Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Central de Apoio Emocional de Balneário Camboriú já atendeu mais de 700 pessoas em isolamento social

Terça, 21/4/2020 18:27.
Divulgação/PMBC

Publicidade

A principal forma de precaução ao Coronavírus é o isolamento social. Porém, esse distanciamento pode causar solidão e até mesmo desentendimentos entre familiares.

Pensando nisso, a prefeitura de Balneário Camboriú lançou a Central de Apoio Emocional, que desde o dia 21 de março já auxiliou mais de 700 pessoas. O serviço é gratuito, conta com 26 profissionais, entre psicólogos e terapeutas, que atuam 24h todos os dias da semana.

A secretária de Inclusão Social de Balneário Camboriú, Christina Barichello, explica que o objetivo é fazer com que o afastamento social não se torne um problema emocional permanente, como uma depressão. Segundo Christina, a Central surgiu através do programa Abraço, que trata da saúde emocional e prevenção ao suicídio, tendo ainda suas ramificações focadas em públicos específicos, como a mulher e o idoso.

Mais de 700 atendimentos, principalmente mulheres

O público que mais procura o serviço, segundo a secretária, são as mulheres, jovens, adultas na faixa dos 35 anos como também o público idoso.

“A maioria de nós nunca ficou tanto tempo com seus familiares como agora. Reclamávamos da falta de tempo, da vontade de conviver mais com a família, e agora que há tempo não sabemos o que fazer. Vínhamos de uma rotina corrida e agora esse tempo ocioso está gerando abalos emocionais, como ansiedade, pânico, angústia, raiva. Muitos alegam dificuldade para dormir, irritabilidade, dor de cabeça. Até confundem com os sintomas do Coronavírus. De tanto escutarem na mídia, ‘projetam’ dentro de si”, opina.

Escuta qualificada

Christina observa que há pessoas que ficam ‘ligadas’ 24h só vendo notícias negativas, que podem ‘minar’ a mente, causando depressão e até mesmo imunidade baixa, lembrando que o emocional está bastante atrelado com a saúde física, por isso ensinam técnicas de respiração, e dão dicas do que fazer em casa, como um exercício ou ver um filme.

“Nossa Central é 24h, é uma escuta qualificada com psicólogos e terapeutas disponíveis para dar esse suporte emocional à nossa comunidade”, acrescenta.

Quando necessário, a Central encaminha psicólogos para atender de forma presencial, assim como se for preciso alguma medicação, um médico vai até o paciente.

Central continuará após o Coronavírus

Dois suicídios ocorreram nesse tempo de quarentena, mas nenhuma das vítimas era atendida pelo programa municipal. Eles não eram necessariamente ligados ao Coronavírus.

“As pessoas entram em pânico, não aguentam mais ficar em casa isolados. Há idosos sozinhos em seus apartamentos, realmente nos preocupamos que esse afastamento temporário traga problemas emocionais permanentes, por isso já planejamos que a Central continue após o Corona”, acrescenta.

Se você precisar conversar, desabafar ou ter alguma orientação, ligue para a Central de Apoio Emocional pelos telefones (47) 3267-7113 ou (47) 3267-7114 ou pelo WhatsApp (47) 9 9982-2322. Atendimento gratuito, 24h/todos os dias.

Violência contra a mulher também aumentou

A secretária aproveita para citar o Abraço à Mulher, programa criado para auxiliar mulheres vítimas da violência doméstica – seja ela física como também psicológica, e segundo ela o número de casos aumentou, não só em Balneário Camboriú como no Brasil inteiro.

“Exacerbou a violência. O convívio assegura um maior nível de conflito. Por exemplo, quando a relação já era tóxica e passando a ficar 24h juntos, qualquer motivo já gera uma briga. Ainda mais com os filhos em casa, sem emprego. É um gatilho para mais conflitos”.

Se você conhece alguma mulher que é ou foi vítima de violência, ligue para a Polícia Militar (190) ou diretamente para o 180, que é um programa nacional que recebe denúncias de assédio e violência contra a mulher e as encaminha para os órgãos competentes.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação/PMBC

Central de Apoio Emocional de Balneário Camboriú já atendeu mais de 700 pessoas em isolamento social

Publicidade

Terça, 21/4/2020 18:27.

A principal forma de precaução ao Coronavírus é o isolamento social. Porém, esse distanciamento pode causar solidão e até mesmo desentendimentos entre familiares.

Pensando nisso, a prefeitura de Balneário Camboriú lançou a Central de Apoio Emocional, que desde o dia 21 de março já auxiliou mais de 700 pessoas. O serviço é gratuito, conta com 26 profissionais, entre psicólogos e terapeutas, que atuam 24h todos os dias da semana.

A secretária de Inclusão Social de Balneário Camboriú, Christina Barichello, explica que o objetivo é fazer com que o afastamento social não se torne um problema emocional permanente, como uma depressão. Segundo Christina, a Central surgiu através do programa Abraço, que trata da saúde emocional e prevenção ao suicídio, tendo ainda suas ramificações focadas em públicos específicos, como a mulher e o idoso.

Mais de 700 atendimentos, principalmente mulheres

O público que mais procura o serviço, segundo a secretária, são as mulheres, jovens, adultas na faixa dos 35 anos como também o público idoso.

“A maioria de nós nunca ficou tanto tempo com seus familiares como agora. Reclamávamos da falta de tempo, da vontade de conviver mais com a família, e agora que há tempo não sabemos o que fazer. Vínhamos de uma rotina corrida e agora esse tempo ocioso está gerando abalos emocionais, como ansiedade, pânico, angústia, raiva. Muitos alegam dificuldade para dormir, irritabilidade, dor de cabeça. Até confundem com os sintomas do Coronavírus. De tanto escutarem na mídia, ‘projetam’ dentro de si”, opina.

Escuta qualificada

Christina observa que há pessoas que ficam ‘ligadas’ 24h só vendo notícias negativas, que podem ‘minar’ a mente, causando depressão e até mesmo imunidade baixa, lembrando que o emocional está bastante atrelado com a saúde física, por isso ensinam técnicas de respiração, e dão dicas do que fazer em casa, como um exercício ou ver um filme.

“Nossa Central é 24h, é uma escuta qualificada com psicólogos e terapeutas disponíveis para dar esse suporte emocional à nossa comunidade”, acrescenta.

Quando necessário, a Central encaminha psicólogos para atender de forma presencial, assim como se for preciso alguma medicação, um médico vai até o paciente.

Central continuará após o Coronavírus

Dois suicídios ocorreram nesse tempo de quarentena, mas nenhuma das vítimas era atendida pelo programa municipal. Eles não eram necessariamente ligados ao Coronavírus.

“As pessoas entram em pânico, não aguentam mais ficar em casa isolados. Há idosos sozinhos em seus apartamentos, realmente nos preocupamos que esse afastamento temporário traga problemas emocionais permanentes, por isso já planejamos que a Central continue após o Corona”, acrescenta.

Se você precisar conversar, desabafar ou ter alguma orientação, ligue para a Central de Apoio Emocional pelos telefones (47) 3267-7113 ou (47) 3267-7114 ou pelo WhatsApp (47) 9 9982-2322. Atendimento gratuito, 24h/todos os dias.

Violência contra a mulher também aumentou

A secretária aproveita para citar o Abraço à Mulher, programa criado para auxiliar mulheres vítimas da violência doméstica – seja ela física como também psicológica, e segundo ela o número de casos aumentou, não só em Balneário Camboriú como no Brasil inteiro.

“Exacerbou a violência. O convívio assegura um maior nível de conflito. Por exemplo, quando a relação já era tóxica e passando a ficar 24h juntos, qualquer motivo já gera uma briga. Ainda mais com os filhos em casa, sem emprego. É um gatilho para mais conflitos”.

Se você conhece alguma mulher que é ou foi vítima de violência, ligue para a Polícia Militar (190) ou diretamente para o 180, que é um programa nacional que recebe denúncias de assédio e violência contra a mulher e as encaminha para os órgãos competentes.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade