes. Mas ao longo de 400 páginas a autora mantém um suspense que quase provoca falta de ar no leitor. As investigações mais minuciosas nada conseguem esclarecer. Só uma carta subscrita pelo juiz Laurence Wargrave, um dos visitantes mortos, enviada à Scotland Yard pelo mestre da traineira Emma Jane põe fim ao mistério e explica tudo. Mas isso não posso expor porque ninguém teria interesse em ler o livro e isso seria lamentável.

Escrito por Enéas Athanázio, 02/01/2020 às 09h05 | e.atha@terra.com.br



3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Enéas Athanázio

Assina a coluna Literatura

Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 51 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.