Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Um terço dos brasileiros desconhece crise na Venezuela, aponta Datafolha
EBC.
Nicolás Maduro, ditador da Venezuela.

Sábado, 13/4/2019 7:12.

SYLVIA COLOMBO
BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Num dos momentos mais críticos da crise venezuelana, que vem se arrastando e piorando nos últimos anos, 65% dos brasileiros adultos dizem ter tomado conhecimento sobre a situação do país vizinho. Entre estes, 54% são contra uma eventual participação militar do Brasil na tentativa de derrubar a ditadura de Nicolás Maduro.

Apesar de a intervenção estrangeira ser uma hipótese não defendida abertamente pelos governos da América Latina, da Europa nem dos EUA, ela passou a ser sugerida entre as "opções que estão sobre a mesa" nos discursos dos governos americano e brasileiro.

Mesmo o líder opositor, Juan Guaidó, já recorreu à expressão em suas declarações. Ele preside Assembleia Nacional, único órgão considerado legitimamente eleito no país pela comunidade internacional.

Em visita a Buenos Aires nesta semana, o chanceler Ernesto Araújo disse à Folha de S.Paulo estar "convicto de que a pressão internacional será suficiente para a queda de Maduro".

Mas na segunda (8) o presidente Jair Bolsonaro disse que a "vanguarda" de uma possível intervenção seria dos EUA e que caberia a ele decidir sobre a entrada do Brasil, embora consultando o Congresso antes.

Maduro tomou posse em 10 de janeiro, após vencer eleições consideradas altamente irregulares, em maio de 2018. Nelas, não havia observadores internacionais nem participação da oposição.

A Assembleia Nacional decidiu então declarar o cargo de presidente vago e passou a chamar Maduro de "usurpador". Na sequência, em 23 de janeiro, Guaidó, seguindo a letra da Constituição, juramentou-se como presidente encarregado (descrito desta forma na Carta) e passou a fazer campanha dentro e fora do país para que Maduro deixe o poder.

Desde então, o ditador e Guaidó disputam o apoio dos venezuelanos e da comunidade internacional. Enquanto o opositor é reconhecido por mais de 50 países, entre eles Brasil e EUA, Maduro se apoia em Rússia, China, Bolívia, Irã e outros.

Dentro da Venezuela, Guaidó tem lotado praças e avenidas em seus comícios e marchas. A ditadura tem tentado fazer o mesmo, mas a presença é nitidamente menor.

Ambos disputam também o apoio das Forças Armadas, consideradas essenciais para a manutenção de Maduro no poder. Apesar das mais de mil deserções dos últimos meses, maioria é de oficiais de baixa patente, que estão agora no Brasil e na Colômbia.

"A alta cúpula dos generais ainda têm muito a perder com a queda de Maduro, pois se beneficiam dos negócios lícitos e ilícitos do Estado", disse à reportagem a pesquisadora Cynthia Arnson, do Wilson Center de Washington.

Segundo o Datafolha, o apoio a uma intervenção militar com o apoio do Brasil teria 54% de oposição dos brasileiros.

Entre os mais velhos, o número de rejeição sobe para 62%. Já 43% são favoráveis, cifra que é mais elevada entre jovens, subindo para 53%.

É alta a taxa daqueles que afirmam não ter conhecimento do que ocorre na Venezuela –35%, ou seja, um terço da população. Entre os 65% que têm conhecimento, o índice mais alto está entre os mais instruídos (89%), os mais ricos (89%) e os moradores da região Sul (76%).

Outro tema delicado ligado ao vizinho é a diáspora dos venezuelanos, que deixam o país por conta da crise humanitária. Apesar de o Brasil não estar entre os que mais recebem refugiados (Colômbia, Peru e Chile lideram), ainda assim essa cifra é crescente em território brasileiro.

De acordo com a pesquisa, dois em cada três (ou seja, 68%) brasileiros entre os que têm conhecimento do problema são favoráveis a que o Brasil receba refugiados venezuelanos, enquanto 27% são contrários, 2% são indiferentes e 2% não opinaram.

O índice dos que são favoráveis é mais alto entre a população mais jovem (77%) e entre os mais instruídos (79%). Porém, entre os mais velhos, são observados os índices mais altos de rejeição (36%), o mesmo ocorrendo entre os menos instruídos (37%).

A pesquisa, realizada em 2 e 3 de abril, entrevistou 2.086 pessoas, em 130 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Foram ouvidos apenas brasileiros com mais de 16 anos. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Justiça

MP diz que aluguel de totens de segurança causou prejuízo ao erário


Geral

Evento será nessa sexta (24) e sábado (25)


Cultura

 André Gevaerd quer trazer eventos de diversas áreas para a cidade


Cultura

Livro “Camboriú e Balneário e Camboriú – a história das duas cidades” em nova versão


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Um terço dos brasileiros desconhece crise na Venezuela, aponta Datafolha

EBC.
Nicolás Maduro, ditador da Venezuela.
Nicolás Maduro, ditador da Venezuela.

Publicidade

Sábado, 13/4/2019 7:12.

SYLVIA COLOMBO
BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Num dos momentos mais críticos da crise venezuelana, que vem se arrastando e piorando nos últimos anos, 65% dos brasileiros adultos dizem ter tomado conhecimento sobre a situação do país vizinho. Entre estes, 54% são contra uma eventual participação militar do Brasil na tentativa de derrubar a ditadura de Nicolás Maduro.

Apesar de a intervenção estrangeira ser uma hipótese não defendida abertamente pelos governos da América Latina, da Europa nem dos EUA, ela passou a ser sugerida entre as "opções que estão sobre a mesa" nos discursos dos governos americano e brasileiro.

Mesmo o líder opositor, Juan Guaidó, já recorreu à expressão em suas declarações. Ele preside Assembleia Nacional, único órgão considerado legitimamente eleito no país pela comunidade internacional.

Em visita a Buenos Aires nesta semana, o chanceler Ernesto Araújo disse à Folha de S.Paulo estar "convicto de que a pressão internacional será suficiente para a queda de Maduro".

Mas na segunda (8) o presidente Jair Bolsonaro disse que a "vanguarda" de uma possível intervenção seria dos EUA e que caberia a ele decidir sobre a entrada do Brasil, embora consultando o Congresso antes.

Maduro tomou posse em 10 de janeiro, após vencer eleições consideradas altamente irregulares, em maio de 2018. Nelas, não havia observadores internacionais nem participação da oposição.

A Assembleia Nacional decidiu então declarar o cargo de presidente vago e passou a chamar Maduro de "usurpador". Na sequência, em 23 de janeiro, Guaidó, seguindo a letra da Constituição, juramentou-se como presidente encarregado (descrito desta forma na Carta) e passou a fazer campanha dentro e fora do país para que Maduro deixe o poder.

Desde então, o ditador e Guaidó disputam o apoio dos venezuelanos e da comunidade internacional. Enquanto o opositor é reconhecido por mais de 50 países, entre eles Brasil e EUA, Maduro se apoia em Rússia, China, Bolívia, Irã e outros.

Dentro da Venezuela, Guaidó tem lotado praças e avenidas em seus comícios e marchas. A ditadura tem tentado fazer o mesmo, mas a presença é nitidamente menor.

Ambos disputam também o apoio das Forças Armadas, consideradas essenciais para a manutenção de Maduro no poder. Apesar das mais de mil deserções dos últimos meses, maioria é de oficiais de baixa patente, que estão agora no Brasil e na Colômbia.

"A alta cúpula dos generais ainda têm muito a perder com a queda de Maduro, pois se beneficiam dos negócios lícitos e ilícitos do Estado", disse à reportagem a pesquisadora Cynthia Arnson, do Wilson Center de Washington.

Segundo o Datafolha, o apoio a uma intervenção militar com o apoio do Brasil teria 54% de oposição dos brasileiros.

Entre os mais velhos, o número de rejeição sobe para 62%. Já 43% são favoráveis, cifra que é mais elevada entre jovens, subindo para 53%.

É alta a taxa daqueles que afirmam não ter conhecimento do que ocorre na Venezuela –35%, ou seja, um terço da população. Entre os 65% que têm conhecimento, o índice mais alto está entre os mais instruídos (89%), os mais ricos (89%) e os moradores da região Sul (76%).

Outro tema delicado ligado ao vizinho é a diáspora dos venezuelanos, que deixam o país por conta da crise humanitária. Apesar de o Brasil não estar entre os que mais recebem refugiados (Colômbia, Peru e Chile lideram), ainda assim essa cifra é crescente em território brasileiro.

De acordo com a pesquisa, dois em cada três (ou seja, 68%) brasileiros entre os que têm conhecimento do problema são favoráveis a que o Brasil receba refugiados venezuelanos, enquanto 27% são contrários, 2% são indiferentes e 2% não opinaram.

O índice dos que são favoráveis é mais alto entre a população mais jovem (77%) e entre os mais instruídos (79%). Porém, entre os mais velhos, são observados os índices mais altos de rejeição (36%), o mesmo ocorrendo entre os menos instruídos (37%).

A pesquisa, realizada em 2 e 3 de abril, entrevistou 2.086 pessoas, em 130 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Foram ouvidos apenas brasileiros com mais de 16 anos. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade