Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Nos primeiros 17 dias do ano, prefeitura acolheu mais de mil moradores de rua na Casa de Passagem

Todos os anos nesta época aumenta o número de moradores nas ruas de Balneário Camboriú.

Sexta, 17/1/2020 8:01.
Divulgação
Casa da Passagem de Balneário Camboriú

Publicidade

Eles vêm de outras cidades e estados, atraídos pelo movimento de verão em cidades litorâneas.

A equipe do programa de resgate da secretaria da Inclusão Social do município não pára. Têm equipes trabalhando 24 horas e nos 17 primeiros dias deste ano, registrou 1.060 acolhimentos na Casa de Passagem do Migrante.

Uma média de 68 pessoas acolhidas por dia. Até a última sexta-feira (17), 110 novos foram abrigados na Casa (pessoas que nunca tinham passado por lá).

“Se continuar neste ritmo, vai superar os números de dezembro, quando foram acolhidas 1.771 pessoas em situação de rua. Se isso acontecer, janeiro vai tornar-se o mês com o maior número de acolhimentos na história”, disse o diretor geral do setor de resgate Roberto Pereira de Faria. Ele explicou que cada dia que um acolhido permanece na Casa de Passagem é considerado uma diária ou seja, um acolhimento.


Casa de Passagem, pessoas em situação de rua

O ano de 2019 foi considerado o ano com maior número de atendimentos, abordagens, e internações na história do departamento. Quase três mil pessoas em situação de rua passaram pela Casa de Passagem, 24% de atendimentos a mais comparado ao ano de 2018.

Ao todo foram 17.862 acolhimentos com a disponibilização de alimentação, higiene pessoal e pernoite. Por mês, em média, 107 pessoas que nunca receberam auxílio do departamento anteriormente passaram pelo abrigo temporário.

Ao longo do ano a secretaria de Desenvolvimento e Inclusão Social forneceu 824 passagens rodoviárias para aqueles que queriam retornar à cidade de origem.

Em 2019, a secretaria também superou o número de internações em Centros para Tratamento de Dependência Química. Foram 236 pessoas encaminhadas pelas Secretaria de Saúde via CAPS AD.

As abordagens são feitas através de denúncias pela central de atendimento 156, ou através de equipes de profissionais que fazem rondas pelos bairros de Balneário Camboriú durante os períodos da manhã, tarde, noite e madrugada.

Segundo Roberto de Faria muitos recusam ajuda, porque recebem esmolas, não querem ir para a Casa de Passagem, nem para centros de tratamento e nem voltar à sua cidade.

A secretária de Desenvolvimento e Inclusão Social, Christina Barichello disse que por este motivo continua nas ruas a campanha que a prefeitura lançou ano passado e que vem trazendo resultados positivos.

“A campanha alerta a população sobre a importância de dar oportunidades, e não esmolas. Temos colhido resultados positivos. Esse é um trabalho conjunto do poder público e da população para mudarmos realidades e salvarmos vidas”, disse Christina.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação
Casa da Passagem de Balneário Camboriú
Casa da Passagem de Balneário Camboriú

Nos primeiros 17 dias do ano, prefeitura acolheu mais de mil moradores de rua na Casa de Passagem

Todos os anos nesta época aumenta o número de moradores nas ruas de Balneário Camboriú.

Publicidade

Sexta, 17/1/2020 8:01.

Eles vêm de outras cidades e estados, atraídos pelo movimento de verão em cidades litorâneas.

A equipe do programa de resgate da secretaria da Inclusão Social do município não pára. Têm equipes trabalhando 24 horas e nos 17 primeiros dias deste ano, registrou 1.060 acolhimentos na Casa de Passagem do Migrante.

Uma média de 68 pessoas acolhidas por dia. Até a última sexta-feira (17), 110 novos foram abrigados na Casa (pessoas que nunca tinham passado por lá).

“Se continuar neste ritmo, vai superar os números de dezembro, quando foram acolhidas 1.771 pessoas em situação de rua. Se isso acontecer, janeiro vai tornar-se o mês com o maior número de acolhimentos na história”, disse o diretor geral do setor de resgate Roberto Pereira de Faria. Ele explicou que cada dia que um acolhido permanece na Casa de Passagem é considerado uma diária ou seja, um acolhimento.


Casa de Passagem, pessoas em situação de rua

O ano de 2019 foi considerado o ano com maior número de atendimentos, abordagens, e internações na história do departamento. Quase três mil pessoas em situação de rua passaram pela Casa de Passagem, 24% de atendimentos a mais comparado ao ano de 2018.

Ao todo foram 17.862 acolhimentos com a disponibilização de alimentação, higiene pessoal e pernoite. Por mês, em média, 107 pessoas que nunca receberam auxílio do departamento anteriormente passaram pelo abrigo temporário.

Ao longo do ano a secretaria de Desenvolvimento e Inclusão Social forneceu 824 passagens rodoviárias para aqueles que queriam retornar à cidade de origem.

Em 2019, a secretaria também superou o número de internações em Centros para Tratamento de Dependência Química. Foram 236 pessoas encaminhadas pelas Secretaria de Saúde via CAPS AD.

As abordagens são feitas através de denúncias pela central de atendimento 156, ou através de equipes de profissionais que fazem rondas pelos bairros de Balneário Camboriú durante os períodos da manhã, tarde, noite e madrugada.

Segundo Roberto de Faria muitos recusam ajuda, porque recebem esmolas, não querem ir para a Casa de Passagem, nem para centros de tratamento e nem voltar à sua cidade.

A secretária de Desenvolvimento e Inclusão Social, Christina Barichello disse que por este motivo continua nas ruas a campanha que a prefeitura lançou ano passado e que vem trazendo resultados positivos.

“A campanha alerta a população sobre a importância de dar oportunidades, e não esmolas. Temos colhido resultados positivos. Esse é um trabalho conjunto do poder público e da população para mudarmos realidades e salvarmos vidas”, disse Christina.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade