Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Balneário Camboriú licita projeto de engenharia para buscar água em Itajaí
GOVSC
Rio Itajaí Mirim cortando a cidade de Brusque.

Sexta, 3/5/2019 7:29.

A Empresa Municipal de Água e Saneamento de Balneário Camboriú deverá lançar hoje licitação para revisar o projeto de engenharia destinado a captar água no rio Itajaí Mirim.

Esse projeto foi feito em 2007, integrando um estudo com diversas alternativas para abastecer Camboriú e Balneário Camboriú na décadas vindouras e a licitação de agora visa atualizar dados, inclusive o custo da obra.

Estimativa informal do diretor técnico da Emasa, Sérgio Juk, aponta que a obra custaria em torno de R$ 30 milhões, um quinto dos R$ 150 milhões estimados como necessários para implantar um grande lago de reservação (o parque inundável) em Camboriú.

O Comitê do Rio Camboriú costuma fazer previsões catastróficas de que faltará água na região e aponta o parque inundável como a solução ideal, sem no entanto informar de onde viriam os recursos para viabilizá-lo.

Um adutora de água bruta para captar água em Itajaí pode ser financiada em longo prazo, mas as desapropriações para um parque inundável precisam ser pagas à vista.

Camboriú também não tem dinheiro para o parque e autoridades daquela cidade falam abertamente em reuniões que Balneário Camboriú deveria pagar a conta sozinha. 

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Balneário Camboriú licita projeto de engenharia para buscar água em Itajaí

GOVSC
Rio Itajaí Mirim cortando a cidade de Brusque.
Rio Itajaí Mirim cortando a cidade de Brusque.

Publicidade

Sexta, 3/5/2019 7:29.

A Empresa Municipal de Água e Saneamento de Balneário Camboriú deverá lançar hoje licitação para revisar o projeto de engenharia destinado a captar água no rio Itajaí Mirim.

Esse projeto foi feito em 2007, integrando um estudo com diversas alternativas para abastecer Camboriú e Balneário Camboriú na décadas vindouras e a licitação de agora visa atualizar dados, inclusive o custo da obra.

Estimativa informal do diretor técnico da Emasa, Sérgio Juk, aponta que a obra custaria em torno de R$ 30 milhões, um quinto dos R$ 150 milhões estimados como necessários para implantar um grande lago de reservação (o parque inundável) em Camboriú.

O Comitê do Rio Camboriú costuma fazer previsões catastróficas de que faltará água na região e aponta o parque inundável como a solução ideal, sem no entanto informar de onde viriam os recursos para viabilizá-lo.

Um adutora de água bruta para captar água em Itajaí pode ser financiada em longo prazo, mas as desapropriações para um parque inundável precisam ser pagas à vista.

Camboriú também não tem dinheiro para o parque e autoridades daquela cidade falam abertamente em reuniões que Balneário Camboriú deveria pagar a conta sozinha. 

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade