Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Univali apresentará pesquisa ao prefeito sobre microrganismos da Praia Central
Renata Rutes

Sexta, 17/5/2019 14:21.

Pesquisadores do curso de Oceanografia, da Univali, que estão analisando a existência das algas (briozoários) na Praia Central, reuniram-se esta semana (13) para discutir os resultados obtidos até agora junto à Secretaria do Meio Ambiente (Semam) e a Epagri.

A existência dos "animais-musgo", como são conhecidos, é um problema discutido há muitos anos e que vem piorando. Além de causar mau cheiro, infesta a areia e acaba gerando desconforto também nos turistas, que optam por procurar outras praias da região. Em médio e longo prazo, uma ação efetiva seria o saneamento da cidade – principalmente a despoluição do Rio Marambaia.

Na reunião, privada e técnica desta semana, foram apresentados os estudos fisiológicos dos organismos ocorrentes (macroalgas, microalgas e briozoários), as características preferenciais para eles se desenvolverem, assim como os modelos hidrodinâmicos da enseada com destaques de pontos de maior circulação e áreas de retenção que possam auxiliar na interpretação do acúmulo de organismos com potencial de ocorrência nas praias (arribadas).

Uma vez determinado esses aspectos, o próximo passo da equipe técnica, de acordo com o professor da Univali, Charrid Resgalla Jr., responsável pelos estudos, será voltar ao ambiente e, por imageamento, confirmar ou não a presença dos organismos nos locais indicados no estudo.

Segundo o pesquisador, na reunião também houve ampla discussão sobre as medidas mitigatórias possíveis para o problema das arribadas em escalas de tempo imediata, com o uso de possíveis técnicas de limpeza das arribadas na praia, na zona de arrebentação (água) e até mesmo na barra do Rio Marambaia.

Resultados

Consultado pela reportagem do Página3 para falar sobre o resultado destes estudos, o professor Charrid Resgalla Jr, preferiu se manifestar somente na próxima semana, após reunião com o prefeito Fabrício Oliveira, que está em férias.

O secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd, também foi procurado pela reportagem e explicou que a Univali está finalizando a apresentação da pesquisa e por isso ainda não teve acesso aos resultados.

“Tudo será apresentado em reunião com o prefeito na próxima semana e teremos mais detalhes”, disse Gevaerd.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Saúde

As vizinhas Itapema (185) e Camboriú (105) lideram a lista de doentes autóctones


Justiça

MP diz que aluguel de totens de segurança causou prejuízo ao erário


Geral

Evento será nessa sexta (24) e sábado (25)


Cultura

Livro “Camboriú e Balneário e Camboriú – a história das duas cidades” em nova versão


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Univali apresentará pesquisa ao prefeito sobre microrganismos da Praia Central

Renata Rutes

Publicidade

Sexta, 17/5/2019 14:21.

Pesquisadores do curso de Oceanografia, da Univali, que estão analisando a existência das algas (briozoários) na Praia Central, reuniram-se esta semana (13) para discutir os resultados obtidos até agora junto à Secretaria do Meio Ambiente (Semam) e a Epagri.

A existência dos "animais-musgo", como são conhecidos, é um problema discutido há muitos anos e que vem piorando. Além de causar mau cheiro, infesta a areia e acaba gerando desconforto também nos turistas, que optam por procurar outras praias da região. Em médio e longo prazo, uma ação efetiva seria o saneamento da cidade – principalmente a despoluição do Rio Marambaia.

Na reunião, privada e técnica desta semana, foram apresentados os estudos fisiológicos dos organismos ocorrentes (macroalgas, microalgas e briozoários), as características preferenciais para eles se desenvolverem, assim como os modelos hidrodinâmicos da enseada com destaques de pontos de maior circulação e áreas de retenção que possam auxiliar na interpretação do acúmulo de organismos com potencial de ocorrência nas praias (arribadas).

Uma vez determinado esses aspectos, o próximo passo da equipe técnica, de acordo com o professor da Univali, Charrid Resgalla Jr., responsável pelos estudos, será voltar ao ambiente e, por imageamento, confirmar ou não a presença dos organismos nos locais indicados no estudo.

Segundo o pesquisador, na reunião também houve ampla discussão sobre as medidas mitigatórias possíveis para o problema das arribadas em escalas de tempo imediata, com o uso de possíveis técnicas de limpeza das arribadas na praia, na zona de arrebentação (água) e até mesmo na barra do Rio Marambaia.

Resultados

Consultado pela reportagem do Página3 para falar sobre o resultado destes estudos, o professor Charrid Resgalla Jr, preferiu se manifestar somente na próxima semana, após reunião com o prefeito Fabrício Oliveira, que está em férias.

O secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd, também foi procurado pela reportagem e explicou que a Univali está finalizando a apresentação da pesquisa e por isso ainda não teve acesso aos resultados.

“Tudo será apresentado em reunião com o prefeito na próxima semana e teremos mais detalhes”, disse Gevaerd.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade