Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Prefeitura estuda tocar Caminhão do Peixe o ano todo
Divulgação PMBC

Quinta, 7/4/2016 8:35.

A Secretaria de Inclusão Social usou a Páscoa como teste para reavaliar o Caminhão do Peixe. Depois de tanto tempo parado, a peixaria ambulante deu surpresas negativas com seguidas idas à mecânica, mas o diretor da pasta, Orlando Uliano afirma que mesmo assim o município estuda reformar o sistema de refrigeração para recolocar o serviço na rua definitivamente.

O grande imbróglio do Caminhão do Peixe foi tentar dividir a gestão com outros dois municípios: Itapema e Camboriú. Nos últimos dias eles receberam a peixaria, mas na hora de falar do futuro, nenhum representante apareceu na Inclusão Social.

Uliano garante que a determinação é que Balneário toque o Caminhão sozinho, mesmo que tenha que arcar com um gasto inesperado para mudar o sistema de refrigeração ou fazer uma boa manutenção na parte elétrica, o que pode variar entre R$ 7 mil e R$ 28 mil, conforme o diretor.

A ideia é continuar subsidiando peixes a preços populares, através do repasse dos custos para pescados mais nobres.

Depois de tanto tempo parado na garagem da Secretaria de Obras, não seria surpresa que o Caminhão do Peixe seja reativado em ano eleitoral, mesmo tendo apresentado tantos problemas na estrutura

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Prefeitura estuda tocar Caminhão do Peixe o ano todo

Divulgação PMBC
Quinta, 7/4/2016 8:35.

A Secretaria de Inclusão Social usou a Páscoa como teste para reavaliar o Caminhão do Peixe. Depois de tanto tempo parado, a peixaria ambulante deu surpresas negativas com seguidas idas à mecânica, mas o diretor da pasta, Orlando Uliano afirma que mesmo assim o município estuda reformar o sistema de refrigeração para recolocar o serviço na rua definitivamente.

O grande imbróglio do Caminhão do Peixe foi tentar dividir a gestão com outros dois municípios: Itapema e Camboriú. Nos últimos dias eles receberam a peixaria, mas na hora de falar do futuro, nenhum representante apareceu na Inclusão Social.

Uliano garante que a determinação é que Balneário toque o Caminhão sozinho, mesmo que tenha que arcar com um gasto inesperado para mudar o sistema de refrigeração ou fazer uma boa manutenção na parte elétrica, o que pode variar entre R$ 7 mil e R$ 28 mil, conforme o diretor.

A ideia é continuar subsidiando peixes a preços populares, através do repasse dos custos para pescados mais nobres.

Depois de tanto tempo parado na garagem da Secretaria de Obras, não seria surpresa que o Caminhão do Peixe seja reativado em ano eleitoral, mesmo tendo apresentado tantos problemas na estrutura

Publicidade

Publicidade