Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Brasil
Witzel critica Bolsonaro e diz que continuará seguindo isolamento

Governadores, deputados e senadores condenam pronunciamento do presidente

Quarta, 25/3/2020 7:53.

Publicidade

Fábio Grellet
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), que há meses troca farpas com o presidente Jair Bolsonaro, divulgou um curto vídeo em que comenta o pronunciamento do presidente em cadeia nacional de rádio e TV, na noite desta terça-feira (24). Ao longo de apenas 20 segundos, Witzel afirmou que Bolsonaro "contraria as determinações da Organização Mundial da Saúde" e diz: "nós continuaremos firmes, seguindo as orientações médicas e preservando vidas". Por fim, Wilson Witzel faz um apelo: "eu peço a você que, por favor, fique em casa". Ao lado, no vídeo estava o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, que permaneceu calado durante o pronunciamento do governador.

Governadores, deputados e senadores condenam pronunciamento do presidente

Daniel Galvão
O pronunciamento nacional de rádio e televisão feito pelo presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira (24) foi recebido por uma série de críticas de políticos no Twitter. No discurso, Bolsonaro criticou a quarentena imposta por Estados pelo coronavírus e defendeu a volta do País à "normalidade".

Para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), apontado como possível adversário de Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais, o pronunciamento "mostra que há poucas esperanças" de que o presidente "possa exercer com responsabilidade e eficiência a Presidência da República". "Os danos são imprevisíveis e gravíssimos", criticou. Dino anunciou também que manterá no Maranhão "todas as providências preventivas e de cuidado em face do coronavírus".

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou que Bolsonaro é "desconectado das orientações dos cientistas do mundo e das ações do Ministério da Saúde". Casagrande afirmou que o presidente "confunde a sociedade, atrapalha o trabalho nos Estados e municípios, menospreza os efeitos da Pandemia". "Mostra que estamos sem direção", tuitou.

A líder do PSL na Câmara e ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (SP), chamou o presidente de "irresponsável, inconsequente e insensível" e que ele "erra e se orgulha do erro estúpido". "Em relação ao pronunciamento do PR sobre o CORONAVÍRUS concluo: @jairbolsonaro foi IRRESPONSÁVEL, INCONSEQUENTE E INSENSÍVEL! O Brasil precisa de um LÍDER com sanidade mental. Todas as chances que o PR teve de acertar ele mesmo jogou fora. ERRA E SE ORGULHA DO ERRO ESTÚPIDO", publicou.

A deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) afirmou que o discurso foi "gravíssimo" e põe "todo o País em risco" . O deputado David Miranda (PSOL-RJ) afirmou que o discurso "impõe uma tarefa de sobrevivência a todos". "É uma questão de vida ou morte derrubá-lo. É tirar Bolsonaro para salvar o País", afirmou.

Para o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), a fala foi "uma calamidade política, desrespeita orientações da comunidade científica, das ações do ministro da Saúde, do planeta".

O deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) disse que o pronunciamento presidencial foi "uma postura irresponsável num momento que exige seriedade máxima". O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), tuitou que Bolsonaro "passou de todos os limites" e que "agora é hora de o Congresso agir".

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) escreveu que Bolsonaro, "com suas palavras irresponsáveis, demonstra total desprezo por quem pode morrer". O senador Angelo Coronel (PSD-BA) escreveu que Bolsonaro "está brincando com a saúde do povo brasileiro".

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse que o presidente "poderia ter usado o pronunciamento desta noite para tentar restaurar sua legitimidade no cargo", mas que "perdeu a oportunidade". "Esse governo chegou ao fim. Não tem mais salvação", tuitou.

O ex-prefeito de São Paulo e adversário de Bolsonaro nas últimas eleições, Fernando Haddad (PT), escreveu num tuíte que o presidente "apostou milhares de vidas e a própria Presidência nesse pronunciamento". "Qualquer que seja o desfecho, vai custar caro ao País", apontou.

Ex-candidato a presidente nas mesmas eleições, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos declarou que Bolsonaro não apresentou nenhuma nova medida no pronunciamento. "O Brasil é governado por um homem perturbado com teorias da conspiração, mas que agora ameaça criminalmente a vida de milhões de pessoas", escreveu.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Witzel critica Bolsonaro e diz que continuará seguindo isolamento

Governadores, deputados e senadores condenam pronunciamento do presidente

Publicidade

Quarta, 25/3/2020 7:53.

Fábio Grellet
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), que há meses troca farpas com o presidente Jair Bolsonaro, divulgou um curto vídeo em que comenta o pronunciamento do presidente em cadeia nacional de rádio e TV, na noite desta terça-feira (24). Ao longo de apenas 20 segundos, Witzel afirmou que Bolsonaro "contraria as determinações da Organização Mundial da Saúde" e diz: "nós continuaremos firmes, seguindo as orientações médicas e preservando vidas". Por fim, Wilson Witzel faz um apelo: "eu peço a você que, por favor, fique em casa". Ao lado, no vídeo estava o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, que permaneceu calado durante o pronunciamento do governador.

Governadores, deputados e senadores condenam pronunciamento do presidente

Daniel Galvão
O pronunciamento nacional de rádio e televisão feito pelo presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira (24) foi recebido por uma série de críticas de políticos no Twitter. No discurso, Bolsonaro criticou a quarentena imposta por Estados pelo coronavírus e defendeu a volta do País à "normalidade".

Para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), apontado como possível adversário de Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais, o pronunciamento "mostra que há poucas esperanças" de que o presidente "possa exercer com responsabilidade e eficiência a Presidência da República". "Os danos são imprevisíveis e gravíssimos", criticou. Dino anunciou também que manterá no Maranhão "todas as providências preventivas e de cuidado em face do coronavírus".

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou que Bolsonaro é "desconectado das orientações dos cientistas do mundo e das ações do Ministério da Saúde". Casagrande afirmou que o presidente "confunde a sociedade, atrapalha o trabalho nos Estados e municípios, menospreza os efeitos da Pandemia". "Mostra que estamos sem direção", tuitou.

A líder do PSL na Câmara e ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (SP), chamou o presidente de "irresponsável, inconsequente e insensível" e que ele "erra e se orgulha do erro estúpido". "Em relação ao pronunciamento do PR sobre o CORONAVÍRUS concluo: @jairbolsonaro foi IRRESPONSÁVEL, INCONSEQUENTE E INSENSÍVEL! O Brasil precisa de um LÍDER com sanidade mental. Todas as chances que o PR teve de acertar ele mesmo jogou fora. ERRA E SE ORGULHA DO ERRO ESTÚPIDO", publicou.

A deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) afirmou que o discurso foi "gravíssimo" e põe "todo o País em risco" . O deputado David Miranda (PSOL-RJ) afirmou que o discurso "impõe uma tarefa de sobrevivência a todos". "É uma questão de vida ou morte derrubá-lo. É tirar Bolsonaro para salvar o País", afirmou.

Para o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), a fala foi "uma calamidade política, desrespeita orientações da comunidade científica, das ações do ministro da Saúde, do planeta".

O deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) disse que o pronunciamento presidencial foi "uma postura irresponsável num momento que exige seriedade máxima". O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), tuitou que Bolsonaro "passou de todos os limites" e que "agora é hora de o Congresso agir".

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) escreveu que Bolsonaro, "com suas palavras irresponsáveis, demonstra total desprezo por quem pode morrer". O senador Angelo Coronel (PSD-BA) escreveu que Bolsonaro "está brincando com a saúde do povo brasileiro".

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse que o presidente "poderia ter usado o pronunciamento desta noite para tentar restaurar sua legitimidade no cargo", mas que "perdeu a oportunidade". "Esse governo chegou ao fim. Não tem mais salvação", tuitou.

O ex-prefeito de São Paulo e adversário de Bolsonaro nas últimas eleições, Fernando Haddad (PT), escreveu num tuíte que o presidente "apostou milhares de vidas e a própria Presidência nesse pronunciamento". "Qualquer que seja o desfecho, vai custar caro ao País", apontou.

Ex-candidato a presidente nas mesmas eleições, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos declarou que Bolsonaro não apresentou nenhuma nova medida no pronunciamento. "O Brasil é governado por um homem perturbado com teorias da conspiração, mas que agora ameaça criminalmente a vida de milhões de pessoas", escreveu.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade