Jornal Página 3
Coluna
América Misteriosa
Por Dalton Delfini Maziero

Mochicas - O uso sagrado de plantas alucinógenas

Durante certo tempo, pensou-se que alguns temas das crônicas espanholas sobre o Novo Mundo (América), eram apenas uma forma de difamar e justificar a conquista sobre os nativos. A questão do sacrifício humano foi um desses temas polêmicos. Na América do Sul em especial, vários autores negaram a existência de sacrifícios. Principalmente entre os Incas e outras civilizações consideradas pacíficas. Contudo, hoje sabemos que eles o realizavam, e que a prática remonta a 3.000 anos de antiguidade na região norte do Peru. A cerâmica Mochica (ou Moche) retratou esses sacrifícios elaborados, que eram até então interpretados como ações de caráter mítico.

Os Mochicas habitaram o litoral desértico do Peru, com seu auge entre 100 e 750 dC. Além de incríveis complexos piramidais - conhecidos como Huacas – eram hábeis ourives, ceramistas e guerreiros. Formaram uma sociedade complexa e estratificada, com forte poderio representado por uma classe sacerdotal, e com espaço para mulheres poderosas nos primeiros séculos de sua existência. Com o controle da água, obtiveram um excedente agrícola e, consequentemente, um aumento populacional.

Na última década, escavações realizadas em algumas Huacas (como Luna e Perro Viejo) e sepulturas como Sipán, revelaram centenas de esqueletos com incisões em seus ossos. Era a prova definitiva que os rituais de sacrifício foram reais e não mitológicos, como muitos pensavam.

Segundo a iconografia da cerâmica encontrada – e também de murais ilustrativos nas Huacas – os sacrificados eram, em geral, guerreiros cativos. Eles faziam parte de um cerimonial propiciatório de culto à divindade Aia-Paec, o Deus Decapitador. A ele, os Mochicas pediam boas colheitas, abundância de água e fertilidade humana. Dentro da complexibilidade ritual dos sacrifícios, um contexto que merece destaque é o uso de plantas e sementes alucinógenas.

Os guerreiros capturados, antes do ritual de sacrifício, passavam por uma longa preparação, que incluía o uso de sementes de Nectandra ap (hamalas)., cactos de San Pedro, e Datura Stramonium; todas plantas e sementes capazes de causar efeito analgésico, narcótico e alucinógeno. Inclusive alguma dessas sementes, como as hamalas e o ulluchu, possuíam efeito anticoagulante para o sangue.

O uso de hamalas foi detectado não apenas nas escavações Mochicas, mas também nas sepulturas de altitudes dos Incas, como na conhecida múmia “Juanita”. Além dessa, o Chamico (Erva do Diabo) foi outra planta alucinógena utilizada em profusão no mundo pré-colombiano. Evidencias de sua utilização foram encontradas nas culturas Nasca e Valdívia, sempre associadas à manipulação da consciência pelos sacerdotes locais.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 16/01/2018 às 18h11 | daltonmaziero@uol.com.br

Cacaxtla – Mágico mural Mesoamericano

Cacaxtla (México) é praticamente desconhecido do público brasileiro. Contudo, foi um dos mais espetaculares achados arqueológicos do século XX. Trata-se do maior e mais bem conservado mural pré-colombiano, pintado com tintas naturais (branco, preto, azul, amarelo, vermelho), entre 640 e 800 dC.

Inicialmente, os arqueólogos pensaram tratar-se de ruínas maias, mas as escavações mostraram que vários grupos ocuparam aquele espaço. Além dos Maias, os Mixtecas, Teotihuacanos, Zapotecas, Nahuatlacas e, o que parece ser o grupo principal, criador dessa maravilha pictorial, os Olmecas-Xicalancas descendentes de grupos paleo-olmecas! O termo “Cacaxtla” significa na língua náhuatl, “cesto utilizado para carregar mercadorias”. É uma espécie de cesto trançado, utilizado nas negociações comerciais, levado normalmente nas costas, preso por uma faixa de tecido à cabeça.

O auge de Cacaxtla, entre 650 e 900 dC veio com a decadência de dois grandes centros regionais: Teotihuacán e Cholula. A partir dai, toda a cidade foi remodelada, ganhando um fosso com muralha para sua proteção e um gigantesco palácio, com vários pisos adornados de forma magnífica, com o que seriam os murais de Cacaxtla. Por volta do ano 1000 dC a cidade foi abandonada, por motivos ainda não totalmente explicados.

Contudo, em 1975 foi redescoberta por camponeses do povoado de San Miguel del Milagro. Ao cavarem a terra para suas plantações, encontraram um pedaço de muro com o rosto colorido de um personagem, conhecido hoje como “Homem Ave”, parte de uma extraordinária criação pictórica, de grande riqueza simbólica.  O mural hoje possui 25m² de superfície, alcançando 22 metros de comprimento. Toda essa superfície pintada encontra-se unicamente no Palácio dessa urbe pré-hispânica. Mas o sítio é formado também por plataformas, templos, adoratório, pirâmides e ruas, o que pode revelar ainda novos murais no futuro.

O trecho mural mais conhecido de Cacaxtla é o grande Mural da Batalha. Nele, podemos ver cenas de batalhas, com a vitória dos antigos Cacaxtlis – Guerreiros Jaguar ricamente ornamentados com escudos e facas de obsidiana – sobre os derrotados Maias, representados como Guerreiros Aves, nus, desarmados e em posição de submissão. Em outra parte do mural, podemos observar a narração dos sacrifícios que sofreram os derrotados. Com a presença do Deus Tláloc, um Guerreiro Jaguar afunda impiedosamente, sua faca de obsidiana no peito de um Guerreiro Ave.

O ciclo de vida e morte, tão importante na vida dos mesoamericanos, alcança em Cacaxtla o status de arte, representado em ampla palheta de cores!

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 04/01/2018 às 13h09 | daltonmaziero@uol.com.br

Xibalbá – O inframundo Maia

Segundo o “Popol Vuh” - o livro sagrado dos Maias -, existia nas antigas terras de Yucatã (México), um espaço de obscuridade e mistério. Era o “Inframundo”, habitado por uma legião de seres mitológicos e comandado pelos Deuses da Morte. Esse lugar existe geograficamente, e é hoje alvo da arqueologia, que aos poucos, nos revelam descobertas estarrecedoras.

 
Existe abaixo de Yucatã, uma gigantesca rede subterrânea de tuneis esculpidos pacientemente pela natureza. Ela é formada por milhares de passagens interligados, hoje debaixo d’água. Os antigos maias, que viveram ali por centenas de anos, desenvolveram toda uma mitologia em torno desses tuneis e de suas “portas” de entrada, chamadas Cenotes. Os cenotes podem ser visitados hoje, e são incríveis poços de água cristalina – alguns imensos – que dão acesso a essa rede subterrânea. Quase toda a água doce da região provém dessas grutas e rios, que correm abaixo do solo. Não é por acaso, que algumas cidades maias – como Mayapán e Chichen Itzá – foram construídas ao lado de famosos cenotes. Além de locais mitológicos – divisores entre o terreno e o mundo das sombras – eram também provedores de água doce. 
 
Na mentalidade maia, o Inframundo era um lugar habitado por deuses malignos. Um caminho marcado pelo perigo e proibido aos estranhos que não o conheciam. Governavam essa terra de mistérios dois senhores demoníacos: Hun-Camé e Vucub-Camé. Seguiam-se a eles Xiquiripat, Ahalpuh, Chamiabac, Chuchumaquic, Ahalcaná, Quicxic, Chamiaholom, Patán, Quicré, Quicrixcac e Kinich-Ahau (personificação do medo e do sofrimento humano). A lista desses deuses é vasta e contraditória. O leitor certamente encontrará outros nomes como Sukukyum e Yum Kimil (Senhor dos Mortos). Essa legião de deuses era conhecida como Senhores de Xibalbá. A mitologia maia nos conta que ao morrer, os homens não eram julgados em Xibalbá. Ao invés disso, para chegarem lá, deveriam passar por uma série de provações, nas quais enfrentavam animais selvagens, fogo, frio, rios traiçoeiros e penhascos.  
 
A mitologia relacionada ao Inframundo era motivo de adoração e, aos seus deuses, eram feitos sacrifícios. Em 2011, no cenote de Chichen Itzá, o arqueólogo Guillermo de Anda (Universidad Autónoma de Yucatã) encontrou a cerca de 5 metros de profundidade, uma oferenda que, pelo seu simbolismo, foi dedicada ao Deus da Chuva: Tlaloc. Além de cerâmica e carvão, foram encontrados esqueletos de um cachorro e um veado (animais caminhantes do Inframundo), além de restos humanos de 6 indivíduos e uma faca de sacrifício. No mesmo local, descobriram depois esqueletos de 20 indivíduos, há cerca de 50 metros de profundidade. A cada ano que passa mais e mais oferendas são descobertas pela arqueologia subaquática nos aquíferos maias, revelando dados preciosos sobre o que eles compreendiam como o Inframundo de Xibalbá.
 
Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)
Escrito por Dalton Delfini Maziero, 18/12/2017 às 11h44 | daltonmaziero@uol.com.br

Cholula - a grande pirâmide mesoamericana

A América ainda é um continente a ser escavado!

Quando visitei o México em 2012, estive em um pequeno povoado chamado Cholula. Aquele lugar estaria fadado ao esquecimento, se não fosse por um gigantesco morro – chamado por alguns moradores de “cerrito” – bem no coração da cidade. No alto desse morro, figura a igreja de Nuestra Señora de los Remedios, que compõe uma bela paisagem com o vulcão Popocatépetl ao fundo.

Nem todos se dão conta, mas aquela montanha é, na verdade, a maior pirâmide do mundo em volume! A Grande Pirâmide de Cholula – também conhecida como Pirâmide de Tepanapa ou de Tlachihualtépetl – possui cerca de 4,45 milhões de metros cúbicos, cerca de 30% maior (em volume) do que a pirâmide de Quéops, no Egito. Ela foi dedicada a Chiconaquiahuitl (Deus das nove chuvas) e posteriormente a Quetzalcoatl, a Serpente Emplumada. Sua base mede 450 x 450 metros e alcança 66 metros de altura. Os arqueólogos descobriram que a grande pirâmide foi erguida em vários estágios – entre os séculos II aC e VIII dC – como se uma pirâmide fosse sobreposta a anterior.

O povoado de Cholula é habitado desde o século II aC. Contudo, alcançou seu auge no Período Clássico, entre 600 e 700 dC. Durante esse período, Cholula logrou grande importância dentro do mundo Mesoamericano. Vários povos ocuparam o lugar, entre eles Olmecas, Teotihuacanos, Toltecas e Mexicas. Sua importância religiosa dentro do mundo mesoamericano era tão grande, que possuiu paralelo com Teotihuacán, onde se encontra a gigantesca Pirâmide do Sol. Mesmo pouco tempo antes da invasão espanhola (1519), o mundo Mexica (asteca) solicitava para diversas cerimônias, sacerdotes oriundos do povoado de Cholula.

Os espanhóis, presenciando a importância sagrada desse local, pretenderam sacramentar a supremacia católica com a construção (1594) da Igreja de Nuestra Señora de los Remédios no topo da antiga pirâmide nativa. Mas o que se vê hoje é a igreja proveniente de sua reconstrução (1864), após um terremoto.

Para não danificarem o monumento colonial, arqueólogos decidiram perfurar a base da pirâmide com mais de 8 km de túneis. A entrada dos visitantes se faz por um desses túneis - verdadeiramente impressionante - que leva o visitante a percorrer a base das antigas pirâmides sobrepostas, observando vários detalhes de sua antiga construção. Cholula é, sem dúvida, mais um exemplo da perseverança e técnica dos antigos povos das Américas.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

 

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 04/12/2017 às 10h24 | daltonmaziero@uol.com.br

KJARISIRI – A lenda do degolador

A América Latina é repleta de lendas e mitos, por vezes, assustadores. Muitos deles são fusões entre lendas pré-colombianas e superstições europeias da época da conquista espanhola. Esta que segue, recolhi junto aos aymaras, em minhas andanças ao redor do lago Titicaca.

Nakaq, Nakajj, Nakkaq, Nacaj, entre outras variantes, vem de Nakay ou Nak'ay, que significa "aquele que degola". São conhecidos também como Kjarisiri, Llik'ichiri ou simplesmente, "Chupa Sebo". A variedade com que descrevem este lendário personagem no Peru e Bolívia é impressionante. No Peru pré-colombiano, Nacac significava "carniceiro". Não como açougueiro, mas sim na função em que uma pessoa esfolava animais para um sacrifício religioso.

No Titicaca, é muito difundida a versão do "Chupa Sebo", homem comum que vaga solitariamente pelas montanhas em busca de viajantes desavisados. Muitos acreditam nele e nas maldades que é capaz de realizar. Segundo os aymaras, o Kjarisiri atuar assim: Escolhe a vítima, aproximando-se sorridente, ganhando sua confiança. Depois oferece uma bebida que a deixa desacordada. Em seguida, opera a vítima - sem deixar cicatrizes - com o auxílio de uma faca, recolhendo sua gordura em uma vasilha. Na manhã seguinte, o viajante acorda e segue seu caminho sem lembrar do ocorrido. Logo adoece e morre, depois de dois dias. Segundo uma das versões, a gordura recolhida era vendida aos hospitais, para utilização em operações!

Entre 1570 e 1584, o padre Cristóbal de Molina anotou, enquanto trabalhava no hospital para indígenas de Cusco, uma série de lendas e tradições que seus próprios pacientes lhe transmitiam. Elas foram registradas em sua obra, "Ritos e fábulas dos incas" (1571). Nele, o autor deixa um relato que mostra serem os boatos sobre pessoas que recolhiam sebo, algo muito antigo: "No ano de 71 (1571) ...acreditavam os índios, que da Espanha haviam mandado (os espanhóis) a este reino por gordura dos índios para curar certas doenças que não se encontravam para ela medicina (cura) senão na citada gordura, (por isso) andavam os índios muito recatados e se estranhavam dos espanhóis com tanto agrado, que a lenha, ervas e outras coisas não a queriam levar a casa de espanhol, por dizer que os matassem ali dentro para retirar-lhes a gordura."

Outra versão fala do Kjarisiri como padres franciscanos, saindo em bandos de seus Conventos. Nela, seriam capazes de fazer adormecer suas vítimas com um pó mágico, soprado em seus rostos. Além de sua túnica, carregavam uma corda, faca e sinos, em sua marcha macabra. Os camponeses os descrevem como pessoas baixas, troncudas, com barba e cabelos compridos. Para muitos, é sinônimo de morte. Contudo, ele pode ser evitado através do alho, a exemplo das superstições europeias sobre vampiros. Apesar de macabras, são histórias fascinantes que enriquecem a mitologia de nosso continente.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 16/11/2017 às 15h28 | daltonmaziero@uol.com.br

San Agustín - Campo de estátuas mortuárias

Existe na Colômbia, um lugar singular! Próximo ao Rio Magdalena – entre as Cordilheiras Central e Oriental –, surge um sítio arqueológico repleto de sepulturas, demarcado por centenas de estátuas em pedra. São obras únicas, que retratam humanos animalizados, invocando antigos rituais de transformação, procriação, adoração ao mundo selvagem e à morte.

Arqueólogos descobriram evidências que o sítio onde hoje se encontram as estátuas foi ocupado já no século IV aC. Contudo, as estátuas e sepulturas que hoje podemos ver, foram construídas entre 200 aC e 800 dC. É muito provável que a necrópole de San Agustín fosse utilizada – a exemplo de Sillustani, no Peru – como um sítio onde diversos grupos enterravam e adoravam seus mortos. Ou seja, era antes de tudo, um terreno sagrado. Ao longo de vales e montanhas, arqueólogos localizaram aglomerados de estátuas isoladas, Esses conjuntos mais distantes do centro de San Agustín receberam nomes próprios como “Alto de los Idolos”, “Lavapatas”, “El Tablón”, entre outros. Neles, foram encontradas sepulturas em forma de montes artificiais – 30 metros de diâmetro por 5 metros de altura – e estátuas com mais de 4 metros de altura.

A forte mentalidade metafísica desse povo guiou suas vidas por séculos, construindo uma cosmovisão bem particular. No centro de tudo, as representações em forma de estátuas, determinando a estratificação social, os cultos e rituais, e a leitura de seu panteão religioso, povoado de seres antropomorfos e elementos celestes, como o raio, a chuva, o sol e a lua.

Entre as representações naturais de maior frequência, encontram-se os cultos ao Jaguar e a Serpente. O primeiro deles é partilhado por diversos povos da Cordilheira dos Andes, e esteve associado ao poder adquirido deste animal pelos homens. A força, a fúria, a rapidez, elementos incorporados através das estátuas, representadas com bocas felinas e dentes agudos. Já a serpente, geralmente associada às divindades da chuva, está associada aos rituais de invocação de divindades benevolentes, que tragam fertilidade às colheitas. Além desses animais, também encontramos representações de macacos, esquilos, peixes, lagartos, rãs, morcegos, entre outros.

Apesar desta sofisticada tradição mítico-religiosa, o povo que a construiu vivia em uma rotina secular ligada a agricultura (milho, amendoim, mandioca e frutos de palmeiras), caça e pesca. De suas aldeias, erguidas em material perecível, já quase não existem vestígios. San Agustín, por sua importância arqueológica, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1995.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 03/11/2017 às 10h14 | daltonmaziero@uol.com.br



1 2 3 4 5 6 7 8 9

Dalton Delfini Maziero

Assina a coluna América Misteriosa

Historiador, arqueólogo, explorador, viajante, escritor e especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
América Misteriosa
Por Dalton Delfini Maziero

Mochicas - O uso sagrado de plantas alucinógenas

Durante certo tempo, pensou-se que alguns temas das crônicas espanholas sobre o Novo Mundo (América), eram apenas uma forma de difamar e justificar a conquista sobre os nativos. A questão do sacrifício humano foi um desses temas polêmicos. Na América do Sul em especial, vários autores negaram a existência de sacrifícios. Principalmente entre os Incas e outras civilizações consideradas pacíficas. Contudo, hoje sabemos que eles o realizavam, e que a prática remonta a 3.000 anos de antiguidade na região norte do Peru. A cerâmica Mochica (ou Moche) retratou esses sacrifícios elaborados, que eram até então interpretados como ações de caráter mítico.

Os Mochicas habitaram o litoral desértico do Peru, com seu auge entre 100 e 750 dC. Além de incríveis complexos piramidais - conhecidos como Huacas – eram hábeis ourives, ceramistas e guerreiros. Formaram uma sociedade complexa e estratificada, com forte poderio representado por uma classe sacerdotal, e com espaço para mulheres poderosas nos primeiros séculos de sua existência. Com o controle da água, obtiveram um excedente agrícola e, consequentemente, um aumento populacional.

Na última década, escavações realizadas em algumas Huacas (como Luna e Perro Viejo) e sepulturas como Sipán, revelaram centenas de esqueletos com incisões em seus ossos. Era a prova definitiva que os rituais de sacrifício foram reais e não mitológicos, como muitos pensavam.

Segundo a iconografia da cerâmica encontrada – e também de murais ilustrativos nas Huacas – os sacrificados eram, em geral, guerreiros cativos. Eles faziam parte de um cerimonial propiciatório de culto à divindade Aia-Paec, o Deus Decapitador. A ele, os Mochicas pediam boas colheitas, abundância de água e fertilidade humana. Dentro da complexibilidade ritual dos sacrifícios, um contexto que merece destaque é o uso de plantas e sementes alucinógenas.

Os guerreiros capturados, antes do ritual de sacrifício, passavam por uma longa preparação, que incluía o uso de sementes de Nectandra ap (hamalas)., cactos de San Pedro, e Datura Stramonium; todas plantas e sementes capazes de causar efeito analgésico, narcótico e alucinógeno. Inclusive alguma dessas sementes, como as hamalas e o ulluchu, possuíam efeito anticoagulante para o sangue.

O uso de hamalas foi detectado não apenas nas escavações Mochicas, mas também nas sepulturas de altitudes dos Incas, como na conhecida múmia “Juanita”. Além dessa, o Chamico (Erva do Diabo) foi outra planta alucinógena utilizada em profusão no mundo pré-colombiano. Evidencias de sua utilização foram encontradas nas culturas Nasca e Valdívia, sempre associadas à manipulação da consciência pelos sacerdotes locais.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 16/01/2018 às 18h11 | daltonmaziero@uol.com.br

Cacaxtla – Mágico mural Mesoamericano

Cacaxtla (México) é praticamente desconhecido do público brasileiro. Contudo, foi um dos mais espetaculares achados arqueológicos do século XX. Trata-se do maior e mais bem conservado mural pré-colombiano, pintado com tintas naturais (branco, preto, azul, amarelo, vermelho), entre 640 e 800 dC.

Inicialmente, os arqueólogos pensaram tratar-se de ruínas maias, mas as escavações mostraram que vários grupos ocuparam aquele espaço. Além dos Maias, os Mixtecas, Teotihuacanos, Zapotecas, Nahuatlacas e, o que parece ser o grupo principal, criador dessa maravilha pictorial, os Olmecas-Xicalancas descendentes de grupos paleo-olmecas! O termo “Cacaxtla” significa na língua náhuatl, “cesto utilizado para carregar mercadorias”. É uma espécie de cesto trançado, utilizado nas negociações comerciais, levado normalmente nas costas, preso por uma faixa de tecido à cabeça.

O auge de Cacaxtla, entre 650 e 900 dC veio com a decadência de dois grandes centros regionais: Teotihuacán e Cholula. A partir dai, toda a cidade foi remodelada, ganhando um fosso com muralha para sua proteção e um gigantesco palácio, com vários pisos adornados de forma magnífica, com o que seriam os murais de Cacaxtla. Por volta do ano 1000 dC a cidade foi abandonada, por motivos ainda não totalmente explicados.

Contudo, em 1975 foi redescoberta por camponeses do povoado de San Miguel del Milagro. Ao cavarem a terra para suas plantações, encontraram um pedaço de muro com o rosto colorido de um personagem, conhecido hoje como “Homem Ave”, parte de uma extraordinária criação pictórica, de grande riqueza simbólica.  O mural hoje possui 25m² de superfície, alcançando 22 metros de comprimento. Toda essa superfície pintada encontra-se unicamente no Palácio dessa urbe pré-hispânica. Mas o sítio é formado também por plataformas, templos, adoratório, pirâmides e ruas, o que pode revelar ainda novos murais no futuro.

O trecho mural mais conhecido de Cacaxtla é o grande Mural da Batalha. Nele, podemos ver cenas de batalhas, com a vitória dos antigos Cacaxtlis – Guerreiros Jaguar ricamente ornamentados com escudos e facas de obsidiana – sobre os derrotados Maias, representados como Guerreiros Aves, nus, desarmados e em posição de submissão. Em outra parte do mural, podemos observar a narração dos sacrifícios que sofreram os derrotados. Com a presença do Deus Tláloc, um Guerreiro Jaguar afunda impiedosamente, sua faca de obsidiana no peito de um Guerreiro Ave.

O ciclo de vida e morte, tão importante na vida dos mesoamericanos, alcança em Cacaxtla o status de arte, representado em ampla palheta de cores!

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 04/01/2018 às 13h09 | daltonmaziero@uol.com.br

Xibalbá – O inframundo Maia

Segundo o “Popol Vuh” - o livro sagrado dos Maias -, existia nas antigas terras de Yucatã (México), um espaço de obscuridade e mistério. Era o “Inframundo”, habitado por uma legião de seres mitológicos e comandado pelos Deuses da Morte. Esse lugar existe geograficamente, e é hoje alvo da arqueologia, que aos poucos, nos revelam descobertas estarrecedoras.

 
Existe abaixo de Yucatã, uma gigantesca rede subterrânea de tuneis esculpidos pacientemente pela natureza. Ela é formada por milhares de passagens interligados, hoje debaixo d’água. Os antigos maias, que viveram ali por centenas de anos, desenvolveram toda uma mitologia em torno desses tuneis e de suas “portas” de entrada, chamadas Cenotes. Os cenotes podem ser visitados hoje, e são incríveis poços de água cristalina – alguns imensos – que dão acesso a essa rede subterrânea. Quase toda a água doce da região provém dessas grutas e rios, que correm abaixo do solo. Não é por acaso, que algumas cidades maias – como Mayapán e Chichen Itzá – foram construídas ao lado de famosos cenotes. Além de locais mitológicos – divisores entre o terreno e o mundo das sombras – eram também provedores de água doce. 
 
Na mentalidade maia, o Inframundo era um lugar habitado por deuses malignos. Um caminho marcado pelo perigo e proibido aos estranhos que não o conheciam. Governavam essa terra de mistérios dois senhores demoníacos: Hun-Camé e Vucub-Camé. Seguiam-se a eles Xiquiripat, Ahalpuh, Chamiabac, Chuchumaquic, Ahalcaná, Quicxic, Chamiaholom, Patán, Quicré, Quicrixcac e Kinich-Ahau (personificação do medo e do sofrimento humano). A lista desses deuses é vasta e contraditória. O leitor certamente encontrará outros nomes como Sukukyum e Yum Kimil (Senhor dos Mortos). Essa legião de deuses era conhecida como Senhores de Xibalbá. A mitologia maia nos conta que ao morrer, os homens não eram julgados em Xibalbá. Ao invés disso, para chegarem lá, deveriam passar por uma série de provações, nas quais enfrentavam animais selvagens, fogo, frio, rios traiçoeiros e penhascos.  
 
A mitologia relacionada ao Inframundo era motivo de adoração e, aos seus deuses, eram feitos sacrifícios. Em 2011, no cenote de Chichen Itzá, o arqueólogo Guillermo de Anda (Universidad Autónoma de Yucatã) encontrou a cerca de 5 metros de profundidade, uma oferenda que, pelo seu simbolismo, foi dedicada ao Deus da Chuva: Tlaloc. Além de cerâmica e carvão, foram encontrados esqueletos de um cachorro e um veado (animais caminhantes do Inframundo), além de restos humanos de 6 indivíduos e uma faca de sacrifício. No mesmo local, descobriram depois esqueletos de 20 indivíduos, há cerca de 50 metros de profundidade. A cada ano que passa mais e mais oferendas são descobertas pela arqueologia subaquática nos aquíferos maias, revelando dados preciosos sobre o que eles compreendiam como o Inframundo de Xibalbá.
 
Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)
Escrito por Dalton Delfini Maziero, 18/12/2017 às 11h44 | daltonmaziero@uol.com.br

Cholula - a grande pirâmide mesoamericana

A América ainda é um continente a ser escavado!

Quando visitei o México em 2012, estive em um pequeno povoado chamado Cholula. Aquele lugar estaria fadado ao esquecimento, se não fosse por um gigantesco morro – chamado por alguns moradores de “cerrito” – bem no coração da cidade. No alto desse morro, figura a igreja de Nuestra Señora de los Remedios, que compõe uma bela paisagem com o vulcão Popocatépetl ao fundo.

Nem todos se dão conta, mas aquela montanha é, na verdade, a maior pirâmide do mundo em volume! A Grande Pirâmide de Cholula – também conhecida como Pirâmide de Tepanapa ou de Tlachihualtépetl – possui cerca de 4,45 milhões de metros cúbicos, cerca de 30% maior (em volume) do que a pirâmide de Quéops, no Egito. Ela foi dedicada a Chiconaquiahuitl (Deus das nove chuvas) e posteriormente a Quetzalcoatl, a Serpente Emplumada. Sua base mede 450 x 450 metros e alcança 66 metros de altura. Os arqueólogos descobriram que a grande pirâmide foi erguida em vários estágios – entre os séculos II aC e VIII dC – como se uma pirâmide fosse sobreposta a anterior.

O povoado de Cholula é habitado desde o século II aC. Contudo, alcançou seu auge no Período Clássico, entre 600 e 700 dC. Durante esse período, Cholula logrou grande importância dentro do mundo Mesoamericano. Vários povos ocuparam o lugar, entre eles Olmecas, Teotihuacanos, Toltecas e Mexicas. Sua importância religiosa dentro do mundo mesoamericano era tão grande, que possuiu paralelo com Teotihuacán, onde se encontra a gigantesca Pirâmide do Sol. Mesmo pouco tempo antes da invasão espanhola (1519), o mundo Mexica (asteca) solicitava para diversas cerimônias, sacerdotes oriundos do povoado de Cholula.

Os espanhóis, presenciando a importância sagrada desse local, pretenderam sacramentar a supremacia católica com a construção (1594) da Igreja de Nuestra Señora de los Remédios no topo da antiga pirâmide nativa. Mas o que se vê hoje é a igreja proveniente de sua reconstrução (1864), após um terremoto.

Para não danificarem o monumento colonial, arqueólogos decidiram perfurar a base da pirâmide com mais de 8 km de túneis. A entrada dos visitantes se faz por um desses túneis - verdadeiramente impressionante - que leva o visitante a percorrer a base das antigas pirâmides sobrepostas, observando vários detalhes de sua antiga construção. Cholula é, sem dúvida, mais um exemplo da perseverança e técnica dos antigos povos das Américas.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

 

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 04/12/2017 às 10h24 | daltonmaziero@uol.com.br

KJARISIRI – A lenda do degolador

A América Latina é repleta de lendas e mitos, por vezes, assustadores. Muitos deles são fusões entre lendas pré-colombianas e superstições europeias da época da conquista espanhola. Esta que segue, recolhi junto aos aymaras, em minhas andanças ao redor do lago Titicaca.

Nakaq, Nakajj, Nakkaq, Nacaj, entre outras variantes, vem de Nakay ou Nak'ay, que significa "aquele que degola". São conhecidos também como Kjarisiri, Llik'ichiri ou simplesmente, "Chupa Sebo". A variedade com que descrevem este lendário personagem no Peru e Bolívia é impressionante. No Peru pré-colombiano, Nacac significava "carniceiro". Não como açougueiro, mas sim na função em que uma pessoa esfolava animais para um sacrifício religioso.

No Titicaca, é muito difundida a versão do "Chupa Sebo", homem comum que vaga solitariamente pelas montanhas em busca de viajantes desavisados. Muitos acreditam nele e nas maldades que é capaz de realizar. Segundo os aymaras, o Kjarisiri atuar assim: Escolhe a vítima, aproximando-se sorridente, ganhando sua confiança. Depois oferece uma bebida que a deixa desacordada. Em seguida, opera a vítima - sem deixar cicatrizes - com o auxílio de uma faca, recolhendo sua gordura em uma vasilha. Na manhã seguinte, o viajante acorda e segue seu caminho sem lembrar do ocorrido. Logo adoece e morre, depois de dois dias. Segundo uma das versões, a gordura recolhida era vendida aos hospitais, para utilização em operações!

Entre 1570 e 1584, o padre Cristóbal de Molina anotou, enquanto trabalhava no hospital para indígenas de Cusco, uma série de lendas e tradições que seus próprios pacientes lhe transmitiam. Elas foram registradas em sua obra, "Ritos e fábulas dos incas" (1571). Nele, o autor deixa um relato que mostra serem os boatos sobre pessoas que recolhiam sebo, algo muito antigo: "No ano de 71 (1571) ...acreditavam os índios, que da Espanha haviam mandado (os espanhóis) a este reino por gordura dos índios para curar certas doenças que não se encontravam para ela medicina (cura) senão na citada gordura, (por isso) andavam os índios muito recatados e se estranhavam dos espanhóis com tanto agrado, que a lenha, ervas e outras coisas não a queriam levar a casa de espanhol, por dizer que os matassem ali dentro para retirar-lhes a gordura."

Outra versão fala do Kjarisiri como padres franciscanos, saindo em bandos de seus Conventos. Nela, seriam capazes de fazer adormecer suas vítimas com um pó mágico, soprado em seus rostos. Além de sua túnica, carregavam uma corda, faca e sinos, em sua marcha macabra. Os camponeses os descrevem como pessoas baixas, troncudas, com barba e cabelos compridos. Para muitos, é sinônimo de morte. Contudo, ele pode ser evitado através do alho, a exemplo das superstições europeias sobre vampiros. Apesar de macabras, são histórias fascinantes que enriquecem a mitologia de nosso continente.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 16/11/2017 às 15h28 | daltonmaziero@uol.com.br

San Agustín - Campo de estátuas mortuárias

Existe na Colômbia, um lugar singular! Próximo ao Rio Magdalena – entre as Cordilheiras Central e Oriental –, surge um sítio arqueológico repleto de sepulturas, demarcado por centenas de estátuas em pedra. São obras únicas, que retratam humanos animalizados, invocando antigos rituais de transformação, procriação, adoração ao mundo selvagem e à morte.

Arqueólogos descobriram evidências que o sítio onde hoje se encontram as estátuas foi ocupado já no século IV aC. Contudo, as estátuas e sepulturas que hoje podemos ver, foram construídas entre 200 aC e 800 dC. É muito provável que a necrópole de San Agustín fosse utilizada – a exemplo de Sillustani, no Peru – como um sítio onde diversos grupos enterravam e adoravam seus mortos. Ou seja, era antes de tudo, um terreno sagrado. Ao longo de vales e montanhas, arqueólogos localizaram aglomerados de estátuas isoladas, Esses conjuntos mais distantes do centro de San Agustín receberam nomes próprios como “Alto de los Idolos”, “Lavapatas”, “El Tablón”, entre outros. Neles, foram encontradas sepulturas em forma de montes artificiais – 30 metros de diâmetro por 5 metros de altura – e estátuas com mais de 4 metros de altura.

A forte mentalidade metafísica desse povo guiou suas vidas por séculos, construindo uma cosmovisão bem particular. No centro de tudo, as representações em forma de estátuas, determinando a estratificação social, os cultos e rituais, e a leitura de seu panteão religioso, povoado de seres antropomorfos e elementos celestes, como o raio, a chuva, o sol e a lua.

Entre as representações naturais de maior frequência, encontram-se os cultos ao Jaguar e a Serpente. O primeiro deles é partilhado por diversos povos da Cordilheira dos Andes, e esteve associado ao poder adquirido deste animal pelos homens. A força, a fúria, a rapidez, elementos incorporados através das estátuas, representadas com bocas felinas e dentes agudos. Já a serpente, geralmente associada às divindades da chuva, está associada aos rituais de invocação de divindades benevolentes, que tragam fertilidade às colheitas. Além desses animais, também encontramos representações de macacos, esquilos, peixes, lagartos, rãs, morcegos, entre outros.

Apesar desta sofisticada tradição mítico-religiosa, o povo que a construiu vivia em uma rotina secular ligada a agricultura (milho, amendoim, mandioca e frutos de palmeiras), caça e pesca. De suas aldeias, erguidas em material perecível, já quase não existem vestígios. San Agustín, por sua importância arqueológica, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1995.

Dalton Delfini Maziero é historiador, arqueólogo, explorador e escritor. Especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria. Autor de “Titicaca – Em Busca dos Antigos Mistérios Pré-Colombiano” e “Sacralizando o Solo: o uso simbólico e prático dos geoglifos sul-americanos”. Visite o Blog: Arqueologia Americana (http://arqueologiamericana.blogspot.com.br/)

Escrito por Dalton Delfini Maziero, 03/11/2017 às 10h14 | daltonmaziero@uol.com.br



1 2 3 4 5 6 7 8 9

Dalton Delfini Maziero

Assina a coluna América Misteriosa

Historiador, arqueólogo, explorador, viajante, escritor e especialista em culturas pré-colombianas e história da pirataria.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade