Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Prefeitura de Balneário Camboriú quer novo emissário de esgoto até junho
Divulgação PMBC
O esgoto será enviado para a estação de tratamento.

Quarta, 13/2/2019 11:17.

A autarquia de saneamento de Balneário Camboriú, Emasa, lançou nesta terça-feira (12) a licitação para a mão e obra do emissário pressurizado de esgoto que transportará o material ao longo do Centro, em direção à estação de tratamento.

Duas licitações para compra de materiais estão em andamento. A administração decidiu lançar processos de compra separados para obter preços melhores.

O investimento máximo estimado é de R$ 6 milhões, cerca da metade do que havia sido programado em outra licitação lançada em 2017 e posteriormente cancelada.

A redução do preço é decorrente de mudança do projeto, o emissário será instalado em sua maior parte dentro de tubulações já existentes.

A obra é vital para despoluir o Canal do Marambaia em toda a sua extensão.

Embora chamado de emissor não se trata, como circulou erroneamente em redes sociais, de despejo de esgoto no mar, o destino é a estação de tratamento no Nova Esperança.

O emissário atual, após cerca de quatro décadas, não tem mais condições de funcionamento, vaza esgoto em diversos pontos, sendo apontado como a principal fonte de poluição de Canal do Marambaia.

Esse descalabro aumentou no governo Edson Piriquito quando o emissário antigo foi propositadamente quebrado em vários pontos, para desviar o esgoto para o Canal do Marambaia, evitando que ele aflorasse nas calçadas.

Em verdade uma série de iniciativas envolvendo a Barra Norte foi suspensa no governo anterior após o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrar a Operação Trato Feito que detectou corrupção em obras públicas.

A Emasa foi afetada porque já vinha, naquele governo, sofrendo denúncias de corrupção por parte de diretores nomeados e empresas contratadas.

OPOSIÇÃO

O novo emissário sofre oposição política de grupos que desejam ver a administração atual fracassar.

Também sofre oposição disfarçada na forma de movimento popular em que moradores são usados como massa de manobra para empresas tentarem vender equipamentos.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Balada acabando? Festa boa? Vá de carona consciente, vá de Garupa!


Geral


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Prefeitura de Balneário Camboriú quer novo emissário de esgoto até junho

Divulgação PMBC
O esgoto será enviado para a estação de tratamento.
O esgoto será enviado para a estação de tratamento.

Publicidade

Quarta, 13/2/2019 11:17.

A autarquia de saneamento de Balneário Camboriú, Emasa, lançou nesta terça-feira (12) a licitação para a mão e obra do emissário pressurizado de esgoto que transportará o material ao longo do Centro, em direção à estação de tratamento.

Duas licitações para compra de materiais estão em andamento. A administração decidiu lançar processos de compra separados para obter preços melhores.

O investimento máximo estimado é de R$ 6 milhões, cerca da metade do que havia sido programado em outra licitação lançada em 2017 e posteriormente cancelada.

A redução do preço é decorrente de mudança do projeto, o emissário será instalado em sua maior parte dentro de tubulações já existentes.

A obra é vital para despoluir o Canal do Marambaia em toda a sua extensão.

Embora chamado de emissor não se trata, como circulou erroneamente em redes sociais, de despejo de esgoto no mar, o destino é a estação de tratamento no Nova Esperança.

O emissário atual, após cerca de quatro décadas, não tem mais condições de funcionamento, vaza esgoto em diversos pontos, sendo apontado como a principal fonte de poluição de Canal do Marambaia.

Esse descalabro aumentou no governo Edson Piriquito quando o emissário antigo foi propositadamente quebrado em vários pontos, para desviar o esgoto para o Canal do Marambaia, evitando que ele aflorasse nas calçadas.

Em verdade uma série de iniciativas envolvendo a Barra Norte foi suspensa no governo anterior após o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrar a Operação Trato Feito que detectou corrupção em obras públicas.

A Emasa foi afetada porque já vinha, naquele governo, sofrendo denúncias de corrupção por parte de diretores nomeados e empresas contratadas.

OPOSIÇÃO

O novo emissário sofre oposição política de grupos que desejam ver a administração atual fracassar.

Também sofre oposição disfarçada na forma de movimento popular em que moradores são usados como massa de manobra para empresas tentarem vender equipamentos.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade