Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Balneário tem pelo menos 30 moradores de rua fixos
Renata Rutes Henning
Balneário Camboriú tem problemas com moradores de rua.

Quarta, 4/1/2017 10:06.

Um problema que Balneário Camboriú enfrenta e que se intensifica com a temporada de verão são os andarilhos que chegam à cidade e se fixam.

Aumentou significativamente o número de moradores de rua. A comunidade, turistas e comerciantes reclamam constantemente da situação.

Segundo informações do diretor do Resgate Social, Paulo Roberto de Souza, que ainda ocupa o cargo (não se sabe se ele sairá ou não com o novo governo que iniciou nesta semana), há 30 pessoas morando nas ruas de Balneário Camboriú.

Todos os dias são feitos de 20 a 25 atendimentos e sempre são abordadas novas pessoas, desconhecidas da equipe. Elas vêm principalmente do Paraná, interior de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Paulão diz que a situação não está fora de controle, que é comum que o número aumente nesta época do ano. "O que acontece é que muitos trabalhadores foram demitidos e acabam nas ruas pedindo dinheiro para se manter”, explica.

O departamento, que pertence à Secretaria de Inclusão Social, estava com a única van que possui quebrada e ficou 10 dias fazendo rondas com outro veículo. “Nesta semana a nossa van voltou e já estamos fazendo rondas mais agressivas, junto da Guarda Municipal Armada”, acrescentou o diretor.

Esse trabalho mais intensificado focará em tirar os andarilhos das ruas, principalmente por conta da insistência da comunidade. “Vamos ver se essas pessoas precisam de ajuda ou se querem ir para outra cidade. Se não aceitarem, terão que ir atrás de trabalho ou de algo para fazer. Não podem mais ficar à toa na rua”, declarou.

Uma das queixas contra o diretor do resgate, um ex-morador de rua, é que ele trata essas pessoas sem energia. Por exemplo, a foto mostra um carrinho de lixo reciclável sobre a areia da praia. É proibido circular esses carrinhos durante o dia, menos ainda sobre a areia.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Abastecimento continua ameaçado economize água


Justiça

Ele considera ilegal a lei municipal que permitiu o empreendimento 


Variedades

Escolha por voto popular contou com participação de sete mil pessoas


Rapidinhas


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Balneário tem pelo menos 30 moradores de rua fixos

Renata Rutes Henning
Balneário Camboriú tem problemas com moradores de rua.
Balneário Camboriú tem problemas com moradores de rua.
Quarta, 4/1/2017 10:06.

Um problema que Balneário Camboriú enfrenta e que se intensifica com a temporada de verão são os andarilhos que chegam à cidade e se fixam.

Aumentou significativamente o número de moradores de rua. A comunidade, turistas e comerciantes reclamam constantemente da situação.

Segundo informações do diretor do Resgate Social, Paulo Roberto de Souza, que ainda ocupa o cargo (não se sabe se ele sairá ou não com o novo governo que iniciou nesta semana), há 30 pessoas morando nas ruas de Balneário Camboriú.

Todos os dias são feitos de 20 a 25 atendimentos e sempre são abordadas novas pessoas, desconhecidas da equipe. Elas vêm principalmente do Paraná, interior de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Paulão diz que a situação não está fora de controle, que é comum que o número aumente nesta época do ano. "O que acontece é que muitos trabalhadores foram demitidos e acabam nas ruas pedindo dinheiro para se manter”, explica.

O departamento, que pertence à Secretaria de Inclusão Social, estava com a única van que possui quebrada e ficou 10 dias fazendo rondas com outro veículo. “Nesta semana a nossa van voltou e já estamos fazendo rondas mais agressivas, junto da Guarda Municipal Armada”, acrescentou o diretor.

Esse trabalho mais intensificado focará em tirar os andarilhos das ruas, principalmente por conta da insistência da comunidade. “Vamos ver se essas pessoas precisam de ajuda ou se querem ir para outra cidade. Se não aceitarem, terão que ir atrás de trabalho ou de algo para fazer. Não podem mais ficar à toa na rua”, declarou.

Uma das queixas contra o diretor do resgate, um ex-morador de rua, é que ele trata essas pessoas sem energia. Por exemplo, a foto mostra um carrinho de lixo reciclável sobre a areia da praia. É proibido circular esses carrinhos durante o dia, menos ainda sobre a areia.

Publicidade

Publicidade