Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Caixa d´água da Interpraias está atrasada um mês

Emasa comprou uma “grota” para instalar o novo reservatório

Sexta, 11/5/2018 7:18.

Publicidade

Problemas na execução atrasaram a instalação do reservatório da Emasa na Barra/São Judas que atenderá a Interpraias.

Mesmo assim o governo municipal garante que a promessa de abastecer Taquaras ainda neste mês será cumprida porque as bombas estão prontas e pegarão água da rede.

A expectativa é que em junho a praia do Estaleiro receba água encanada e até o final do ano o Estaleirinho, hoje abastecido pela concessionária de Itapema.

Terreno estranho

O Página 3 procura informações que esclareçam o motivo da prefeitura ter adquirido em março um terreno com topografia ruim, uma espécie de grota, para instalar o reservatório. Isso exigiu investimento em aterro e atrasou o serviço.

Havia diversas opções de terreno e essa foi uma das piores disponíveis.

Ontem (10) a diretora técnica da Emasa, Roberta Orlandi, disse que a decisão de adquirir e licenciar ambientalmente o terreno é mais antiga, vem de governo anterior.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Caixa d´água da Interpraias está atrasada um mês

Emasa comprou uma “grota” para instalar o novo reservatório

Publicidade

Sexta, 11/5/2018 7:18.

Problemas na execução atrasaram a instalação do reservatório da Emasa na Barra/São Judas que atenderá a Interpraias.

Mesmo assim o governo municipal garante que a promessa de abastecer Taquaras ainda neste mês será cumprida porque as bombas estão prontas e pegarão água da rede.

A expectativa é que em junho a praia do Estaleiro receba água encanada e até o final do ano o Estaleirinho, hoje abastecido pela concessionária de Itapema.

Terreno estranho

O Página 3 procura informações que esclareçam o motivo da prefeitura ter adquirido em março um terreno com topografia ruim, uma espécie de grota, para instalar o reservatório. Isso exigiu investimento em aterro e atrasou o serviço.

Havia diversas opções de terreno e essa foi uma das piores disponíveis.

Ontem (10) a diretora técnica da Emasa, Roberta Orlandi, disse que a decisão de adquirir e licenciar ambientalmente o terreno é mais antiga, vem de governo anterior.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade