Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Guarda Municipal de Balneário Camboriú completa nove anos: Comandante analisa trajetória

O Página 3 conversou com o Comandante da GM, Antônio Afonso Coutinho Neto, que falou sobre a data e visão de futuro para a classe

Segunda, 4/5/2020 12:08.
Divulgação/GM
Comandante Coutinho é da primeira turma de BC, formada há 9 anos

Publicidade

A Guarda Municipal de Balneário Camboriú completou nove anos nas ruas da cidade no domingo (3). Apesar dos guardas terem sido nomeados em 12 de março de 2011, o trabalho oficial iniciou somente em 3 de maio daquele ano. De lá pra cá, foram cinco turmas formadas, sendo quatro delas dentro do 12º Batalhão de Polícia Militar e a última na Academia da Polícia Civil, em Florianópolis.

Agora a expectativa é que a própria GM forme os seus futuros guardas. O Página 3 conversou com o Comandante da GM, Antônio Afonso Coutinho Neto, que falou sobre a data, visão de futuro para a classe e também sobre o momento que mudou o dia a dia dos guardas, por conta da pandemia do novo Coronavírus.

“Parece que foi ontem que começamos”

O Comandante lembra que infelizmente não puderam comemorar a data devido a pandemia, mas que mesmo assim os guardas permanecem atuando 24h todos os dias, na linha de frente junto com a Secretaria de Saúde e demais forças da segurança.

“Continuamos trabalhando para ajudar a tentar controlar a propagação do vírus. Ficamos felizes por esses nove anos, parece que foi ontem que começamos. Muitas pessoas passaram por nós, e os que ficaram merecem reconhecimento, respeito e gratidão, porque sabemos que é difícil, justamente por sermos uma instituição nova, e em outros Estados há mais reconhecimento, que em Santa Catarina ainda está se encaminhando”, opina.

Reformulação do estatuto

O objetivo principal, segundo Coutinho, é conseguir fazer com que o trabalho seja o mesmo ou sempre melhorando. Nos nove anos, a GM conseguiu reformular seu estatuto – com auxílio do prefeito Fabrício Oliveira, ‘para torná-lo mais justo, criando uma carreira ao longo dos anos’. Porém, apesar de finalizado, o projeto está parado por conta da pandemia.

“Os guardas são merecedores desse projeto, porque atualmente temos uma carreira curta”, salienta.

Compra de novo armamento

Outro objetivo dos guardas é dar andamento na compra do novo armamento – que promete ser mais adequado para a atividade. O ex-secretário da Segurança, David Queiroz citou essa licitação para o Página 3, lembrando que ela seria a primeira internacional de Balneário Camboriú, porém ainda não há novidades desde então.

“Como todos sabem as pessoas de má índole, os criminosos, estão cada vez mais armados e precisamos de um armamento que nos dê condições de enfrentar essa criminalidade ou evitar que ocorra, mostrar que temos condições de enfrentamento”, explica o Comandante.

Também devem ser adquiridos outros produtos, como granadas e gás lacrimogêneo – para serem utilizados em possíveis intervenções ou em grandes eventos, ‘como o Carnaval, Réveillon, Festa dos Amigos ou outros que possam ocorrer’. O processo licitatório está pronto, mas é necessária autorização do Exército.

Sonho mais distante

Algo bastante debatido é a nova sede da secretaria de Segurança, que hoje funciona na Rua Pardal, no Bairro Ariribá, mas segundo Coutinho esse é o ‘sonho mais distante’. Ele afirma que havia uma tratativa sobre um novo prédio (que seria locado), mas a vontade dos guardas é ter uma sede própria.

“Também queremos melhorar uniformes, viaturas e tentar reformular as nossas bases fixas, que devem servir para dar apoio ao cidadão e também trazer o momento de descanso enquanto os guardas forem utilizar o banheiro e se alimentarem”, acrescenta.

“A GM é muito mais preparada do que muitas outras instituições”

Coutinho salienta que a Guarda Municipal é a única instituição de segurança pública que é fiscalizada por outra instituição – a Polícia Federal, que exige para a manutenção do porte de arma qualificação profissional de 80h/aula anual. Todos os anos os guardas passam por instruções teóricas e práticas.

“A GM é muito mais preparada do que muitas outras instituições. Nove anos se passaram e também vários gestores, estamos desde o início da atual gestão, do prefeito Fabrício Oliveira, que vem nos dando oportunidades para fazermos um trabalho sem interferência, voltado para a questão técnica”, diz.

“Temos total capacidade de formar nossos guardas”

Nesta gestão, a Guarda Municipal, que pertence à Secretaria de Segurança, passou por dois secretários, Antônio Gabriel Castanheira e David Queiroz (no momento está interino Julimar Rogério Dagostin) que, segundo Coutinho, ‘agregaram bastante a Guarda Municipal’.

“O Castanheira deu o espaço que a Guarda merece e o secretário David conseguiu agregar outras conquistas, como o Guarda começar a fazer o trânsito, fiscalização de postura em algumas situações, criamos o Centro de Ensino através de decreto (em fase de desenvolvimento do local). Poderemos através disso formar nossas próprias turmas, não precisaremos mais contratar outras instituições (PM ou Civil, por exemplo). Temos total capacidade de formar os nossos próprios guardas”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação/GM
Comandante Coutinho é da primeira turma de BC, formada há 9 anos
Comandante Coutinho é da primeira turma de BC, formada há 9 anos

Guarda Municipal de Balneário Camboriú completa nove anos: Comandante analisa trajetória

O Página 3 conversou com o Comandante da GM, Antônio Afonso Coutinho Neto, que falou sobre a data e visão de futuro para a classe

Publicidade

Segunda, 4/5/2020 12:08.

A Guarda Municipal de Balneário Camboriú completou nove anos nas ruas da cidade no domingo (3). Apesar dos guardas terem sido nomeados em 12 de março de 2011, o trabalho oficial iniciou somente em 3 de maio daquele ano. De lá pra cá, foram cinco turmas formadas, sendo quatro delas dentro do 12º Batalhão de Polícia Militar e a última na Academia da Polícia Civil, em Florianópolis.

Agora a expectativa é que a própria GM forme os seus futuros guardas. O Página 3 conversou com o Comandante da GM, Antônio Afonso Coutinho Neto, que falou sobre a data, visão de futuro para a classe e também sobre o momento que mudou o dia a dia dos guardas, por conta da pandemia do novo Coronavírus.

“Parece que foi ontem que começamos”

O Comandante lembra que infelizmente não puderam comemorar a data devido a pandemia, mas que mesmo assim os guardas permanecem atuando 24h todos os dias, na linha de frente junto com a Secretaria de Saúde e demais forças da segurança.

“Continuamos trabalhando para ajudar a tentar controlar a propagação do vírus. Ficamos felizes por esses nove anos, parece que foi ontem que começamos. Muitas pessoas passaram por nós, e os que ficaram merecem reconhecimento, respeito e gratidão, porque sabemos que é difícil, justamente por sermos uma instituição nova, e em outros Estados há mais reconhecimento, que em Santa Catarina ainda está se encaminhando”, opina.

Reformulação do estatuto

O objetivo principal, segundo Coutinho, é conseguir fazer com que o trabalho seja o mesmo ou sempre melhorando. Nos nove anos, a GM conseguiu reformular seu estatuto – com auxílio do prefeito Fabrício Oliveira, ‘para torná-lo mais justo, criando uma carreira ao longo dos anos’. Porém, apesar de finalizado, o projeto está parado por conta da pandemia.

“Os guardas são merecedores desse projeto, porque atualmente temos uma carreira curta”, salienta.

Compra de novo armamento

Outro objetivo dos guardas é dar andamento na compra do novo armamento – que promete ser mais adequado para a atividade. O ex-secretário da Segurança, David Queiroz citou essa licitação para o Página 3, lembrando que ela seria a primeira internacional de Balneário Camboriú, porém ainda não há novidades desde então.

“Como todos sabem as pessoas de má índole, os criminosos, estão cada vez mais armados e precisamos de um armamento que nos dê condições de enfrentar essa criminalidade ou evitar que ocorra, mostrar que temos condições de enfrentamento”, explica o Comandante.

Também devem ser adquiridos outros produtos, como granadas e gás lacrimogêneo – para serem utilizados em possíveis intervenções ou em grandes eventos, ‘como o Carnaval, Réveillon, Festa dos Amigos ou outros que possam ocorrer’. O processo licitatório está pronto, mas é necessária autorização do Exército.

Sonho mais distante

Algo bastante debatido é a nova sede da secretaria de Segurança, que hoje funciona na Rua Pardal, no Bairro Ariribá, mas segundo Coutinho esse é o ‘sonho mais distante’. Ele afirma que havia uma tratativa sobre um novo prédio (que seria locado), mas a vontade dos guardas é ter uma sede própria.

“Também queremos melhorar uniformes, viaturas e tentar reformular as nossas bases fixas, que devem servir para dar apoio ao cidadão e também trazer o momento de descanso enquanto os guardas forem utilizar o banheiro e se alimentarem”, acrescenta.

“A GM é muito mais preparada do que muitas outras instituições”

Coutinho salienta que a Guarda Municipal é a única instituição de segurança pública que é fiscalizada por outra instituição – a Polícia Federal, que exige para a manutenção do porte de arma qualificação profissional de 80h/aula anual. Todos os anos os guardas passam por instruções teóricas e práticas.

“A GM é muito mais preparada do que muitas outras instituições. Nove anos se passaram e também vários gestores, estamos desde o início da atual gestão, do prefeito Fabrício Oliveira, que vem nos dando oportunidades para fazermos um trabalho sem interferência, voltado para a questão técnica”, diz.

“Temos total capacidade de formar nossos guardas”

Nesta gestão, a Guarda Municipal, que pertence à Secretaria de Segurança, passou por dois secretários, Antônio Gabriel Castanheira e David Queiroz (no momento está interino Julimar Rogério Dagostin) que, segundo Coutinho, ‘agregaram bastante a Guarda Municipal’.

“O Castanheira deu o espaço que a Guarda merece e o secretário David conseguiu agregar outras conquistas, como o Guarda começar a fazer o trânsito, fiscalização de postura em algumas situações, criamos o Centro de Ensino através de decreto (em fase de desenvolvimento do local). Poderemos através disso formar nossas próprias turmas, não precisaremos mais contratar outras instituições (PM ou Civil, por exemplo). Temos total capacidade de formar os nossos próprios guardas”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade