Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Aos 99 anos faleceu dona Silvia, a moradora mais idosa de Balneário Camboriú

Ela pediu que no velório não levem flores e sim cestas básicas para doação.

Quarta, 6/3/2019 11:58.
Dani Sisnandes/Página 3.

Publicidade

Faleceu na manhã desta quarta-feira (6) Sílvia da Silva Moura, que tinha 99 anos. Ela morou na Rua Uruguai, no Bairro das Nações, por mais de três décadas. Frequentava os grupos de ginástica e tricô do bairro e teve duas filhas, sendo que criou mais dois filhos do marido, já falecido.

Em junho do ano passado, quando fez o centésimo aniversário, Dona Sílvia conversou com o Página 3, ocasião em que deu detalhes de sua vida. Ela era paranaense, da cidade de Rio Branco do Sul, mas residia em Balneário desde 1984.

Na época, ela comemorou que até então não havia tido nenhuma doença grave e que mesmo quando ficava gripada não se deixava abater.

Ela morava com a neta, Sarah Moura Machado Severino, que foi quem informou através das redes sociais o falecimento.

Um pedido que Dona Sílvia fez foi que no velório não levem flores e sim cestas básicas, para serem doadas a quem precisa.

O velório iniciará às 17h no cemitério da Barra e o enterro será amanhã às 10h.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Dani Sisnandes/Página 3.

Aos 99 anos faleceu dona Silvia, a moradora mais idosa de Balneário Camboriú

Ela pediu que no velório não levem flores e sim cestas básicas para doação.

Publicidade

Quarta, 6/3/2019 11:58.

Faleceu na manhã desta quarta-feira (6) Sílvia da Silva Moura, que tinha 99 anos. Ela morou na Rua Uruguai, no Bairro das Nações, por mais de três décadas. Frequentava os grupos de ginástica e tricô do bairro e teve duas filhas, sendo que criou mais dois filhos do marido, já falecido.

Em junho do ano passado, quando fez o centésimo aniversário, Dona Sílvia conversou com o Página 3, ocasião em que deu detalhes de sua vida. Ela era paranaense, da cidade de Rio Branco do Sul, mas residia em Balneário desde 1984.

Na época, ela comemorou que até então não havia tido nenhuma doença grave e que mesmo quando ficava gripada não se deixava abater.

Ela morava com a neta, Sarah Moura Machado Severino, que foi quem informou através das redes sociais o falecimento.

Um pedido que Dona Sílvia fez foi que no velório não levem flores e sim cestas básicas, para serem doadas a quem precisa.

O velório iniciará às 17h no cemitério da Barra e o enterro será amanhã às 10h.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade