Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Maioria que se manifestou é contra reabrir o comércio em Balneário Camboriú

Setor não tem relacionamento sólido entre patrões e empregados

Sexta, 3/4/2020 8:51.

Publicidade

A maioria das manifestações foi contrária, através de comentários no Facebook, em matéria publicada nesta quinta-feira (2) pelo Página 3 sobre campanha para reabertura do comércio em Balneário Camboriú.

A ideia predominante é que se os patrões querem colocar suas vidas em jogo que o façam, mas não obriguem os empregados a correr o mesmo risco.

Comerciantes e comerciários não defendem causas comuns, a rotatividade é altíssima num setor onde praticamente inexiste plano de carreira e sequer paga auxílio refeição a seus empregados.

Entre janeiro de dezembro do ano passado houve 10.055 admissões no comércio de Balneário Camboriú e 9.620 demissões, rotatividade quase total que inviabiliza funcionários “vestirem a camisa” e aceitarem sacrifícios por seus patrões ou vice-versa.

Entre os que defenderam a volta ao trabalho há alguns que se baseiam na questão ideológica, no discurso do presidente Jair Bolsonaro contra quem defende o isolamento social.

Alguns patrões alimentam as acusações de cobiça e insensibilidade social: a pessoa que mais comentou a reportagem no Facebook do Página 3 é a herdeira de uma família multimilionária de Balneário Camboriú.

Para ver os comentários acesse aqui


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Maioria que se manifestou é contra reabrir o comércio em Balneário Camboriú

Setor não tem relacionamento sólido entre patrões e empregados

Publicidade

Sexta, 3/4/2020 8:51.

A maioria das manifestações foi contrária, através de comentários no Facebook, em matéria publicada nesta quinta-feira (2) pelo Página 3 sobre campanha para reabertura do comércio em Balneário Camboriú.

A ideia predominante é que se os patrões querem colocar suas vidas em jogo que o façam, mas não obriguem os empregados a correr o mesmo risco.

Comerciantes e comerciários não defendem causas comuns, a rotatividade é altíssima num setor onde praticamente inexiste plano de carreira e sequer paga auxílio refeição a seus empregados.

Entre janeiro de dezembro do ano passado houve 10.055 admissões no comércio de Balneário Camboriú e 9.620 demissões, rotatividade quase total que inviabiliza funcionários “vestirem a camisa” e aceitarem sacrifícios por seus patrões ou vice-versa.

Entre os que defenderam a volta ao trabalho há alguns que se baseiam na questão ideológica, no discurso do presidente Jair Bolsonaro contra quem defende o isolamento social.

Alguns patrões alimentam as acusações de cobiça e insensibilidade social: a pessoa que mais comentou a reportagem no Facebook do Página 3 é a herdeira de uma família multimilionária de Balneário Camboriú.

Para ver os comentários acesse aqui


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade