Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Editor do Página 3 recorre ao Conselho Superior do Ministério Público
Ricardo Koeddermann

Quinta, 25/8/2016 8:08.

A recusa do promotor do meio ambiente da Comarca, André Otávio Vieira de Mello, em abrir investigações sobre o descumprimento de compromissos ambientais por parte da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), levou na última semana o editor do Jornal Página 3, Waldemar Cezar Neto, a recorrer ao Conselho Superior do Ministério Público (CSMP).

Após produzir reportagem, em abril,  com o título "Depois de gastar R$ 80 milhões, Emasa continua poluindo o Rio Camboriú", relatando a poluição por esgotos do rio Camboriú, o editor apresentou denúncia ao promotor, que nesta semana respondeu não ver fatos novos que justificassem abertura de outra investigação.

Nesses casos, o denunciante pode acatar a decisão ou, se não concordar com ela, recorrer a CSMP, composto por 13 promotores que analisam se a decisão constatada foi correta ou não. Essas etapas são um direito garantido a todos os cidadãos.

Em abril, após encomendar laudos de análise da água do Rio Camboriú a um laboratório particular, o Página 3 noticiou que a poluição por esgotos era intensa; que decorridos três anos e quatro meses desde que a Emasa, Fatma e Ministério Público (MPSC) assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para resolver as graves deficiências de saneamento básico em Balneário Camboriú nenhuma da metas importantes que deveriam ser cumpridas até o final de 2014 se concretizou e que a capacidade de tratamento de esgotos em alta temporada, apesar da nova estação, já não é mais suficiente.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Especial

Festival de música eletrônica reuniu milhares de pessoas na virada do ano, em Rio Negrinho


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Editor do Página 3 recorre ao Conselho Superior do Ministério Público

Ricardo Koeddermann
Quinta, 25/8/2016 8:08.

A recusa do promotor do meio ambiente da Comarca, André Otávio Vieira de Mello, em abrir investigações sobre o descumprimento de compromissos ambientais por parte da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), levou na última semana o editor do Jornal Página 3, Waldemar Cezar Neto, a recorrer ao Conselho Superior do Ministério Público (CSMP).

Após produzir reportagem, em abril,  com o título "Depois de gastar R$ 80 milhões, Emasa continua poluindo o Rio Camboriú", relatando a poluição por esgotos do rio Camboriú, o editor apresentou denúncia ao promotor, que nesta semana respondeu não ver fatos novos que justificassem abertura de outra investigação.

Nesses casos, o denunciante pode acatar a decisão ou, se não concordar com ela, recorrer a CSMP, composto por 13 promotores que analisam se a decisão constatada foi correta ou não. Essas etapas são um direito garantido a todos os cidadãos.

Em abril, após encomendar laudos de análise da água do Rio Camboriú a um laboratório particular, o Página 3 noticiou que a poluição por esgotos era intensa; que decorridos três anos e quatro meses desde que a Emasa, Fatma e Ministério Público (MPSC) assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para resolver as graves deficiências de saneamento básico em Balneário Camboriú nenhuma da metas importantes que deveriam ser cumpridas até o final de 2014 se concretizou e que a capacidade de tratamento de esgotos em alta temporada, apesar da nova estação, já não é mais suficiente.

Publicidade

Publicidade