Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Aliados e oposição criticam sigilo em estudos sobre reforma da Previdência
Photo Premium/Folhapress.
Janaina Paschoal (PSL-SP) diz que é preciso clareza.

Segunda, 22/4/2019 5:33.

GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A decretação de sigilo sobre estudos e pareceres técnicos que embasaram a proposta da reforma da Previdência foi criticada tanto por parlamentares de oposição como por aliados do Palácio do Planalto.

Neste domingo (21), a Folha de S.Paulo revelou que o Ministério da Economia classificou com nível de acesso restrito argumentos, estatísticas, dados econômicos e sociais que sustentam o texto em tramitação no Legislativo.

A decisão de blindar os documentos consta de resposta da pasta a um pedido da Folha de S.Paulo para consultá-los, formulado com base na Lei de Acesso à Informação.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) disse que a medida contraria a Constituição e anunciou que acionará a Justiça para garantir o direito à transparência.

"Todos temos o direito de saber, de entender e de debater dados. Por isso, acionarei o Judiciário para garantir o nosso direito: transparência", afirmou.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o sigilo demonstra que a verdade é "a real inimiga deste governo".

A medida foi criticada até por integrantes do partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL. Para o deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP), o nível de restrição é "ridículo" e não há motivo para omitir as informações.

"Se eles foram a base de um grande projeto, deveriam ser públicos. Não há nada para esconder. Ou há?", questionou.

Já a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) escreveu nas redes sociais que o governo erra com a decisão, uma vez que a publicidade deve ser regra na gestão pública.

"A reforma da Previdência será a maior reforma social dos próximos tempos. Quanto mais clareza em torno dela, melhor", ressaltou.

Adversário de Bolsonaro na campanha presidencial, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, do PT, criticou o que considerou uma posição conflitante do presidente em relação à liberdade de imprensa,

"Bolsonaro defendeu liberdade de imprensa contra o STF (Supremo Tribunal Federal), mas nega acesso a estudos do governo que embasam a reforma da Previdência", disse o petista.

Em linha semelhante, Ciro Gomes, candidato derrotado do PDT à Presidência nas eleições passadas, classificou o sigilo como "absurdo" e disse que o governo "quer excluir a população de suas decisões".

"Qual o motivo para esconder? Será que eles realmente fizeram os cálculos? O que o governo não quer mostrar?", questionou.

Na prática, a decisão do governo significa que só servidores e autoridades públicas, devidamente autorizados, podem acessar as informações.

A resistência do governo em apresentar levantamentos relativos à reforma tem irritado congressistas.

A proposta aguarda apreciação pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na Câmara dos Deputados.

O governo tentou, sem sucesso, votá-la na quarta-feira (17). O tema será retomado nesta semana. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Justiça

MP diz que aluguel de totens de segurança causou prejuízo ao erário


Geral

Evento será nessa sexta (24) e sábado (25)


Cultura

 André Gevaerd quer trazer eventos de diversas áreas para a cidade


Cultura

Livro “Camboriú e Balneário e Camboriú – a história das duas cidades” em nova versão


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Aliados e oposição criticam sigilo em estudos sobre reforma da Previdência

Photo Premium/Folhapress.
Janaina Paschoal (PSL-SP) diz que é preciso clareza.
Janaina Paschoal (PSL-SP) diz que é preciso clareza.

Publicidade

Segunda, 22/4/2019 5:33.

GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A decretação de sigilo sobre estudos e pareceres técnicos que embasaram a proposta da reforma da Previdência foi criticada tanto por parlamentares de oposição como por aliados do Palácio do Planalto.

Neste domingo (21), a Folha de S.Paulo revelou que o Ministério da Economia classificou com nível de acesso restrito argumentos, estatísticas, dados econômicos e sociais que sustentam o texto em tramitação no Legislativo.

A decisão de blindar os documentos consta de resposta da pasta a um pedido da Folha de S.Paulo para consultá-los, formulado com base na Lei de Acesso à Informação.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) disse que a medida contraria a Constituição e anunciou que acionará a Justiça para garantir o direito à transparência.

"Todos temos o direito de saber, de entender e de debater dados. Por isso, acionarei o Judiciário para garantir o nosso direito: transparência", afirmou.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o sigilo demonstra que a verdade é "a real inimiga deste governo".

A medida foi criticada até por integrantes do partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL. Para o deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP), o nível de restrição é "ridículo" e não há motivo para omitir as informações.

"Se eles foram a base de um grande projeto, deveriam ser públicos. Não há nada para esconder. Ou há?", questionou.

Já a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) escreveu nas redes sociais que o governo erra com a decisão, uma vez que a publicidade deve ser regra na gestão pública.

"A reforma da Previdência será a maior reforma social dos próximos tempos. Quanto mais clareza em torno dela, melhor", ressaltou.

Adversário de Bolsonaro na campanha presidencial, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, do PT, criticou o que considerou uma posição conflitante do presidente em relação à liberdade de imprensa,

"Bolsonaro defendeu liberdade de imprensa contra o STF (Supremo Tribunal Federal), mas nega acesso a estudos do governo que embasam a reforma da Previdência", disse o petista.

Em linha semelhante, Ciro Gomes, candidato derrotado do PDT à Presidência nas eleições passadas, classificou o sigilo como "absurdo" e disse que o governo "quer excluir a população de suas decisões".

"Qual o motivo para esconder? Será que eles realmente fizeram os cálculos? O que o governo não quer mostrar?", questionou.

Na prática, a decisão do governo significa que só servidores e autoridades públicas, devidamente autorizados, podem acessar as informações.

A resistência do governo em apresentar levantamentos relativos à reforma tem irritado congressistas.

A proposta aguarda apreciação pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na Câmara dos Deputados.

O governo tentou, sem sucesso, votá-la na quarta-feira (17). O tema será retomado nesta semana. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade