Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
CDL combate instalação de uma nova loja da Havan em Balneário Camboriú

Presidente da Havan diz que se trata de cercear a livre concorrência

Quarta, 7/2/2018 7:53.
Arqui Polis.
Essa foi a concepção inicial da Praça do Cidadão.

Publicidade

A diretoria da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Balneário Camboriú está se posicionando contra a instalação de uma nova loja da Havan, na confluência da Avenida do Estado com Avenida das Flores, em frente ao Balneário Shopping.

A direção da CDL, em reunião no gabinete do prefeito e em nota distribuída à imprensa, diz que “não é contra à construção da Havan, mas entende que poderia ser definido uma outra área para sua instalação”.

Em outro trecho da nota distribuída à imprensa a CDL se posiciona de maneira mais clara e questiona "o projeto de construção de mais uma loja de departamentos Havan na área urbana da cidade”.

O cavalo de batalha da CDL é um projeto que nasceu e morreu, a implantação da Praça do Cidadão naquele terreno, onde haveria o centro administrativo da prefeitura e uma loja da Havan.

O centro administrativo gorou porque o Conselho da Cidade foi contra e o Ministério Público também porque a ideia era pegar uma área onde não podem ser construídos edifícios e construí-los.

Na reunião em seu gabinete o prefeito Fabricio Oliveira como de hábito não tomou posição e saiu pela tangente, disse que estuda aquela e outras áreas para implantar o centro administrativo.

Não existe estudo algum porque a prefeitura não tem dinheiro para desapropriar terrenos e construir edifícios. Além disso já possui um enorme terreno mal utilizado, o próprio Paço Municipal ocupado por estacionamentos e prédios baixos.

O presidente da Havan, Luciano Hang, disse ontem (6) à noite ao Página 3 que numa época em que as pessoas compram pela internet até na China combater a livre iniciativa é um atraso.

Ele destacou que todos os estudos estão prontos, atendem a legislação municipal e a segunda loja Havan na cidade será construída assim que aprovada pelas autoridades.

A presidente da CDL, Eliane Colla, entende que o local é nobre, a cidade tem carência de áreas e aquela não deveria ser usada apenas para implantação de uma loja.

Reunião hoje

Nesta quarta-feira às 10h30 haverá uma reunião na CDL para tentar arregimentar forças a favor da Praça do Cidadão e do centro administrativo naquele terreno.

O resultado dessa reunião será divulgado pelo Página 3 ao final da manhã.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Arqui Polis.
Essa foi a concepção inicial da Praça do Cidadão.
Essa foi a concepção inicial da Praça do Cidadão.

CDL combate instalação de uma nova loja da Havan em Balneário Camboriú

Presidente da Havan diz que se trata de cercear a livre concorrência

Publicidade

Quarta, 7/2/2018 7:53.

A diretoria da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Balneário Camboriú está se posicionando contra a instalação de uma nova loja da Havan, na confluência da Avenida do Estado com Avenida das Flores, em frente ao Balneário Shopping.

A direção da CDL, em reunião no gabinete do prefeito e em nota distribuída à imprensa, diz que “não é contra à construção da Havan, mas entende que poderia ser definido uma outra área para sua instalação”.

Em outro trecho da nota distribuída à imprensa a CDL se posiciona de maneira mais clara e questiona "o projeto de construção de mais uma loja de departamentos Havan na área urbana da cidade”.

O cavalo de batalha da CDL é um projeto que nasceu e morreu, a implantação da Praça do Cidadão naquele terreno, onde haveria o centro administrativo da prefeitura e uma loja da Havan.

O centro administrativo gorou porque o Conselho da Cidade foi contra e o Ministério Público também porque a ideia era pegar uma área onde não podem ser construídos edifícios e construí-los.

Na reunião em seu gabinete o prefeito Fabricio Oliveira como de hábito não tomou posição e saiu pela tangente, disse que estuda aquela e outras áreas para implantar o centro administrativo.

Não existe estudo algum porque a prefeitura não tem dinheiro para desapropriar terrenos e construir edifícios. Além disso já possui um enorme terreno mal utilizado, o próprio Paço Municipal ocupado por estacionamentos e prédios baixos.

O presidente da Havan, Luciano Hang, disse ontem (6) à noite ao Página 3 que numa época em que as pessoas compram pela internet até na China combater a livre iniciativa é um atraso.

Ele destacou que todos os estudos estão prontos, atendem a legislação municipal e a segunda loja Havan na cidade será construída assim que aprovada pelas autoridades.

A presidente da CDL, Eliane Colla, entende que o local é nobre, a cidade tem carência de áreas e aquela não deveria ser usada apenas para implantação de uma loja.

Reunião hoje

Nesta quarta-feira às 10h30 haverá uma reunião na CDL para tentar arregimentar forças a favor da Praça do Cidadão e do centro administrativo naquele terreno.

O resultado dessa reunião será divulgado pelo Página 3 ao final da manhã.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade