Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Lei de Balneário Camboriú não permite os 1001 apartamentos que FG e Havan querem construir na Barra Sul

Prefeito manda reunir o Conselho que não se reunia desde fevereiro para tratar de favorecimento a uma construtora

Quinta, 26/11/2020 6:59.
Reprodução

Publicidade

O projeto da FG Havan para construir um prédio com 101 andares e 1001 apartamentos na Barra Sul, em Balneário Camboriú, apresentado como apart hotel, é uma forma de tentar burlar a legislação municipal que exige um tamanho mínimo de cada unidade para preservar a qualidade e o preço dos imóveis em Balneário Camboriú.

O projeto, com apartamentos de menos de 30m2, em lajes com menos de 700m2, foi “enfeitado” com a inclusão de um mirante e um restaurante panorâmico, para caracterizar como atração turística, mas não é segredo que há mais de um ano empresários que apóiam o prefeito Fabrício Oliveira buscam uma forma de construir quitinetes, um dos produtos mais rentáveis e danosos do mercado imobiliário.

As quitinetes foram banidas da legislação de Balneário Camboriú para evitar os "pombais", qualificar a ocupação e uso do solo, mas a FG e a Havan tentarão usar sua força política e econômica para aprovar uma exceção.

Ontem a assessoria de comunicação da FG entrou em contato com o Página 3, e disse que o material divulgado pelo jornal “não é oficial, o empreendimento será apresentado para a prefeitura em dezembro, inclusive, não será mais na versão apresentada neste documento e até a apresentação formal, não iremos nos manifestar sobre o empreendimento”.

Em verdade a FG Havan não vai apresentar o projeto à prefeitura e sim à sociedade, através do Conselho da Cidade que pode autorizar ou não que os estudos prossigam.

A reunião do Conselho da Cidade para analisar o assunto, marcada para a próxima segunda-feira, foi adiada para o dia 14 de dezembro e transformada de presencial em virtual.

O prefeito tem controle de grande parte dos conselheiros e aparentemente os interesses da FG Havan são relevantes para o governo municipal que desde 6 de fevereiro não reunia o Conselho da Cidade e resolveu fazê-lo agora quando o município registra nível gravíssimo de risco para transmissão da covid-19.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução

Lei de Balneário Camboriú não permite os 1001 apartamentos que FG e Havan querem construir na Barra Sul

Prefeito manda reunir o Conselho que não se reunia desde fevereiro para tratar de favorecimento a uma construtora

Publicidade

Quinta, 26/11/2020 6:59.

O projeto da FG Havan para construir um prédio com 101 andares e 1001 apartamentos na Barra Sul, em Balneário Camboriú, apresentado como apart hotel, é uma forma de tentar burlar a legislação municipal que exige um tamanho mínimo de cada unidade para preservar a qualidade e o preço dos imóveis em Balneário Camboriú.

O projeto, com apartamentos de menos de 30m2, em lajes com menos de 700m2, foi “enfeitado” com a inclusão de um mirante e um restaurante panorâmico, para caracterizar como atração turística, mas não é segredo que há mais de um ano empresários que apóiam o prefeito Fabrício Oliveira buscam uma forma de construir quitinetes, um dos produtos mais rentáveis e danosos do mercado imobiliário.

As quitinetes foram banidas da legislação de Balneário Camboriú para evitar os "pombais", qualificar a ocupação e uso do solo, mas a FG e a Havan tentarão usar sua força política e econômica para aprovar uma exceção.

Ontem a assessoria de comunicação da FG entrou em contato com o Página 3, e disse que o material divulgado pelo jornal “não é oficial, o empreendimento será apresentado para a prefeitura em dezembro, inclusive, não será mais na versão apresentada neste documento e até a apresentação formal, não iremos nos manifestar sobre o empreendimento”.

Em verdade a FG Havan não vai apresentar o projeto à prefeitura e sim à sociedade, através do Conselho da Cidade que pode autorizar ou não que os estudos prossigam.

A reunião do Conselho da Cidade para analisar o assunto, marcada para a próxima segunda-feira, foi adiada para o dia 14 de dezembro e transformada de presencial em virtual.

O prefeito tem controle de grande parte dos conselheiros e aparentemente os interesses da FG Havan são relevantes para o governo municipal que desde 6 de fevereiro não reunia o Conselho da Cidade e resolveu fazê-lo agora quando o município registra nível gravíssimo de risco para transmissão da covid-19.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade