Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
IPTU de Balneário Camboriú terá maior reajuste dos últimos anos
Sexta, 7/12/2018 17:48.
Divulgação PMBC

Publicidade

O Governo Fabrício Oliveira acaba de publicar decreto com o reajuste do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para 2018. Será o maior dos últimos anos.

Desta vez o governo optou por reajustar com base na variação (entre novembro/2017 a outubro/2018) do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), que foi de 10,8074%. Não custa lembrar que o reajuste do Salário Mínimo deverá ficar abaixo de 4,5%.

Essa não era a única opção da prefeitura. Um outro índice que poderia ter sido usado, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (INPC), por exemplo, ficou em 3,75% nos últimos 12 meses.

No ano passado a administração optou por reajuste com base na variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA/IBGE, de apenas 2,7013%.

Reajustes dos últimos anos:

  • 2015, com reajuste baseado na variação do índice IPCA/IBGE (6,5872%)
  • 2016, com reajuste baseado na variação do índice IGPM (10,0985%)
  • 2.017, com reajuste baseado na variação do índice IGPM-FGV (8,79%)
  • 2018, com reajuste baseado na variação do índice IPCA/IBGE(2,7013%)
  • 2019, com reajuste baseado na variação do índice IGP-M/FGV de 10,8074%)

A reportagem tentou contato com o secretário da Fazenda, Franc Ribeiro Correa, mas não teve sucesso.

É provável que a administração esteja tentando compensar a falta de uma reforma na Planta de Valores.

A prefeitura contratou uma empresa para rever a Planta de Valores, pagou neste ano R$ 5.452.893,90 e não usou os resultados do trabalho para rever a situação de injustiça fiscal.

Mesmo aumentando o IPTU essa exorbitância em relação ao aumento do poder de compra dos contribuintes, a expectativa é que a cidade tenha um déficit de R$ 50 milhões em suas contas em 2019.

O anúncio em meados de novembro de que o governo cortaria até 50% dos cargos de confiança não se concretizou e as nomeações políticas aumentaram nas últimas semanas em vez de diminuir.

O orçamento 2019, que aguarda votação na Câmara, será de R$ 1.008.518.801,00, entretanto deste valor R$ 455.312.900,00 serão gastos com salários e encargos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

IPTU de Balneário Camboriú terá maior reajuste dos últimos anos

Divulgação PMBC

Publicidade

Sexta, 7/12/2018 17:48.

O Governo Fabrício Oliveira acaba de publicar decreto com o reajuste do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para 2018. Será o maior dos últimos anos.

Desta vez o governo optou por reajustar com base na variação (entre novembro/2017 a outubro/2018) do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), que foi de 10,8074%. Não custa lembrar que o reajuste do Salário Mínimo deverá ficar abaixo de 4,5%.

Essa não era a única opção da prefeitura. Um outro índice que poderia ter sido usado, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (INPC), por exemplo, ficou em 3,75% nos últimos 12 meses.

No ano passado a administração optou por reajuste com base na variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA/IBGE, de apenas 2,7013%.

Reajustes dos últimos anos:

  • 2015, com reajuste baseado na variação do índice IPCA/IBGE (6,5872%)
  • 2016, com reajuste baseado na variação do índice IGPM (10,0985%)
  • 2.017, com reajuste baseado na variação do índice IGPM-FGV (8,79%)
  • 2018, com reajuste baseado na variação do índice IPCA/IBGE(2,7013%)
  • 2019, com reajuste baseado na variação do índice IGP-M/FGV de 10,8074%)

A reportagem tentou contato com o secretário da Fazenda, Franc Ribeiro Correa, mas não teve sucesso.

É provável que a administração esteja tentando compensar a falta de uma reforma na Planta de Valores.

A prefeitura contratou uma empresa para rever a Planta de Valores, pagou neste ano R$ 5.452.893,90 e não usou os resultados do trabalho para rever a situação de injustiça fiscal.

Mesmo aumentando o IPTU essa exorbitância em relação ao aumento do poder de compra dos contribuintes, a expectativa é que a cidade tenha um déficit de R$ 50 milhões em suas contas em 2019.

O anúncio em meados de novembro de que o governo cortaria até 50% dos cargos de confiança não se concretizou e as nomeações políticas aumentaram nas últimas semanas em vez de diminuir.

O orçamento 2019, que aguarda votação na Câmara, será de R$ 1.008.518.801,00, entretanto deste valor R$ 455.312.900,00 serão gastos com salários e encargos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade