Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Reforma da Previdência combate a desigualdade e acelera crescimento, diz Armínio Fraga
Arquivo JP3/Folhapress.

Quinta, 25/4/2019 16:35.

FERNANDO CANZIAN
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Reformar a Previdência é uma das condições para reequilibrar as contas públicas e, de quebra, atacar a desigualdade de renda no Brasil. Para diminuir a disparidade entre ricos e pobres, no entanto, o país precisa também de uma agenda que inclua a reforma do Estado.

A opinião é do economista e ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga. Em seminário sobre a desigualdade social brasileira no Instituto Fernando Henrique Cardoso nesta quinta (25), ele defendeu que o combate às disparidades de renda é fundamental também para acelerar o crescimento econômico.

Fraga afirma que a desigualdade no Brasil é uma espécie de "veneno" em função de sua origem, calcada na escravidão.

Outras causas mais contemporâneas seriam a falta de foco na educação; o patrimonialismo de Estado, onde não há distinção entre o público e o privado; a falta de concorrência empresarial; e a existência de instituições "excludentes", que favorecem pequenos grupos.

Fraga afirma que é necessário ao país eliminar o que chamou de "captura do Estado" por esses grupos de interesse.

Eles se apropriariam de recursos públicos via empréstimos subsidiados do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), por meio de contratos com o setor estatal e pela via da desoneração de impostos que favorecem empresas e setores.

O economista defendeu ainda uma reforma tributária que diminua o peso de impostos sobre salários e que aumente ou crie alíquotas para ganhos financeiros.

Fraga disse que o Estado deve ter um papel fundamental no combate às desigualdades e que, no caso brasileiro, a Constituição de 1988 foi nesse caminho ao universalizar o atendimento de saúde e educação.

Os governos FHC (1995-2002), no qual Fraga participou como presidente do Banco Central, também teriam adotado políticas para minimizar os efeitos da desigualdade; e elas teriam sido continuadas nos governos Lula (2003-2010).

Questionado se vê chances de o governo Jair Bolsonaro (PSL) tocar uma agenda de reformas que ataque diretamente a questão da desigualdade, Fraga disse que elas são "baixíssimas".

Para o ex-presidente FHC, fazer reformas como a da Previdência ou do Estado é sempre muito difícil, já que grupos ameaçados tentarão repassar eventuais perdas para os demais.

Mas ele ponderou que o país tem avançado ao longo dos últimos anos -e que isso pode continuar ocorrendo. "É sempre mais fácil fazer mudanças em períodos de abundância. Mas nós só mudamos na crise", disse. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Reforma da Previdência combate a desigualdade e acelera crescimento, diz Armínio Fraga

Arquivo JP3/Folhapress.

Publicidade

Quinta, 25/4/2019 16:35.

FERNANDO CANZIAN
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Reformar a Previdência é uma das condições para reequilibrar as contas públicas e, de quebra, atacar a desigualdade de renda no Brasil. Para diminuir a disparidade entre ricos e pobres, no entanto, o país precisa também de uma agenda que inclua a reforma do Estado.

A opinião é do economista e ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga. Em seminário sobre a desigualdade social brasileira no Instituto Fernando Henrique Cardoso nesta quinta (25), ele defendeu que o combate às disparidades de renda é fundamental também para acelerar o crescimento econômico.

Fraga afirma que a desigualdade no Brasil é uma espécie de "veneno" em função de sua origem, calcada na escravidão.

Outras causas mais contemporâneas seriam a falta de foco na educação; o patrimonialismo de Estado, onde não há distinção entre o público e o privado; a falta de concorrência empresarial; e a existência de instituições "excludentes", que favorecem pequenos grupos.

Fraga afirma que é necessário ao país eliminar o que chamou de "captura do Estado" por esses grupos de interesse.

Eles se apropriariam de recursos públicos via empréstimos subsidiados do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), por meio de contratos com o setor estatal e pela via da desoneração de impostos que favorecem empresas e setores.

O economista defendeu ainda uma reforma tributária que diminua o peso de impostos sobre salários e que aumente ou crie alíquotas para ganhos financeiros.

Fraga disse que o Estado deve ter um papel fundamental no combate às desigualdades e que, no caso brasileiro, a Constituição de 1988 foi nesse caminho ao universalizar o atendimento de saúde e educação.

Os governos FHC (1995-2002), no qual Fraga participou como presidente do Banco Central, também teriam adotado políticas para minimizar os efeitos da desigualdade; e elas teriam sido continuadas nos governos Lula (2003-2010).

Questionado se vê chances de o governo Jair Bolsonaro (PSL) tocar uma agenda de reformas que ataque diretamente a questão da desigualdade, Fraga disse que elas são "baixíssimas".

Para o ex-presidente FHC, fazer reformas como a da Previdência ou do Estado é sempre muito difícil, já que grupos ameaçados tentarão repassar eventuais perdas para os demais.

Mas ele ponderou que o país tem avançado ao longo dos últimos anos -e que isso pode continuar ocorrendo. "É sempre mais fácil fazer mudanças em períodos de abundância. Mas nós só mudamos na crise", disse. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade