Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Mais de 20 andarilhos vivem nas ruas de Balneário
Divulgação

Terça, 25/10/2016 13:55.

Balneário Camboriú tem hoje mais de 20 moradores de rua. O quadro preocupa e vem chamando a atenção da comunidade. Para tentar amenizar a situação, o Departamento de Resgate Social, da Secretaria de Inclusão Social, realizou na madrugada desta terça-feira (25) uma operação em parceria com a Guarda Municipal.

O diretor do Resgate, Paulo Roberto de Souza, conta que 24 pessoas foram abordadas, sendo 23 homens e uma mulher. Desses, apenas nove aceitaram ajuda – sendo todos do sexo masculino. “Começamos à 1h e terminamos às 6h. Passamos por todos os 24 pontos críticos da cidade que mapeamos previamente. Fazemos rondas todos os dias, então sabemos onde encontrá-los”, explica.

A parceria com a Guarda Municipal já é antiga, mas agora o Resgate também quer o apoio da Polícia Militar. “Gostaríamos que tanto a Guarda quanto a PM fizessem rondas nesses pontos, porque só temos uma equipe a cada turno e fica difícil estar em todos os lugares”, acrescenta.

Paulo conta que há hoje em Balneário quase 20 moradores de rua fixos, e que nessa última operação houve abordados que não eram conhecidos da equipe. “Isso mostra que está chegando gente nova a cada dia. Balneário é uma cidade atrativa, e ainda há o serviço do Resgate, que oferece passagem rodoviária, confeccionamos documentos e os abrigamos na Casa de Passagem”, diz.

Por isso, a equipe suspeita que há casos de moradores que vêm de outras cidades, já sabendo dos serviços que Balneário oferece. “Recebemos muitas pessoas que dizem ‘estou vindo de tal lugar, porque me falaram lá que aqui eu conseguiria passagem para voltar pra casa’, por exemplo”, informa.

O diretor salienta ainda que as festas do mês de outubro também atraem os andarilhos, a exemplo de um homem que veio de Blumenau após o fim da Oktoberfest e que agora está nas ruas de Balneário. “Ele veio de bicicleta. Está vendendo pedra-pomes. Vem gente de longe com frequência, isso é bem comum mesmo. Agora para a temporada de verão as ruas começam a encher, e boa parte dos andarilhos só vai embora depois da quarta-feira de cinzas”, diz.

Direito de ir e vir

Paulo afirma que os moradores de Balneário Camboriú cobram que o Resgate tire os mendigos à força das ruas, mas que não pode fazer isso.

“É o direito de ir, vir e permanecer. Se eles quiserem ficar na rua, eles podem ficar. A única coisa que podemos fazer é mandar eles acordarem e levantarem de onde estão instalados, mas tirar eles da rua à força não podemos, não”, comenta. O diretor lembra ainda que o trabalho do Resgate é de convencimento, e que conta com o apoio da comunidade.

“Pedimos que o público não dê panelas, cobertores, colchões e demais utensílios para os andarilhos. Todos os dias em todos os locais que vamos os mendigos estão com esses utensílios. Isso os motiva a ficar nas ruas”, complementa.

Se você ver ou souber de alguém que está em situação de rua ou que precisa de ajuda, entre em contato com o Resgate Social através dos telefones 8839-7075 ou 3361-7813. O departamento atua 24h todos os dias, inclusive aos finais de semana e feriados.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Editais

Renovação de Licença Ambiental de Operação


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Mais de 20 andarilhos vivem nas ruas de Balneário

Divulgação
Terça, 25/10/2016 13:55.

Balneário Camboriú tem hoje mais de 20 moradores de rua. O quadro preocupa e vem chamando a atenção da comunidade. Para tentar amenizar a situação, o Departamento de Resgate Social, da Secretaria de Inclusão Social, realizou na madrugada desta terça-feira (25) uma operação em parceria com a Guarda Municipal.

O diretor do Resgate, Paulo Roberto de Souza, conta que 24 pessoas foram abordadas, sendo 23 homens e uma mulher. Desses, apenas nove aceitaram ajuda – sendo todos do sexo masculino. “Começamos à 1h e terminamos às 6h. Passamos por todos os 24 pontos críticos da cidade que mapeamos previamente. Fazemos rondas todos os dias, então sabemos onde encontrá-los”, explica.

A parceria com a Guarda Municipal já é antiga, mas agora o Resgate também quer o apoio da Polícia Militar. “Gostaríamos que tanto a Guarda quanto a PM fizessem rondas nesses pontos, porque só temos uma equipe a cada turno e fica difícil estar em todos os lugares”, acrescenta.

Paulo conta que há hoje em Balneário quase 20 moradores de rua fixos, e que nessa última operação houve abordados que não eram conhecidos da equipe. “Isso mostra que está chegando gente nova a cada dia. Balneário é uma cidade atrativa, e ainda há o serviço do Resgate, que oferece passagem rodoviária, confeccionamos documentos e os abrigamos na Casa de Passagem”, diz.

Por isso, a equipe suspeita que há casos de moradores que vêm de outras cidades, já sabendo dos serviços que Balneário oferece. “Recebemos muitas pessoas que dizem ‘estou vindo de tal lugar, porque me falaram lá que aqui eu conseguiria passagem para voltar pra casa’, por exemplo”, informa.

O diretor salienta ainda que as festas do mês de outubro também atraem os andarilhos, a exemplo de um homem que veio de Blumenau após o fim da Oktoberfest e que agora está nas ruas de Balneário. “Ele veio de bicicleta. Está vendendo pedra-pomes. Vem gente de longe com frequência, isso é bem comum mesmo. Agora para a temporada de verão as ruas começam a encher, e boa parte dos andarilhos só vai embora depois da quarta-feira de cinzas”, diz.

Direito de ir e vir

Paulo afirma que os moradores de Balneário Camboriú cobram que o Resgate tire os mendigos à força das ruas, mas que não pode fazer isso.

“É o direito de ir, vir e permanecer. Se eles quiserem ficar na rua, eles podem ficar. A única coisa que podemos fazer é mandar eles acordarem e levantarem de onde estão instalados, mas tirar eles da rua à força não podemos, não”, comenta. O diretor lembra ainda que o trabalho do Resgate é de convencimento, e que conta com o apoio da comunidade.

“Pedimos que o público não dê panelas, cobertores, colchões e demais utensílios para os andarilhos. Todos os dias em todos os locais que vamos os mendigos estão com esses utensílios. Isso os motiva a ficar nas ruas”, complementa.

Se você ver ou souber de alguém que está em situação de rua ou que precisa de ajuda, entre em contato com o Resgate Social através dos telefones 8839-7075 ou 3361-7813. O departamento atua 24h todos os dias, inclusive aos finais de semana e feriados.

Publicidade

Publicidade