Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cidade
Sinduscon busca maior adesão para reforma das escolas municipais

Recursos usados estão vindo do patrocínio de empresas

Terça, 17/4/2018 9:54.
Divulgação
Situação encontrada nas escolas

Publicidade

A parceria firmada entre a prefeitura e o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) para fazer pequenas reformas em 15 escolas da rede municipal, está apresentando bons resultados.

O serviço começou em fevereiro e as mudanças já são percebidas. Na maioria dos casos são pequenos reparos, como pisos quebrados, portas de banheiro com tranca danificada, goteiras etc., mas que exigem urgência e melhoram muito o ambiente escolar e a segurança.

O presidente do Sinduscon Nelson Nitz explicou que os serviços estão sendo executados por uma empresa especializada e custarão R$ 140 mil, mas até agora o sindicato conseguiu apenas 30% dos recursos junto aos seus associados.

“Esta verba não está saindo dos cofres do sindicato, e sim da participação de cada associado, do patrocínio das construtoras. Estamos ainda angariando fundos, e precisamos muito da participação de todos”, enfatiza Nitz.

Um exemplo

A diretora do Centro Educacional Municipal Dona Lili, Magali da Silva, que atende 750 alunos de Educação Fundamental, disse que vários problemas foram resolvidos, desde goteira no telhado, reforço no parapeito da escada etc.

“Também trocaram o piso da rampa, já que as cerâmicas estavam trincadas e as crianças podiam tropeçar e cair. Ainda fizeram uma caixa de gordura nova para a cozinha e colocaram um cano no canto do ambiente para escoar a água, pois não havia um local para onde a água pudesse escorrer, o que dificultava a limpeza da cozinha, afinal os funcionários não podiam jogar água para esfregar o chão, podendo apenas passar pano”, completa a diretora.

Outro reparo realizado na escola foi a construção de um muro embaixo do portão lateral do colégio, que contava apenas com uma cerca provisória.

“O que eu percebo que melhorou na rotina das crianças e funcionários é, principalmente, a questão da limpeza e da segurança. Até os pais sentem-se melhor e mais confortáveis em deixar os filhos em um local com infraestrutura adequada, por isto estas reformas são muito boas!", afirma a Magali.

Veja as fotos:


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Situação encontrada nas escolas
Situação encontrada nas escolas

Sinduscon busca maior adesão para reforma das escolas municipais

Recursos usados estão vindo do patrocínio de empresas

Publicidade

Terça, 17/4/2018 9:54.

A parceria firmada entre a prefeitura e o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) para fazer pequenas reformas em 15 escolas da rede municipal, está apresentando bons resultados.

O serviço começou em fevereiro e as mudanças já são percebidas. Na maioria dos casos são pequenos reparos, como pisos quebrados, portas de banheiro com tranca danificada, goteiras etc., mas que exigem urgência e melhoram muito o ambiente escolar e a segurança.

O presidente do Sinduscon Nelson Nitz explicou que os serviços estão sendo executados por uma empresa especializada e custarão R$ 140 mil, mas até agora o sindicato conseguiu apenas 30% dos recursos junto aos seus associados.

“Esta verba não está saindo dos cofres do sindicato, e sim da participação de cada associado, do patrocínio das construtoras. Estamos ainda angariando fundos, e precisamos muito da participação de todos”, enfatiza Nitz.

Um exemplo

A diretora do Centro Educacional Municipal Dona Lili, Magali da Silva, que atende 750 alunos de Educação Fundamental, disse que vários problemas foram resolvidos, desde goteira no telhado, reforço no parapeito da escada etc.

“Também trocaram o piso da rampa, já que as cerâmicas estavam trincadas e as crianças podiam tropeçar e cair. Ainda fizeram uma caixa de gordura nova para a cozinha e colocaram um cano no canto do ambiente para escoar a água, pois não havia um local para onde a água pudesse escorrer, o que dificultava a limpeza da cozinha, afinal os funcionários não podiam jogar água para esfregar o chão, podendo apenas passar pano”, completa a diretora.

Outro reparo realizado na escola foi a construção de um muro embaixo do portão lateral do colégio, que contava apenas com uma cerca provisória.

“O que eu percebo que melhorou na rotina das crianças e funcionários é, principalmente, a questão da limpeza e da segurança. Até os pais sentem-se melhor e mais confortáveis em deixar os filhos em um local com infraestrutura adequada, por isto estas reformas são muito boas!", afirma a Magali.

Veja as fotos:


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade