Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Empresários aguardam parecer da Justiça após eleição do Sindisol

Quinta, 14/11/2019 7:45.
Divulgação
A eleição no corredor da sede

Publicidade

O Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Balneário Camboriú (Sindisol) já foi considerado um dos mais importantes do segmento em Santa Catarina. Porém, com o passar do tempo, perdeu força. Desde 2017 os associados pedem por uma nova eleição, mas a atual gestão – que comanda o sindicato há anos, não aceitou bem. A Justiça interviu e um novo pleito aconteceu neste ano, mas com muita confusão.

O vereador David La Barrica, que possui um restaurante, é bastante engajado na causa, apesar de não ser de nenhuma das chapas concorrentes. Ele relembra que quando conquistou a sua vaga no Legislativo, ainda em 2017, já havia um grupo que era contrário à atual gestão do Sindisol. Esses empresários do segmento viam que não havia representatividade, e decidiram montar a Associação de Bares e Restaurantes de Balneário Camboriú (ABRES). Que hoje, segundo David, possui mais força do que o próprio Sindisol.

“Mesmo com a criação da ABRES, surgiu nos empresários a vontade de formar uma chapa para disputar a eleição no Sindisol. Foi feita uma eleição, mas a diretoria não divulgou. Conseguimos derrubar ela judicialmente, e agora em 2019 a Justiça chamou uma nova eleição, mas houve confusão novamente”, explica.

Eleição no corredor

Em outubro o atual comando do sindicato tentou registrar a chapa após às 18h do prazo final para cadastramento – e ainda faltavam documentos. A Polícia Militar chegou a ser chamada. Já no dia da eleição, que deveria ocorrer no último dia 6, o sindicato não abriu as portas e a votação precisou acontecer no corredor do Edifício Concorde, onde fica a sede do Sindisol. Mesmo assim, a eleição aconteceu e a urna foi lacrada às 17h. Agora as chapas esperam para saber qual será a determinação judicial e se a votação valeu.

“A intenção não é ganhar a todo custo e nem dividir hoteleiros e donos de bares e restaurantes. Queríamos a união da classe, e conseguimos de certa forma. O presidente da chapa concorrente é Isaque Pires, do Hotel Pires, e o Max Fabian Mota, do Bar da Brahma. Agora estamos na expectativa, acreditamos que por voto nós vencemos. O desejo não é simplesmente entrar dentro do sindicato e sim reconquistar a representatividade e sócios, reestruturando o Sindisol, que hoje não tem força nenhuma em Balneário Camboriú”, completa David.

O empresário Max Fabian Mota, candidato à vice-presidente da chapa concorrente, confirma a versão de David, contando que estão na expectativa da resposta do Judiciário.

“Nós temos uma chapa formada unindo bares, restaurantes e hotéis, o que nunca havia acontecido em Balneário Camboriú. Estamos na expectativa, porque hoje a atual gestão se mantém através de liminar, não por vontade do setor econômico. Eu diria que 90% do setor está descontente com a atual gestão e deseja uma nova. Queremos trabalhar pelo município, porque se o turismo fica forte, a sociedade também sentirá todos os reflexos positivos”, diz.

A assembleia ocorrida na Câmara antes da eleição, no dia 04


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
A eleição no corredor da sede
A eleição no corredor da sede

Empresários aguardam parecer da Justiça após eleição do Sindisol

Publicidade

Quinta, 14/11/2019 7:45.

O Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Balneário Camboriú (Sindisol) já foi considerado um dos mais importantes do segmento em Santa Catarina. Porém, com o passar do tempo, perdeu força. Desde 2017 os associados pedem por uma nova eleição, mas a atual gestão – que comanda o sindicato há anos, não aceitou bem. A Justiça interviu e um novo pleito aconteceu neste ano, mas com muita confusão.

O vereador David La Barrica, que possui um restaurante, é bastante engajado na causa, apesar de não ser de nenhuma das chapas concorrentes. Ele relembra que quando conquistou a sua vaga no Legislativo, ainda em 2017, já havia um grupo que era contrário à atual gestão do Sindisol. Esses empresários do segmento viam que não havia representatividade, e decidiram montar a Associação de Bares e Restaurantes de Balneário Camboriú (ABRES). Que hoje, segundo David, possui mais força do que o próprio Sindisol.

“Mesmo com a criação da ABRES, surgiu nos empresários a vontade de formar uma chapa para disputar a eleição no Sindisol. Foi feita uma eleição, mas a diretoria não divulgou. Conseguimos derrubar ela judicialmente, e agora em 2019 a Justiça chamou uma nova eleição, mas houve confusão novamente”, explica.

Eleição no corredor

Em outubro o atual comando do sindicato tentou registrar a chapa após às 18h do prazo final para cadastramento – e ainda faltavam documentos. A Polícia Militar chegou a ser chamada. Já no dia da eleição, que deveria ocorrer no último dia 6, o sindicato não abriu as portas e a votação precisou acontecer no corredor do Edifício Concorde, onde fica a sede do Sindisol. Mesmo assim, a eleição aconteceu e a urna foi lacrada às 17h. Agora as chapas esperam para saber qual será a determinação judicial e se a votação valeu.

“A intenção não é ganhar a todo custo e nem dividir hoteleiros e donos de bares e restaurantes. Queríamos a união da classe, e conseguimos de certa forma. O presidente da chapa concorrente é Isaque Pires, do Hotel Pires, e o Max Fabian Mota, do Bar da Brahma. Agora estamos na expectativa, acreditamos que por voto nós vencemos. O desejo não é simplesmente entrar dentro do sindicato e sim reconquistar a representatividade e sócios, reestruturando o Sindisol, que hoje não tem força nenhuma em Balneário Camboriú”, completa David.

O empresário Max Fabian Mota, candidato à vice-presidente da chapa concorrente, confirma a versão de David, contando que estão na expectativa da resposta do Judiciário.

“Nós temos uma chapa formada unindo bares, restaurantes e hotéis, o que nunca havia acontecido em Balneário Camboriú. Estamos na expectativa, porque hoje a atual gestão se mantém através de liminar, não por vontade do setor econômico. Eu diria que 90% do setor está descontente com a atual gestão e deseja uma nova. Queremos trabalhar pelo município, porque se o turismo fica forte, a sociedade também sentirá todos os reflexos positivos”, diz.

A assembleia ocorrida na Câmara antes da eleição, no dia 04


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade