Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
170 pessoas em situação de rua estão em abrigos em Balneário Camboriú

Uma das medidas de contenção ao Coronavírus em Balneário Camboriú é o acolhimento aos moradores de rua

Sexta, 27/3/2020 17:28.
Divulgação
Equipe chega a trabalhar 12h/dia

Publicidade

Hoje são 170 em quarentena, sendo 130 em dois abrigos nas proximidades da Igreja Luz da Vida e 40 na Casa da Passagem, albergue que os recebe ao longo de todo o ano. Voluntários estão auxiliando com alimentação e também cuidados de saúde, com equipes de médicos e enfermeiros.

Voluntários têm sido essenciais

Distanciamento respeitado entre colchões

A secretária de Inclusão Social, Christina Barichello, conta que estão com três abrigos ativos, sendo um na Igreja Luz da Vida, outro nas proximidades somente para mulheres e a Casa da Passagem. Nesses locais, a população vem ajudando com alimentação, além do voluntariado de médicos, enfermeiros e dentistas.

“A cada três horas estamos aferindo a pressão deles, por determinação do prefeito Fabrício Oliveira, já que há muitas pessoas reunidas. Estamos seguindo todas as normas da Organização Mundial da Saúde (OMS), como a distância de dois metros de um colchão para o outro”, diz.

Christina acrescenta que os funcionários da secretaria que não são de grupos de risco, estão trabalhando nos abrigos. “Eles têm capacitação diferenciada, muitos trabalham há anos na área. Me impressionei bastante com a unidade da equipe, há pessoas que estão trabalhando 12h, 14h por dia, e eles querem estar ali, querem ajudar”, salienta.

A comunidade também está ajudando, mas a secretária pede que os voluntários sejam das áreas da saúde ou assistência social.

“Quase não temos mais moradores de rua nas ruas, a não ser os que estão vindo de outras cidades. Por chegarem a pé eles conseguem furar as barreiras. Chegaram alguns de Criciúma, outros de São Paulo, e os isolamos por terem vindo de cidades que têm o vírus”, conta.

Cuidados médicos e futuro

Uma preocupação da prefeitura é exatamente a questão do futuro dessas pessoas, e segundo Christina há andarilhos que já aceitaram ajuda e pensam em ir para a reabilitação e querem procurar suas famílias, após a quarentena. Porém, o momento atual também é preocupante, já que muitos deles são usuários de drogas e/ou alcoólatras.

“Alguns têm crises de abstinência, e por isso estamos com o plantão médico 24h. Eles começam a suar, têm delírios, podem ficar violentos. Os medicamos e eles são assistidos por médicos, que estão sendo voluntários muito importantes nesse momento”, explica.

“Um milagre em meio ao caos”

O filho e a mãe que não se viam há cinco anos, de Porto Belo

Duas situações chamaram a atenção da secretária: dois andarilhos encontraram suas famílias, que os procuravam há anos. Christina cita uma mulher de Porto Belo, que procurava o filho de 32 anos há cinco anos.

“Eles estavam há cinco anos sem se ver. A mãe o procurava, e o encontrou no nosso abrigo. Eles são de Porto Belo. Em meio ao caos, aconteceu esse milagre. Os dois choraram bastante, foi um momento muito emocionante. Outra mãe também reencontrou o seu filho na manhã desta sexta-feira (27)”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação
Equipe chega a trabalhar 12h/dia
Equipe chega a trabalhar 12h/dia

170 pessoas em situação de rua estão em abrigos em Balneário Camboriú

Uma das medidas de contenção ao Coronavírus em Balneário Camboriú é o acolhimento aos moradores de rua

Publicidade

Sexta, 27/3/2020 17:28.

Hoje são 170 em quarentena, sendo 130 em dois abrigos nas proximidades da Igreja Luz da Vida e 40 na Casa da Passagem, albergue que os recebe ao longo de todo o ano. Voluntários estão auxiliando com alimentação e também cuidados de saúde, com equipes de médicos e enfermeiros.

Voluntários têm sido essenciais

Distanciamento respeitado entre colchões

A secretária de Inclusão Social, Christina Barichello, conta que estão com três abrigos ativos, sendo um na Igreja Luz da Vida, outro nas proximidades somente para mulheres e a Casa da Passagem. Nesses locais, a população vem ajudando com alimentação, além do voluntariado de médicos, enfermeiros e dentistas.

“A cada três horas estamos aferindo a pressão deles, por determinação do prefeito Fabrício Oliveira, já que há muitas pessoas reunidas. Estamos seguindo todas as normas da Organização Mundial da Saúde (OMS), como a distância de dois metros de um colchão para o outro”, diz.

Christina acrescenta que os funcionários da secretaria que não são de grupos de risco, estão trabalhando nos abrigos. “Eles têm capacitação diferenciada, muitos trabalham há anos na área. Me impressionei bastante com a unidade da equipe, há pessoas que estão trabalhando 12h, 14h por dia, e eles querem estar ali, querem ajudar”, salienta.

A comunidade também está ajudando, mas a secretária pede que os voluntários sejam das áreas da saúde ou assistência social.

“Quase não temos mais moradores de rua nas ruas, a não ser os que estão vindo de outras cidades. Por chegarem a pé eles conseguem furar as barreiras. Chegaram alguns de Criciúma, outros de São Paulo, e os isolamos por terem vindo de cidades que têm o vírus”, conta.

Cuidados médicos e futuro

Uma preocupação da prefeitura é exatamente a questão do futuro dessas pessoas, e segundo Christina há andarilhos que já aceitaram ajuda e pensam em ir para a reabilitação e querem procurar suas famílias, após a quarentena. Porém, o momento atual também é preocupante, já que muitos deles são usuários de drogas e/ou alcoólatras.

“Alguns têm crises de abstinência, e por isso estamos com o plantão médico 24h. Eles começam a suar, têm delírios, podem ficar violentos. Os medicamos e eles são assistidos por médicos, que estão sendo voluntários muito importantes nesse momento”, explica.

“Um milagre em meio ao caos”

O filho e a mãe que não se viam há cinco anos, de Porto Belo

Duas situações chamaram a atenção da secretária: dois andarilhos encontraram suas famílias, que os procuravam há anos. Christina cita uma mulher de Porto Belo, que procurava o filho de 32 anos há cinco anos.

“Eles estavam há cinco anos sem se ver. A mãe o procurava, e o encontrou no nosso abrigo. Eles são de Porto Belo. Em meio ao caos, aconteceu esse milagre. Os dois choraram bastante, foi um momento muito emocionante. Outra mãe também reencontrou o seu filho na manhã desta sexta-feira (27)”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade