Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Resgate já abordou mais de 300 pessoas nas ruas desde início do verão

Quinta, 25/1/2018 7:59.
Celso Peixoto
Casa de Passagem

Publicidade

O verão é tradicionalmente a época do ano em que mais se vê andarilhos e pessoas em situação de rua em Balneário Camboriú. Este ano não tem sido diferente, apesar de o município informar que o fluxo migratório reduziu cerca de 40% em comparação com o ano passado.

Além de pedidos de ajuda nos sinais e nas esquinas, moradores de rua estão recorrendo cada vez mais às casas para pedir água, comida e dinheiro.

Desde que o Resgate Social deu início à Operação Verão, no dia 12 de dezembro, já foram abordadas mais de 300 pessoas nas ruas da cidade, gerando 500 abordagens, incluindo as reincidências.

Nesta semana uma operação foi realizada e só numa madrugada, 21 pessoas foram abordadas. 10 delas não aceitaram ajuda e quiseram permanecer nas ruas.

Diferentes casos

Apesar dos que moram nas ruas, existe também nessa época um fluxo grande de pessoas em situação de rua, que estão na rua por algum problema, como dependência química ou aqueles que viajam entre cidades sem rumo definido. Há ainda muita gente que vem para Balneário com a expectativa de arrumar emprego na temporada e acaba em situação de vulnerabilidade.

O Resgate Social oferece auxílio e suporte na Casa de Passagem do Migrante e até na concessão de passagens para retorno aos municípios de origem. Só neste verão já foram fornecidas aproximadamente 170 passagens.

“Oferecemos o auxílio a todos, mas alguns preferem não aceitar. Respeitamos totalmente o direito destas pessoas em permanecer na cidade, mas orientamos que como qualquer outro cidadão, elas precisam respeitar as leis do nosso Município”, explicou o diretor do Resgate Social, Eder Clemente.

"Pedimos aos munícipes que caso vejam uma pessoa em situação de rua chame o Resgate Social para darmos o devido encaminhamento. Esta seria a melhor forma de ajudar estas pessoas que estão em situação de vulnerabilidade", finalizou Eder.

O telefone do plantão é (47) 98839-7075.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Celso Peixoto
Casa de Passagem
Casa de Passagem

Resgate já abordou mais de 300 pessoas nas ruas desde início do verão

Publicidade

Quinta, 25/1/2018 7:59.

O verão é tradicionalmente a época do ano em que mais se vê andarilhos e pessoas em situação de rua em Balneário Camboriú. Este ano não tem sido diferente, apesar de o município informar que o fluxo migratório reduziu cerca de 40% em comparação com o ano passado.

Além de pedidos de ajuda nos sinais e nas esquinas, moradores de rua estão recorrendo cada vez mais às casas para pedir água, comida e dinheiro.

Desde que o Resgate Social deu início à Operação Verão, no dia 12 de dezembro, já foram abordadas mais de 300 pessoas nas ruas da cidade, gerando 500 abordagens, incluindo as reincidências.

Nesta semana uma operação foi realizada e só numa madrugada, 21 pessoas foram abordadas. 10 delas não aceitaram ajuda e quiseram permanecer nas ruas.

Diferentes casos

Apesar dos que moram nas ruas, existe também nessa época um fluxo grande de pessoas em situação de rua, que estão na rua por algum problema, como dependência química ou aqueles que viajam entre cidades sem rumo definido. Há ainda muita gente que vem para Balneário com a expectativa de arrumar emprego na temporada e acaba em situação de vulnerabilidade.

O Resgate Social oferece auxílio e suporte na Casa de Passagem do Migrante e até na concessão de passagens para retorno aos municípios de origem. Só neste verão já foram fornecidas aproximadamente 170 passagens.

“Oferecemos o auxílio a todos, mas alguns preferem não aceitar. Respeitamos totalmente o direito destas pessoas em permanecer na cidade, mas orientamos que como qualquer outro cidadão, elas precisam respeitar as leis do nosso Município”, explicou o diretor do Resgate Social, Eder Clemente.

"Pedimos aos munícipes que caso vejam uma pessoa em situação de rua chame o Resgate Social para darmos o devido encaminhamento. Esta seria a melhor forma de ajudar estas pessoas que estão em situação de vulnerabilidade", finalizou Eder.

O telefone do plantão é (47) 98839-7075.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade