Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Comerciantes do Calçadão querem ficar abertos até 2h30
Divulgação PMBC.
Clientes podem ficar até intimidados pela bebedeira de muitos jovens.

Quarta, 1/3/2017 18:35.

Passado o Carnaval as polícias, a administração municipal e comerciantes do Calçadão da Avenida Central deverão retomar conversações para definir o horário de funcionamento daqueles comércios.

Esses bares funcionavam até 4h da madrugada, causando problemas para a vizinhança, para a limpeza e a segurança pública.

Além disso, havia o uso abusivo do espaço público ocupado por mesas e cadeiras muito além do razoável.

A Polícia Civil determinou que o horário de fechamento deveria ser meia noite, mas houve tolerância até o Carnaval para fecharem às 2h.

O advogado Juliano Cavalcanti que representa a Associação dos Comerciantes do Calçadão entende que definir o horário é atribuição do prefeito e que isso deve ocorrer através do diálogo com todos os envolvidos.

Segundo ele os comerciantes admitem alguns problemas, mas acham meia noite muito cedo.

“Não pode haver punição coletiva”, destaca Juliano revelando que os empresários querem o fechamento às 2h30, já incluída tolerância de meia hora.

Alguns desses bares têm uma clientela complicada, jovens que bebem até cair, se reúnem na praia e não têm respeito algum pela cidade. Eles deixam um rastro de sujeira, inclusive muitas garrafas de vidro, na areia, nas ruas e calçadas.

Essa clientela “queima o filme” da outra área do Calçadão onde funcionam cafeterias e bares para um público “comportado”.

Consultado a respeito o prefeito Fabricio Oliveira manifestou que reduzir o horário “foi preciso para manter a ordem do Calçadão, que estava tendo bastante reclamações de moradores e comerciantes, pelo uso indevido do espaço, badernas e perturbação do sossego”.

Fabricio detalhou que nova reunião acontecerá entre o presidente da associação de comerciantes, prefeitura, comandos da Guarda Municipal, PM e Polícia Civil, para estabelecer novas regras e diretrizes.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Comerciantes do Calçadão querem ficar abertos até 2h30

Divulgação PMBC.
Clientes podem ficar até intimidados pela bebedeira de muitos jovens.
Clientes podem ficar até intimidados pela bebedeira de muitos jovens.
Quarta, 1/3/2017 18:35.

Passado o Carnaval as polícias, a administração municipal e comerciantes do Calçadão da Avenida Central deverão retomar conversações para definir o horário de funcionamento daqueles comércios.

Esses bares funcionavam até 4h da madrugada, causando problemas para a vizinhança, para a limpeza e a segurança pública.

Além disso, havia o uso abusivo do espaço público ocupado por mesas e cadeiras muito além do razoável.

A Polícia Civil determinou que o horário de fechamento deveria ser meia noite, mas houve tolerância até o Carnaval para fecharem às 2h.

O advogado Juliano Cavalcanti que representa a Associação dos Comerciantes do Calçadão entende que definir o horário é atribuição do prefeito e que isso deve ocorrer através do diálogo com todos os envolvidos.

Segundo ele os comerciantes admitem alguns problemas, mas acham meia noite muito cedo.

“Não pode haver punição coletiva”, destaca Juliano revelando que os empresários querem o fechamento às 2h30, já incluída tolerância de meia hora.

Alguns desses bares têm uma clientela complicada, jovens que bebem até cair, se reúnem na praia e não têm respeito algum pela cidade. Eles deixam um rastro de sujeira, inclusive muitas garrafas de vidro, na areia, nas ruas e calçadas.

Essa clientela “queima o filme” da outra área do Calçadão onde funcionam cafeterias e bares para um público “comportado”.

Consultado a respeito o prefeito Fabricio Oliveira manifestou que reduzir o horário “foi preciso para manter a ordem do Calçadão, que estava tendo bastante reclamações de moradores e comerciantes, pelo uso indevido do espaço, badernas e perturbação do sossego”.

Fabricio detalhou que nova reunião acontecerá entre o presidente da associação de comerciantes, prefeitura, comandos da Guarda Municipal, PM e Polícia Civil, para estabelecer novas regras e diretrizes.
 

Publicidade

Publicidade