Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Novos conselheiros tutelares falam sobre seus planos para 2020

Terça, 8/10/2019 5:21.
Arquivo Pessoal
Pastor Paulo; Caroline. Camile. Mauricio. Karin

Publicidade

Esta semana a reportagem do Página 3 ouviu os cinco conselheiros tutelares eleitos no domingo (6) em Balneário Camboriú, sobre o trabalho que pretendem desenvolver a partir do próximo ano.

Os eleitos são: Pastor Paulo (membro da comunidade), Maurício Rafael (membro da comunidade), Camille Amorim (bacharel em Direito), Caroline Feix (psicóloga) e Karin Schwengber (assistente social).

Eles opinaram sobre o que ainda precisa mudar e melhorar para as crianças e adolescentes da cidade e contaram um pouco sobre suas experiências na área.

A eleição contou com a participação de 4.268 eleitores de Balneário Camboriú, apenas 4,94% do eleitorado total da cidade (86.357 eleitores), ficando abaixo da expectativa da organização, que esperava que pelo menos seis mil pessoas comparecessem aos locais de votação.

Segundo o presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), João Passos, a eleição foi ‘dentro da normalidade’, mas ele conta que houve aproximadamente cinco ocorrências que serão analisadas pelo Conselho, envolvendo possíveis situações como transporte de eleitor, além de brigas entre fiscais e pessoas.

“Isso é considerado dentro da normalidade, porque os ânimos ficam exaltados. Fora isso, tivemos um número menor do que o esperado de votação, acredito que é o grande ‘x’. Esperávamos no mínimo 6% de eleitores, com a previsão média de 8%, imaginando poder chegar a 10%. Tivemos menos de 5%, mas também o dia não ajudou, bastante chuva e tal. E também como não é uma eleição obrigatória talvez isso tenha proporcionado, mas ficamos bastante satisfeitos com o pleito, com a organização e com as pessoas que ajudaram a trabalhar no dia. Agradecemos muito quem trabalhou, foi bastante importante”, diz.

O CMDCA errou ao passar os números de votos para a planilha que foi enviada para a imprensa. O Página 3 publicou a imagem onde aparecia o candidato Professor Nademir com 224 votos, mas na verdade ele recebeu 724.

Conheça os novos conselheiros

Pastor Paulo foi eleito com 932 votos - “A vontade de me candidatar ao Conselho Tutelar surgiu da indignação que eu sentia. Há 30 anos tenho visto e ouvido situações semelhantes de descaso com nossas crianças e adolescentes, e isso me provocou a ser parte da solução. Fui comissário de menor, agente social e também atuei como diretor da Casa do Menor Trabalhador em Dourados/MS, além de fundar e presidir a Fundação Araguaia de Proteção à Criança e ao Adolescente quando fui transferido para Água Boa/MT, onde atendíamos 300 crianças num projeto de contraturno. Ou seja, são 30 anos de experiência intrinsecamente ligada a políticas públicas no que tange às crianças e adolescentes. Há 10 anos quando cheguei em Balneário Camboriú fui professor de princípios na Escola Conhecer, depois atuei como professor de ensino religioso na rede pública e atualmente sou coordenador do projeto social da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra. Conquistar uma destas vagas me remete a muita responsabilidade, mas também uma grande oportunidade de contribuir firmemente trabalhando nas políticas públicas referente às Crianças e Adolescentes. Creio que, como Colegiado, poderemos fazer um estudo dos casos que estão em curso e trabalharmos na elaboração de um projeto para ser executado nos próximos quatro anos. O Conselho Tutelar é um órgão autônomo, porém não trabalha sozinho, tem que estar em sintonia com o Conselho de Direito e com toda a rede de assistência, só assim poderemos ver as possibilidades de atuação na nossa gestão. Eu creio na continuidade do trabalho valoroso realizado pelo Conselho Tutelar em conjunto com os outros órgãos públicos. Sabemos que existe um processo em andamento, então vamos aprender com o que foi feito e, juntamente com os outros conselheiros, buscaremos aprimorar o que pode ser melhorado e solucionar o que precisar ser resolvido.”

Maurício Rafael foi eleito com 1.212 votos - “Um amigo me ligou no último dia das inscrições me dizendo para eu me inscrever. Mas de verdade isso nunca passou pela minha cabeça, mas como ele sabia do meu trabalho e luta, cuidando dos adolescentes de minha igreja por sete anos, sendo capelão de clínica de recuperação de menores dependentes, e palestrando em escola sobre prevenção ao suicídio, me convenceu dizendo que: eu já lutava há tanto tempo pelos adolescentes e que a melhor maneira de lutar é tendo poder nas mãos. Entendi o que ele me disse e comecei a jornada. Ser eleito significa que agora tenho a oportunidade de lutar pela garantia dos direitos das crianças e adolescentes. Não só atendendo ocorrências, mas auxiliando o poder público na prevenção dos problemas. Minha expectativa para 2020 inicialmente é a de aproximar o Conselho Tutelar das escolas, instituições que já cuidam de crianças e adolescentes e da comunidade como um todo. Precisamos mudar a visão que todos têm desse órgão tão importante para as famílias. Conselho tutelar não é apenas a "polícia da criança" ou o "bicho papão moderno". A sociedade precisa ver um amigo no Conselho Tutelar! Acredito que o Conselho Tutelar pode sim ajudar, junto com a rede de atendimento e poder público, a mudar a realidade das crianças e adolescentes de nossa cidade! Inclusão, prevenção e conscientização são as palavras de ordem para que isso possa acontecer!”

Camille Amorim foi eleita com 1.453 votos - “Acredito que a vontade de ser Conselheira Tutelar surge quando acreditamos que podemos fazer mais para ajudar as crianças e adolescentes. Atuo na área da infância e da juventude e via que muitas demandas levadas ao judiciário poderiam ter sido resolvidas no Conselho Tutelar, diminuindo traumas, desgastes, tempo. Enfim, existia possibilidade de mudar, e para fazer a diferença precisamos estar à frente dos projetos, me candidatei ao Conselho para que pudesse ajudar ainda mais as crianças e adolescentes. Ter conquistado uma das vagas de Conselheira é extremamente gratificante, é ter a certeza que muitas pessoas acreditaram no meu potencial e na minha vontade de fazer diferente, acreditaram que eu era a melhor pessoa para estar à frente do cargo de Bacharel em Direito, e isto é indescritível. Vou fazer valer cada voto de confiança depositado em mim. Espero colocar em prática os projetos em prol das crianças e adolescentes no que tange a prevenção buscando aproximar o Conselho Tutelar da sociedade, para que se tenha uma relação mais próxima com a comunidade, intuito este que não seja considerado um órgão amedrontador, mas sim que se faça entender que estamos ali para zelar incansavelmente pelos direitos das crianças e adolescentes! O Conselho Tutelar é um dos órgãos mais importantes para a comunidade, ele lida diretamente com as crianças e adolescentes, está em contato direto com as famílias e é o responsável por garantir os direitos dos mesmos, sendo órgão fiscalizador, preventivo e executório, ou seja, indispensável na seara da infância e da juventude. Acredito que temos muito o que conquistar, os direitos das crianças e adolescentes é uma constante luta, cada dia conquistamos algo novo, e acredito que para isso que fui eleita, para lutar constantemente pelas melhorias em prol desta causa.”

Caroline Feix foi eleita com 1.997 votos - “Minha vontade de trabalhar com crianças e adolescentes começou com algumas matérias que fiz na faculdade de Psicologia. Fui eleita para o Conselho Tutelar na eleição de 2005, na minha primeira eleição. Fui presidente do Conselho Tutelar de Balneário Camboriú, fui Presidente do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente também aqui em Balneário, e fui Coordenadora do Serviço de Acolhimento Institucional lar do Adolescente e da Casa de Passagem do Adolescente. Além disso, ainda falando de minha experiência com crianças e adolescentes, fui a psicóloga responsável pelo projeto “Criança Feliz no Tênis, Feliz na escola”, projeto realizado pelo Instituto Larri Passos de Tênis. Fiquei um pouco afastada para clinicar e me dedicar ao meu aperfeiçoamento acadêmico, mas gosto demais da área... e, durante um período de retiro religioso/espiritual, percebi que minha missão e meu trabalho teriam muito mais valor se eu voltasse a levar meus conhecimentos e minhas experiências também para a área social e aí decidi novamente me candidatar ao Conselho Tutelar. Ter sido eleita significa muito! É uma confirmação de que estou no caminho certo e de que o que faço tem um valor imenso para a comunidade, além de ser pessoalmente muito gratificante. Como comentei anteriormente, já tinha tido uma experiência muito gratificante no meu primeiro mandato no Conselho Tutelar. E, durante essa campanha, ao visitarmos a cidade inteira, consegui rever pessoas e reviver belíssimas experiências que tive nesse meu primeiro mandato. Ao reviver essas experiências, vi o quanto isso é importante para as pessoas, e o quanto isso é importante para mim. Além disso, algumas meninas que acolhi no Abrigo, durante meu período como Coordenadora, resolveram fazer um vídeo agradecendo o impacto e a importância que tive na vida delas, e isso me tocou profundamente. No domingo, uma delas foi candidata a uma vaga do Conselho Tutelar de Camboriú. Essas coisas realmente não tem preço e significam muito para mim... é muito gratificante. Ter conquistado essa vaga com essa votação que tive, me posicionando como a candidata mais votado entre todos os candidatos dessa eleição, me deixa ainda mais emocionada e comprometida com meu trabalho. Os conselheiros eleitos me parecem ter ótima formação e todos já possuem experiência na área. A receptividade dos resultados da eleição foi ótima, e a energia positiva me parece que será altíssima. Será necessária uma gestão fluida, com o apoio de toda a rede de atendimento, e será necessário também encontrarmos sempre as portas abertas na prefeitura. Sem nunca perder o foco de que nosso objetivo precisa sempre ser o de garantir a primazia na garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes. Não vejo mais uma cidade sem a existência e sem uma atuação constante e sólida de um Conselho Tutelar. Ele é o principal órgão de defesa para a efetividade da garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes e é, sem dúvida, um dos principais pilares para uma sociedade com melhor orientação e melhores cuidados para as crianças e adolescentes que necessitem de qualquer tipo de apoio. Com relação a minha opinião relacionada a uma possível necessidade de mudanças, acredito que sempre se pode melhorar. Sempre é necessária uma postura sólida e firme com relação a uma evolução e uma atualização, que precisam ser constantes. As crianças e os adolescentes precisam da segurança de um futuro melhor.”

Karin Schwengber foi eleita com 1.885 votos – ela já era conselheira tutelar - “Senti vontade de me candidatar ao Conselho Tutelar durante o estágio que fiz no fórum. Enquanto estagiária, vendo tanto problema com nossas crianças e adolescentes, resolvi me dedicar no assunto, aí veio o concurso para o Conselho, participei das provas e banco todas. Agora me sentindo muito mais preparada, fui novamente para as provas e novamente eleita. Foi uma vitória pelo meu trabalho realizado e minha preocupação social. Espero em 2020 dar continuidade ao meu trabalho e ajudar com a experiência de hoje nos trabalhos dos novos conselheiros tutelares eleitos. Vejo que temos que ampliar nosso poder de ação e tentar melhorar nosso trabalho com ações, com prioridades na primeira infância: 0 a 6 anos; fortalecer a comunicação com a rede de apoio; fortalecer a transdisciplinaridade com a interlocução entre saúde, educação, fórum, sistema de justiça como um todo, CRAS e CREAS; aprimorar o apoio às famílias nos primeiros mil dias da criança; agilizar as adoções quando as crianças não tiverem família que as acolham; aprimorar práticas já consagradas e buscar aperfeiçoamento pessoal em cursos e palestras, principalmente na primeira infância e continuar desenvolvendo o trabalho com as famílias com respeito, cuidado e prioridade”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Arquivo Pessoal
Pastor Paulo; Caroline. Camile. Mauricio. Karin
Pastor Paulo; Caroline. Camile. Mauricio. Karin

Novos conselheiros tutelares falam sobre seus planos para 2020

Publicidade

Terça, 8/10/2019 5:21.

Esta semana a reportagem do Página 3 ouviu os cinco conselheiros tutelares eleitos no domingo (6) em Balneário Camboriú, sobre o trabalho que pretendem desenvolver a partir do próximo ano.

Os eleitos são: Pastor Paulo (membro da comunidade), Maurício Rafael (membro da comunidade), Camille Amorim (bacharel em Direito), Caroline Feix (psicóloga) e Karin Schwengber (assistente social).

Eles opinaram sobre o que ainda precisa mudar e melhorar para as crianças e adolescentes da cidade e contaram um pouco sobre suas experiências na área.

A eleição contou com a participação de 4.268 eleitores de Balneário Camboriú, apenas 4,94% do eleitorado total da cidade (86.357 eleitores), ficando abaixo da expectativa da organização, que esperava que pelo menos seis mil pessoas comparecessem aos locais de votação.

Segundo o presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), João Passos, a eleição foi ‘dentro da normalidade’, mas ele conta que houve aproximadamente cinco ocorrências que serão analisadas pelo Conselho, envolvendo possíveis situações como transporte de eleitor, além de brigas entre fiscais e pessoas.

“Isso é considerado dentro da normalidade, porque os ânimos ficam exaltados. Fora isso, tivemos um número menor do que o esperado de votação, acredito que é o grande ‘x’. Esperávamos no mínimo 6% de eleitores, com a previsão média de 8%, imaginando poder chegar a 10%. Tivemos menos de 5%, mas também o dia não ajudou, bastante chuva e tal. E também como não é uma eleição obrigatória talvez isso tenha proporcionado, mas ficamos bastante satisfeitos com o pleito, com a organização e com as pessoas que ajudaram a trabalhar no dia. Agradecemos muito quem trabalhou, foi bastante importante”, diz.

O CMDCA errou ao passar os números de votos para a planilha que foi enviada para a imprensa. O Página 3 publicou a imagem onde aparecia o candidato Professor Nademir com 224 votos, mas na verdade ele recebeu 724.

Conheça os novos conselheiros

Pastor Paulo foi eleito com 932 votos - “A vontade de me candidatar ao Conselho Tutelar surgiu da indignação que eu sentia. Há 30 anos tenho visto e ouvido situações semelhantes de descaso com nossas crianças e adolescentes, e isso me provocou a ser parte da solução. Fui comissário de menor, agente social e também atuei como diretor da Casa do Menor Trabalhador em Dourados/MS, além de fundar e presidir a Fundação Araguaia de Proteção à Criança e ao Adolescente quando fui transferido para Água Boa/MT, onde atendíamos 300 crianças num projeto de contraturno. Ou seja, são 30 anos de experiência intrinsecamente ligada a políticas públicas no que tange às crianças e adolescentes. Há 10 anos quando cheguei em Balneário Camboriú fui professor de princípios na Escola Conhecer, depois atuei como professor de ensino religioso na rede pública e atualmente sou coordenador do projeto social da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra. Conquistar uma destas vagas me remete a muita responsabilidade, mas também uma grande oportunidade de contribuir firmemente trabalhando nas políticas públicas referente às Crianças e Adolescentes. Creio que, como Colegiado, poderemos fazer um estudo dos casos que estão em curso e trabalharmos na elaboração de um projeto para ser executado nos próximos quatro anos. O Conselho Tutelar é um órgão autônomo, porém não trabalha sozinho, tem que estar em sintonia com o Conselho de Direito e com toda a rede de assistência, só assim poderemos ver as possibilidades de atuação na nossa gestão. Eu creio na continuidade do trabalho valoroso realizado pelo Conselho Tutelar em conjunto com os outros órgãos públicos. Sabemos que existe um processo em andamento, então vamos aprender com o que foi feito e, juntamente com os outros conselheiros, buscaremos aprimorar o que pode ser melhorado e solucionar o que precisar ser resolvido.”

Maurício Rafael foi eleito com 1.212 votos - “Um amigo me ligou no último dia das inscrições me dizendo para eu me inscrever. Mas de verdade isso nunca passou pela minha cabeça, mas como ele sabia do meu trabalho e luta, cuidando dos adolescentes de minha igreja por sete anos, sendo capelão de clínica de recuperação de menores dependentes, e palestrando em escola sobre prevenção ao suicídio, me convenceu dizendo que: eu já lutava há tanto tempo pelos adolescentes e que a melhor maneira de lutar é tendo poder nas mãos. Entendi o que ele me disse e comecei a jornada. Ser eleito significa que agora tenho a oportunidade de lutar pela garantia dos direitos das crianças e adolescentes. Não só atendendo ocorrências, mas auxiliando o poder público na prevenção dos problemas. Minha expectativa para 2020 inicialmente é a de aproximar o Conselho Tutelar das escolas, instituições que já cuidam de crianças e adolescentes e da comunidade como um todo. Precisamos mudar a visão que todos têm desse órgão tão importante para as famílias. Conselho tutelar não é apenas a "polícia da criança" ou o "bicho papão moderno". A sociedade precisa ver um amigo no Conselho Tutelar! Acredito que o Conselho Tutelar pode sim ajudar, junto com a rede de atendimento e poder público, a mudar a realidade das crianças e adolescentes de nossa cidade! Inclusão, prevenção e conscientização são as palavras de ordem para que isso possa acontecer!”

Camille Amorim foi eleita com 1.453 votos - “Acredito que a vontade de ser Conselheira Tutelar surge quando acreditamos que podemos fazer mais para ajudar as crianças e adolescentes. Atuo na área da infância e da juventude e via que muitas demandas levadas ao judiciário poderiam ter sido resolvidas no Conselho Tutelar, diminuindo traumas, desgastes, tempo. Enfim, existia possibilidade de mudar, e para fazer a diferença precisamos estar à frente dos projetos, me candidatei ao Conselho para que pudesse ajudar ainda mais as crianças e adolescentes. Ter conquistado uma das vagas de Conselheira é extremamente gratificante, é ter a certeza que muitas pessoas acreditaram no meu potencial e na minha vontade de fazer diferente, acreditaram que eu era a melhor pessoa para estar à frente do cargo de Bacharel em Direito, e isto é indescritível. Vou fazer valer cada voto de confiança depositado em mim. Espero colocar em prática os projetos em prol das crianças e adolescentes no que tange a prevenção buscando aproximar o Conselho Tutelar da sociedade, para que se tenha uma relação mais próxima com a comunidade, intuito este que não seja considerado um órgão amedrontador, mas sim que se faça entender que estamos ali para zelar incansavelmente pelos direitos das crianças e adolescentes! O Conselho Tutelar é um dos órgãos mais importantes para a comunidade, ele lida diretamente com as crianças e adolescentes, está em contato direto com as famílias e é o responsável por garantir os direitos dos mesmos, sendo órgão fiscalizador, preventivo e executório, ou seja, indispensável na seara da infância e da juventude. Acredito que temos muito o que conquistar, os direitos das crianças e adolescentes é uma constante luta, cada dia conquistamos algo novo, e acredito que para isso que fui eleita, para lutar constantemente pelas melhorias em prol desta causa.”

Caroline Feix foi eleita com 1.997 votos - “Minha vontade de trabalhar com crianças e adolescentes começou com algumas matérias que fiz na faculdade de Psicologia. Fui eleita para o Conselho Tutelar na eleição de 2005, na minha primeira eleição. Fui presidente do Conselho Tutelar de Balneário Camboriú, fui Presidente do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente também aqui em Balneário, e fui Coordenadora do Serviço de Acolhimento Institucional lar do Adolescente e da Casa de Passagem do Adolescente. Além disso, ainda falando de minha experiência com crianças e adolescentes, fui a psicóloga responsável pelo projeto “Criança Feliz no Tênis, Feliz na escola”, projeto realizado pelo Instituto Larri Passos de Tênis. Fiquei um pouco afastada para clinicar e me dedicar ao meu aperfeiçoamento acadêmico, mas gosto demais da área... e, durante um período de retiro religioso/espiritual, percebi que minha missão e meu trabalho teriam muito mais valor se eu voltasse a levar meus conhecimentos e minhas experiências também para a área social e aí decidi novamente me candidatar ao Conselho Tutelar. Ter sido eleita significa muito! É uma confirmação de que estou no caminho certo e de que o que faço tem um valor imenso para a comunidade, além de ser pessoalmente muito gratificante. Como comentei anteriormente, já tinha tido uma experiência muito gratificante no meu primeiro mandato no Conselho Tutelar. E, durante essa campanha, ao visitarmos a cidade inteira, consegui rever pessoas e reviver belíssimas experiências que tive nesse meu primeiro mandato. Ao reviver essas experiências, vi o quanto isso é importante para as pessoas, e o quanto isso é importante para mim. Além disso, algumas meninas que acolhi no Abrigo, durante meu período como Coordenadora, resolveram fazer um vídeo agradecendo o impacto e a importância que tive na vida delas, e isso me tocou profundamente. No domingo, uma delas foi candidata a uma vaga do Conselho Tutelar de Camboriú. Essas coisas realmente não tem preço e significam muito para mim... é muito gratificante. Ter conquistado essa vaga com essa votação que tive, me posicionando como a candidata mais votado entre todos os candidatos dessa eleição, me deixa ainda mais emocionada e comprometida com meu trabalho. Os conselheiros eleitos me parecem ter ótima formação e todos já possuem experiência na área. A receptividade dos resultados da eleição foi ótima, e a energia positiva me parece que será altíssima. Será necessária uma gestão fluida, com o apoio de toda a rede de atendimento, e será necessário também encontrarmos sempre as portas abertas na prefeitura. Sem nunca perder o foco de que nosso objetivo precisa sempre ser o de garantir a primazia na garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes. Não vejo mais uma cidade sem a existência e sem uma atuação constante e sólida de um Conselho Tutelar. Ele é o principal órgão de defesa para a efetividade da garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes e é, sem dúvida, um dos principais pilares para uma sociedade com melhor orientação e melhores cuidados para as crianças e adolescentes que necessitem de qualquer tipo de apoio. Com relação a minha opinião relacionada a uma possível necessidade de mudanças, acredito que sempre se pode melhorar. Sempre é necessária uma postura sólida e firme com relação a uma evolução e uma atualização, que precisam ser constantes. As crianças e os adolescentes precisam da segurança de um futuro melhor.”

Karin Schwengber foi eleita com 1.885 votos – ela já era conselheira tutelar - “Senti vontade de me candidatar ao Conselho Tutelar durante o estágio que fiz no fórum. Enquanto estagiária, vendo tanto problema com nossas crianças e adolescentes, resolvi me dedicar no assunto, aí veio o concurso para o Conselho, participei das provas e banco todas. Agora me sentindo muito mais preparada, fui novamente para as provas e novamente eleita. Foi uma vitória pelo meu trabalho realizado e minha preocupação social. Espero em 2020 dar continuidade ao meu trabalho e ajudar com a experiência de hoje nos trabalhos dos novos conselheiros tutelares eleitos. Vejo que temos que ampliar nosso poder de ação e tentar melhorar nosso trabalho com ações, com prioridades na primeira infância: 0 a 6 anos; fortalecer a comunicação com a rede de apoio; fortalecer a transdisciplinaridade com a interlocução entre saúde, educação, fórum, sistema de justiça como um todo, CRAS e CREAS; aprimorar o apoio às famílias nos primeiros mil dias da criança; agilizar as adoções quando as crianças não tiverem família que as acolham; aprimorar práticas já consagradas e buscar aperfeiçoamento pessoal em cursos e palestras, principalmente na primeira infância e continuar desenvolvendo o trabalho com as famílias com respeito, cuidado e prioridade”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade