Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Brasil
Líderes 'radicais' de caminhoneiros racham sobre exigir a renúncia de Temer

Terça, 29/5/2018 16:11.
O Tempo/Folhapress.

Publicidade

RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Vídeos que circulam em aplicativos de telefone e redes sociais nesta terça-feira (29) mostram que um dos grupos considerados pelo Planalto mais radicais na paralisação dos caminhoneiros se dividiu, com alguns pedindo a queda do presidente Michel Temer e outros se dissociando dessa bandeira. A liderança de um desses grupos rachou, com um dos motoristas dizendo que não reconhece a liderança de um ex-parceiro.

A maior cisão ocorre entre Wallace Landim, o "Chorão", motorista de Catalão (GO) que se diz filiado ao Podemos, e o advogado André Janones, de Ituiutaba (MG), ex-candidato a prefeito pelo conservador PSC (Partido Social Cristão). Até esta segunda-feira (29), eles integravam um mesmo grupo, com uma página na internet com milhões de visualizações e compartilhamentos. Nos vídeos, eles gritavam contra Temer e a Rede Globo. Nas últimas horas, contudo, Janones direcionou seu discurso para a queda de Temer. Ele havia dito à reportagem que fundara um "novo movimento", de "Fora Temer". Contudo, a confirmação de Janones de que ele foi filiado ao PT por quase nove anos, de 2003 a 2012, gerou uma onda de críticas de caminhoneiros e levou "Chorão" a gravar um vídeo na manhã desta terça-feira. O motorista está em Brasília tentando uma audiência com representantes do governo federal, apoiado por
um deputado do Rio, Cabo Daciolo (Patriotas), bombeiro licenciado.

No vídeo, "Chorão" afirmou que não concorda com a bandeira de destituição do presidente: "Eu vou dizer para vocês, a mídia está dizendo aí que é 'Fora Temer', que é isso e aquilo. Eu não tô nem aí com 'Fora Temer', eu não tô nem aí com sigla partidária, negócio de PT. Colocaram que eu tô associado com um tal de André aí. Chamamos ele sim porque ele era seguidor de uma página".
Contudo, desde o início da paralisação, na semana passada, "Chorão" e Janones aparecem juntos em diversos vídeos, conclamando motoristas a participarem do protesto.

Ainda na manhã de hoje, um outro vídeo começou a circular com ataques a "Chorão". Um caminhoneiro que disse estar em um bloqueio na rodovia BR-232 pediu que sua mensagem circulasse até chegar ao motorista. "Assistimos um vídeo e entendemos que o 'Chorão' praticamente está querendo vender a greve. [...] A pergunta é: você está com a gente ou não está? [...] [Estamos] sofrendo aqui com um único objetivo, que é mudar a história do Brasil. Se você não fizer parte dessa classe tão sofrida, é melhor você sair fora".

O vídeo de fato chegou a "Chorão". Em uma resposta postada às 13h00 desta terça-feira, "Chorão" reagiu com xingamentos às críticas do caminhoneiro. "Vendido é a puta que pariu. Nós estamos aqui brigando para consertar a cagada que esses caras fez [referência a líderes de associações de caminhoneiros que fizeram acordo com o governo]. Vocês não sabem o que falam, não. Agora, vendido? Eu morro mas eu morro com a minha categoria, junto com os meus companheiros que estão na beira da estrada".

O vídeo foi feito em um gabinete não identificado em Brasília. O autor da gravação dirigiu a câmera para outro líder do mesmo grupo, identificado como "Júnior". Ele contou que seu grupo não consegue ser atendido por autoridades. "O problema é o seguinte, nós estamos sendo massacrados. É a primeira vez que nós estamos participando aqui, nós somos um grãozinho de areia dentro desse jogo. Nós não temos voz ativa e precisamos que nossa voz seja ouvida."

Em três vídeos postados em redes sociais nesta terça-feira, "Chorão" exortou os caminhoneiros a permanecerem nos bloqueios, disse que o movimento não acabou, mas estaria perto do fim. "Eu quero dizer ao pessoal de todos os lugares que estão mobilizados, fique firme, fique duro, não abre não. Principalmente o pessoal de Rondonópolis, Ouro Preto e Vilhena, Rondônia. Fique firme aí, pessoal, nós vamos conseguir, falta pouco."

"Chorão" disse que sua meta em Brasília é se reunir com o presidente Michel Temer "ou um ministro, esse Barun, Marun". Segundo ele, seu o plano é fazer uma transmissão ao vivo do encontro, pela internet. "Na hora que a gente sentar com o presidente da República, com o ministro, nós vamos [fazer] um vídeo ao vivo, para todo o Brasil ver o que está sendo acordado. Esquece que sindicato, federação, não nos representa. Se quiser fazer reunião tem que ser ao vivo, para todo o Brasil ver. Então para de cachorrice. Já vamos para o nono dia de paralisação.

"Vocês, o governo, está querendo o caos. O que está acontecendo? Pelo amor de Deus. Não abre, não, só abre quando falar para vocês. Não é que nós estamos querendo confrontar o governo, não", apelou "Chorão" aos seus seguidores.

Também em Brasília, o advogado André Janones seguiu postando em sua página ataques a Michel Temer e pedidos de sua destituição, agora sem aparecer ao lado de "Chorão". Sua página tem 681 mil seguidores. Na segunda-feira, a Folha já havia notado que eles estavam separados, mas Janones desconversou, dizendo que ainda não tivera a oportunidade de se encontrar com "Chorão" na capital. Em um vídeo postado no início da tarde, Janones convocou protestos de rua com ataques a Temer.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
O Tempo/Folhapress.

Líderes 'radicais' de caminhoneiros racham sobre exigir a renúncia de Temer

Publicidade

Terça, 29/5/2018 16:11.

RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Vídeos que circulam em aplicativos de telefone e redes sociais nesta terça-feira (29) mostram que um dos grupos considerados pelo Planalto mais radicais na paralisação dos caminhoneiros se dividiu, com alguns pedindo a queda do presidente Michel Temer e outros se dissociando dessa bandeira. A liderança de um desses grupos rachou, com um dos motoristas dizendo que não reconhece a liderança de um ex-parceiro.

A maior cisão ocorre entre Wallace Landim, o "Chorão", motorista de Catalão (GO) que se diz filiado ao Podemos, e o advogado André Janones, de Ituiutaba (MG), ex-candidato a prefeito pelo conservador PSC (Partido Social Cristão). Até esta segunda-feira (29), eles integravam um mesmo grupo, com uma página na internet com milhões de visualizações e compartilhamentos. Nos vídeos, eles gritavam contra Temer e a Rede Globo. Nas últimas horas, contudo, Janones direcionou seu discurso para a queda de Temer. Ele havia dito à reportagem que fundara um "novo movimento", de "Fora Temer". Contudo, a confirmação de Janones de que ele foi filiado ao PT por quase nove anos, de 2003 a 2012, gerou uma onda de críticas de caminhoneiros e levou "Chorão" a gravar um vídeo na manhã desta terça-feira. O motorista está em Brasília tentando uma audiência com representantes do governo federal, apoiado por
um deputado do Rio, Cabo Daciolo (Patriotas), bombeiro licenciado.

No vídeo, "Chorão" afirmou que não concorda com a bandeira de destituição do presidente: "Eu vou dizer para vocês, a mídia está dizendo aí que é 'Fora Temer', que é isso e aquilo. Eu não tô nem aí com 'Fora Temer', eu não tô nem aí com sigla partidária, negócio de PT. Colocaram que eu tô associado com um tal de André aí. Chamamos ele sim porque ele era seguidor de uma página".
Contudo, desde o início da paralisação, na semana passada, "Chorão" e Janones aparecem juntos em diversos vídeos, conclamando motoristas a participarem do protesto.

Ainda na manhã de hoje, um outro vídeo começou a circular com ataques a "Chorão". Um caminhoneiro que disse estar em um bloqueio na rodovia BR-232 pediu que sua mensagem circulasse até chegar ao motorista. "Assistimos um vídeo e entendemos que o 'Chorão' praticamente está querendo vender a greve. [...] A pergunta é: você está com a gente ou não está? [...] [Estamos] sofrendo aqui com um único objetivo, que é mudar a história do Brasil. Se você não fizer parte dessa classe tão sofrida, é melhor você sair fora".

O vídeo de fato chegou a "Chorão". Em uma resposta postada às 13h00 desta terça-feira, "Chorão" reagiu com xingamentos às críticas do caminhoneiro. "Vendido é a puta que pariu. Nós estamos aqui brigando para consertar a cagada que esses caras fez [referência a líderes de associações de caminhoneiros que fizeram acordo com o governo]. Vocês não sabem o que falam, não. Agora, vendido? Eu morro mas eu morro com a minha categoria, junto com os meus companheiros que estão na beira da estrada".

O vídeo foi feito em um gabinete não identificado em Brasília. O autor da gravação dirigiu a câmera para outro líder do mesmo grupo, identificado como "Júnior". Ele contou que seu grupo não consegue ser atendido por autoridades. "O problema é o seguinte, nós estamos sendo massacrados. É a primeira vez que nós estamos participando aqui, nós somos um grãozinho de areia dentro desse jogo. Nós não temos voz ativa e precisamos que nossa voz seja ouvida."

Em três vídeos postados em redes sociais nesta terça-feira, "Chorão" exortou os caminhoneiros a permanecerem nos bloqueios, disse que o movimento não acabou, mas estaria perto do fim. "Eu quero dizer ao pessoal de todos os lugares que estão mobilizados, fique firme, fique duro, não abre não. Principalmente o pessoal de Rondonópolis, Ouro Preto e Vilhena, Rondônia. Fique firme aí, pessoal, nós vamos conseguir, falta pouco."

"Chorão" disse que sua meta em Brasília é se reunir com o presidente Michel Temer "ou um ministro, esse Barun, Marun". Segundo ele, seu o plano é fazer uma transmissão ao vivo do encontro, pela internet. "Na hora que a gente sentar com o presidente da República, com o ministro, nós vamos [fazer] um vídeo ao vivo, para todo o Brasil ver o que está sendo acordado. Esquece que sindicato, federação, não nos representa. Se quiser fazer reunião tem que ser ao vivo, para todo o Brasil ver. Então para de cachorrice. Já vamos para o nono dia de paralisação.

"Vocês, o governo, está querendo o caos. O que está acontecendo? Pelo amor de Deus. Não abre, não, só abre quando falar para vocês. Não é que nós estamos querendo confrontar o governo, não", apelou "Chorão" aos seus seguidores.

Também em Brasília, o advogado André Janones seguiu postando em sua página ataques a Michel Temer e pedidos de sua destituição, agora sem aparecer ao lado de "Chorão". Sua página tem 681 mil seguidores. Na segunda-feira, a Folha já havia notado que eles estavam separados, mas Janones desconversou, dizendo que ainda não tivera a oportunidade de se encontrar com "Chorão" na capital. Em um vídeo postado no início da tarde, Janones convocou protestos de rua com ataques a Temer.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade