Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Câmara vota projeto quase inútil que afetaria a maioria dos novos imóveis na cidade

Proposta foi copiada de Curitiba onde acabou arquivada após críticas de especialistas

Terça, 26/5/2020 9:39.
NAA

Publicidade

A Câmara de Vereadores votará hoje à noite projeto que obriga todos os edifícios com mais de três pavimentos e comércios com área acima de 400 m2 a adotarem telhado verde, uma providência quase inútil numa cidade que possui cerca de 30% do seu território tomado por áreas verdes.

O projeto é cópia de proposta que tramitou na cidade de Curitiba em 2013 e foi arquivada.

A obrigação de adotar telhado verde nas casas torna impossível usar o pavimento superior para moradia e/ou lazer e nos edifícios elimina o pavimento que costuma ser o mais valorizado, a cobertura.

O projeto, do vereador Moacir Schmidt, foi redigido de maneira descuidada, cria a obrigação no artigo 1º e diz que os padrões devem ser estudados posteriormente. Essas contradições foram levantadas por especialistas quando a proposta original tramitou em Curitiba.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
NAA

Câmara vota projeto quase inútil que afetaria a maioria dos novos imóveis na cidade

Proposta foi copiada de Curitiba onde acabou arquivada após críticas de especialistas

Publicidade

Terça, 26/5/2020 9:39.

A Câmara de Vereadores votará hoje à noite projeto que obriga todos os edifícios com mais de três pavimentos e comércios com área acima de 400 m2 a adotarem telhado verde, uma providência quase inútil numa cidade que possui cerca de 30% do seu território tomado por áreas verdes.

O projeto é cópia de proposta que tramitou na cidade de Curitiba em 2013 e foi arquivada.

A obrigação de adotar telhado verde nas casas torna impossível usar o pavimento superior para moradia e/ou lazer e nos edifícios elimina o pavimento que costuma ser o mais valorizado, a cobertura.

O projeto, do vereador Moacir Schmidt, foi redigido de maneira descuidada, cria a obrigação no artigo 1º e diz que os padrões devem ser estudados posteriormente. Essas contradições foram levantadas por especialistas quando a proposta original tramitou em Curitiba.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade