Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Vereador Joceli apresenta projeto que isenta prédios municipais de cobranças da Emasa
Divulgação
Vereador acredita que o projeto será aprovado

Segunda, 15/7/2019 19:19.

O vereador Joceli Nazari apresentou na Câmara de Vereadores projeto de lei que altera a lei que criou a Emasa (nº 2.498, de 31 de outubro de 2005), acrescentando um parágrafo único ao artigo 17, com o objetivo de isentar os prédios públicos da cobrança da tarifa de água. A ideia surgiu quando o vereador tomou conhecimento dos gastos que o governo municipal possui mensalmente nesse setor.

Somente o Hospital Municipal Ruth Cardoso paga aproximadamente R$ 12 mil por mês para a Emasa, fora as escolas, secretarias e demais órgãos públicos.

Joceli conta que ficou sabendo desses gastos quando solicitou uma conta de custos mensais do hospital Municipal Ruth Cardoso. No levantamento feito pela secretaria de Saúde, o vereador verificou o pagamento mensal para a Emasa de aproximadamente R$ 12 mil por mês, que totaliza anualmente cerca de R$ 144 mil.

“Não há motivo para o município cobrar dele mesmo, não tem nexo. A partir disso surgiu a ideia do projeto, abrangendo todos os prédios municipais de Balneário Camboriú”, explica. Por exemplo, somente a prefeitura tem um gasto mensal de aproximadamente R$ 1.369 com a Emasa, a secretaria de Segurança R$ 520. Os Centros Educacionais Municipais (CEMs) totalizam cobrança mensal de quase R$ 18 mil e os Núcleos de Educação Infantil (NEIs) mais de R$ 16 mil. Somente a secretaria de Obras e seus depósitos repassam para a Emasa mensalmente mais de R$ 3 mil/mês.

O projeto ainda está em tramitação, mas o vereador acredita que tende a ser aprovado, já que irá trazer benefícios diretos para a cidade e principalmente para a secretaria de Saúde, pois o governo tem mensalmente um gasto de R$ 5 milhões com o custeio do Hospital Ruth Cardoso.

“O objetivo é isentar da cobrança todos os prédios públicos municipais, alterando a Lei que criou a Emasa para justamente contemplar a isenção. O município não precisa arcar com isso. Já conversei com alguns colegas vereadores e a maioria se mostrou favorável, mas temos que aguardar a votação, que deve acontecer no segundo semestre”, completa.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Vereador Joceli apresenta projeto que isenta prédios municipais de cobranças da Emasa

Divulgação
Vereador acredita que o projeto será aprovado
Vereador acredita que o projeto será aprovado

Publicidade

Segunda, 15/7/2019 19:19.

O vereador Joceli Nazari apresentou na Câmara de Vereadores projeto de lei que altera a lei que criou a Emasa (nº 2.498, de 31 de outubro de 2005), acrescentando um parágrafo único ao artigo 17, com o objetivo de isentar os prédios públicos da cobrança da tarifa de água. A ideia surgiu quando o vereador tomou conhecimento dos gastos que o governo municipal possui mensalmente nesse setor.

Somente o Hospital Municipal Ruth Cardoso paga aproximadamente R$ 12 mil por mês para a Emasa, fora as escolas, secretarias e demais órgãos públicos.

Joceli conta que ficou sabendo desses gastos quando solicitou uma conta de custos mensais do hospital Municipal Ruth Cardoso. No levantamento feito pela secretaria de Saúde, o vereador verificou o pagamento mensal para a Emasa de aproximadamente R$ 12 mil por mês, que totaliza anualmente cerca de R$ 144 mil.

“Não há motivo para o município cobrar dele mesmo, não tem nexo. A partir disso surgiu a ideia do projeto, abrangendo todos os prédios municipais de Balneário Camboriú”, explica. Por exemplo, somente a prefeitura tem um gasto mensal de aproximadamente R$ 1.369 com a Emasa, a secretaria de Segurança R$ 520. Os Centros Educacionais Municipais (CEMs) totalizam cobrança mensal de quase R$ 18 mil e os Núcleos de Educação Infantil (NEIs) mais de R$ 16 mil. Somente a secretaria de Obras e seus depósitos repassam para a Emasa mensalmente mais de R$ 3 mil/mês.

O projeto ainda está em tramitação, mas o vereador acredita que tende a ser aprovado, já que irá trazer benefícios diretos para a cidade e principalmente para a secretaria de Saúde, pois o governo tem mensalmente um gasto de R$ 5 milhões com o custeio do Hospital Ruth Cardoso.

“O objetivo é isentar da cobrança todos os prédios públicos municipais, alterando a Lei que criou a Emasa para justamente contemplar a isenção. O município não precisa arcar com isso. Já conversei com alguns colegas vereadores e a maioria se mostrou favorável, mas temos que aguardar a votação, que deve acontecer no segundo semestre”, completa.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade