Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Remover pontos de milho em Balneário Camboriú é exigência do MPF ao SPU

Prefeito não assume posição clara

Sexta, 5/4/2019 4:56.
Google.
Em 20 metros, dois pontos de milho.

Publicidade

Em reunião ontem na Secretaria de Patrimônio da União (SPU), representantes da prefeitura foram informados que a ordem para remover quiosques e pontos de milho da praia central de Balneário Camboriú é exigência do Ministério Público Federal.

Isso decorre do uso abusivo do espaço público em benefício de poucos e detrimento do restante da população.

Por conta disso novo contato será feito nos próximos dias, dessa vez com o Ministério Pùblico Federal.

Pressionado pelos milheiros, o prefeito Fabrício Oliveira não assume posição clara.

Ele tem um ajustamento de conduta com o Ministério Público Estadual que obriga a remover os pontos de milho até final de maio sob pena pessoal diária de R$ 1 mil.

O MP exige que seja feita licitação daqueles espaços públicos que são extremamente rentáveis, em especial devido ao aluguel de guardas-sóis e cadeiras.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Google.
Em 20 metros, dois pontos de milho.
Em 20 metros, dois pontos de milho.

Remover pontos de milho em Balneário Camboriú é exigência do MPF ao SPU

Prefeito não assume posição clara

Publicidade

Sexta, 5/4/2019 4:56.

Em reunião ontem na Secretaria de Patrimônio da União (SPU), representantes da prefeitura foram informados que a ordem para remover quiosques e pontos de milho da praia central de Balneário Camboriú é exigência do Ministério Público Federal.

Isso decorre do uso abusivo do espaço público em benefício de poucos e detrimento do restante da população.

Por conta disso novo contato será feito nos próximos dias, dessa vez com o Ministério Pùblico Federal.

Pressionado pelos milheiros, o prefeito Fabrício Oliveira não assume posição clara.

Ele tem um ajustamento de conduta com o Ministério Público Estadual que obriga a remover os pontos de milho até final de maio sob pena pessoal diária de R$ 1 mil.

O MP exige que seja feita licitação daqueles espaços públicos que são extremamente rentáveis, em especial devido ao aluguel de guardas-sóis e cadeiras.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade